Seguem-se algumas recomendações sobre os hábitos de vida saudáveis com eficácia comprovada cientificamente



Baixar 18.7 Kb.
Encontro01.01.2018
Tamanho18.7 Kb.

VIII. Tratamento Não-Medicamentoso


A adoção de hábitos de vida saudáveis é fundamental para o tratamento da hipertensão, reduzindo níveis pressóricos e o risco cardiovascular global, melhorando a eficácia do tratamento muitas vezes com efeitos aditivos. A mudança de estilo de vida pode ter efeito equivalente a algumas medicações anti-hipertensivas em monoterapia. Por isso o esforço dos profissionais de saúde em atuar na tentativa de eliminação ou redução dos fatores de risco modificáveis é tão importante.   

Dentre as modificações nos hábitos de vida capazes de levar a uma redução da pressão arterial estão a perda de peso nos indivíduos com obesidade ou sobrepeso, a adoção de dieta rica em cálcio e potássio (DASH –Dietary Approaches to Stop Hypertension) e pobre em sódio, a atividade física e a moderação no consumo de álcool.  

As orientações devem ser feitas apropriadamente, preferencialmente através de recomendações escritas ou material áudio-visual. Sabe-se que o simples fato de falar com os pacientes sobre essas intervenções não parece ter eficácia significativa. Deve-se utilizar também o recurso das abordagens coletivas com a participação de equipes interdisciplinares.  

Seguem-se algumas recomendações sobre os hábitos de vida saudáveis com eficácia comprovada cientificamente:



  • O consumo de café, se além de cinco copos por dia, e produtos ricos em cafeína deve ser desencorajado.

  • Dieta rica em potássio (alimentos como feijão, ervilha, vegetais verde-escuros, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata, laranja) promove redução modesta de PA. O uso de suplementos de cálcio (Ca), magnésio (Mg) e potássio (K) não se mostrou eficaz. Deve-se ter atenção especial com relação a indivíduos com função renal diminuída, devido ao risco de hiperpotassemia.

  • Embora não exista uma correlação forte entre o tabagismo e a PA, deve-se sempre orientar o abandono do hábito buscando-se a prevenção de outras doenças cardiovasculares, pulmonares e neoplásicas. Para isso, é fundamental a capacitação dos profissionais da UBS para a abordagem adequada do tema.

  • Estudos experimentais mostram elevação transitória da PA em situações de estresse, ou elevações mais prolongadas, como na privação do sono. Estudos mais recentes evidenciam o efeito do estresse psicoemocional na reatividade cardiovascular e da PA, podendo contribuir para HA sustentada. Técnicas de relaxamento, como meditação, terapias cognitivas, relaxamento muscular e biofeedback, parecem ser capazes de levar à redução na PA, podendo ser utilizadas como medidas adicionais na abordagem não farmacológica de pacientes hipertensos. No entanto, não há respaldo científico suficiente para recomendar que sejam implementadas rotineiramente com essa finalidade pelas ESF.

Tabela VII.1:Principais modificações no estilo de vida para o manejo da hipertensão arterial

Modificação

Recomendação

Redução aproximada da PA

Observações

Redução do peso corporal

Manter IMC entre 18,5 e 24,9.

Circunferência abdominal <88cm para mulheres e <102cm para homens.



5 a 20 mmHg de redução para cada 10 Kg de peso

Redução do peso está relacionada à queda da insulinemia, da sensibilidade ao sódio e da atividade do SN simpático. A diminuição de 5 a 10% do peso inicial já é suficiente para reduzir a PA.

Dieta hipossódica

Manter ingestão de sódio inferior a 2,4g/dia (equivalente a 6g/dia de cloreto de sódio)

2 a 8 mmHg

A dieta habitual contém de 10 a 12g/dia de sal. É saudável ingerir até 6g/dia de sal (4 colheres de café rasas adicionadas aos alimentos, que contêm 2g de sal). O uso de cloreto de potássio no lugar do sal pode ser recomendado, porém é absolutamente contra-indicado em pacientes com risco de hiperpotassemia.

Dieta DASH

Manter dieta rica em frutas e vegetais  (4 a 5 porções de cada/dia) e de baixo teor lipídico (2 a 3 porções de laticínios desnatados/dia com menos de 25% de gordura).

8 a 14 mmHg

Enfatiza consumo de alimentos integrais e maior quantidade de fibras, potássio, cálcio e magnésio.

Atividade física


Atividade aeróbica regular (pelo menos 30 minutos por 3 a 5 vezes/semana)

4 a 9 mmHg


Atividade física pode reduzir risco de doença arterial coronária, AVC e mortalidade geral.

Hipertensos com PA>180X100 mmHg só devem iniciar exercício após início do tratamento medicamentoso e orientação médica.

Atividades leves a moderadas, trazem o mesmo benefício que a atividade intensa para redução de risco CV.

A intensidade moderada do exercício pode ser estabelecida pela respiração (conseguir falar frases compridas sem interrupção) e pelo cansaço subjetivo (sentir-se moderadamente cansado no exercício).



Moderação no consumo de álcool

Limitar o consumo a 30 g/dia de etanol para homens e 15g/dia para mulheres

2 a 4 mmHg

Nos casos em que haja consumo excessivo deve-se buscar sua redução através de intervenções breves e estruturadas.  Volume para 30g de etanol:

cerveja: 625ml (~2 latas ou 1 garrafa)

vinho: 312,5ml (~1,5 taça)

uísque, vodka, pinga: 93,7ml (~2 doses)







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal