Sistemas de informaçÕes para o ensino


GRUPO DE PESQUISA: CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS E GRANDES ANIMAIS



Baixar 0.79 Mb.
Página2/8
Encontro11.06.2018
Tamanho0.79 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8

GRUPO DE PESQUISA: CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS E GRANDES ANIMAIS

PROJETO: CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E FORÇA DE RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL DE CÃES – ESTUDO BIOMECÂNICO EX VIVO

COORDENADOR: DANIEL CURVELLO DE MENDONÇA MÜLLER

APRESENTAÇÃO: Este projeto tem por objetivo correlacionar o índice de massa corporal de cães ex vivos com a tensão necessária para romper seus ligamentos cruzados craniais. Serão testados biomecanicamente a força de tensão para a ruptura dos ligamentos cruzados craniais e da fáscia lata. Todos os cães serão avaliados quanto ao índice de massa corporal (IMC) Espera-se determinar o grau de correlação entre os parâmetros propostos, bem como com estruturas utilizadas para substituir cirurgicamente os ligamentos rompidos.

OBJETIVOS:

GERAL


- Determinar correlações entre o índice de massa corporal (IMC) e a resistência do ligamento cruzado de cães.

ESPECÍFICOS



  • Avaliar a resistência máxima antes da ruptura do ligamento cruzado cranial de cães de diferentes faixas de peso.

  • Avaliar o ponto de fadiga dos ligamentos cruzados craniais rompidos.

  • Avaliar as características físicas da deformação, comparando proporcionalmente com o peso dos animais e com os índices de massa corporal.

RESULTADOS:

Dos 14 prontuários avaliados, 92,86% indicavam excesso de peso do paciente (média de IMC 17,26±1,89), sendo 64,29% dos animais na condição “acima do peso” (média de IMC 16,97±0,56) e 28,57% na condição “obeso” (média de IMC 19,21±0,34). Apenas um animal encontrava-se com o IMC na condição “normal” (12,03), representando 7,14% da amostra.

Ao analisar o sexo do paciente, 80% eram fêmeas e 20% machos. Dentre as fêmeas, obteve-se a média de IMC de 17,61 e dentre os machos, 15,96. O membro afetado não diferiu estatisticamente quanto à lateralidade, sendo 57% o esquerdo e 43% o direito. Não houve predomínio de nenhuma raça e a média de peso dos animais avaliados foi de 21,5±10,5 quilos de massa corporal.

Com relação ao porte dos cães, parâmetro muitas vezes relacionado com a ruptura do ligamento cruzado cranial, 35% enquadravam-se em raças de pequeno porte, 42% de porte médio e 21,4% de grande porte. Todos os pacientes eram adultos, sendo a média da faixa etária 7,21±2,5 anos. Não constava nos prontuários a informação referente à castração do animal.

Baseado no IMC para inferir o estado corporal dos pacientes, verificou-se a predominância de peso excessivo entre os animais afetados pela ruptura do ligamento cruzado. Somando 92,86% de animais acima do peso normal (IMC médio de 17,26±1,89), 64,29% dos animais encontravam-se na condição “acima do peso” (IMC médio de 16,97±0,56) e 28,57% na condição “obeso” (IMC médio de 19,21±0,34). Considerando os valores de referência para o IMC: normal (11,8 a 15); acima do peso (15,1 a 18,6); e obeso (18,7) (MÜLLER et al., 2008), nota-se que a amostra em questão enquadra-se exatamente no grupo de risco (TIRGARI, 1978; VASSEUR, 2002).

Além de sobrecarregar diretamente os ligamentos por carga excessiva, a obesidade compromete o condicionamento físico do animal (VASSEUR, 2002). Analisando que músculos fortes e bem formados em volta do joelho são primordiais para proteger as estruturas intra-articulares do estresse excessivo, a má condição física torna-se fator de risco para ocorrência de ruptura dos ligamentos (TIRGARI, 1978; AMATUZZI et al., 2007).

Vários estudos clínicos evidenciaram incidência de ruptura do LCC em fêmeas, comparativamente aos machos, mas o risco aumenta no que diz respeito aos machos e fêmeas castradas, em relação aos animais inteiros. Obteve-se que 80% dos pacientes analisados eram fêmeas, com média de IMC de 17,61±1,2, entretanto, como não foi obtido o dado sobre a ocorrência de castração dos animais, não foi possível associar o peso elevado à esterilização.

Todos os cães analisados nesse trabalho eram adultos, com média de faixa etária de 7,21±2,5 anos e de peso corporal de 21,5±10,5. Estudo associando peso e idade demonstrou que cães com mais de 22 quilos, quando comparado a cães com peso inferior a 22 kg, além de terem maior prevalência de ruptura do LCC, tendem a romper o ligamento em idade mais precoce (WHITEHAIR et al., 1993).

Estes autores também observaram, no escopo geral dos 10.769 cães estudados, que a prevalência da ruptura do LCC aumentou conforme os cães envelheceram, sendo principalmente acometidos os animais entre sete e dez anos de idade (WHITEHAIR et al., 1993). Constatou-se que ao envelhecer, o cão aumenta o risco de lesões dos ligamentos cruzados. A média de idade dos animais avaliados foi 7,21±2,55 anos. HARASEN (2003) explica que a força do LCC do cão declina com o envelhecimento devido à perda de organização dos feixes de fibras e alterações metaplásicas dos elementos celulares; mas, nos cães de raças maiores, estas alterações pronunciam-se em idade mais precoce.

Conclui-se que o sobrepeso está diretamente associado à ruptura de ligamento cruzado cranial de cães, sendo os adultos os mais acometidos e as fêmeas as mais afetadas e com maiores índices de massa corporal.



PRODUÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DA PESQUISA

BATISTA, M.; MÜLLER, D. C. M.; SPIER, J. D.; AMARAL, B. P.; BASSO, P. C. Ruptura do ligamento cruzado cranial de cães apresenta correlação com índice de massa corporal elevado. In: Salão do Conhecimento UNIJUI, 2012, Ijuí. Anais da XVII Jornada de Pesquisa/XX Jornada de Iniciação científica - UNIJUÍ. Ijuí: Unijuí, 2012.



GRUPO DE PESQUISA: SAÚDE ANIMAL

PROJETO: ESTUDO DA ANALGESIA PREEMPTIVA COM CLORIDRATO DE TRAMADOL EM OVARIOHISTERECTOMIA DE CADELAS – FASE 2

COORDENADOR: Daniel Curvello de Mendonça Müller

APRESENTAÇÃO:

É cada vez maior a preocupação com o bem-estar de animais. Associado a isso, busca-se protocolos analgésicos cada vez mais eficazes e incisões cirúrgicas cada vez menores. Sabendo-se que os estímulos dolorosos acarretam transtornos ao paciente, buscou-se neste trabalho avaliar o efeito preemptivo do Cloridrato de Tramadol, em cadelas submetidas à ovariosalpingohisterectomia. Serão avaliados os parâmetros fisiológicos de 14 cadelas adultas saudáveis, dentre eles: pressão arterial, frequência cardíaca, frequência respiratória, temperatura, escalas de avaliação de dor, desconforto e sedação. As avaliações iniciarão 24 horas antes do procedimento cirúrgico e encerrarão 6 horas após o procedimento ou quando realizada a analgesia resgate. Espera-se determinar o intervalo mais eficaz de aplicação de tramadol no uso preemptivo.



OBJETIVOS:

GERAL


- Avaliar a analgesia preemptiva do cloridrato de tramadol em ovariohisterectomia de cadelas.

ESPECÍFICOS



  • Determinar a ação do tramadol nos diferentes períodos de utilização pré-operatório.

  • Correlacionar avaliações de dor, sedação e desconforto do animal submetido à terapia com tramadol, nos diferentes períodos de aplicação pré-cirúrgica.

  • Verificar a eficácia e o melhor intervalo da aplicação do tramadol pré-cirúrgico.

RESULTADOS:

Até o presente momento, tem-se os seguintes resultados apresentados nas tabelas abaixo:



Tabela 1 – Avaliação álgica pela Escala Visual Analógica (EVA) dos animais que não receberam analgesia preemptiva de tramadol.

 

1 hora

2 horas

3 horas

4 horas

5 horas

6 horas

cão 2

eva 1

4.7

 

 

 

 

 

eva 2

7.4

 

 

 

 

 

 

6.05

 

 

 

 

 

cão 3

eva 1

2.5

0.5

0.4

1

0.6

4.2

eva 2

0.9

0.7

0.6

0.6

0.4

4.5

 

1.7

0.6

0.5

0.8

0.5

4.35

cão 4

eva 1

1.3

1.9

1.7

4.5

 

 

eva 2

2.8

0.7

0.5

5.3

 

 

 

2.05

1.3

1.1

4.9

 

 

cão 7

eva 1

1

1.6

2.1

2.4

3.4

 

eva 2

0.8

1.4

1.5

2.1

3.5

 

 

0.9

1.5

1.8

2.25

3.45

 

cão 8

eva 1

1.5

3.8

4

 

 

 

eva 2

1

2.7

3.8

 

 

 

 

1.25

3.25

3.9

 

 

 

cão 14

eva 1

1.2

1.4

1.6

1.6

 

 

eva 2

1.1

1.2

1.2

1.4

 

 

 

1.15

1.3

1.4

1.5




 

cão 15

eva 1

0.7

1.1

1.6

1.6

 

 

eva 2

0.5

0.9

1.2

2

 

 

 

0.6

1

1.4

1.8




 

cão 16

eva 1

0.6

0.7

1.9

2.7

3.0

3.3

eva 2

1.1

1.0

1.3

2.9

3.2

3.3

 

0.9

0.9

1.6

2.8

3.1

3.3

cão 17

eva 1

0.2

1.0

1.4

2.0

2.5

3.2

eva 2

0.9

0.9

1.6

2.2

2.2

3.1

 

0.6

1.0

1.5

2.1

2.4

3.2

Tabela 2 – Avaliação álgica pela Escala Visual Analógica (EVA) dos animais que receberam analgesia preemptiva de tramadol 24 horas antes da cirurgia.

 

1 hora

2 horas

3 horas

4 horas

5 horas

6 horas

cão 5

eva 1

0.5

0.9

0.9

3

3.5

 

eva 2

0.7

0.9

1

1.7

2.3

 

 

0.6

0.9

0.95

2.35

2.9




cão 6

eva 1

0.5

1

3.5

4

4

 

eva 2

0.5

0.8

1.6

2.5

2.8

 

 

0.5

0.9

2.55

3.25

3.4

 

cão 9

eva 1

0.5

1

1.1

1.1

 

 

eva 2

0.7

1.1

1.2

1.2

 

 

 

0.6

1.05

1.15

1.15

2.83

 

cão 10

eva 1

0.4

0.5

0.6

0.6

0.9

 

eva 2

0.7

0.8

1.2

1.2

1.3

 

 

0.55

0.65

0.9

0.9

1.1




cão 11

eva 1

0.3

0.4

0.7

3.6

 

 

eva 2

0.5

0.7

0.6

3

 

 

 

0.4

0.55

0.65

3.3

 

 

cão 12

eva 1

0.2

0.4

0.9

1.2

 

 

eva 2

0.9

1.1

1.4

1.5

 

 

 

0.55

0.75

1.15

1.35

2.83

 

cão 13

eva 1

0.2

0.5

2.1

2.3

 

 

eva 2

0.7

0.7

1.6

2

 

 

 

0.45

0.6

1.85

2.15

2.83

 

cão 26

eva 1

0.5

0.9

1.2

1.5

2.2

2.4

eva 2

0.7

1.1

1.2

1.7

2.4

2.5

 

0.6

1

1.2

1.6

2.3

2.45

cão 27

eva 1

0.3

0.5

0.8

2.3

4.4

 

eva 2

0.4

1

1.4

2.2

4.9

 

 

0.35

0.75

1.1

2.25

4.65

 

cão 28

eva 1

0.3

0.5

0.9

1.4

1.7

1.8

eva 2

0.7

1

1.3

1.5

1.9

2.2

 

0.5

0.8

1.1

1.5

1.8

2.0

cão 29

eva 1

0.4

0.7

1.1

1.7

2.1

2.5

eva 2

0.9

1.1

1.5

2.0

2.2

2.4

 

0.7

0.9

1.3

1.9

2.2

2.5

cão 30

eva 1

0.4

0.8

1.9

3.3

4.5

 

eva 2

0.7

1.0

2.0

3.0

4.1

 

 

0.6

0.9

2.0

3.2

4.3

 

Tabela 2 – Avaliação álgica pela Escala Visual Analógica (EVA) dos animais que receberam analgesia preemptiva de tramadol 6 horas antes da cirurgia.

 

1 hora

2 horas

3 horas

4 horas

5 horas

6 horas

cão 18

eva 1

0.7

1.9

2.9

4.1

 

 

eva 2

0.7

1.7

2.5

4.0

 

 

 

0.7

1.8

2.7

4.1

 

 

cão 19

eva 1

0.6

1.1

2.5

3.8

 

 

eva 2

1.1

1.8

2.8

4.1

 

 

 

0.9

1.5

2.7

4.0

 

 

cão 20

eva 1

0.5

0.8

1.2

1.5

1.9

2.0

eva 2

0.7

1.0

1.3

1.4

1.4

1.7

 

0.6

0.9

1.3

1.5

1.7

1.8

cão 21

eva 1

0.5

1.1

2.8

4.2

 

 

eva 2

1.0

1.9

2.7

4.2

 

 

 

0.8

1.5

2.8

4.2

 

 

cão 22

eva 1

0.6

0.9

1.4

2.0

2.3

2.7

eva 2

0.6

0.6

1.0

1.4

1.7

1.8

 

0.6

0.8

1.2

1.7

2.0

2.3

cão 23

eva 1

0.4

2.2

3.4

4.6

 

 

eva 2

0.7

1.4

2.3

4.3

 

 

 

0.6

1.8

2.9

4.5

 

 

cão 24

eva 1

0.4

0.5

0.7

1.0

1.1

2.0

eva 2

0.4

0.6

0.6

0.7

1.2

1.6

 

0.4

0.6

0.7

0.9

1.2

1.8

cão 25

eva 1

0.4

0.5

0.9

1.3

1.5

1.8

eva 2

0.4

0.5

0.9

1.0

1.1

1.2

 

0.4

0.5

0.9

1.2

1.3

1.5



PRODUÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DA PESQUISA:

CRUZ, P. L. T.; RODRIGUES, C. M.; RAKOSKI, A. S.; AMARAL, B. P.; Müller, Daniel Curvello de Mendonça; LUKARSEWSKI, R. Analgesia preemptiva com cloridrato de tramadol em Ovariohisterectomia de cadelas. In: Salão do Conhecimento - UNIJUÍ, 2012, Ijuí. Anais da XVII Jornada de Pesquisa/XX Iniciação Científica. Ijuí: Unijuí, 2012.



GRUPO DE PESQUISA: SAÚDE ANIMAL

PROJETO: Óleo Essencial de Alecrim-do-Campo (Baccharis Dracunculifolia) no Tratamento de Feridas Cutâneas - Avaliação Por Redes Neurais Artificiais

COORDENADOR: Daniel Curvello de Mendonça Müller

APRESENTAÇÃO:

A pele, tegumento que reveste o corpo dos animais, apresenta diversas funções importantes para o organismo. A manutenção de sua integridade é fundamental para impedir a penetração de microrganismos e a perda de líquidos essenciais à manutenção da vida. Diversas alternativas são buscadas, visando à redução do tempo de reparo ou obtenção de alternativas naturais para o tratamento. Um medicamento fitoterápico é aquele alcançado de plantas medicinais, onde se utiliza exclusivamente derivados de droga vegetal, tais como: suco, cera, exsudato, óleo, extrato, tintura, entre outros. Para a realização deste experimento, 10 coelhos serão divididos aleatoriamente em dois grupos com cinco animais cada. Serão confeccionadas duas lesões cirúrgicas, de 2x2cm de tamanho, no dorso de cada animal. O grupo A receberá o tratamento tópico com um fitoterápico, enquanto o grupo B receberá o tratamento convencional com antisséptico comercial. Todas as lesões contralaterais serão tratadas com solução fisiológica. A avaliação pós-operatória será realizada a cada três dias, durante 21 dias consecutivos, através de digitalização de imagens padronizadas. As comparações da evolução da ferida serão procedidas por matemática computacional. Espera-se desenvolver uma metodologia eficaz para avaliação e comparação de lesões cutâneas. Espera-se, ainda, obter informações científicas sobre determinados princípios fitoterápicos.



OBJETIVOS:

GERAL


- Avaliar a ação de fitoterápico uso tópico aplicado na cicatrização de feridas cutâneas, utilizando-se matemática computacional como metodologia.

ESPECÍFICOS



  • Definir princípios ativos fitoterápicos que substituam medicamentos de uso tópico para tratamentos de feridas cutâneas.

  • Caracterizar a evolução de feridas tratadas com fitoterápicos.

  • Propor uma metodologia de avaliação da cicatrização cutânea, através de captura de imagens e análise por matemática computacional.

RESULTADOS:

Até o presente momento foram executadas as etapas experimentais, restando-nos realizar as avaliações computacionais e estatísticas das imagens obtidas como resultado, na busca pelo melhor tratamento de feridas cutâneas.



GRUPO DE PESQUISA: SAÚDE ANIMAL

PROJETO: OXIGÊNIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE FERIDAS CUTÂNEAS

COORDENADOR: Daniel Curvello de Mendonça Müller

APRESENTAÇÃO:

A pele, tegumento que reveste o corpo dos animais, apresenta diversas funções importantes para o organismo. A manutenção de sua integridade é fundamental para impedir a penetração de microrganismos e a perda de líquidos essenciais à manutenção da vida. Diversas alternativas são buscadas, visando à redução do tempo de reparo ou obtenção de alternativas naturais para o tratamento. O uso da oxigênioterapia hiperbárica está sendo amplamente utilizada na medicina humana com o intuito de auxiliar no processo cicatricial de feridas, reduzindo o tempo da recuperação do tecido lesado. Para a realização deste experimento, 10 coelhos serão divididos aleatoriamente em dois grupos (A e B) com 5 animais em cada. Será confeccionada lesão cirúrgica, de 2x2cm de tamanho, no dorso de cada animal. Ambos os grupos receberão limpeza diária com solução fisiológica e gaze, porém o grupo B receberá também sessões diárias de oxigênioterapia com duração de 30 minutos. A avaliação pós-operatória será realizada a cada três dias, durante 21 dias consecutivos, através de digitalização de imagens padronizadas. As comparações da evolução da ferida serão procedidas por matemática computacional. Espera-se obter informações sobre a eficiência da oxigênioterapia hiperbárica no tratamento de feridas.



OBJETIVOS:

GERAL


- Avaliar a ação da oxigênioterapia hiperbárica na cicatrização de feridas cutâneas, utilizando-se matemática computacional como metodologia.

ESPECÍFICOS

- Analisar a eficiência da terapia hiperbárica no tratamento de feridas cutâneas.

- Caracterizar a evolução de feridas dos coelhos expostos às sessões de oxigênioterapia.



RESULTADOS:

Até o presente momento, foram executadas as etapas experimentais, restando-nos realizar as avaliações computacionais e estatísticas das imagens obtidas como resultado, na busca pelo melhor tratamento de feridas cutâneas.



GRUPO DE PESQUISA: SAÚDE ANIMAL

PROJETO: TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO NA EVOLUÇÃO DO ENSINO DE CIRURGIA VETERINÁRIA

COORDENADOR: DANIEL CURVELLO DE MENDONÇA MÜLLER

APRESENTAÇÃO:

Nos últimos anos, as instituições têm se reestruturado para realizar melhorias nos paradigmas do processo de ensino e aprendizagem, indo assim, ao encontro dos anseios das novas gerações e da demanda econômica. A proposta deste projeto é utilizar-se dos meios audiovisuais instantâneos no ensino das disciplinas fundamentais de cirurgia veterinária. Será instalado no bloco cirúrgico do Hospital Veterinário da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul todo o aparato audiovisual que permita a transmissão simultânea para o auditório de aula do bloco cirúrgico.



OBJETIVOS:

GERAL


- Propor uma alternativa metodológica adequada, que diminua o número de animais experimentais utilizados em aulas de cirurgia veterinária.

ESPECÍFICOS

- Instituir alternativas metodológicas para o ensino de cirurgia veterinária;

- Diminuir a utilização experimental de animais em aulas de cirurgia veterinária;

- Diminuir o número de animais eutanasiados após as aulas de cirurgia veterinária;

- Adequar-se às normas vigentes sobre ética e utilização de animais experimentais;

- Incrementar a qualificação cirúrgica de médicos veterinários;

- Qualificar o processo de ensino aprendizagem na área de cirurgia veterinária.



GRUPO DE PESQUISA: SAÚDE ANIMAL

PROJETO: TERMOMETRIA DE PINOS DE STEINMANN, CONECTADOS POR METILMETACRILATO

COORDENADOR: DANIEL CURVELLO DE MENDONÇA MÜLLER

APRESENTAÇÃO:

A fixação esquelética externa é o modo de estabilização de fraturas ou articulações por meio de pinos de fixação percutânea que penetram nas corticais ósseas internamente, e são conectados externamente em uma estrutura rígida. A termografia é um método não invasivo de diagnóstico por imagem que registra padrões térmicos gerados pela emissão infravermelha de calor da superfície de objetos. Seu uso está indicado em várias áreas, dentre elas geologia, engenharia e construção civil, biologia, indústria bélica, medicina veterinária e medicina humana. O objetivo desde trabalho é, através de imagens termográficas, padronizar uma distância mínima segura entre os pinos e a pele para que o calor conduzido não leve a necrose tecidual, correlacionando a influência do diâmetro da barra de acrílico na geração do calor e o diâmetro dos pinos na transmissão do calor.



OBJETIVOS:

O projeto tem por objetivo avaliar objetiva e quantitativamente a geração de calor pela reação exotérmica do PMMA e a transmissão deste calor através dos pinos de aço inoxidável com o uso da imagem termográfica.



RESULTADOS:

Os resultados já foram obtidos na íntegra, contudo não foram confrontados entre si para aferir seus pontos de significância.





1   2   3   4   5   6   7   8


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal