Tecidos conjuntivos Moles – Aula Desgravada – 27/092005 – Histologia



Baixar 66.25 Kb.
Encontro15.12.2017
Tamanho66.25 Kb.


Tecidos conjuntivos Moles – Aula Desgravada – 27/09/2005 – Histologia

A função dos tecidos conjuntivos moles ou tecidos conjuntivos propriamente ditos é o estabelecimento e manutenção da forma corporal, uma vez que estes promovem a adesão entre os vários tecidos.



Do ponto de vista estrutural, os componentes do tecido conjuntivo podem ser divididos em três classes: células, fibras e substância intersticial.


Células do Tecido Conjuntivo
Algumas células deste tecido são produzidas localmente e permanecem no tecido conjuntivo, outras tais como os leucócitos, vêm de outros territórios e ficam temporariamente no tecido conjuntivo.


Tipo de Células

Exemplos

Origem

Células Produtoras de Matriz

  • Fibroblastos

  • Adipócitos

  • Miócitos Lisos

  • Células Reticulares

Células do mesênquima indiferenciadas.

Células do Sistema Imunitário

  • Macrófagos

  • Mastócitos

  • Plasmócitos

Células estaminais da medula óssea.

Células sanguíneas

  • Eosinófilos

  • Monócitos

  • Linfócitos

  • Neutrófilos

Células Estaminais da medula óssea.


Fibroblastos


  • Função:

    • Sintetizam:

      • Colagénio

      • Elastina

      • Glicosaminoglicanos

      • Proteoglicanos

      • Glicoproteinas multiadesivas

    • Produção de factores de crescimento, que controlam o crescimento e a diferenciação celular.




  • Características:

    • Células mais abundantes do tecido conjuntivo;

    • Capazes de modular a sua capacidade metabólica, a qual se vai reflectir na sua morfologia:

      • células com intensa actividade de síntese são denominadas de fibroblastos

      • células metabolicamente quiescentes são conhecidas como fibrócitos.

NOTA: Durante o processo de cicatrização, ocorre a libertação de determinados factores tróficos, que fazem com que os fibrócitos se transformem em fibroblastos.


    • Citoplasma abundante, com muitos prolongamentos;

    • Núcleo ovóide, grande e muito corado, com cromatina fina e nucléolo proeminente;

    • Citoplasma rico em RER, e o aparelho de Golgi é bem desenvolvido.



Macrófagos


  • Função:




    • Manutenção dos tecidos normais;

    • Defesa da infeccção:

      • Directa – fagocitose

      • Indirecta:

        • Apresentação de antigénios

        • Síntese de factores activadores.




  • Características:

    • Características morfológicas muito variáveis que dependem do seu estado de actividade funcional e do tecido que habitam;

    • Possuem um núcleo oval ou em forma de rim, localizado excentricamente.

    • Podem ser fixos ou móveis;

    • Derivam de células percursoras da medula óssea que se dividem produzindo monócitos, os quais circulam no sangue. Numa segunda etapa, estas células cruzam as paredes de vénulas pericíticas e capilares e penetram no tecido conjuntivo, onde amadurecem e adquirem as características morfológicas de macrófagos.

    • Os macrófagos estão distribuídos na maioria dos órgãos e constituem o sistema fagocitário mononuclear.

    • Marcadores de superfície:

      • receptores para imunoglobulinas

      • receptores para complemento sérico.


Plasmócitos


  • Função:

    • Síntese de anticorpos – síntese de imunoglobulina.




  • Características:

    • Células grandes e ovóides que possuem um citoplasma basófilo que reflecte a sua riqueza em RER;

    • O complexo de Golgi e os centríolos localizam-se numa região próxima do núcleo, a qual aparece clara nas preparações histológicas rotineiras;

    • Núcleo esférico, excêntrico e com grânulos de cromatina à periferia;

    • Pouco numerosas no tecido conjuntivo normal, excepto nos locais sujeitos à penetração de bactérias e proteínas estranhas, como a mucosa intestinal.

    • Origem nos: Linfócitos B.


Mastócitos


  • Funções:

    • Colaboram com as reacções imunes

    • Têm um papel fundamental

      • na inflamação

      • nas reacções alérgicas

      • na expulsão de parasitas.

    • Presentes nos grânulos dos mastócitos temos:

      • Histamina – promove o aumento da permeabilidade vascular, importante na inflamação

      • Proteases neutras e o factor quimiostático dos eosinófilos (ECF-A) – importante na anafilaxia

    • Secretam alguns leucotrienos (C4, D4, E4) ou SRS-A.

    • As moléculas que produzem actuam localmente como secreções do tipo parácrina.




  • Características:




    • Célula globulosa, grande e com citoplasma repleto de Grânulos que se coram intensamente;

    • Núcleo pequeno, esférico e central e de difícil observação por estar frequentemente encoberto pelos grânulos citoplasmáticos;

    • Os seus grânulos secretores são electro-densos, heterogéneos e contêm mediadores químicos como a histamina e glicosaminoglicanos.

    • Os grânulos dos mastócitos são metacromatínicos devido à elevada concentração de radicais ácidos presentes nos glicosaminoglicanos (heparina ou condroifim sulfatado);

    • 2 populações de mastócitos:

      • Mastócito do tecido conjuntivo:

      • Mastócito da mucosa

        • presente na mucosa intestinal e pulmões

        • seus grânulos contêm condroitim sulafatado em vez de heparina.

    • A superfície dos mastócitos contém receptores específicos para imunoglobulina E, produzida pelos plasmócitos.


Fibras

Fibras de Colagénio


  • bandas claras e escuras  estriação transversal

  • síntese a partir de fibroblastos por cadeias , forma pró-colagénio que é transportado até ao meio extracelular, onde peptidases cortam a parte terminal formando tropocolagénio que associando-se forma fibrilas de colagénio

  • visíveis nas

    • túnicas média e adventícia

    • tecidos adiposos

  • tipos:

    • I – as mais numerosas no tecido conjuntivo; forma fibras e está presente na pele e no osso

    • II – forma fibras com estriação transversal e está presente nas cartilagens

    • III – forma fibras reticulares

    • IV – lâmina basal

  • Em alguns locais do organismo estas organizam-se paralelamente umas às outras formando feixes de colagénio

  • São acidófilas corando pela:

    • Eosina – rosa

    • Tricrómico de Mallory - azul

    • Tricrómico de Masson -verde

    • Sirius red - vermelho

  • Microscópio

    • De polarização – aparece brilhantes contra um fundo escuro



Fibras Reticulares


  • extremamente finas

  • formadas predominantemente por colagénio do tipo III associado a elevado teor de glicoproteínas e proteoglicanos

  • coradas:

    • por impregnação com sais de prata (são fibras argirófilas) – preto

    • PAS-positivas

NOTA: a positividade ao PAS e argirofilia devem-se ao alto conteúdo de cadeias de açúcar associadas a estas fibras

    • Por Sirius red – verde (vê-se no microscópio de polarização)

  • Abundantes no

    • Músculo liso

    • Endoneuro

    • Trabéculas dos órgãos hematopoiéticos – baço, nódulos linfáticos, medula óssea vermelha

  • Finas fibras

    • Redes ao redor de células de órgãos parenquimatosos como as glândulas endócrinas

  • Pequeno diâmetro e disposição frouxa

    • Rede flexível em órgãos que estão sujeitos a mudanças fisiológicas de

      • Forma

      • Volume

        • Exemplos:

          • Artérias

          • Baço

          • Fígado

          • Útero

          • Camadas musculares do intestino




  • Aplicação Médica

    • Síndrome de Ehlers-Danlos do tipo IV – deficiência de colagénio tipo III

      • Características: ruptura na parede artérias e intestino



Sistema Elástico


  • Composto por 3 tipos de fibras:

    • Oxitalânica

      • Não possui elasticidade

      • Altamente resistente a forças de tracção

    • Elaunínica

    • Elástica

      • Rica em proteína elastina

        • Células produtoras de elastina

          • Fibroblastos

          • Músculo liso dos vasos sanguíneos

        • Proelastina no espaço extracelular polimeriza-se para formar a elastina

        • Predomina nas fibras elásticas maduras

        • Resistente à:

          • Fervura

          • Extracção com álcalis e com ácido

          • Digestão com proteases usuais

        • Facilmente hidrolisada pela elastase pancreática

        • Rica em glicina e prolina (como o colagénio) e tem também 2 aminoácidos incomuns: a desmosina e a isodesmosina

        • Também ocorre na forma não fibrilar formando membranas fenestradas (lâminas elásticas) – presentes nas parades de alguns vasos sanguíneos

      • Distende-se facilmente quando traccionada

  • Família de fibras com características funcionais variáveis capazes de se adaptar às necessidades locais dos tecidos

  • Estrutura desenvolve-se através de 3 estágios sucessivos:

    • 1º:

      • Fibras oxitalânicas

        • consistem em feixes de microfibrilas

        • são constituídas por diversas glicoproteínas como a fibrilina

          • Fibrilinas – formam arcabouço necessário para a deposição da elastina

        • Podem ser encontradas nas fibras da zona do olho e em certos locais da derme, onde conecta o sistema elástico com a lâmina basal

    • 2º:

      • Deposição irregular de elastina entre as microfibrilas oxitalânicas formando as fibras elaunínicas

        • Fibras elaunínicas – podemos encontrá-las ao redor das glândulas sudoríparas e na derme

    • 3º:

      • Elastina continua a acumular-se gradualmente até ocupar todo o centro do feixe de microfibrilas (as quais permanecem livres apenas na região periférica)

      • Formam-se, assim, as fibras elásticas – o componente mais numeroso do sistema elástico




  • Aplicação Médica:

    • Síndrome de Marfan – mutações no gene da fibrilina localizado no cromossoma 15

      • Característica: falta de resistência dos tecidos ricos em fibras elásticas


Substância Intercelular/Fundamental


  • mistura complexa altamente hidratada de moléculas aniónicas:

    • glicosaminoglicanos (originalmente chamados de mucopolissacarídeos ácidos)

      • polímeros lineares formados por unidades repetidas dissacarídicas usualmente compostas de:

        • Hexosamina – pode ser a glicosamina ou galactosamina

        • Ácido urónico – pode ser o glicurónio ou idurónico

        • NOTA: Com excepção do ácido hialurónico, todas estas cadeias lineares são ligadas covalentemente a um eixo proteico, formando os proteoglicanos

    • Proteoglicanos

      • Altamente hidratados por uma espessa camada de água de solvatação que envolve a molécula

      • Podem ligar-se a um grande nº de catiões através de pontes electrostáticas

      • Compostos de um eixo proteico associado a um ou mais dos quatro tipos de glicosaminoglicanos:

        • Dermatam sulfatado

        • Condroitim sulfatado

        • Queratam sulfatado

        • Heparam sulfatado

      • Grupos ácidos fazem com que estas moléculas se liguem a resíduos de aminoácidos básicos presentes no colagénio

      • Podem localizar-se em:

        • G
          Ligam-se também a factores de crescimentos – nomeadamente ao TGF-B (factor de crescimento transformante de fibroblastos do tipo B)
          rânulos citoplasmáticos de células como os mastócitos – heparina

        • Nas membranas basais - perlecam

        • Na superfície de células – sindecam e fibroglicam

          • Superfície de muitos tipos de células, particularmente células epiteliais

          • O eixo proteico destes proteoglicanos atravessa a membrana plasmática e contém uma extensão citosólica curta

        • Na matriz instersticial – agrecam

          • Agrecam

            • principal proteoglicano da cartilagem

            • está associado a uma molécula de ácido hialurónico de maneira não covalente através do seu eixo proteico

      • Síntese:

        • Síntese do eixo proteico no RER

        • Glicosilação iniciada no RER e completada no complexo de Golgi (onde também ocorre processo de sulfatação)

      • Degradação é feita por vários tipos de células e depende da presença de várias glicosidases (enzimas lisossómicas)




      • Aplicação Médica (Patologias associadas à deficiência em enzimas lisossómicas – que conduz à acumulação destas moléculas nos tecidos):

        • S

          índrome de Hurler

        • Síndrome de Hunter

        • Síndrome de Sanfilippo

        • Síndrome de Morquio




    • glicoproteínas multiadesivas

      • proteínas ligadas a cadeias de glícidos




      • c
        Ao contrário dos proteoglicanos
        omponente proteico predomina nestas moléculas

      • não contêm cadeias lineares de polissacarídeos formados por unidades dissacarídeos repetidas contendo hexosaminas




      • O componente glicídico das glicoproteínas é frequentemente uma estrutura muito ramificada

      • Funções:

        • Na interacção entre células vizinhas nos tecidos adultos e embrionários

        • Ajuda as células a aderirem sobre seus substractos

      • Exemplos:

        • Fibronectina

          • Sintetizada pelos fibroblastos e algumas células epiteliais

          • Apresenta sítios de ligação para células, colagénio e glicosaminoglicanos

        • Laminina

          • Participa na adesão de células epiteliais à sua lâmina basal

      • Células interagem com componentes da matriz extracelular através de proteínas transmembranares – receptores de matriz: integrinas

        • Integrinas

          • Ligam-se ao/à:

            • Colagénio

            • Fibronectina

            • Laminina

          • A ligação das integrinas (estas podem-se ligar ou desligar, permitindo que as células possam explorar seu ambiente sem perderem a interacção nem ficarem permanentemente aderidas a ele) com moléculas da matriz extracelular (ligante) é de baixa afinidade e dependente de Ca2+ ou Mg2+

          • Interagem com elementos do citosqueleto, normalmente com microfilamentos de actina

          • Interacções integrinas-matriz extracelular-citosqueleto:

            • Mediadas por várias proteínas intracelulares:

              • Paxilina

              • Vinculina

              • Talina

          • Interacções mediadas por integrinas entre o meio extracelular e o citosqueleto:

            • operam em ambas as direcções

            • desempenham um papel importante na orientação das células e dos elementos extracelulares nos tecidos




          • Aplicação Médica:

            • Fibronectina e laminina (que parecem participam de modo importante no desenvolvimento dos tecidos embrionários):

              • aumentam a habilidade de células tumorais cancerosas de invadir outros tecidos



  • incolor e transparente

  • preenche os espaços entre as células e fibras do tecido conjuntivo

  • viscosa – actua ao mesmo tempo como lubrificante e como barreira à penetração de microorganismos invasores

  • Aplicação Médica

    • As bactérias capazes de produzir hialuronidase (glicosidase que hidrolisa o ácido hialurónico), têm grande poder de invasão, uma vez que podem reduzir a viscosidade da substância fundamental dos tecidos conjuntivos



Fluído Tecidular


  • Semelhante ao plasma sanguíneo quanto ao seu conteúdo em iões e substâncias difusíveis

  • Contêm uma pequena percentagem de proteínas plasmáticas de pequeno peso molecular que passam através da parede dos capilares para os tecidos circunjacentes como resultado da pressão hidrostática do sangue

  • Pequena quantidade de fluido que existe nos tecido conjuntivos para além da substância fundamental



Mecanismo através do qual os metabólitos circulam no tecido conjuntivo, alimentando as células


  • Sangue:

    • Traz até o tecido conjuntivo os vários nutrientes necessários para as suas células

    • Leva de volta para órgãos de desintoxicação e excreção (fígado, rim, etc) produtos de refugo do metabolismo celular

  • Duas forças actuam na água contida nos capilares:

    • 1º: Pressão hidrostática do sangue – consequente da acção de bombeamento do coração, a qual força a água através da parede dos vasos

    • 2º: Pressão osmótica/coloidosmótica (sentido contrário à da pressão hidrostática) do plasma sanguíneo – que atrai a água de volta para os capilares, deve-se principalmente às proteínas do plasma que não passaram para o espaço extracelular do conjuntivo

  • Porção do capilar que se continua com a arteríola:

    • Saída de água é consequência do facto de que neste local a pressão hidrostática supera a pressão coloidosmótica. Porção hidrostática diminui ao longo do capilar, sendo mínima na extremidade venosa, isto é, na:

  • Porção do capilar que se continua com a vénula:

    • Pressão coloidosmótica aumenta, como consequência da saída da água, o que acarreta uma concentração progressiva das proteínas do plasma do sanguíneo. O aumento da concentração das proteínas associado à queda da pressão hidrostática faz com que, na parte venosa do capilar, a pressão osmótica prevaleça sobre a pressão hidrostática, atraindo água para o interior do capilar

NOTA: A quantidade de água que volta para o sangue é menor do que aquela que saiu dos capilares, pois há uma pequena parte que retorna ao sangue através dos vasos linfáticos


  • Aplicação Médica:

    • N
      EDEMA – quando a quantidade de fluidos nos tecidos está aumentada

      a obstrução de ramos venosos ou linfáticos



    • Na insuficiência cardíaca congestiva – diminuição do fluxo sanguíneo

    • Em parasitoses e em metástases dos tumores malignos – obstrução de vasos linfáticos

    • Desnutrição crónica (especialmente a deficiência proteica) – que acarreta uma deficiência de proteínas plasmáticas, com consequente queda na pressão coloidosmótica e acumulação de água no tecido conjuntivo

    • Agressões químicas e mecânicas ou libertação de certas substâncias produzidas pelo organismo – provocando aumento da permeabilidade vascular do endotélio de vénulas pós-capilares


Tecido Conjuntivo


  • Propriamente Dito

    • Areolar/Laxo

      • Funções:

        • preenche espaços entre grupos de células musculares

        • suporta células epiteliais e outras estruturas normalmente sujeitas a pressão e atritos pequenos

        • forma camadas em torno dos vasos sanguíneos

      • Encontra-se:

        • Nas papilas da derme

        • Na hipoderme

        • Nas membranas serosas que revestem as cavidades peritoneais e pleurais e nas glândulas

      • Constituição

        • Elementos estruturais típicos do tecido conjuntivo propriamente dito, não havendo nenhuma predominância de qualquer dos componentes

        • Células mais numerosas:

          • Fibroblastos

          • Macrófagos

      • Flexível

      • Bem vascularizado

      • Não muito resistente a tracções




    • Denso:

      • Funções:

        • Oferece resistência e protecção aos tecidos

      • Constituição:

        • Igual à do tecido conjuntivo laxo, mas com menos células e uma clara predominância de fibras colagénio

      • Menos flexível e mais resistente à tensão que o tecido conjuntivo frouxo

      • Tipos:

        • Não modelado/Irregular

          • Fibras colagénio são organizadas em feixes sem uma orientação definida

          • Resistência às tracções exercidas em qualquer direcção

          • É encontrado na derme profunda da pele

        • Modelado/Regular

          • Feixes de colagénio paralelos uns aos outros e alinhados com os fibroblastos

          • Fibras de colagénio foram formadas em resposta às forças de tracção exercidas num determinado sentido

          • Exemplo típico: tendões

            • Formados por feixes densos e paralelos de colagénio separados por muito pouca quantidade de substância fundamental

            • Células podem ser classificadas morfologicamente como fibrócitos

            • Feixes primários – feixes de colagénio do tendão

            • Feixes secundários

              • feixes de colagénio que se agregam em feixes maiores

              • envolvidos por tecido conjuntivo frouxo contendo vasos sanguíneos e nervos

            • Envolvido externamente por uma bainha de conjuntivo denso



  • Com Propriedades Especiais

    • Tecido Adiposo

      • Células mesenquimatosas

        • Fibroblastos

        • Lipoblastos:

          • adipócitos uniloculares

          • adipócitos multiloculares

      • Tipos

        • Unilocular (branco)

          • Função: armazenamento de energia

          • Mobilização, alimentação, adrenalina , insulina , estrogénios , ACTH




          • Obesidade:

            • hipertrófica

            • hipercelular

        • Multilocular (castanho):

          • Termorregulação

          • Frio, enervado pelo simpático, adrenérgica




    • Tecido Elástico

      • composto por feixes espessos e paralelos de fibras elásticas

      • espaço entre as fibras é ocupado por fibras delgadas de colagénio e fibroblastos achatados

      • abundância de fibras elásticas confere:

        • cor amarela típica

        • grande elasticidade

      • presente

        • ligamentos amarelos da coluna vertebral

        • ligamento suspensor do pénis




    • Tecido Hemocitopoiético/Reticular

      • rede tridimensional que suporta as células de alguns órgãos

      • fibras reticulares intimamente associadas com fibroblastos especializados chamados de células reticulares

        • Células reticulares

          • estão dispersas ao longo da matriz e cobrem parcialmente, com seus prolongamentos citoplasmáticos, as fibras reticulares e a substância fundamental




            • Estrutura trabeculada dentro da qual as células e fluidos se movem livremente




          • Ao lado encontram-se as células do sistema fagocitário mononuclear

            • Estrategicamente dispersas ao longo das trabéculas

            • Monitoriza o fluxo de materiais que passa lentamente através de espaços semelhantes a seios removendo organismos invasores por fagocitose

            • Constituintes:

              • Células Estaminais  Monoblasto  Monócitos  Macrófagos




                • Medula Óssea Sangue Tecidos




            • Critérios de classificação:

              • Origem

              • Fagocitose

              • Propriedades histoquímicas

      • estrutura que cria um ambiente especial para órgãos linfóides e baço

      • Pode ser:

        • Linfático

        • Mielóide




    • Tecido Mucoso

      • predominância de matriz fundamental composta sobretudo de ácido hialurónico com muito poucas fibras

      • Principais células: fibroblastos

      • É o principal componente do cordão umbilical e existe também na polpa jovem dos dentes



  • De Suporte:

    • Cartilaginoso

    • Ósseo

Bem, aqui está mais uma aula desgravada, que esperamos que vos seja útil! Foi com base no livro de Histologia (Junqueira)...Se encontrarem algum erro, contactem-nos...Boa sorte para todos!!!


Filipa Fernandes (m04015@med.up.pt)

Filipa Moreira (moreira.filipa@portugalmail.pt)

Turma 6

/





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal