Resolução Estadual n° 69, de 01 de abril de 1997 dioe 14/04/97



Baixar 78.91 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho78.91 Kb.


Resolução Estadual n° 69, de 01 de abril de 1997

DIOE 14/04/97

O Secretário de Estado de Saúde, no uso de suas atribuições conferidas pelo artigo 45, inciso XIV da Lei Estadual n° 8485 de 03 de junho de 1987 e o artigo 9°, inciso XV e XVI do Decreto Estadual n° 2270 de 11 de janeiro de 1988.


Considerando o disposto nos artigos 14,15,16,27,58 do Decreto 74.170 de 10 de junho de 1974;
Considerando o disposto nos artigos 1,2,52,53 da Lei complementar n° 04 de 17 de junho de 1975;
Considerando o disposto nos artigos 1,2,150,564,597,599 do decreto 3.641 de 14 de junho de 1977;
Considerando o disposto nos artigos 4,6,15,17,21,24,33,44,55,56 da Lei 5991 de 17 de dezembro de 1973;
Considerando o disposto no Art. 7°,24 e 34° do anexo da Resolução n° 5496 de 03 de junho de 1996, Diário Oficial do Estado n° 4378 de 14 de junho de 1996, que trata sobre a abertura e funcionamento dos estabelecimentos farmacêuticos, referente aos serviços permitidos em farmácias mediante autorização especial;
Considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações de vigilância sanitária e de prevenção á saúde da população.
RESOLVE :
Art. 1° - Aprovar Norma Técnica complementar para orientar quanto ao funcionamento e as condições físicas e sanitárias referente aos serviços de inalação, pequenos curativos, guarda de medicamentos biológicos.
Art. 2° - A Execução da presente norma técnica será competência do SUS- PR através dos seus órgãos estaduais e municipais de Vigilância Sanitária;

Art. 3° - o não cumprimento dos dispositivos desta Norma Técnica implicará na aplicação das penalidades previstas na Lei 6437 de 20 de agosto de 1977 e/ou legislação específica estadual ou municipal;


Art. 4° - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Curitiba, 01 de abril de 1997.

Armando Raggio



Secretário de Estado de Saúde

NORMA TÉCNICA COMPLEMENTAR RELATIVA ÀS AUTORIZAÇÃO ESPECIAL DE SERVIÇOS DE PEQUENOS CURATIVOS, INALAÇÃO E MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS EM FARMÁCIAS
CAPITULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS E PRELIMINARES
Art.1° - A presente norma técnica tem a finalidade de regulamentar o artigo 7°, § único do artigo 24°, artigo 34°, entre outros do anexo da Res. 54/96 SESA-PR de 03 de junho de 1996, publicada no Diário Oficial do Estado n° 4378 de 14 de junho de 1996, que trata da abertura e funcionamento dos estabelecimentos farmacêuticos, referente aos serviços que poderão ser instalados nas farmácias mediante autorização especial.
Art.2° - A autorização para instalação, a expedição de licença sanitária, a responsabilidade técnica e assistência farmacêutica , o ingresso e baixa de responsabilidade técnica, a dispensação e guarda de medicamentos e produtos que sejam relativos à presente norma, deverá obedecer ao previsto na Resolução n° 54/96 – SESA/PR, que regulamenta o funcionamento de estabelecimentos farmacêuticos Leis 5991/73 Decretos 74.170/74 e 793/93 e demais legislação sanitária vigente.
Art.3° - Poderão ser instalados nas condições estabelecidas no parágrafo único do artigo 7° do anexo da Res. 54/96 SESA/PR, salas para os seguintes serviços :
I - Serviço de Inalação;


  1. Serviço de realização de pequenos curativos;

§ único – O pedido de autorização especial será feito ao Serviço de Vigilância Sanitária Municipal ou Regional, através de requerimento padrão (anexo I), acrescido de toda a documentação necessária a esse fim e a comprovação, através de vistoria, de que o estabelecimento possui as condições estabelecidas nesta norma e outras legislações específicas.
Art.4° - Para a autorização especial, mencionada no artigo anterior, deve ser observado o seguinte :
§ 1° - O interesse e a necessidade publica, compreendida como :
1° - A não existência do serviço pleiteado pelo estabelecimento na localidade, ou, se existindo, o mesmo não atende a demanda de serviços, ou não presta atendimento em período integral, noturno e finais de semana;
§ 2° - A garantia de assistência e supervisão direta e qualificação específica do profissional farmacêutico na seguinte forma :
I - Ser a propriedade da farmácia majoritária de profissional farmacêutico ou ser o mesmo for contratado;
II - Declaração de assistência efetiva emitido pelo Conselho Regional de Farmácia do Pr.
III - Comprovação de que o farmacêutico responsável possui formação específica para a área desejada, através de certificados de entidades reconhecidas oficialmente como : Universidades, Cursos de Farmácias, entidades profissionais (CRF-PR, ASPAFAR, Sindicato de Farmacêuticos, etc), e do próprio ISEP/SESA.
§ 3° - A existência e observância das condições exigidas na presente Norma e outras Normas Técnicas específicas.
Art.5° - Quanto ás condições gerais de limpeza, higiene, desinfecção e esterilização, deverão ser observados os seguintes aspectos :
I - Os balcões móveis, pisos e paredes deverão ser revestidos com material liso, resistente, impermeável de fácil limpeza e desinfecção;
II - O estabelecimento deverá seguir as normas de processamento de artigos e superfícies nas operações de limpeza, desinfecção e esterilização preconizadas no manual sobre este tema do Ministério da Saúde;
III - O farmacêutico deverá estabelecer rotinas escritas, baseadas em literatura científica e que não sejam vedadas por lei;
Art.6° - Deverá haver salas separadas para a realização de aplicação de injetáveis, inalação e pequenos curativos.
§ 1° - Será permitido a utilização de uma sala de preparo comum que poderá servir tanto a sala de aplicação como a sala de inalação e/ou curativos, com área e equipamentos proporcional à demanda de atividades, à critério de autoridade sanitária competente, conforme sugestão contida no anexo II.
§ 2° - O acesso às salas de aplicação, inalação e curativos deverão ser distintos, não podendo servir de fluxo de pessoal, afim de resguardar a privacidade dos pacientes.

CAPITULO II - DA AUTORIZAÇÃO ESPECIAL PARA SALA DE INALAÇÃO :
Art.7° - As farmácias poderão manter, se cumpridas as formalidades legais para a autorização especial, sala para inalação, nas condições estabelecidas abaixo :
I - Área mínima de 3m2 , em local independente de sala de aplicação, dotado de cadeira ou poltrona, lavatório para as mãos, toalhas descartável e sabão líquido.
II - Aparelho inalador em bom estado de conservação e com manutenção rotineira;
III - O equipamento deverá passar por limpeza, desinfecção e manutenção de rotina,
IV - Deve dispor de cubas com vedação adequada em material que ofereça proteção contra a luz solar, para a desinfecção das máscaras, cachimbos e conectores do aparelho inalador;
V - Livro de registro das inalações em termo de abertura pelo Serviço Municipal ou Regional de Vigilância sanitária;

VI - Para cada inalação deverá haver um conjunto de máscara, cachimbo vaporizador e mangueira conectora devidamente desinfectado;




VII- Deverá haver um mínimo de 8 conjuntos de máscara, cachimbo vaporizador e mangueira conectora.

VIII- Após cada inalação, o conjunto deverá ser rigorosamente lavado, seco e colocado para desinfecção através de método ou substância apropriada ( Hipoclorito de sódio à 0,5 a 1,0% entre outros permitidos pela legislação ) no tempo mínimo necessário de acordo com cada produto ( mínimo de uma hora ). Após a desinfecção esses acessórios devem ser enxaguados com água corrente para a total retirada de resíduos do produto desinfetante, secados e guardados em local seco e protegido;

IV- As soluções desinfetantes devem ser trocada diariamente, devendo ser registrado o horário de sua diluição e validade da mesma;




X - Só serão permitidos uso de desinfetantes, medicamentos e correlatos ( soros e medicamentos ) com registro no Ministério de Saúde;

XI - Os soros utilizados para inalação deverão ser soluções estéreis, de preferência individualizadas para cada inalação ( ampola de 2 a 5 ml ), sendo a guarda de restos de soros para inalação consecutiva;

XII - Deverá haver no local, cartaz informativo em material passível de desinfecção e limpeza, com os seguintes dizeres : “A INALAÇÃO SÓ PODERÁ SER REALIZADA MEDIANTE RECEITA MÉDICA”;

Art.8º - As inalações só poderão ser realizadas mediante receita e supervisão direta do profissional farmacêutico.


Parágrafo Único – O farmacêutico deverá conferir previamente a receita médica a compatibilidade ou interações da mesma com os medicamentos utilizados pelo paciente, se a concentração do medicamento prescrito não ultrapassa os valores estabelecidos na literatura científica.

CAPITULO III – Da realização de pequenos curativos.

Art.9º - É facultado as farmácias, se cumpridas as formalidades legais para a autorização especial, a realização de pequenos curativos, nas condições estabelecidas abaixo :


I - Presença de cadeira ou poltrona e mesa e/ou armário de material liso, resistente de fácil limpeza e desinfecção, para o preparo e armazenamento de material;
II - Presença de estojo ou armário de primeiros socorros e emergências, dotado mínimo de :


  1. Anti-sépticos pela Pt. 930/92 MS ( Álcool à 70%, álcool a 70% iodado a 1% PVPI degermante e tópico, água oxigenada, entre outros );

  2. Soluções estéreis de soro fisiológico, ou de água para a lavagem de feridas;

  3. Luvas de proteção, estéreis;

  4. Algodão e gazes estéreis;

  5. Pomadas e/ou cremes prescritos pelos profissionais médicos;

  6. Espátulas descartáveis estéreis;

  7. Todo material acima deverá ser descartável, proibido o seu reaproveitamento :

$ Único – No uso de equipamentos não descartáveis, deverá ser observada a preconização pela Portaria 930/93 – MS ( ou outra que venha a substituí-la ) sobre o controle de infecção hospitalar e manual de processamento de artigos e superfícies do Ministério de Saúde para o seu reprocessamento;


Art.10º - Na realização de pequenos curativos deverão ser seguidas as técnicas de biossegurança preconizadas pelo Ministério de Saúde.
Art.11º - Só poderão ser realizados pequenos curativos, de cortes e luxações superficiais, na ausência de sangramento arterial, onde não haja necessidade de realização de suturas ou procedimento mais complexo.
Art.12º - É vedado a realização de curativos nos casos de haver infecção profunda ou abscesso, nos casos de mordidas de animais, perfurações profundas, retiradas de pontos, curativos na região ocular, ouvido, lavagem de ouvido, e outros procedimentos que necessitam atendimento ambulatorial ou hospitalar, devendo estes casos serem prontamente encaminhados a unidade ambulatorial ou hospitalar mais próxima;
$ Único – deverá haver, para fins de encaminhamento de pacientes que necessitam tratamento hospitalar e/ou ambulatorial, placa visível com n.º de telefone e endereços dos serviços de atendimento de emergência mais próximos.
Art.13º - Os curativos devem ser realizados pelo farmacêutico ou sob sua supervisão direta;
Parágrafo único – As condições higiênico- sanitárias deverão obedecer aos mesmos parâmetros estabelecidos para a sala de aplicação de injeção da Norma Técnica referente aos estabelecimentos farmacêuticos ( Res. 54/96- SESA );
Art.15º - Deverá ser seguida as seguintes especificações para guarda de medicamentos biológicos, inclusive vacinas, em geladeiras;
I - O estabelecimento deverá possuir geladeira apropriada co baixa variação de temperatura interna, entre 2 a 8ºC ou limite indicado pelo fabricante, sendo vedado o uso de geladeira tipo “frigo bar”ou “duplex”;
II - Não deverá haver a guarda de alimentos na geladeira destinada a medicamentos biológicos;
III - Poderá haver a guarda de outros medicamentos, desde que em departamentos distintos;
IV - Não deverá haver a guarda de vacinas na porta da geladeira;
V - Poderão ser acondicionados na porta da geladeira medicamentos biológicos liofilizados cuja temperatura de conservação seja acima de 10ºC;

VI - Na geladeira deverás ser colocado nas portas e partes baixas, frascos com água ou outros material com identificação quanto à, proibição do seu uso afim de ajudar na manutenção e equilíbrio da temperatura interna desta;


VII- Deverá haver o registro de controle da temperatura, no mínimo três vezes ao dia através de termômetro de máxima e mínima, conforme modelo de ficha de controle no anexo II desta norma;
VIII- As caixas de medicamentos biológicos devem estar dispostas de forma a reservar um espaço mínimo de 2 a 3 cm em cada caixa visando boa circulação de ar entre estas;
IX - No compartimento do congelador recomenda-se a guarda de frascos de gelo reciclável ;
X - Os medicamentos de origem biológica não deverão ficar expostos ao sol, ou em temperaturas elevadas, mesmo que liofilizados;
XI - No armazenamento de estoque de medicamentos biológicos o responsável pelo controle de distribuição/dispensação deverá observar o sistema PEPS ( primeiro a entrar, primeiro a sair ).
$ Único- Quanto a guarda de insulinas deverá ser observado o seguinte :

I - As insulinas deverão ser armazenadas em portas ou parte inferior de geladeiras em temperatura de 2 a 8ºC;

II - Os frascos de insulinas não poderão ser congelados ou ser submetidos à temperatura inferior a 2ºC.


Art.16º - Nas limpezas rotineiras da geladeira para a guarda de medicamentos biológicos, deverá ser observado o seguinte :

I - Os medicamentos biológicos deverão ser transferidos para outra geladeira ou caixa térmica com controle de temperatura já previamente regulado para a temperatura adequada para à guarda dos medicamentos biológicos;

II - No caso de transferência para caixa de isopor, o tempo de permanência destas não poderás ser superior à 4 horas;




  1. Antes do retorno para a geladeira de guarda de medicamentos biológicos, esta deverá estar na temperatura adequada, prevista no item 1 do artigo 15º.

Art.16º - Nas limpezas rotineiras da geladeira para guarda de medicamentos biológicos, deverá ser observado o seguinte :


I - Os medicamentos biológicos deverão ser transferidos para outra geladeira ou caixa térmica com controle de temperatura já previamente regulado para a temperatura adequada à guarda dos medicamentos biológicos;

II - No caso de transferência para caixa de isopor, o tempo de permanência destas não poderá ser superior à 4 horas;


III - Antes do retorno para a geladeira de guarda de medicamentos biológicos, esta deverá estar na temperatura adequada, prevista no item 1 do artigo 15º.
Art.17º - Quanto o transporte dos medicamentos biológicos deverás ser observado o seguinte :
I - No transporte de medicamentos biológicos estes não podem ser expostos à temperaturas elevadas ( acima de 8ºC ou limite do fabricante ), devendo seguir em caixas térmicas com controle de temperatura da saída e chegada, conforme modelo no acesso IV desta norma;
II - Os veículos que transportam medicamentos biológicos devem possuir isolamento térmico para melhor conservação destes;
III - A temperatura interna deverá seguir o limite imposto pelo fabricante do produto, normalmente de 2 a 8ºC , devendo ser usado para isto, frascos de gelo reciclável;
IV - É vedado o uso de gelo “In natura” ou pacotes de gelo para a manutenção de temperatura interna;
V - É vedado o uso de gelo seco para o transporte de medicamentos biológicos que não podem sofrer congelamento, como, por exemplo, insulinas;
VI - Ao receber o medicamento biológico, o estabelecimento deverá, de imediato, coloca-lo em geladeira ou temperatura indicada pelo fabricante;
VII- Não deverá ser aceito o recebimento do medicamentos biológicos fora das especificações expostas acima, devendo o estabelecimento prontamente denunciar ao serviço de vigilância municipal, ou do município de origem, a ocorr6encia.
Art.18º - As aplicações devem ser executadas por farmacêutico, ou outro profissional sob sua supervisão direta, mediante prescrição médica, devendo ser observado o seguinte :
I - Devem ser registrado no livro de aplicações, podendo, também registrado na ficha ou cartão de vacinação do mesmo, quando o couber.
II - Deverá haver a discriminação do medicamento biológico aplicado, inclusive com o número de lote do produto.
III - O farmacêutico deverá conferir previamente a receita médica, verificando se a indicação está compatível com o estabelecido na literatura científica e indicação do fabricante.
Art.19º - O farmacêutico deverá redigir rotinas que normatizem a realização das operações relativas à aplicação de medicamentos biológicos.
Art.20º - É vedado às farmácias a dispensação e aplicação de vacinas oferecidas gratuitamente à toda população pelo Estado do Paraná.

CAPITULO V - Da colocação de brincos em farmácias
Art.21º - Será permitido às farmácias a colocação de brincos, de acordo com o artigo 34º da Res. 54/96 SESA- PR, mediante avaliação e autorização de farmac6eutico da Vigilância Sanitária municipal ou regional.
Art.22º - Na colocação de brincos deverão ser observadas as condições estabelecidas abaixo :
I - Deverá ser feita com aparelho próprio para colocação de brincos, em sala de aplicação de injeções, ou outra permitida oficialmente por autoridade sanitária, que ofereça boas condições de higiene, assepsia e desinfecção;
II - A colocação deverá ser feita pelo farmacêutico, ou profissional sob sua supervisão direta, observada as boas condições de assepsia das mãos e bioproteção;
III - Perfeita condição de anti-sepsia dos locais de colocação de brinco, através de fricção de algodão embebido com álcool a 70%;
IV - O aparelho de colocação de brincos deve estar perfeitamente desinfetado e/ou esterilizado, conforme as normas preconizadas pelo Ministério de Saúde;
V - Só poderá haver a colocação de brincos previamente acondicionados em embalagens estéreis, visando a proteção ao consumidor;

VI - É vedada a utilização de agulhas de aplicação de injeção, agulhas de suturas, e outros objetos para a realização de furos em orelhas.



CAPITULO V - Da Fiscalização :
I - Mensal para farmácias que possuam duas ou mais atividades com autorização especial;
II - Sempre que houver denúncias e/ou reclamações.
Art.24º - os serviços municipais e/ou regionais de vigilância deverão prontamente cassar a autorização especial, ou interditar cautelarmente o local irregular, na inobservância pelo estabelecimento das condições estabelecidas na presente norma técnica e outras legislações especificas.
Art.25º - É vedado a realização dos procedimentos espaciais, relacionadas na presente norma, na ausência do profissional farmacêutico, ou de farmacêutico substituto.
Art.26º - Nos casos de baixa responsabilidade técnica do profissional farmacêutico, ficam automaticamente canceladas as autorizações especiais expedidas;
$Único - Para obtenção de nova autorização especial, o estabelecimento terá que satisfazer novamente a todos os requisitos exigidos na presente Norma Técnica e Res. 54/96 SESA- PR.

ANEXO I



SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO ESPECIAL PARA FARMÁCIA




Estabelecimento:




CGC:

Inscrição Estadual:

Endereço:

Telefone e fax:

Município:

CEP:

Proprietário ou Responsável legal:

RG:

Farmacêutico Responsável:

RG e N.ºCRF-PR

Farmacêutico Substituto:

RG e N.ºCRF-PR







Na qualidade de Responsável Legal Farmacêutico Responsável Técnico da empresa supra identificada, vimos Mui respeitosamente, requerer Autorização Especial para Instalação do seguinte:

Sala de Instalação Sala de pequenos curativos

Autorização para guarda de medicamentos biológicos

Autorização para colocação de brincos


Para tanto, anexamos à presente solicitação, a seguinte documentação, conforme exigência da Resolução que regulamenta as condições técnicas para autorização especial a Resolução n.º 54/96 – SESA/PR.
Cópia do contrato social; ou

Cópia do Contrato de Trabalho do farmacêutico (Mínimo 2 anos)

Cópia de Certificado de comprovação de realização de curso para a atividade pretendida;

Declaração do Conselho Regional de Farmácia do Paraná, de que o farmacêutico Responsável presta Assistência Técnica Efetiva ao estabelecimento supracitado;

Guia de pagamento de taxa sanitária;

Cópia da Licença Sanitária atualizada.

Declaramos, sob as penas da Lei que todas as informações aqui prestadas são verdadeiras, bem como ter ciência da necessidade do cumprimento das exigências sanitárias contidas nas Resoluções que tratam sobre o assunto para aprovação ou não de nossa solicitação.

........................................, de ............................. de .............


........................................................................... ................................................................

Representante Legal Farmacêutico Responsável






Para uso exclusivo de órgão de Vigilância Sanitária


ANÁLISE DO PROCESSO: (Fazer observação no verso)

DOCUMENTAÇÃO: Regular ( atende as exigências da Resolução )

Irregular ( não atende as exigências da Resolução )

CONDIÇÕES HIGIÊNICO SANITÁRIAS :

Adequadas Inadequadas ou incompletas

NECESSIDADE LOCAL : Há necessidade Não há necessidade


CONCLUSÃO : PEDIDO: DEFERIDO INDEFERIDO

Farmacêutico V.S. Responsável pela análise .................................. ...........................



Assinatura



FICHA DE CONTROLE DE TEMPERATURA


ESTABELECIMENTO:

MÊS:

ANO:

MARCA GELADEIRA:

FONTE DE ENERGIA:








©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal