Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013. Alterações orofaciais em respiradores bucais



Baixar 12.61 Kb.
Encontro05.01.2018
Tamanho12.61 Kb.




.

Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013.


Alterações orofaciais em respiradores bucais
PIEPER, Cari Maristela

WALDEMARIN, Renato Fabrício de Andrade

cariodonto@hotmail.com
Evento: Encontro de Pós-Graduação

Área do conhecimento: Ciências da Saúde
Palavras-chave: respiração bucal, obstrução das vias respiratórias, alteração oclusal.
1 INTRODUÇÃO
A respiração é uma das funções vitais do organismo. A função respiratória normal é através da via nasal. No entanto, pode ser alterada para oral, quando ocorre alguma obstrução das vias respiratórias. A respiração exclusivamente oral é raro, sendo mais comum o paciente realizar uma respiração mista: parte oral e parte nasal (Parizotto et al., 2002).

A respiração oral é um dos sintomas mais frequentes na infância. Várias são as suas causas e dessa forma é de uso comum denominar-se a Síndrome do Respirador Oral. Os distúrbios respiratórios podem variar desde pequenos processos alérgicos até quadros mais exuberantes como a apnéia do sono. (Parizotto et al., 2002).

Várias são as etiologias da respiração oral; alterações do septo nasal: hiperplasia de adenoides; tonsilas inflamadas; conchas nasais hipertróficas; hábitos deletérios; rinite alérgica, etc., sendo esta uma das mais frequentes (Di Francesco., 1999).
2 MATERIAIS E MÉTODOS (ou PROCEDIMENTO METODOLÓGICO)

Foi realizada uma breve revisão de literatura para elaboração do trabalho.


3 RESULTADOS e DISCUSSÃO

Características do respirador bucal: devido ao conjunto de sintomas e sinais característicos encontrados no respirador bucal, podemos reconhecer a respiração bucal como uma síndrome, que dá ao paciente um aspecto geral de criança abobalhada, distraída e ausente. Os sintomas frequentemente são: Estrutura facial alterada: a face torna-se longa e estreita; lábio superior hipotônico, curto e elevado com alteração, dada à pouca irrigação sanguínea; lábios separados e ressecados; língua hipotônica, volumosa, repousando no assoalho bucal; nariz pequeno, afilado, tenso, ou com a pirâmide alargada; olheiras profundas. (Cintra et al., 2000).

A história clínica do paciente com respiração bucal é característica. Frequentemente encontramos amigdalites recorrentes, rinite alérgica, hipertrofia de adenóides, etc. É relatado também ronco, halitose, síndrome da apnéia obstrutiva do sono, irritabilidade e/ou agressividade sem causa aparente.

Assim como distúrbios de crescimento, desenvolvimento falta de atenção na escola, estão associados à crônica falta de oxigenação sanguínea adequada (diminuição de O2), propiciando uma deterioração da qualidade de vida e um processo de envelhecimento precoce.



 Alterações bucais do respirador bucal: A respiração bucal obriga o paciente a manter a boca aberta, para suprir a deficiência de ar respirado. Com isso o equilíbrio vestibulolingual é removido, alterando o equilíbrio da musculatura facial. As alterações mais frequentes encontradas nos respiradores bucais são: mordida cruzada devido ao estreitamento encontrado na maxila; mordida aberta anterior, devido à falta de pressão do lábio superior sobre os incisivos e os dentes entreabertos para facilitar a respiração, isto causa o rompimento do equilíbrio de forças mantenedoras da oclusão; palato ogival, pois a pressão negativa do ar entrando pela cavidade bucal, ao invés de entrar pelo nariz, faz com que o palato cresça para cima, provocando desarmonias oclusais e apinhamento devido a atresia do arco; mento retraído; gengivite crônica, devido ao ressecamento da mucosa oral e a um acúmulo de placa bacteriana, em consequência do excesso de muco aderido aos dentes (Cintra et al., 2000).

Alto índice de cárie. As alterações características do respirador bucal como a queda da mandíbula, musculatura labial, língua apoiada no assoalho bucal e as outras anteriormente citadas, alteram a microbiota bucal elevando a quantidade de microorganismos cariogênicos em consequência aumenta a suscetibilidade de cárie. A cárie é uma doença multifatorial que depende da interação de três fatores principais: o hospedeiro, representado pela saliva e pelos dentes; a microbiota e a dieta consumida. O respirador bucal tem o fluxo salivar diminuído pelo ressecamento ocorrido pela respiração bucal, diminuindo sua resistência aos microorganismos cariogênicos como o Strep-tococcus mutans, que é considerado agente etiológico primário da cárie. (Cintra et al., 2000).



4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A importância de um tratamento precoce da respiração bucal, em consequência de um correto diagnóstico é extremamente importante para um resultado ortodôntico com sucesso ou para evitar o agravamento da má oclusão de pacientes predispostos a alterações orofaciais.



REFERÊNCIAS

Parizotto SPCAL, Nardão GT, Rodrigues CRMD. Atuação multidisciplinar frente ao paciente portador da síndrome da respiração bucal.

JBC 2002;6(36):445-9

.

Di Francesco RC. Respirador Bucal: a visão do otorrinolaringologista. JBO - Jornal Brasileiro de Ortondotia & Ortopedia Facial 1999; Ano 4:21.


Cintra CFSC, Castro FFM, Cintra PPVC. The dentalfacial alterations present in mouth breathing. Rev. bras. alerg. imunopatol. 2000; 23(2):78-83
: anaismpu -> cd2013 -> pos
pos -> Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013
pos -> Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013
pos -> AçÃo fotodinâmica do azul de metileno em hepatócitos de danio rerio
pos -> Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013
pos -> Crioterapia na resposta inflamatória após sessão de exercícios resistidos em voluntários destreinados moraes, Maicom Borges; teixeira, André de Oliveira; mazza, Sheynara Emi Ito; martins, Cassio Noronha; martinelli, Thalita; cruz
pos -> Ao elemento água, elemento este evocador de um devaneio poético tipicamente lírico em que “[ ] a imaginação projeta impressões íntimas sobre o mundo exterior.” (bachelard, 001, p. 6). Procedimentos metodológicos
pos -> Prevalência de candida spp
pos -> Uma grandeza muito utilizada em física médica é a camada semi-redutora, que, por definição, é a espessura necessária de um material qualquer para reduzir a intensidade de um feixe de raios X ou gama à metade
pos -> Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013. InduçÃo de estresse oxidativo em
pos -> Rio Grande/RS, Brasil, 23 a 25 de outubro de 2013. Presença de




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal