Tecidos epiteliais de revestimento



Baixar 24.11 Kb.
Encontro15.12.2017
Tamanho24.11 Kb.


CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS E FUNCIONAIS DOS

TECIDOS EPITELIAIS DE REVESTIMENTO

Daniel Uchôa Araújo (Bolsista);

Gilmar Mamede de Carvalho (Bolsista);

Victor Egypto Pereira (Bolsista);

Tatiana Faria Macedo Bezerra (Professora Orientadora);

Andressa Feitosa Bezerra de Oliveira (Professor Colaborador);

CCS/DM/ Monitoria;

INTRODUÇÃO

A histologia é uma ciência de fundamental importância, pois fornece uma base para a compreensão da fisiologia e patologia, possibilitando que os conhecimentos adquiridos sejam correlacionados as diversas aplicações clínicas e desse modo contribuindo para a formação profissional do aluno da área de saúde.

Apesar de uma grande variedade, os epitélios têm características morfofuncionais comuns como: presença de celulas justapostas, morfologia variada, presença de inervação, ausência de vascularização sanguínea e linfática, presença de lâmina basal entre o epitélio e o conjuntivo ao redor, nutrição por difusão através da lâmina basal, escassez de substância intercelular, coesão através de moléculas de adesão celular e complexos juncionais, renovação celular, polarização funcional e estrutural, entre outras. (AARESTRUP, 2012)

Os epitélios desempenham numerosas funções gerais, ao lado de funções específicas dos órgãos: proteção contra agressões físicas, químicas e biológicas (epiderme); barreira de difusão e reabsorção; absorção (intestinos delgado e grosso); transporte de material pela superficie (epitélios ciliados); secreção (glândulas); excreção (túbulos renais); trocas gasosas (alvéolos); deslizamento entres as superfícies (serosas).

De acordo com a localizaçao e a função predominante, os tecidos epiteliais podem ser classificados em dois grandes grupos: tecido epitelial de revestimento e tecido epitelial glandular.

Os tecidos epiteliais de revestimento podem ser classificados quanto ao número de camadas e a morfologia das células. É importante acrescentar as estruturas especiais que podem compor os epitélios tais como, cílios, microvilos, estereocílios, queratina e a presença de glândulas unicelulares denominadas caliciformes. (JUNQUEIRA e CARNEIRO, 2013)

De acordo com as camadas, os epitélios de revestimento podem ser simples, quando formados por uma única camada celular, ou estratificados, quando apresentar mais de uma camada. Um tipo especial de epitélio simples é o pseudoestratificado que se caracteriza pela presença de núcleos em diferentes alturas, dando a impressão de haver várias camadas de células, pois nem todas as células atingem a superfície livre. Diferente do epitélio estratificado, todas as células do tecido pseudoestratificado tocam a lâmina basal.

De acordo com a morfologia das células, os epitélios podem ser pavimentosos, cúbicos e cilíndricos. O formato das células epiteliais varia de achatado a colunar, com o núcleo assemelhando-se ao formato da célula. Desse modo, as células pavimentosas possuem núcleos alongados, as células cúbicas costumam apresentar núcleos arredondados e as cilíndricas possuem núcleos ovóides. Nos epitélios estratificados, a classificação quanto a forma da célula deve ser feita com base nas células superficiais.

Os epitélios envolvidos na secreção, absorção e ou transporte de material são tipicamente simples ou, algumas vezes, pseudoestratificados. Enquanto que os epitélios estratificados geralmente estão associados com uma impermeabilidade transepitelial e se adequam melhor a função de proteção. (ROSS, PAWLINA, 2012).


OBJETIVO

O objetivo desse trabalho foi a elaboração de um painel com fotomicrografias coloridas dos tecidos epiteliais de revestimento, acompanhado da descrição dos aspectos morfológicos e correlação com suas respectivas funções, com a finalidade de facilitar o entendimento e o aprendizado nas aulas práticas de histologia.


METODOLOGIA

Para a elaboração deste trabalho, foi realizado uma revisão da literatura, através dos livros didáticos mais utilizados nos cursos de graduação da área de saúde da UFPB, e de artigos científicos adquiridos nas bibliotecas BVS (Biblioteca Virtual em Saúde) e PubMed (US National Library of Medicine/National Institutes of Health), nos últimos dez anos.

Os livros didáticos e os artigos científicos permitiram a obtenção de informações acerca das características morfológicas e funcionais dos tecidos epiteliais de revestimento. Após essa etapa, procedeu-se a seleção das lâminas com os cortes histológicos mais representativos e preservados dos epitélios de revestimento, através de uma análise a microscopia óptica. Essas lâminas pertenciam a coleção da área de Histologia do Departamento de Morfologia do Centro de Ciências de Saúde da UFPB. As lâminas analisadas e selecionadas foram fotografadas utilizando um fotomicroscópio óptico de luz transmitida Leica DM750, nos aumentos de 100, 200 ou 400 vezes. As áreas selecionadas contendo os tecidos epiteliais tiveram suas imagens capturadas por uma microcâmera ICC50 da Leica, e posteriormente analisadas através do software Módulo Leica LAS Interactive Measurement.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

O epitélio de revestimento pode ser encontrado nas mais diversas regiões do corpo humano e sua morfologia está intimamente relacionada à função que ele exerce naquele órgão. Normalmente, as células encontram-se bem aderidas umas às outras, através de junções intercelulares, o que permite que as células se organizem como folhetos que revestem a superfície externa e as cavidades do corpo (JUNQUEIRA & CARNEIRO, 2013).

As células epiteliais possuem morfologia variada e podem formar uma ou mais camadas e atuam como uma barreira seletiva capaz de facilitar ou inibir a troca de substâncias entre o meio externo (ou as cavidades corpóreas) e o compartimento do tecido conjuntivo subjacente. Além disso, um epitélio pode ter uma ou várias funções, de acordo com a atividade dos tipos celulares presentes. Entre as diferentes funções temos proteção, permeabilidade seletiva, secreção, absorção, transporte por meio de cílios móveis na superfície, captação de estímulos sensoriais (ROSS, PAWLINA, 2013).

O epitélio simples pavimentoso, observado na figura 1 é do revestimento de um vaso sanguíneo. Com uma única camada de células, esse epitélio caracteriza-se pelas células com o comprimento maior do que a altura e núcleo achatado, sendo denominado pavimentoso ou escamoso. As células pavimentosas constituem as células mais delgadas presentes no nosso corpo, e é exatamente essa característica que determina sua grande importância funcional (AARESTRUP, 2012). Este tipo de epitélio possui uma alta taxa de transporte transepitelial, participando de diversas barreiras semipermeáveis presentes em nosso organismo. Nos vasos sanguíneos, esse epitélio é responsável pela manutenção da circulação livre do fluxo sanguíneo entre os tecidos.

Na figura 2, observa-se na fotomicrografia de um tecido epitelial simples cúbico de um túbulo renal em um aumento de 400X. É observado a presença de uma única camada de células, com o comprimento, a altura e a largura quase iguais e um núcleo arredondado. Na superfície apical das células tubulares, é verificada a presença de microvilosidades do tipo borda em escova, refletindo sua principal função: reabsorção da totalidade da glicose e dos aminoácidos presentes no ultrafiltrado glomerular (JUNQUEIRA & CARNEIRO, 2013).

A figura 3 mostra um tecido epitelial simples cilíndrico, encontrado na mucosa intestinal, no aumento de 400x, sendo verificada a presença de uma única camada de células, com a altura celular excedendo o comprimento. Há algumas células em formato de cálice entre as células epiteliais de revestimento, são as células caliciformes, responsáveis pela secreção de glicoproteínas. Na região apical das células epiteliais de revestimento, se observa uma pequena camada de coloração mais intensa, de aparência estriada, são microvilosidades (borda estriada), responsáveis pela absorção de monossacarídeos, lipídeos e aminoácidos.

A figura 4 foi capturada em um aumento de 100X e pode ser descrita como tecido epitelial estratificado pavimentoso, pois apresenta várias camadas celulares e as células superficiais possuem um formato achatado. É um epitélio queratinizado, pois, na sua superfície, há uma espessa camada de queratina. Encontrado em tecidos sujeitos a grandes atritos, como as regiões mais espessas da pele. As regiões da pele expostas a menos atritos também apresentam esse mesmo tipo de tecido, porém com camada de queratina menos espessa, como mostra a figura 5.

A figura 6 apresenta o tecido epitelial de revestimento estratificado cúbico, encontrado principalmente em ductos de glândulas, sendo possível observar duas camadas celulares.

A figura 7 mostra o tecido epitelial pseudoestratificado cilíndrico ciliado, denominado também de epitélio do tipo respiratório. Pode-se avaliar que os núcleos das células não estão bem alinhados, dando a impressão de que há mais de uma camada celular, porém todas as células estão em contato com a lâmina basal, o que leva a concluir que há apenas uma camada de células. Na superfície, são evidenciados os cílios, responsáveis ela remoção de partículas que adentram a árvore respiratória (BARBOSA, 2003). Entre as células epiteliais de revestimento, se observa as células glandulares denominadas células caliciformes.

A figura 8 apresenta um tecido epitelial de revestimento estratificado cilíndrico com estereocílios. A imagem representa um corte de epidídimo. Os estereocílios são responsáveis por facilitar o movimento de moléculas para dentro e para fora da célula (JUNQUEIRA & CARNEIRO, 2013). Neste epitélio pseudoestratificado, as células basais são células tronco, que originam as células maduras (cilíndricas absortivas) do epitélio. (ROSS, PAWLINA, 2013).

A figura 9 apresenta um tecido epitelial de transição, que reveste a pelve renal, os ureteres, a bexiga e parte da uretra. Trata-se de um epitélio estratificado com uma função de acomodação (ROSS, PAWLINA, 2013). É possível observar células epiteliais superficiais mais globosas e convexas na porção apical, denominadas de raquetócitos ou “umbrella cells”. Essas células mantêm contato direto com a urina acumulada no órgão, possuindo uma camada protéica homogênea e eosinófila, quando vista ao microscópio óptico, formada de placas de proteína impermeabilizante (AARESTRUP, 2012), constituindo uma barreira física, que impermeabiliza e protege a superfície epitelial e tecidos subjacentes. Quando há grande quantidade de urina no órgão, as células apresentam um formato mais pavimentoso, porém, quando o material é eliminado, essas se tornam mais globosas.
CONCLUSÃO

Diante dos resultados, conclui-se que o reconhecimento das características morfológicas dos epitélios e a correlação com as suas funções são de suma importância no estudo da histologia, uma vez que proporciona aos discentes da área de saúde um método integrado que leva ao melhor entendimento da biologia molecular, fisiologia e patologia dos tecidos estudados. Em se tratando do caráter essencialmente visual da histologia, as fotomicrografias assumiram um papel decisivo e relevante tanto na documentação, quanto na compreensão e no interesse pelo assunto por parte dos discentes, contribuindo assim, para a melhoria do processo de ensino aprendizagem.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARBOSA, P.M.K.; SANTOS, B.M.O. Alterações Morfológicas em traqueias de pacientes intubados em função do tempo de intubação. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v.11, nov./dez.2003.

GARTNER, L. P.; HIATT, J. L. Tratado de histologia em cores, 3 ed. São Paulo, 2007.

JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchoa e CARNEIRO, José. Histologia básica. Texto e atlas. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

ROSS, Michael H.; PAWLINA, Wojciech. HistologiaTexto e atlas: em correlação com a biologia celular e molecular, 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. 987p.

ROSS, Michael H.; PAWLINA, Wojciech; BARNASH, Todd A. Atlas de histologia descritiva. Porto Alegre: Artmed, 2012. 368p.

SOUZA, T.M.; FIGHERA, R.A. et al. Aspectos histológicos da pele de cães e gatos como ferramenta para dermatopatologia. Pesquisa Veterinária Brasileira. Rio de Janeiro, v.29, fev/2009.




Catálogo: enex -> XVENID -> Monitoria%202013 -> CCS
CCS -> Vivências da Monitoria de Odontologia em Saúde Coletiva: a importância na realização de Levantamentos Epidemiológicos
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico virtual do sistema tegumentar
CCS -> Experiências da monitoria de radiologia odontológica I
CCS -> O papel fisiológico do intestino grosso na absorçÃo de água, eletrólitos e outras substâncias
CCS -> DiferenciaçÃo histológica entre a ossificaçÃo endocondral e intramembranosa: preparaçÃo de material didático para a monitoria
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico digital do sistema muscular como instrumento facilitador do processo ensino-aprendizagem
CCS -> ProduçÃo de um pôster exploratório do tecido epitelial glandular colaborando para o processo ensino-aprendizagem
CCS -> A importância do estudo anatômico do sistema muscular na homeostase corporal e tratamento das doenças musculoesqueléticas


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande