Sistema de Avaliação



Baixar 57.17 Kb.
Encontro11.10.2019
Tamanho57.17 Kb.

ECONOMIA DOS TRANSPORTES

Sistema de Avaliação:
1ª Verificação de Aprendizado de 15 pontos; 2ª prova de 25 pontos; 3ª prova de 35 pontos; trabalhos práticos no total de 25 pontos; Prova especial de 100 pontos.


Bibliografia Básica:


- Novaes, Antônio Galvão. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. Editora Campus - Elsevier. 2007.

- Valente, Amir Mattar. Gerenciamento de Transporte e Frotas. Editora cencage learning, 2ª edição 2012.

- Valente, Amir Mattar et. al. Qualidade e Produtividade nos Transportes. editora: Cengage. 2008.

Bibliografia Complementar:

- CAIXETA FILHO, José Vicente:ü CARNEIRO, Augusto Hauber. Transporte e Logística em Sistemas Agro industriais. Atlas, 2001. 

- CAIXETA FILHO, José Vicente: MARTINS, Ricardo Silveira.ü Gestão Logística do Transporte de Cargas. Atlas, 2001. 

- ALVARENGA,ü Antônio Carlos: NOVAES, Antônio Galvão. Logística Aplicada Suprimento e Distribuição Física. 3 ed. Edgard Blucher, 2000.

- BALLOU, Ronaldü      H.Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento, Organização e Logística Empresarial. 4 ed. Bookman, 2001. 

-  Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras: relatório executivo / IPEA, ANTP – Brasília: IPEA: ANTP,2003. 

- Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporteü Rodoviário de Cargas. Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística. 

- Fundamentos de Economia dos Transportes: apostila do Prof. Joãoü Francisco Baeta Costa – UFMG 



- Economia dos Transportes – Temas paraü pesquisas, estudo e desenvolvimento – apostila do Prof. José Augusto Matuck – Escola de Engenharia Kennedy

Objetivos do curso:


  • Analisar, de forma geral, a importância dos meios de transportes nos aspectos estratégicos, econômicos e sociais, no desenvolvimento e crescimento econômico do país.

  • Analisar os meios de transportes, como elementos básicos no escoamento da produção dos mais diversos setores e transportes de insumos necessários à produção.

  • Analisar os fatores que influem nos custos de transporte e, portanto, nos custos finais dos produtos e serviços.

  • Estudar, de forma geral, transporte urbano, sob os aspectos sociais, técnico – operacionais e influências nos ambientes de trabalho e conseqüências econômicas.

  • Estudar o transporte, visando determinar a sua melhor utilização (vocação).

  • Estudar os custos e conseqüências dos acidentes de trânsito.


CAP. I – INTRODUÇÃO
1. Conceitos básicos:
- Trânsito: circulação de bens e pessoas no espaço e no tempo. CTB: "Considera-se trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga e descarga."
- Transportes: meios de se satisfazer às necessidades de deslocamento de pessoas e bens no espaço e no tempo.
- Logística: ramo da gestão cujas atividades estão voltadas para o planejamento da armazenagem, circulação (terra, ar e mar) e distribuição de produtos: rotas de circulação, meios de transportes, locais de armazenagem (depósitos) entre outros fatores que influenciam na área.



2. Objetivos principais dos transportes:



Relação: produtores x indústria da transformação x consumidores

  • Promover o desenvolvimento econômico e social "alargando" fronteiras internas e externas e possibilitando a produção de bens do sistema econômico, através de:

  • suprimento dos mercados produtores;

  • circulação das mercadorias e suprimento dos mercados consumidores;

  • rotação do capital engajado na produção.

  • satisfazer às necessidades sócio-econômicas de seus usuários. (lazer, cultura, instrução, saúde).


Características do Setor Transportes1

  • MULTIPROBLEMÁTICO: envolvendo espectro de questões que incluem planejamento, políticas, construção, operação, gestão e manutenção de modos e sistemas de transportes.

  • MULTIMODAL: Abrange as várias modalidades de transportes de carga e de passageiros;

  • MULTISETORIAL: engloba problemas de interesse dos setores públicos e dos setores da atividade econômica privada, bem como da sociedade em geral;

  • MULTIDISCIPLINAR:




  • Planejamento de modos e sistemas de transportes;

  • Planejamento e projeto de serviços e de infra-estruturas;

  • Política nacional e internacional;

  • Comércio local, nacional e internacional;

  • Políticas institucionais, de financiamento e de regulamentação;

  • Economia urbana, regional, internacional;

  • Administração pública e privada;

  • Questões Operacionais.



3. A busca do equilíbrio entre Oferta e Demanda



3.1. Oferta

  • Sistema de transporte existente:

  • Vias (infra-estrutura)

  • Veículos (tecnologia)

  • Terminais ou pontos de transbordo:

- carga - armazéns; - centros de distribuição;

- passageiros - estações (modais rodoviário e ferroviário);

- portos e aeroportos. (modais aeroviário e aquaviário)
3.2. Demanda
Relacionada com a necessidade de transporte, gerada em função:


  • - das mercadorias a transportar;

  • - do itinerário pelo qual ele deverá ser feito;

  • - da velocidade, segurança e regularidade da sua realização;

  • - do preço teto limite do qual não será mais econômica sua concretização.

Gráfico típico da relação QUANTIDADE (Y) X PREÇO (X) para a procura (demanda) e a oferta de bens e serviços (transporte).


3.3. Elasticidade demanda - tarifa
η = d ÷ p ou p . ∆d

d p d p

- DEMANDA ELÁSTICA: Quando | η | > 1, diz-se que a demanda é elástica, ou seja, a variação percentual na quantidade demandada é maior que a variação percentual no preço. No caso do transporte público, significa dizer que a elevação da tarifa provoca uma redução na quantidade de passageiros percentualmente maior do que a variação percentual aplicada a tarifa. Interpreta-se como a sensibilidade relativamente alta da demanda em relação ao preço;

- DEMANDA INELÁSTICA: Quando | η | < 1, diz-se que a demanda é inelástica, ou seja, a variação percentual na quantidade demandada é menor que a variação percentual no preço. No caso do transporte público, significa dizer que a elevação da tarifa provoca uma redução na quantidade de passageiros percentualmente menor que a variação percentual aplicada à tarifa. Interpreta-se como a sensibilidade relativamente baixa da demanda em relação ao preço.

- ELASTICIDADE UNITÁRIA: Quando | η | = 1, diz-se que a demanda é unitária, ou seja, a variação percentual na quantidade de passageiros é igual à variação percentual aplicada na tarifa.



3.4. Impacto na receita
R ( p ) = d . p

A receita marginal que terá o mesmo sentido da variação do custo da tarifa se | η | < 1, ou seja, se o regime for inelástico. Por outro lado, se | η | >1, a receita marginal terá sentido contrário ao da variação do custo da tarifa, ou seja, se o regime for elástico. No regime de elasticidade unitária, | η | = 1, a variação da receita será zero, independente da variação aplicada à tarifa.



3.5. Elasticidade cruzada

η x,y = py . dqx (2.7)

qx dpy

- Se η x,y > 0 , conclui-se que um aumento no preço do bem ou serviço “y” acarreta um aumento na demanda do bem ou serviço “x”, ou seja, os bens ou serviços são substitutos.

- Se η x,y < 0 , verifica-se que um aumento no preço do bem ou serviço “y” acarreta uma redução na demanda pelo bem ou serviço “x”, ou seja, os bens ou serviços “x” e “y” são complementares.

- Se η x,y = 0 , conclui-se que os bens ou serviços “x” e “y” são independentes, ou seja, o preço de um não exerce nenhuma influência sobre a quantidade demandada do outro bem.


4. Demanda de mercado e oferta de transporte
O transporte está diretamente ligado a toda produção do país, levando todos os tipos de produtos aos consumidores. Portanto, quanto maior a demanda do mercado, maior será a exigência de transporte.
a) Se a Demanda do mercado for igual à Oferta de transporte, temporariamente haverá estabilidade pois o que é produzido é transportado. Como a produção tende a crescer, haverá exigências também de se incrementar a oferta de transporte. Caso esta não cresça, a Demanda do mercado se tornará superior à Oferta de transporte e parte da produção ficará estocada na origem sem poder ser comercializada, correndo-se o risco, portanto, de bloqueio do crescimento da produção e da economia. Há necessidade, portanto de investimentos programados para que a oferta não fique inferior à demanda.

Quantidade



Demanda do Mercado

investimento


Oferta

Ano

2005


2010


  1. Se a Demanda do mercado for maior que a Oferta do transporte (ver no gráfico a situação entre 2005 e 2010). Somente parte da produção é transportada. A competição dos produtores junto às transportadoras elevará o preço das tarifas, influindo no preço final do produto. Há necessidade de análises dos sistemas modais e investimentos imediatos para atendimento ao mercado.




  1. Se a Demanda do mercado for menor que a Oferta de transporte (ver no gráfico, situação anterior a 2005), toda a produção será transportada, tendo seu crescimento garantido por determinado tempo caso haja paralisação de investimentos no sistema de transporte.

Haverá ociosidade na capacidade, permitindo às transportadoras, ajustes de investimentos nas frotas de veículos de conformidade como aumento da demanda.

A competição tarifária estará presente com redução de preços e exigências de melhoria da produtividade.

O planejamento de novos investimentos escalonados se torna mais fácil.

É lógico que as análises são feitas regionalmente ou setorialmente.




5. Funções Econômicas Específicas do Transporte2

A principal função dos transportes é a de relacionar a sociedade com o uso do solo, movendo bens e pessoas de um lugar para outro, impedindo desta maneira que os homens e suas produções fiquem confinados a seus ambientes locais, possibilitando a expansão dos negócios e da cultura, mas, em contrapartida, afetando-os por contatos com outros meios.



Funções Econômicas do Transporte:

  • Utilização dos recursos naturais;

  • Especialização Regional;

  • Novos mercados;

  • Descentralização;

  • Fator Tempo;

  • Força motriz e energia;

  • Social;

  • Cultural;

  • Política;

  • Industrial;

  • Individual;

Os transportes estão presentes no dia-a-dia das pessoas dos mineiros, garantindo sua mobilidade e oferecendo acessibilidade às oportunidades de trabalho e aos serviços sociais básicos. Ademais, viabilizam os fluxos de mercadorias entre os municípios de Minas Gerais e entre esses e os demais estados da Federação. Conectando as diferentes regiões do Estado, possibilitam a especialização produtiva regional e interligam atividades espacialmente dispersas dentro do sistema econômico.
Por tudo isso, os transportes desempenham um papel fundamental na dinâmica da economia mineira. Contribuem para a formação do Produto Interno Bruto (PIB), consomem expressiva quantidade de bens e serviços e ocupam mais de duas centenas de milhar de trabalhadores. Os transportes são também importante fonte de receita e um significativo item das despesas públicas dos três níveis de governo.”3

A importância dos transportes na economia pode ser medida de várias maneiras, por exemplo, através:

- Do valor adicionado à economia pelos serviços de transporte de pessoas e bens;

- do contingente populacional ocupado no setor;

- Do Valor Bruto da Produção (VBP);

- Da participação dos transportes na matriz energética.

Trabalho Prático 1

  1. Como o transporte pode promover o desenvolvimento econômico e social de uma região?




  1. O setor de transporte apresenta como característica o fato de ser multiproblemático. Explique.




  1. O que deve acontecer com a economia se a demanda por produtos for maior que a capacidade de transporte?




  1. Cite três funções econômicas do transporte.



  1. O que gera a demanda pelo transporte?

6. Considerando que a elasticidade demanda-tarifa do transporte público de Belo Horizonte é da ordem de -0.6 , o que acontecerá, a longo prazo com a demanda de 1,5 milhões de passageiros se a tarifa diminuir em 10%? E com a receita do sistema de transportes?




1 Fundamentos de Economia dos Transportes – Prof. João Francisco Baeta Costa - UFMG

2 Fundamentos de Economia dos Transportes – Prof. João Francisco Baeta Costa - UFMG

3 Minas Gerais do século XXI – volume III - Infra-estrutura: sustentando o desenvolvimento. Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, Belo Horizonte: Rona Editora, 2002







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal