Tecido Nervoso



Baixar 29.34 Kb.
Encontro17.12.2017
Tamanho29.34 Kb.



Tecido Nervoso

CURSO DE ENFERMAGEM


DISCIPLINA DE BHE

PROF. SANDRA MILAN - 1 E 2º NOTURNO


LEITURA COMPLEMENTAR

Tecido Nervoso





  • Distribuído pelo organismo, interligando-se e formando uma rede de comunicações que constituem o sistema nervoso.

  • Dividido em:

    1. Sistema nervoso central (SNC): encéfalo e medula espinhal

    2. Sistema nervoso periférico (SNP): nervos e pequenos agregados de células nervosas (os gânglios nervosos).




  • Tecido nervoso tem dois componentes principais:

    1. Neurônios: células com longos prolongamentos

    2. Vários tipos de células da glia ou neuroglia, que sustentam os neurônios e participam de outras funções.

No SNC há uma segregação entre os corpos celulares dos neurônios e seus prolongamentos. Isto faz com que sejam reconhecidos no encéfalo e na medula espinhal duas porções distintas, denominadas substância branca e substância cinzenta.
Substância cinzenta: Mostra essa coloração macroscopicamente. Corpos celulares dos neurônios e células da glia, contendo também prolongamentos de neurônios.

Substância branca: Não contém corpos celulares de neurônios. Constituída por prolongamentos. Seu nome deriva da presença de grande quantidade de um material esbranquiçado denominado mielina, que envolve certos prolongamentos de neurônios.
Os neurônios respondem a estímulos com modificações da diferença de potencial elétrico que existe na superfície da membrana celular. Essas células são, portanto ditas “excitáveis”. Esse potencial é propagado – impulso nervoso, cuja função é transmitir informações a outros neurônios, músculos ou glândulas.
Os neurônios através de seus prolongamentos longos e numerosos formam circuitos (circuitos neuronais).
Função do sistema nervoso:

  1. Detectar, transmitir, analisar e utilizar as informações genéticas pelos estímulos sensoriais representados por calor, luz, energia mecânica e modificações químicas do ambiente interno e externo.

  2. Organizar e coordenar, direta ou indiretamente, o funcionamento de quase todas as funções do organismo entre as quais funções motoras, viscerais, endócrinas e psíquicas.

Assim, o SN estabiliza as condições intrínsecas do organismo, como pressão sanguínea, tensão de O2 e de CO2, teor de glicose, de hormônios, pH do sangue e participa de padrões de comportamento como relacionados com alimentação, reprodução, defesa e interações com outros seres vivos.


  1. NEURÔNIOS: são células grandes (150M). Corpo celular pode ser esférico, piriforme ou anguloso.

Três componentes:

  1. Dendritos: recebem estímulos do meio ambiente, de células epiteliais sensoriais ou outros neurônios.

  2. Corpo celular ou pericário: centro trófico da célula e também capaz de receber estímulos.

  3. Axônio: prolongamento único – conduz o impulso que transmite informações do neurônio para outras células (nervosas, musculares, glândulas).


De acordo com a morfologia podem ser classificados nos seguintes tipos:

  1. Neurônios multipolares: com mais de 2 prolongamentos celulares

  2. Bipolares: um dendrito e um axônio

  3. Pseudo-unipolares: próximo ao corpo celular prolongamento único, mas logo se divide em dois dirigindo-se um ramo para a periferia e outro para o SNC.

A grande maioria dos neurônios é multipolar. Bipolar - nos gânglios coclear e vestibular na retina e mucosa olfatória. Pseudo-unipolares – gânglios espinhais (que são gânglios sensitivos situados nas raízes dorsais dos nervos espinhais).


De acordo com a função os neurônios podem ser classificados em:

  1. Neurônios motores (controlam glândulas exócrinas e endócrinas e fibras musculares)

  2. Neurônios sensoriais (recebem sinais do meio ambiente e do próprio organismo)

  3. Interneurônios (estabelecem conexões entre outros neurônios, formando circuitos complexos)



CORPO CELULAR OU PERICÁRIO


É à parte que contem o núcleo e o citoplasma.

Corpúsculo de Nissl: conjunto de cisternas e ribossomos que se apresentam ao MO como manchas basófilas espalhadas pelo citoplasma.

Lipofucsina: Pigmento de cor parda contendo lipídios que se acumulam com o decorrer da idade e consiste em resíduos de material parcialmente digerido pelos lisossomos.

DENDRITOS


Recebem e integram os estímulos nervosos trazidos pelos axônios.

( As terminações dos dendritos chamam-se gêmulas ou espinhas. Lá estão as terminações pós-sinápticas.)



AXÔNIO


Cada neurônio possui um único axônio. Na maioria dos casos o axônio é mais longo que o dendrito. A terminação do axônio é muito ramificada e recebe o nome de telodendro.

  1. CÉLULAS DA GLIA:


Sob a designação geral de neuroglia ou glia, incluem-se vários tipos celulares presentes no SNC ao lado dos neurônios.

No SNC há 10 células da glia para cada neurônio, mas elas são bem menores que os neurônios.



  • Oligodendrócitos: Produzem as bainhas de mielina que servem de isolantes elétricos em torno do axônio dos neurônios do SNC.

  • Células de Schwann: tem a mesma função que os oligodendrócitos, porém ficam em volta dos axônios do SNP.

  • Astrócitos: são células em forma estrelada com múltiplos processos irradiando do corpo celular.

( Tem função de sustentação, participam no controle da composição de íons do ambiente. Tem comunicação com os capilares sanguíneos (transferem íons do sangue para o tecido nervoso). Os astrócitos têm receptores na sua membrana para diversas substâncias como noradrenalina, angiotensina, etc., sugerindo que eles respondem a diversos sinais químicos. Também influenciam a atividade e a sobrevida dos neurônios graças a sua capacidade de controlar os constituintes do meio extracelular, absorver excessos de neurotransmissores e sintetizar moléculas neuroativas.)

  • Células ependimárias: são células epiteliais colunares que revestem os ventrículos do cérebro e o canal central da medula espinhal.

  • Microglia: são pequenas e alongadas. Sua função é fazer fagocitose e participar da inflamação e reparação tecidual.



SISTEMA NERVOSO CENTRAL

  • É constituído pelo cérebro, cerebelo e medula espinhal.

  • Tem a consistência de uma massa mole, pois não contem um estroma de tecido conjuntivo.

  • Quando cortados, o cérebro, cerebelo e a medula espinhal mostram regiões brancas e cinzentas (substancia branca e cinzenta).

A distribuição da mielina é responsável por essa coloração

  • A substancia branca tem axônios mielinizados, oligodendrócitos produtores de mielina.Não contem corpos de neurônios.

  • A substancia cinzenta é formada por corpos de neurônios, dendritos, a porção inicial não mielinizada dos axônios e células da glia.

(A substancia cinzenta predomina na superfície do cérebro e cerebelo e constitui o córtex cerebral e cerebelar, e a substancia branca predomina nas partes centrais. No córtex cerebral estão integradas as informações sensoriais e iniciam-se as respostas voluntárias. No córtex cerebral encontramos três camadas: a molecular (mais externa), uma central (com as células de Purkinje), e a granulosa (mais interna).

Na medula espinhal a substancia branca está externa e a cinzenta interna, formando um letra H. )

MENINGES

O SNC está contido e protegido na caixa craniana e no canal vertebral, sendo envolvido por membranas de tecido conjuntivo chamada meninges.

As meninges são formadas por três camadas: dura-máter, aracnóide e pia-máter.

Dura-máter: é a meninge mais externa ( tecido conjuntivo denso).

Aracnóide: duas partes. O espaço constitui o espaço subaracnóideo, por onde passa o liquido cefalorraquidiano, e comunica-se com os ventrículos cerebrais. Esse líquido forma um colchão que protege o SNC de traumatismos.

Pia-máter: é muito vascularizada e aderente ao tecido nervoso. Tem uma camada delgada com astrócitos.
Barreira hematoencefálica: é uma barreira funcional que dificulta a passagem de certas substancias, como alguns antibióticos, agentes químicos e toxinas, do sangue para o tecido nervoso. É devida a uma menor permeabilidade dos capilares sanguíneos do tecido nervoso.

PLEXOS CORÓIDES

São dobras da pia-máter ricas em capilares que fazem saliência para o interior dos ventrículos. São constituídas de tecido conjuntivo frouxo, revestidas por epitélio simples cúbico ou colunar. A principal função do plexo é secretar o liquido cefalorraquidiano (LCR). A quantidade do adulto é 140 ml. A obstrução do fluxo do LCR causa hidrocefalia, causando dilatação dos ventrículos.

SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

São os nervos, gânglios e terminações nervosas. Os nervos são feixes de fibras nervosas envolvidas por tecido conjuntivo

FIBRAS NERVOSAS

  • Mielínicas: a membrana plasmática da célula de Schwann se enrola em volta do axônio. Essa membrana se enrola e se funde, dando origem a mielina. A bainha se interrompe em intervalos regulares formando os nódulos de Ranvier.

  • Amielínicas: As fibras são também envolvidas pela célula de Schwann, mas nesse caso não ocorre o enrolamento em espiral.



NERVOS


As fibras nervosas agrupam-se em feixes, dando origem aos nervos. Grande conteúdo de mielina e colágeno, por isso os nervos são esbranquiçados.

GÂNGLIOS


O acúmulo de neurônios localizados fora do SNC recebem o nome de gânglios nervosos.

Em sua maior parte, os gânglios são órgãos esféricos, protegidos por cápsulas conjuntivas e associadas a nervos.



Conforme a direção do impulso nervoso, os gânglios podem ser: sensoriais (aferentes) ou gânglios do sistema nervoso autônomo (eferentes).

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO


Relaciona-se com o controle da musculatura lisa, com a modulação do ritmo cardíaco e com a secreção de algumas glândulas.

Sua função é ajustar certas atividades do organismo, a fim de manter a constância do meio interno (homeostase).

É formado pelo sistema simpático e o parassimpático.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal