Rotina da comissão de infecçÃo hospitlar do hosítal regional da asa sul/hospital materno infantil de brasília/ses/DF


Precauções baseadas na via de transmissão



Baixar 0.51 Mb.
Página4/5
Encontro21.10.2017
Tamanho0.51 Mb.
1   2   3   4   5
2 Precauções baseadas na via de transmissão

São baseadas nas formas de transmissão das doenças infecciosas e designadas para pacientes suspeitos, infectados ou colonizados por patógenos transmissíveis e de importância epidemiológica. São classificadas em três tipos:

  • Precauções de contato

  • Precauções para gotículas

  • Precauções para aerossóis


2.1 PRECAUÇÕES DE CONTATO
Indicação:

Indicada para a assistência a pacientes com infecção, suspeita ou confirmada, ou colonização por microrganismos epidemiologicamente importantes que possam ser transmitidos por contato direto e indireto.

Exemplos: microrganismos multirresistentes, abcesso com drenagem não contida, escabiose, pacientes com diarreia.
Orientações para as precauções de contato
Manter precaução padrão:


  • Higienização das mãos;

Quarto

  • Se possível utilizar quarto privativo ou comum para pacientes acometidos com o mesmo microrganismo;

Avental

  • Usar avental de manga longa sempre que houver possibilidade de contato do profissional com paciente;

  • Retirar o avental imediatamente após contato com paciente;

Luvas

  • Usar luvas ao entrar em contato com o paciente;

  • Calçar as luvas antes do contato com superfícies e equipamentos da unidade do paciente;

  • Retirar as luvas imediatamente após contato com paciente;

  • Realizar a higienização das mãos;

Artigos

  • Exclusivos para o exame ou cuidados com o paciente.

Transporte

  • Limitar o transporte do paciente para outros setores.

  • Quando necessário o transporte do paciente, o profissional de saúde que o acompanha deve usar luvas e avental.

  • Avisar com antecedência o setor ao qual está sendo encaminhado.

  • Cadeiras e macas utilizadas no transporte devem ser desinfetadas;

Sinalização

  • Sinalizar cabeceira da cama ou porta do quarto;

  • Retirar as luvas e o avental imediatamente após contato com paciente, desprezando os mesmos.


2.2 PRECAUÇÕES PARA GOTÍCULAS
Indicação:

São indicadas para a assistência a pacientes com infecção, suspeita ou confirmada, causada por microrganismos transmitidos por via inalatória através de gotículas maiores que 5  (micra) e que se disseminam a curta distância (cerca de um metro), visando proteção dos profissionais de saúde e de outros pacientes.



Exemplos: meningite meningocócica; coqueluche, difteria, influenza, rubéola, caxumba.
Orientações para as precauções com gotículas:
Precauções padrão

  • Higiene de mãos ao entrar no quarto

Quarto Privativo

  • Obrigatório quarto individual ou comum para pacientes acometidos com o mesmo microrganismo;

Máscara

  • Colocar a máscara cirúrgica ao entrar no quarto do paciente;

  • A máscara deve ser desprezada à saída do quarto;

Transporte

  • Limitar o transporte do paciente para outros setores.

  • Quando necessário o transporte, o paciente deve usar máscara cirúrgica;

Sinalização

  • Sinalizar o quarto ou leito;

Visitas

  • Restritas e sob orientação.


2.3 PRECAUÇÕES PARA AEROSSÓIS

São indicadas para a assistência a pacientes com infecção, suspeita ou confirmada, causada por microorganismos transmitidos por via inalatória através de partículas menores que 5 e que se disseminam a longa distância através do ar, e permanecem suspensos por horas, visando proteção dos profissionais e de outros pacientes . 

Exemplos: tuberculose pulmonar ou laríngea, sarampo, varicela , herpes zoster disseminado.
Orientações para as precauções com aerossóis:

Precauções padrão


  • Higienizar as mãos ao entrar no quarto;

Quarto Privativo

  • As portas devem permanecer fechadas.

  • Sistema de ventilação com pressão negativa , seis a doze trocas de ar por hora;

  • Ar deverá ser filtrado através de filtro HEPA;

Máscara

  • Colocar a máscara com filtro especial (N95) antes de entrar no quarto de isolamento;

  • A máscara somente deve ser retirada após sair do quarto e fechar a porta.

Transporte

  • Limitar o transporte do paciente para outros setores e quando necessário, o paciente deve usar máscara cirúrgica.

Superfície e equipamentos

  • Próximos ao leito do paciente devem sofrer limpeza e desinfecção concorrente;

Sinalização

  • Sinalizar o quarto;

Visitas

  • Restritas e sob orientação.


3. AMBIENTE PROTETOR

Ambiente protetor refere-se a práticas de medidas concebidas para prevenir a ocorrência de infecções pela disseminação de esporos fúngicos em pacientes imunocomprometidos (transplantados de medula óssea) e engloba as seguintes recomendações:



  • Pressão positiva do quarto em relação aos corredores ;

  • Utilizar a antessala para o acesso ao quarto

  • Filtragem do ar com filtro HEPA, realizar pelo menos 12 trocas de ar por hora;

  • Manter as portas dos quartos fechadas;

  • Utilizar superfícies lisas e laváveis;

  • Proibir flores e vasos dentro dos quartos;

  • Evitar uso de carpetes e tapetes;

  • Reforçar as práticas de precauções padrão;

  • Transporte limitado, utilizar máscara N95 para o paciente;



4 - Responsabilidade e Rotina na Instituição e Manutenção das Precauções para Isolamento.
Quando instituir o procedimento:

  • Sempre que houver suspeita ou confirmação de doença infecciosa ou colonização/infecção por um microrganismo passível de ser disseminado para outros pacientes ou profissionais que o assistem.

Quem deve instituir o procedimento:

  • Médico ou enfermeiro da unidade onde o paciente se encontra internado.

Supervisão da aplicação do procedimento:

  • A supervisão deverá ser realizada pelo serviço de controle de infecção que poderá reorientar a indicação se necessário.

Suspensão do Procedimento:

  • Médico ou enfermeiro da unidade deverá suspender o procedimento seguindo as orientações técnicas de precauções para isolamento.


Quadro 1:Tipo e duração das precauções de isolamento recomendadas de acordo com a infecção, condição ou agente etiológico1 (observações complementares no Quadro 2)


INFECÇÃO / CONDIÇÃO / AGENTE

PRECAUÇÕES

Tipo DURAÇÃO



Abscesso ( com drenagem em grandes proporções ) Obs.1

C

DD

Abscesso com drenagem contida

P




Aids

P




Adenovirose em lactente e pré-escolar

G, C

DD

Actinomicose

P




Amebíase

P




Amigdalite purulenta

P




Antrax: cutâneo e pulmonar

P




Ascaridíase

P




Aspergilose

P




Botulismo

P




Broquiolite ( ver infecções respiratórias em lactentes e pre-escolares)







Brucelose

P




Candidíase

P




Caxumba

G

Obs.2

Cancro Mole

P




Chlamydia trachomatis:(conjuntivite, respiratória e genital)

P




Clostridium difficile

C

DD

Citomegalovírus

P




Cólera

C

DD

Colite associada a antibiótico

C




Conjuntivite: (bacteriana aguda)

P




Conjuntive viral aguda (hemorrágica aguda)

C

DD

Coqueluche

G

Obs.3

Criptococose

P




Dengue

P




Dermatofitose

P




Donovanose (granuloma inguinal)

P




Difteria cutânea

C

CN, Obs.4

Difteria faríngea

G

CN, Obs.4

Endometrite

P




Enterobíase

P




Enterocolite necrotizante

P




Enterovirose em lactente e pré-escolar

C

DD

Enterovirose em adulto

P




Epiglotite por H. influenzae

G

T24horas

Esporotricose

P




Esquistossomose

P




Estrongiloidíase

P




Escabiose

C

T24horas

Estafilococcias – furunculose em crianças

C

DD

Estafilococcias – pele, ferida ou queimadura – extensa (com secreção não contida) Obs.1

C

DD

Estreptococcias – pele, ferida ou queimadura – extensa (com secreção contida) Obs.1

P




Estreptococcias – pneumonia, escarlatina ou faringite em crianças

G

T24horas

Estreptococcias – escarlatina lactente e pré - escolar

G

T24horas

Exantema súbito

P




Febre amarela

P




Febre por arranhadura de gato

P




Febre por mordedura de rato

P




Febre recorrente

P




Febre reumática

P




Febre tifóide

C




Gastroenterite ( paciente incontinente, dificuldade para manter higiene )

C

DD

Gastroenterite : diarréia contida

P




Gastroenterite: rotavirus

C




Gastroenterite: Salmonella sp

P




Gastroenterite : Shiguellasp

P




Gangrena gasosa

P




Gonorréia

P




Guillain Barré

P




Hepatite viral – tipo A

P




Hepatite viral – tipo A (paciente incontinente)

C

Obs.5

Hepatite viral – tipo B ( HBs Ag positivo), Virus C e outros:

Sem sangramento

Com sangramento, não contido.

P

C






Herpes simples – mucocutâneo disseminado ou primário extenso

C

DD

Herpes simples – neonatal (exposição no nascimento) Obs.6

C

DD

Herpes zoster - disseminado ou em paciente imunodeprimido (localizado)

A, C

Obs.7

Hanseníase

P




Hantavirose pulmonar

P




Helicobacterpylori

P




Hidatidose

P




Histoplasmose

P




HIV, infecção por:

Sem sangramento

Com sangramento não contido

P

C






Impetigo

C

T24horas

Infecção de ferida (extensa)

C

DD

Infecção de ferida cirúrgica

P




Infecção de cavidade fechada

P




Infecção do trato respiratório em lactantes e pré-escolares ou broquiolite: vírus sincial respiratório e vírus parainfluenziae

C


Obs:08

Infecção do Trato urinário

P




Influenza (inclui H1N1)

G

DD

Kawasaki, síndrome de

P




Legionelose

P




Leptospirose

P




Listeriose

P




Lyme, doença de

P




Linfogranulomavenerio

P




Malária

P




Melioidose

P




Meningite:

- Asséptica ( não bacteriana e não viral

- Bacteriana gram negativos entéricos em neonatos

- Fúngica

- Haemopphilusinfluenzae (suspeita ou confirmada)

- Listériamonocytogenes

- Neisseriameningitidis

- Pneumocócica

- Tuberculosa

- Outra bactéria não citada acima


P

P



P

G

P



G

P

P



P

T24horas
T24horas

Meningococcemia

G

T24horas

Microorganismo multirresistente

C

Obs:09

Micobacteriose atípica ( não M. tuberculosis): pulmonar e cutânea

P




Molusco contagioso

P




Mononucleose infeciosa

P




Mucormicose

P




Oxiuríase

P




Parainfluenza em crianças

C

DD

Parvovírus B19

G

Obs.10

Pediculose

C

T24horas

Peste pneumônica

G

T72horas

Pneumonia – adenovírus

G,C

DD

Pneumonia – H. influenzae (lactentes e crianças de qualquer idade)

G

T24horas

Pneumonia – H. influenzae ( adulto)

P




Pneumonia – Legionellasp

P




Pneumonia – micoplasma

G

DD

Pneumonia – estreptocócica em crianças

P




Pneumonia – Pneumocistisjirovecii

Obs.11




Poliomielite

P




Raiva

C




Riquetsiose

P




Rubéola – congênita

C

Obs.12

Rubéola – outras formas

G

Obs.13

Sarampo

A

DD

Sífilis

P




Teníase

P




Tétano

P




Tinea

P




Toxoplasmose

P




Tricomoníase

P




Tuberculose:

- Pulmonar ou laríngea ( suspeita ou confirmada)

- Extrapulmonar com lesão ( drenando)

- Extrapulmonar meningite e outras sem drenagem


A

C + A



P


Obs.14

Úlcera de decúbito grande com secreção não contida Obs.1

C

DD

Varicela

A, C

Obs.7

Vírus sincicial respiratório em crianças e em imunodeprimidos

C

DD




1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal