Relatório de aula pratica de anatomia humana



Baixar 52.28 Kb.
Encontro28.10.2017
Tamanho52.28 Kb.

RELATÓRIO DE AULA PRATICA DE ANATOMIA HUMANA

Realizada em 01 de março de 2008

Aula ministrada pela professora:

KARYNNE GRUTTER LISBOA LOPES DOS SANTOS


A aula foi iniciada com a introdução e explicação do estudo de anatomia humana:
ANATOMIA:
Ana = em partes

Tomi = corte

Ato ou técnica de cortar.

Além de estudar cada órgão, sua localização e sua função.


APARELHOS E SISTEMAS
Aparelho: constituído de dois ou mais sistemas;

Sistemas: Conjunto de órgãos.


SISTEMA ESQUELÉTICO
Esqueleto
Ossos:

São órgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo–se aos outros por intermédio das juntas ou articulações constituem o esqueleto. É uma forma especializada de tecido conjuntivo cuja principal característica é a mineração (cálcio) de sua matriz óssea (fibras colágenas e proteoglicanas).

No interior da matriz óssea existem espaços chamados lacunas que contém células ósseas chamadas osteófitos. Cada osteófitos possui prolongamentos chamados canalículos, que se estendem a partir das lacunas vizinhas, formando assim, uma rede de canalículos e lacunas em toda a massa de tecido mineralizado.

Quanto à irrigação do osso, temos os canais de Volkman (vasos sanguíneos menores) e os canais de Harvers (vasos sanguíneos menores). O tecido ósseo não apresenta vasos linfáticos, apenas o tecido periósteo tem drenagem linfática.



Funções:

  • Suportar partes moles;

  • Permite movimento;

  • Formato do corpo;

  • Proteção dos órgãos vitais;

  • Armazenar minerais;

  • Hematopoiese.

CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS


Ossos longos: o comprimento predomina sobre a largura e a espessura. Os ossos longos apresentam uma escavação central que é o canal medular, onde se encontra a medula óssea. Os ossos longos são constituídos por um corpo (diáfise) e duas extremidades (epífise).

Ex.: fêmur



Ossos curtos: as três dimensões se equivalem, são ossos mais ou menos cúbicos.

Ex.: ossos do tarso



Ossos laminares (planos): ossos finos, em que o comprimento e a largura predominam sobre a espessura.

Ex.: parietal



Ossos alongados: ossos longos, porém achatados e não apresentam canal central.

Ex.: costelas



Ossos pneumáticos: ossos ocos com cavidades cheias de ar e revestidas por mucosa (seios), apresentando pequeno peso em relação ao seu volume.

Ex.: esfenóide



Ossos irregulares: apresentam uma característica muito específica.

Ex.: vértebras



DIVISÃO DO ESQUELETO
1 – Esqueleto Axial:
Cabeça:

  • Crânio;

  • Vícero crânio;

  • Neurocrâneo;

  • Ossículos da audição.




Pescoço:

  • Hióide.

Coluna vertebral:



  • Cervical;

  • Torácica;

  • Lombar;

  • Sacral;

  • Coccígena.



Tórax:

  • Costelas;

  • Cartilagens;

  • Vértebras torácicas.

Obs.: Além de ter demonstrado um crânio e enfatizado suas divisões ósseas, a professora mencionou que as. Cartilagens costais ao decorrer dos anos, com a senilidade do indivíduo, se calcificam tornando–se extensões ósseas.


2–Esqueleto apendicular:
Esse esqueleto forma os membros superiores e inferiores, e o que unem o tórax aos membros são os cíngulos, também denominados cintura escapular, que da mesma forma são divididos em superior e inferior.
2.1–Esqueleto apendicular superior:

  • Úmero: braço;

  • Rádio e ulna: antebraço;

  • Ossos da mão

2.2–Cíngulo do membro superior:



  • Escapula e clavícula

2.3–Esqueleto apendicular inferior:



  • Fêmur: coxa;

  • Tíbia e fíbula: perna;

  • Ossos do pé

2.4–Cíngulos do membro inferior:



  • Osso do quadril.



Obs.: Foram abordados durante as demonstrações e exemplificações, assunto como:

Lesões na medula óssea:

A medula óssea é a grande responsável na comunicação do SNC e SNP, quando há lesões, e dependendo do local dificulta a comunicação nervosa paralisando membros e até mesmo sistemas.



Paraplegia: é causada pela lesão da medula óssea na região torácica ou lombar. A lesão medular impede a passagem dos impulsos voluntários do cérebro para a musculatura e das sensibilidades cutâneas até o cérebro. O controle voluntário da bexiga e intestino também ficam prejudicados, tendo como conseqüência a incontinência e posteriormente, retenção de urina e fezes;

Tetraplégica: é causada pela lesão da medula óssea na região cervical, podendo causar até mesmo a morte do indivíduo, por não possibilitar impulsos nervosos que viabilize ao funcionamento do músculo diafragma.
Hérnia de disco:

Trata-se de lesões do anel fibroso que possibilita o vazamento do anel pulposo da articulação da coluna vertebral.



Tratou ainda, de assuntos sobre lesões causadas pela má postura, ficando assim, esclarecido que numa vista lateral, a coluna vertebral apresenta várias curvaturas consideradas fisiológicas. São elas:

  • Cervical: convexa ventralmente – lordose;

  • Torácica: côncava ventralmente – cifose;

  • Lombar – convexa ventralmente – lordose;

  • Pélvica: côncava ventralmente – cifose.


Quando uma dessas curvaturas está aumentada, chamamos de:

Hipercifose: região dorsal e pélvica;

Hiperlordose: região cervical e lombar.

Numa vista anterior ou posterior a coluna não apresenta nenhuma curvatura. Quando ocorre alguma curvatura neste plano chamamos de escoliose.
CANAL VERTEBRAL
Segue as diferentes curvaturas da coluna vertebral. É grande e triangular nas regiões onde a coluna possui maior mobilidade (cervical e lombar) e é pequeno e redondo na região que não possui muita mobilidade (torácica).
Característica regional
Permitem a diferenciação das vértebras pertencentes a cada região.

Vários são os elementos de diferenciação, mas será suficiente observar processos transversos.



  • Vértebra cervical: apresenta forame no processo transverso chamado forame transverso ou forame da artéria vertebral;

  • Vértebra torácica: apresenta uma faceta articular para as costelas (fórvea costal);

  • Vértebra lombar: apresenta um processo transverso bem desenvolvido chamado apêndice costiforme. Pode ser diferenciado também por não apresentar forame no processo transverso e nem a fórvea costal.


Vértebras especiais
1–Atlas (1ª vértebra cervical)

A principal diferenciação desta para as outras vértebras é de não possuir corpo;

2–Áxis (2ª vértebra cervical)

Apresenta um processo ósseo forte denominado Dente (processo ontóide) que localiza–se superiormente articula–se com o arco anterior do Atlas;

3–Vértebra proeminente (7ª vértebra cervical)

Processo espinhoso longo e proeminente.

4–Sacro

O sacro tem a forma de uma pirâmide quadrangular com a base voltada para cima e o ápice para baixo. Articula–se superiormente com a 5ª vértebra lombar e inferiormente com o cóccix.

O sacro é a fusão de cinco vértebras e apresenta 4 faces: duas laterais, uma anterior e uma posterior.

5–Cóccix

Fusão de 3 a 5 vértebras, apresenta a base voltada para cima e o ápice para baixo.

O cóccix apresenta algumas estruturas:



  • Cornos coccígeos;

  • Processos transversos rudimentares;

  • Processos articulares rudimentares;

  • Corpos



SISTEMA ARTICULAR
Articulação é a união de duas ou mais peças ósseas ou cartilaginosas, por meio de feixes fibrosos ou fibro–cartilaginosos, apresentando ou não movimentos. Podem ser amplos ou limitados, e podem ainda se combinar para formar outros tipos de movimento.

Durante a aula foram demonstrados os três grupos de articulações:

Fibrosa:


  • Mobilidade extremamente reduzida;

  • Formado por tecido conjuntivo fibroso;

  • A maioria desse grupo se apresenta no crânio.

Cartilaginosa:

  • Tecido cartilaginoso, liso, polido que diminui o atrito oferecendo mobilidade;

  • Encontrados principalmente na coluna vertebral e no tórax.

Sinoviais

Elemento líquido;

Movimentação livre;

Cavidade articular = espaço onde fica localizado o líquido sinovial;

Cápsula articular = espécie de manguito que envolve a articulação, predendo–se

Aos ossos que se articulam. Apresentam duas camadas: membrana fibrosa e membrana sinovial.


SISTEMA MUSCULAR
São estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas denominadas fibras musculares, cuja energia latente é ou pode ser controlada pelo sistema nervoso. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica.
Funções:

  • Ação de contração e relaxamento no corpo;

  • Regulação dos órgãos;

  • Movimento de substâncias dentro do corpo;

  • Produção de calor,

  • Etc.


Tipos:

Músculo estriado esquelético: responsável pela locomoção/inervado pelo SNC.


Músculo estriado cardíaco: apresenta-se no coração, é responsável pelo impulsionamento da circulação sangüínea. É um músculo estriado, porém involuntário – auto ritmicidade.

Músculo liso: contração viceral: Ação involuntária controlada pelo sistema nervoso autônomo.

Obs: Foi abordado o sistema brevemente, dando ênfase a musculatura estriada cardíaca e esclarecido como o sangue é impulsionado pelo coração.



Nesta aula, ainda foram citados rapidamente o sistemas respiratório, sistema nervoso, circulatório e digestório. Sem possibilidade de aprofundamento devido ao tempo que se esgotou, sendo assim, a professora abordou:
SISTEMA RESPIRATÓRIO
Este sistema é constituído pelos tratos (vias) respiratórios superior e inferior. O trato respiratório superior é formado por órgãos localizados fora da caixa torácica: nariz externo, cavidade nasal, faringe, laringe e parte superior da traquéia. O trato respiratório inferior consiste em órgãos localizados na cavidade torácica: parte inferior da traquéia, brônquios, bronquíolos, alvéolos e pulmões. As camadas das pleura e os músculos que formam a cavidade torácica também fazem parte do trato respiratório inferior.
Funções:

  • Facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico;

  • Assegurar permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

  • Eliminação de gases residuais, que resultam dessas reações e que são representadas pelo gás carbônico.

Órgãos do sistema respiratório:




  • Nariz

  • Cavidade Nasal

  • Seios Acessórios

  • Laringe

  • Traquéia e Brônquios

  • Pleura

  • Pulmões



SISTEMA NERVOSO


O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a essas condições.

A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, denominada neurônio, que é uma célula extremamente estimulável; é capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno de si, reagindo com uma alteração elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o impulso nervoso



Sistema Nervoso Central (SNC)
É formado pelo encéfalo e pela medula espinhal. Os encéfalo localiza-se dentro da caixa craniana e é constituído por três órgãos: cérebro, cerebelo e bulbo. A medula espinhal situa-se dentro da coluna vertebral, ou seja, no canal medular.

Todos esses órgãos são formados por uma substância cinzenta e uma substância branca. A substância cinzenta produz ou recebe os estímulos nervosos, enquanto a substância branca é responsável pela transmissão dos estímulos nervosos do sistema nervoso para os órgãos e vice-versa.



Sistema nervoso Periférico (SNP)
O sistema nervoso periférico, às vezes chamado simplesmente de SNP, é a parte do sistema nervoso que se encontra fora do sistema nervoso central (SNC). É constituído basicamente pelos nervos cranianos e nervos raquidianos.

Diferentemente do sistema nervoso central, o sistema nervoso periférico não se encontra protegido pela barreira hematoencefálica.

É graças a este sistema que o cérebro e a medula espinhal recebem e enviam as informações permitindo-nos reagir às diferentes situações que têm origem no meio externo ou interno.
SISTEMA CIRCULATÓRIO
É responsável por conduzir elementos essenciais para todos os tecidos do corpo: oxigênio para as células, hormônios (que são liberados pelas glândulas endócrinas) para os tecidos, condução de dióxido de carbono para sua eliminação nos pulmões, coleta de excreções metabólicas e celulares, entrega de excreções nos órgãos excretores, como os rins, transporte de hormônios, tem importante papel no sistema imunológico na defesa contra infecções, termo-regulação: calor, vasodilatação periférica; frio, vasoconstrição periférica. Transporte de nutrientes desde os locais de absorção até às células dos diferentes órgãos.

O sistema circulatório humano.

Em vermelho, o sangue arterial.

Em azul, o sangue venoso.


SISTEMA DIGESTÓRIO
O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões; boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus.

Obs.: Os sistemas digestório, respiratório e circulatório, foram os temas dos trabalhos de tutoria, portanto, melhos sexplificado nos mesmos.

DADOS BIBLIOGRAFICOS
Tutorial de Anatomia Humana: UCB;

Atlas de Anatomia Humana: Netter F.H

Sites:


  • www.wikipedia.org/wiki;

  • www.mundosites.net/biologia;

  • http://www.afh.bio.br;

  • http://www.mundosites.net/biologia

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

RELATÓRIO DE AULA PRATICA DE ANATOMIA HUMANA
PROFESSORA: KARYNNE GRUTTER LISBOA LOPES DOS SANTOS
AULA DO DIA 01/ 03/2008

Aluna Débora Cristina Braz da Silva.



Matr.:2004120353

Junho de 2008




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal