Sensiprot



Baixar 48.53 Kb.
Encontro11.05.2018
Tamanho48.53 Kb.

Inserir o nome do Laboratório

Procedimento Operacional Padrão

SENSIPROT

Página de 4

POPBIO xxx/xx



SENSIPROT



INDICAÇÃO MÉICA DO EXAME

A determinação da proteína na urina é útil na avaliação da função renal. Sua determinação no líquor auxilia na abordagem laboratorial de doenças neurológicas.


PRINCÍPIO

O vermelho de pirogalol reage com o molibdato de sódio formando um complexo que, quando combinado com a proteína em meio ácido, desenvolve um cromóforo azul, com o máximo de absorção em 600 nm. A absorbância resultante é diretamente proporcional à concentração de proteína na amostra.


AMOSTRA

Preparo do paciente


Não requer preparo especial

Tipos de amostra


Usar urina (amostra de uma micção ou colhida com intervalo de 24 horas) e líquor. Todas as amostras devem ser contrifugadas.

Armazenamento e estabilidade da amostra


A urina não analisada logo após a colheita pode ser armazenada por até um ano a 20 ºC negativos.

O analito é estável no líquor por 4 dias entre 2 - 8 ºC e por seis meses a 20 ºC negativos.


Volume mínimo


(Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise)

Volume ideal


(Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise)

Critérios para rejeição da amostra


Presença de hemólise nas amostras de líquor.

Fazer referência ao manual ou POP de colheita, separação e distribuição de material.
PRODUTO UTILIZADO

Sensiprot, Catálogo 36-50 ANVISA - 10009010140

Labtest Diagnóstica

Av. Paulo Ferreira da Costa, 600

Lagoa Santa, MG, 33400-000
Reagente de Cor: Armazenar entre 2 - 8 ºC.

Contém vermelho de pirogalol  60mol/L, molibdato de sódio  40mol/L, oxalato de sódio 1 mmol/L, tampão 50 mmol/L pH 2,5, surfactantes e preservativos.



Padrão - 50 mg/dL: Armazenar entre 2 - 8 ºC.

Contém azida sódica 0,05%.



Precauções e cuidados especiais

  1. Os cuidados habituais de segurança devem ser aplicados na manipulação do reagente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.

  2. Os reagentes não abertos, quando armazenados nas condições indicadas são estáveis até a data de expiração impressa no rótulo. Durante o manuseio, os reagentes estão sujeitos à contaminação de natureza química e microbiana que podem provocar redução da estabilidade. O laboratório deve estabelecer a estabilidade em suas condições operacionais.

  3. O padrão contém azida sódica, que é tóxica. Deve-se tomar cuidado para evitar a ingestão e, no caso de contato com os olhos, lavá-los imediatamente com grande quantidade de água e procurar auxílio médico. A azida pode formar compostos altamente explosivos com tubulações de chumbo e cobre. Utilizar grandes volumes de água para descartar o reagente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.

  4. Um forte indício de deterioração do Reagente de Cor é indicado por absorbância menor que 0,170 quando medido em 600 nm contra água. Por outro lado, absorbância acima de 0,290 indica contaminação.


EQUIPAMENTOS

Procedimento manual


  1. Fotômetro com cubeta termostatizada capaz de medir com exatidão a absorbância em 545 nm ou filtro verde (510 a 550 nm).

  2. Incubador ou banho-maria mantido a temperatura constante (37 ºC).

  3. Pipetas para medir amostras e reagentes.

  4. Cronômetro.

Procedimento automatizado


Indicar o nome, modelo e o local onde se encontra o equipamento analítico; fazer referência ao manual ou POP para utilização do mesmo.

Procedimento alternativo


Indicar o equipamento alternativo e os procedimentos para medição dos ensaios. Enumerar as diferenças esperadas quando procedimentos manuais substituem procedimentos automatizados.

CONTROLE DA QUALIDADE

Materiais


Identificar os materiais para controle interno e externo da qualidade (fabricante, número de catálogo), instruções de preparo e frequência da utilização dos mesmos.

Limites de tolerância

Descrever o procedimento para definição dos limites de tolerância, o sistema adotado para utilização do mapa de Levey-Jennings e das regras de controle e as providências a serem tomadas diante de valores que ultrapassem tais limites. Fazer referência ao manual ou POP para utilização dos materiais de controle.

Verificação de novo lote de controles e/ou reagentes

Descrever o procedimento de verificação de novos lotes de controles e de reagentes.

Gerenciamento dos dados


Definir como os dados relativos ao controle da qualidade são arquivados e gerenciados.

Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade.

PROCEDIMENTO

Procedimento manual


  1. Tomar 3 tubos de ensaio e proceder como a seguir:







Branco

Teste

Padrão

Amostra

-----

0,05 mL

-----

Água destilada ou deionizada

0,05 mL

-----

-----

Padrão (nº 2)

-----

-----

0,05 mL

Reagente de Cor (nº 1)

1,0 mL

1,0 mL

1,0 mL




  1. Misturar e colocar em banho-maria a 37 ºC durante 5 minutos.

  2. Determinar as absorbâncias do teste e do padrão em 600 nm (580 a 620 nm), acertando o zero com o branco. A absorbância é estável por 30 minutos.
Procedimento automatizado

Fazer referência ao manual ou POP para utilização do equipamento analítico. Anexar o guia de aplicação dos reagentes para o sistema automático.

Precauções e cuidados especiais

  1. Para manusear e descartar reagentes e material biológico, aplicar as normas estabelecidas de segurança. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.
  2. A limpeza e secagem adequadas do material são fatores fundamentais para a estabilidade dos reagentes e obtenção de resultados corretos. Fazer referência ao manual ou POP de limpeza e verificação da qualidade da limpeza dos materiais.


  3. A água utilizada no laboratório deve ter a qualidade adequada a cada aplicação. Assim, para preparar reagentes e usar nas medições, deve ter resistividade 1 megaohm ou condutividade 1 microsiemens e concentração de silicatos 0,1 mg/L (água tipo II). Para o enxágüe da vidraria a água pode ser do tipo III, com resistividade 0,1 megaohms ou condutividade 10 microsiemens. No enxágüe final utilizar água tipo II. Quando a coluna deionizadora está com sua capacidade saturada ocorre a produção de água alcalina com liberação de vários íons, silicatos e substâncias com grande poder de oxidação ou redução que deterioram os reagentes em poucos dias ou mesmo horas, alterando os resultados de modo imprevisível. Assim, é fundamental estabelecer um programa de controle da qualidade da água. Fazer referência ao manual ou POP de água reagente.


CÁLCULOS

Ver linearidade.

Absorbância do teste

Proteína (mg/dL) = x 50

Absorbância do padrão
Devido a grande reprodutibilidade que pode ser obtida com a metodologia, o método do fator pode ser empregado.

50

Fator de calibração =



Absorbância do padrão
Proteína (mg/dL) = Absorbância do teste x Fator
RESULTADOS

Unidade de medida

mg/dL


Conversão de mg/dL para Unidades SI: mg/L = mg/dL x 0,01

Valores de referência


Líquor: 15 a 45 mg/dL

Urina: 1 a 15 mg/dL

28 a 141 mg/24 horas
LIMITAÇÕES DO PROCEDIMENTO

Linearidade


A reação é linear até 100 mg/dL. Para valores maiores diluir a amostra com NaCI 150 mmol/L (0,85%), realizar nova determinação e multiplicar o resultado obtido pelo fator de diluição. Diluir a amostra de tal modo que o valor encontrado se situe entre 20 e 80 mg/dL. Sugerimos a verificação da linearidade metodológica e fotométrica, no mínimo semestralmente, utilizando amostras com valores de até 100 mg/dL. Indicar o procedimento de diluição utilizado no laboratório.

Interferências


1- Fosfato inorgânico, cálcio, magnésio, creatinina, uréia e glicose produzem interferências positivas inferiores a 5%.

2- Ácido úrico, citrato de sódio, oxalato de sódio e ascorbato produzem interferências negativas inferiores a 5%.

3- A presença de hemólise e hematúria podem elevar falsamente as dosagens de proteínas.

4- Para uma revisão das fontes fisiopatológicas e medicamentosas de interferência nos resultados e na metodologia, sugere-se consultar Clin Chem 1975;21:1D-432D.


SIGNIFICADO CLÍNICO

Em condições habituais ocorre pequena excreção de proteínas na urina, podendo atingir 140 mg/24 horas ou 15 mg/dL. Indivíduos sadios podem mostrar aumento da proteinúria após exercício físico vigoroso e na desidratação. Aumentos também podem ocorrer nos casos de hemorragias e nos estados febris.

A detecção de quantidades anormais de proteína na urina é um indicador confiável de doença renal, estando indicada a realização da medida quantitativa da excreção em 24 horas.

Com base nos dados de vários testes e no exame clínico, a proteinúria pode ser caracterizada como tendo padrão glomerular ou tubular, de acordo com a porção do nefrom primariamente afetada. Entretanto, estes padrões anatômicos podem se confluir à medida que a doença renal progride. Um terceiro tipo é denominado proteinúria de sobrecarga quando o material protéico de origina de fontes extra-renais, como a hemoglobina decorrente da hemólise intravascular ou a imunoglobulina do mieloma.

A nefropatia diabética franca é usualmente acompanhada de proteinúria intensa (3 a 4 g/24 horas).

Os valores da proteína no líquor variam ligeiramente com a idade, sendo mais elevados nos primeiros seis meses, reduzindo-se a níveis abaixo do normal do adulto jovem e chegando a valores de 15 a 45 mg/dL após 10 anos. Após 45 anos ocorre elevação progressiva com a idade.



Concentrações elevadas da proteína do líquor ocorrem na punção lombar traumática por contaminação com sangue periférico; no aumento da permeabilidade da barreira hematoencefálica,principalmente por infecções das meninges; na obstrução da circulação; na síntese aumentada das proteínas dentro do sistema nervoso central, como na esclerose múltipla progressiva e neurosífilis; em condições degenerativas como Síndrome de Parkinson e Esclerose Lateral Amniotrófica; em pacientes com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA/AIDS) e acometimento primário ou secundário do sistema nervoso central.
REFERÊNCIAS

  1. Dilena BA, Penberthy LA, Fraser CG. Clin Chim 1983; 29: 553-7.

  2. McElderry LA, Tarbitt IF, Cassells-Smith AJ. Clin Chim 1982; 28: 356-60

  3. Pesce MA, Strande CS. Clin Chem 1973,19:1265-67.

  4. Watanabe N, Kamel S, Ohkubo A, Yamakna M. Clin Chem 1986:32:1551-54

  5. Westgard JO, Barry PL, Hunt MR. Clin Chem 1981; 27: 493-501.

  6. Sensiprot, Instruções de uso, Labtest Diagnóstica.






Nome

Assinatura

Data

Elaborado por:







___/___/___

Aprovado por:







___/___/___

Implantado por:







___/___/___

Substitui POP:




Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Desativado por:







___/___/___

Razão:







Número

Destino

Cópias












©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal