Remar contra a maré: a construção do conhecimento e da identidade profissional na formação inicial



Baixar 148.58 Kb.
Página3/3
Encontro21.10.2017
Tamanho148.58 Kb.
1   2   3

Conclusão

Este é o caso de uma jovem professora que evidencia já no ano de estágio uma forte identificação com a profissão. Isso parece estreitamente relacionado com o facto de ter uma forte responsabilidade no ensino de duas turmas e de participar, ao longo de todo um ano lectivo, nas actividades da escola. As potencialidades de uma experiência de iniciação à prática profissional prolongada, contemplando as diversas facetas do trabalho do professor, são aqui claramente documentadas.

Ao contrário do que se verifica em muitos outros estudos, a frequência do curso de formação inicial parece ter uma clara influência nesta estagiária. O curso pode ter um impacto considerável nos candidatos a professores se se ajusta às suas características particulares, permitindo o desenvolvimento de elementos decisivos da identidade e do conhecimento profissional – aspectos igualmente fundamentais no processo de formação inicial de professores. Um elemento também importante, poderá ter sido a sintonia que se verificou, no que respeita às perspectivas curriculares, entre a orientadora da escola e o orientador pedagógico e entre o trabalho por ambos realizado e o trabalho empreendido durante o 4º ano do curso. A convergência entre a orientação seguida nas disciplinas do 4º ano, o trabalho do orientador da escola e o orientador pedagógico é, sem dúvida, uma condição importante para o sucesso do estágio como momento de formação.

O modelo de estágio deste curso permitiu a esta jovem professora integrar-se fortemente nas actividades da sua escola. A sua socialização verificou-se com o sector mais dinâmico dos professores (os que têm projectos e assumem responsabilidades). Aparentemente isso resultou sobretudo do perfil da orientadora da escola, ela própria uma adepta assumida da valorização das actividades extra-curriculares. Esta inserção em actividades diversas, sendo um elemento importante do papel profissional do professor, parece, no entanto, algo limitada pela insipiência do projecto educativo da escola. Neste campo, o alcance do estágio dependerá muito da articulação entre os projectos educativos da escola e da instituição de formação, o que requer, naturalmente, muita reflexão, negociação e planeamento conjunto, manifestamente não existentes neste caso concreto.

Além disso, neste caso, as potencialidades do estágio como oportunidade de confronto entre a teoria e a prática estão longe de se concretizarem. Por um lado, a orientadora da escola tem pouca experiência (como orientadora e como professora) e não promove uma reflexão aprofundada sobre as experiências que Catarina vai vivendo na sua prática. Por outro lado, o orientador pedagógico promove reflexões que ela considera interessantes e pertinentes, mas o facto de não acompanhar o dia a dia da escola torna-lhe difícil assumir um papel marcante. Tudo isto mostra como o estágio poderá beneficiar de uma cuidada formação dos orientadores das escolas e da criação de dispositivos que permitam um melhor acompanhamento da actividade dos núcleos por parte da instituição de formação.

Este estudo revela diversas potencialidades deste programa de formação, pelo menos relativamente a candidatos com as características de Catarina. Consegue desafiar as suas concepções prévias, leva-os a assumir uma atitude de inconformismo e a valorizar a reflexão, ao mesmo tempo que lhes proporciona elementos fundamentais para o desempenho do seu papel profissional. O estudo revela, igualmente, diversos pontos fracos deste programa, na falta de articulação entre os projectos educativos da universidade e das escolas cooperantes e na insuficiente exploração das oportunidades de reflexão durante o estágio. Tudo isto sugere que é necessário problematizar, não o conceito de estágio enquanto dispositivo de formação, mas o enquadramento organizacional que o estrutura, fazendo intervir diversos actores sem funções bem definidas e, em muitos casos, sem a devida preparação para o exercício do seu papel.



Referências

Almeida, P. (1994). Imaginar para aprender: O caso da Matemática. NOESIS, 29-32.

Bauersfeld, H. (1980). Hidden dimensions in the so-called reality of a mathematics classroom. Educational Studies in Mathematics, 11, 23-41.

Berger, P. I., & Luckmann, T. (1973). A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes.

Blumer, H. (1969). Symbolic interactionism: Perspective and method. Englewwod Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Brown, C. A., & Borko, H. (1992). Becoming a mathematics teacher. In W. R. Houston (Ed.), Handbook of Research on Teacher Education (pp. 209-239). New York: Macmillan.

Calderhead, J., & Shorrock, S. B. (1997). Understanding teacher education. London: Falmer.

Canavarro, A. P. (1993). Concepções e práticas de professores de Matemática: Três estudos de caso (tese de mestrado, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM.

Christiansen, B., & Walther, G. (1986). Task and activity. In B. Christiansen, A. G. Howson & M. Otte (Eds.), Perspectives on mathematics education (pp. 243-307). Dordrecht: D. Reidel.

Clandinin, D. J. (1986). Classroom practice: Teacher images in action. London: Falmer.

Damásio, A. R. (1995). O erro de Descartes: Emoção, razão e cérebro humano (tradução de D. Vicente e G. Segurado). Mem Martins: Europa-América.

Dubar, C. (1997). A socialização: Construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora.

Elbaz, F: (1983). Teacher thinking: A study of practical knowledge. London: Croom Helm.

Feiman-Nemser, S., & Floden, R. E. (1986). The cultures of teaching. In M. C. Wittrock (Ed.), Handbook of Research on Teaching (pp. 505-526). New York: Macmillan.

Fiorentini, D., Nacarato, A. M., & Pinto, R. A. (1999). Saberes da experiência docente em Matemática e educação continuada. Quadrante, 8(1-2), 33-60.

National Council of Teachers of Mathematics (1989). Curriculum and evaluation standards for school mathematics. Reston, VA: NCTM.

Oliveira, H. M. (1998). Actividades de investigação na aula de matemática: Aspectos da prática do professor (tese de mestrado, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM.

Papert, S. (1980). Mindstorms: Children, computers and poweful ideas. New York: Basic Books.

Poincaré, H. (1996). A invenção matemática. In P. Abrantes, L. C. Leal & J. P. Ponte (Eds.), Investigar para aprender Matemática (pp. 7-14). Lisboa: Projecto Matemática para Todos e Associação de Professores de Matemática.

Ponte, J. P. (1992). Concepções dos professores de matemática e processos de formação. In M. Brown, D. Fernandes, J. F. Matos, & J. P. Ponte, Educação matemática: Temas de investigação (pp. 185-239). Lisboa: IIE.

Ponte, J. P. (1994). Mathematics teachers' professional knowledge. In J. P. Ponte & J. F. Matos (Eds.), Proceedings PME XVIII (Vol. I, pp.195-210). Lisboa, Portugal.

Ponte, J. P., Januário, C., Ferreira, I. C., & Cruz, I. (2000). Por uma formação inicial de professores de qualidade. Retirado de http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte.

Ponte, J. P., Oliveira, H., Cunha, H., & Segurado, I. (1998). Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Schön, D. A. (1983). The reflective practioner: How professionals think in action. Aldershot Hants: Avebury.

Tardif, M., & Raymond, D. (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, 73, 209-244.

Título

Remar contra a maré: A construção do conhecimento e da identidade profissional na formação inicial



Resumo


Este artigo debruça-se sobre as experiências vividas por uma jovem professora estagiária de Matemática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, analisando o desenvolvimento do seu conhecimento e identidade profissional e discutindo a relação entre estes processos e as oportunidades criadas pelo programa de formação. A metodologia é qualitativa, inspirada pelo interaccionismo simbólico, sendo adoptado um formato de estudo de caso. Os dados foram recolhidos através de quatro entrevistas e a respectiva análise realizada com base num conjunto de categorias, em parte pré-definidas e em parte emergentes do estudo. Os resultados mostram uma jovem professora que evidencia uma forte identificação com a profissão, o que parece estreitamente relacionado com o facto de ter uma forte responsabilidade no ensino de duas turmas, bem como por participar, ao longo de todo um ano lectivo, nas actividades da escola. As potencialidades de uma iniciação à prática profissional prolongada, contemplando as diversas facetas do trabalho do professor são documentadas com clareza. O estudo revela diversas potencialidades deste programa de formação, pelo menos relativamente a candidatos com as características desta professora: desafia as suas concepções prévias, leva-os a assumir uma atitude de inconformismo e a valorizar a reflexão, ao mesmo tempo que lhes proporciona elementos fundamentais para o desempenho do seu papel profissional. O estudo revela, igualmente, diversos pontos fracos deste programa, na falta de articulação entre os projectos educativos da universidade e das escolas cooperantes e na insuficiente exploração das oportunidades de reflexão durante o estágio, sugerindo que o problema não está no estágio enquanto dispositivo de formação mas no enquadramento organizacional que o estrutura.

Palavras-chave


Formação de professores de matemática, Formação inicial, Conhecimento profissional, Identidade profissional

Title

To row against the tide: The construction of professional knowledge and identity in pre-service teacher education



Abstract


This article considers the experiences of a young mathematics teacher intern of the Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, analysing the development of her professional knowledge and identity and discussing the relationship between these processes and the opportunities provided by the teacher education program. The methodology is qualitative, inspired by symbolic interactionism, with a case study design. Data was collected from four interviews and its analysis undertaken based in a set of categories, some of them pre-defined and others emergent from the study. The results show a young teacher with a strong identification with the professional, what seems to be closely related with her responsibility in teaching two classes as well as in participating, all year long, in school activities. They also show the potential of an extended introduction to professional practice, contemplating the different sides of the work of the teacher. The study shows several strengths of this teacher education program, at least regarding candidates with the characteristics of this teacher: it challenges their previous conceptions, it leads them to assume an attitude of inconformismo and to value reflection, at the same time that provides them essential elements to carry out their professional roles. The study also shows several weaknesses of this teacher education program, in the absence of articulation among the educational projects of the university and of the cooperating schools and in the insufficient exploration of the opportunities of reflection during the internship, suggesting that the problem is not in the internship as a teacher education setting but in organizational framework.
Key words

Pre-service teacher education, Mathematics teacher education, Professional knowledge, professional identity



Titre

Aller contre vent et marée: La construction de la connaissance et de l’identité professionnelle dans la formation initiale



Résumé


Ce article considère les expériences vécus pour une jeune professeur stagiaire des Mathématiques de la Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Il analyse le développement de sa connaissance e sa identité professionnelle et il discute la relation entre ces processus et les opportunités créées pour le programme de formation. La méthodologie est qualitative, inspire dans l’interaccionisme symbolique, avec un design d’étude de cas. Les donnés ont été amenées en quatre interviews et l’analyse a été faite selon des catégories, en part pré-définis et en part émergent de l’étude. Les résultés montre un jeune professeur avec une forte identification avec la profession, ce qu’apparaît étroitement liée avec t le fait qu’elle ait une forte responsabilité dans l’enseignement de deux classes, et aussi qu’elle participe, durant toute l’année dans les activités de l’école. Les potentialités d’une initiation a la pratique professionnelle de longue durée, et comprenant les divers aspects du travail du professeur sont documentées avec clarté. L’étude montre diverses potentialités de ce programme de formation, au moins pour des candidats avec des caractéristiques pareils a cette professeur: il challenge ses conceptions antérieures, encourage une attitude d’inconformisme et valoriser la réflexion, au même temps que leur amène des éléments fundamentaux pour para l’exercice de son papier professionnel. L’étude montre, aussi, divers points faibles de ce programme, dans l’articulation entre le projet éducatif de l’université et les écoles que coopère et dans l’insuffisante exploration des opportunités de réflexion pendent le stage. On suggère que le problème n’soit pas dans le stage comme dispositif de formation mais dans le cadre organisationnel que marque sa structure.

Mots clés


Formation de professeurs des mathématiques, Formation initial, Connaissance professionnelle, Identité professionnelle

1 Acções Pedagógicas de Observação e Análise




1   2   3


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal