Sociedade paulista de leprologia



Baixar 18.79 Kb.
Encontro28.11.2017
Tamanho18.79 Kb.



SOCIEDADE PAULISTA DE LEPROLOGIA

57.° REUNIÃO ORDINÁRIA

Com a presença dos socios srs. drs. Tupí Pereira Cassiano, Antenor Gândra, Frederico Hoppe Júnior, Sebastião Carlos Aran­tes, Danilo Nogueira da Cunha, João Batista Zocchio, Flavio Mau­rano e João da Silva Guimarães, realisou-se no dia oito de julho de mil novecentos e trinta e nove, no Salão de Conferencias do Ins­tituto "Conde de Lara", á rua Domingos de Morais n.° 399, a 57.° reunião ordinaria da Sociedade Paulista de Leprologia. Do expediente constou a leitura da ata da sessão anterior, sem debate aprovada e cartas do dr. Abrão Rotberg, comunicando sua partida para os Estados Unidos, onde permanecerá cerca de 6 mêses, a convite da National Research Coucil e apresentando despedidas; oficio da Sociedade Mexicana de Leprologia, comunicando a posse da nova diretoria para o bienio 1937-1938. Passando-se á ordem do dia, é dada a palavra ao dr. João Paulo Vieira, para falar sobre "Fisioterapia e lepra". O A passa em revista o estudo dos agentes fisioterapicos aplicados á lepra, reportando-se às primeiras expe­riencias de Daulos, Ondin, Bertarelli e mais recentemente Paldroch, Belote, Truzzi, Costa entre outros. Analisa estes metodos, fazen­do referências no emprego dos mesmos em dermatologia e compa­rativamente na lepra. Resalta o grande valor que os mesmos po­dem prestar, não só na especialidade como na medicina geral. Detem-se mais particularmente no estudo da ionisação, não só como metodo terapeutico em dermatologia, mas como um agente indis­pensavel no diagnostico da lepra anestesica sem lesões visíveis cu­taneas e isto mediante ionisação pela pilocarpina conforme estudos de Jeanselme e Girandeau. Assim é que estes pesquisadores con­cluiram que sudorose pela referida ionisação não se manifesta nas lesões anestesicas da lepra e sim na seringomielia e lesões centrais dos gânglios e do sistema nervoso. Faz referência a electrocoagula 

345 —

ção e a neve carbonica concluindo da utilidade dos agentes fisiotera­picos nos leprosarios, não só visando o tratamento de complicações a que o leproso está sujeito, mas ainda corrigindo deformidade e lesões inesteticas determinadas pela lepra. Concluindo afirma que apesar dos agentes fisioterapicos não proporcionarem na lepra os resultados que nos dá em dermatologia, mesmo assim é de opinião que se insista nos mesmos, pois na fisioterapia repousa o maior contingente da atualidade para combater as dermatoses cronicas e rebeldes.

58.° REUNIÃO ORDINÁRIA

Com a presença dos socios, srs. drs. Luís Batista, João Batista Zocchio, Artúr Teixeira de Camargo Filho, Claro Cesar, Nestor Solano Pereira, Silvio Cremer, Luís Becheli, Oscar Leite Alves, Dir­ceu Godoi Araujo, Frederico Hoppe Júnior e Armando Berti, foi aberta a 58.° Reunião ordinária, sob a presidência do dr. Luiz Ma­rino Becheli, secretariada pelo dr. Nestor Solano Pereira, que se realisou no dia nove de setembro de mil novecentos e trinta e nove, no Salão de Conferências do Instituto "Conde de Lara", a rua Domingos de Morais, n. 399. E' convidado a tomar assento á mesa o dr. Clineo da Costa Morais, Diretor do Serviço de Profila­xia da Lepra em Mato Grosso, que se achava presente à sessão. E' lida a ata da sessão anterior sem debate, aprovada. Passando-se á ordem do dia, é dada a palavra ao dr. Argemiro Rodrigues de Souza —"Eritema leproso simetrico palmo plantar"— O autor apresenta á Sociedade Paulista de Leprologia um caso de lepra le­promatosa em o qual verificou o aparecimento quasi simultaneo de um eritema palmar e plantar que denominou de "eritema leproso simetrico palmo-plantar". A biopsia desse eritema revelou uma es­trutura nitidamente lepromatosa com abundancia de bacilos de Hansen. Morfologicamente tratava-se de um eritema descamativo e hiperkeratosico. Estuda o diagnostico diferencial principal­mente com o psoriase, varias intoxicações, ou eritrodermias e con­clue pela indubitavel etiologia leprotica dessa curiosa afecção si­metrica. Finda a leitura de seu trabalho, diz o dr. Argemiro que da sua ultima comunicação sobre forma lepromatosa evoluindo para tuberculoide, havia prometido informar á Casa sobre a evolução do caso, porquanto o doente havia sido transferido para o Hospital de Santo Ângelo. Os exames continuam negativos, estando o pa­ciente quasi em condições de receber alta hospitalar. O dr. Becheli pergunta si foi feita a biopsia, o que o A. responde negativamente.

Posto em discussão o trabalho do dr. Argemiro, pede a palavra o dr. Batista que refere á frequência dessas lesões nos leprosários.

346 —

Discute ainda a propriedade do termo eritematoso e a possibilidade de lepra nervosa.

O Dr. Bechelli põe em relevo a frequência dessas lesões.

Respondendo ao dr. Batista, o dr. Argemiro confirma, como diz no seu trabalho dessa relativa frequência, chamando atenção apenas para a raridade da disposição e simetria das lesões do pre­sente caso. Sobre a propriedade do termo eritema, confessa a di­ficuldade de que teve para a denominação-eritema leproso ou kera­todermia.

O Sr. Presidente — agradece a comunicação do dr. Argemiro, e é encerrada a sessão.

ASSEMBLEA GERAL EXTRAORDINARIA

De conformidade com requerimento arquivado na Secre­taria da Sociedade Paulista de Leprologia e nos termos do artigo 21 dos Estatutos, realisou-se no Salão de Conferencia do Instituto Conde de Lara, á rua Domingos de Moraes N.° 2.463, a Assem­bléa Geral Extraordinaria, convocada com o fim especial de conferir ao Snr. Dr. Adhemar de Barros o titulo de Socio Honorario e para encerramento da "Semana contra o Fogo Selvagem". As 14 horas, estando a mesa constituida pelos snrs. Drs. Adhemar de Baros, M. D. Interventor Federal, Dr. Alvaro Guião, Secretario da Edu­cação e Saúde Publica, Dr. Humberto Pascale, Diretor Geral do Departamento de Saúde do Estado e Dr. Sales Gomes Junior, Di­retor do Serviço de Profilaxia da Lepra, e Drs. L. Marino Becheli e Moraes Junior, respectivamente, presidente e secretario da Socie­dade Paulista de Leprologia, presentes grande numero de socios e pessôas gradas, alem de representantes da Impresa. Com a pa­lavra, o dr. Marino Becheli sauda o snr. dr. Adhemar de Barros, elogiando as realisações do seu Governo, entre as quaes salienta a construcção do Hospital de clinicas, terminando por entregar-lhe o titulo de "Socio Honorario" da Sociedade. Falou a seguir o pri­meiro orador inscrito, dr. João Paulo Vieira, que depois de agrade­cer a presença dos snrs. Drs. Adhemar de Barros e Alvaro Guião. fala sobre a campanha que vem sendo empreendida pelo serviço do qual é diretor, frisando, depois,que a obra de combate ao "Fogo Selvagem" imortalisará o governo do snr. Dr. Adhemar de Bar­ros, não só pelo amparo dado á sciencia como pelo sentimento que despertará entre os enfermos, proseguindo, o orador declarou que se espera a creação, por parte do Governo, do hospital para abri­gar as vitimas do penfigo foliaceo, sugerindo ao snr. Interventor Federal o aproveitamento do antigo hospital de dementes da Penha, que poderá ser adatado; salienta o autor o exito alcançado pela



347 —

"semana contra o fogo selvagem" e a seguir mostra as realisações do Serviço que dirige, ilustrando com suas palavras com uma serie de elucidativas projeções. A seguir, o dr. Fernando Alayon dis­corre sobre a fase anatomo-patologica da questão ilustrando tambem o seu trabalho com projeções. Falam ainda os snrs. J. Aranha e C. Mourão sobre estudos realisados sobre Penfigo Poliaceo. Fi­nalmente o snr. presidente, dr. Adhemar de Barros, com a palavra agradece a homenagem que vinha de receber, frisando que se sen­tia comovido e que estaria sempre pronto a colaborar em obras que visavam a melhoria das condições de saúde do povo, dizendo que proseguirá na senda que se traçou de compromisso cada vez mais a São Paulo e o Brasil tendo, ao terminar, recebido prolon­gadas e vibrantes salva de palmas de toda a assistencia. Declara a seguir encerrada a sessão.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal