Registro nacional de cultivares



Baixar 126.34 Kb.
Encontro30.06.2019
Tamanho126.34 Kb.



MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES



ANEXO VI
Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Soja (Glycine max) para Inscrição no Registro Nacional de Cultivares - RNC

I - Ensaios

A) Número de locais: um local em cada região edafoclimática de importância para a cultura.

B) Período mínimo de realização:

a) Cultivares convencionais: 2 anos.

b) Cultivares essencialmente derivadas: 1 ano, desde que o parental recorrente esteja inscrito no Registro Nacional de Cultivares - RNC (vide observação item V).


II - Delineamento experimental

  1. Delineamento estatístico: blocos casualizados, com no mínimo três repetições ou outro delineamento com igual ou maior precisão experimental.

  2. Tamanho da parcela: cada parcela deverá ter, no mínimo, 4,0 m2 (caracterizar área útil).

  3. Grupos de maturação: para serem testadas, as cultivares e linhagens serão enquadradas em até seis grupos de maturação: superprecoce, precoce, semiprecoce, médio, semitardio e tardio.

  4. Cultivares testemunhas: deverão ser utilizadas, como padrões comparativos e por grupo de maturação, duas cultivares inscritas no RNC, devendo as mesmas serem mantidas durante o período do teste de cada cultivar.

  5. No caso de cultivares essencialmente derivadas, incluir ainda o parental recorrente (cultivar inicial) como testemunha.

III - Características a serem avaliadas



  1. Descritores (item 8 do formulário): preencher no caso da cultivar não estar protegida no Brasil.

  1. Plântula - Pigmentação antociânica do hipocótilo: ausente, presente;

  2. Tipo de crescimento: determinado, semideterminado, indeterminado;

  3. Cor da pubescência na haste principal: cinza, marrom clara, marrom média;

  4. Densidade da pubescência na haste principal: baixa, média, alta;

  5. Cor da flor: branca, roxa;

  6. Cor da vagem (com pubescência): cinza clara, cinza escura, marrom clara, marrom média, marrom escura;

  7. Forma da semente: esférica, esférica achatada, alongada, alongada achatada;

  8. Cor do tegumento (excluído o hilo): amarela, amarela-esverdeadaoutra, verde, marrom clara, marrom média, marrom escura, preta;

  9. Intensidade do brilho do tegumento: baixa, média, alta;

  10. Cor do hilo: cinza, amarela, marrom clara, marrom, preta imperfeita, preta;

  11. Reação do tegumento à peroxidade: positiva (+), negativa (-), negativa e positiva (+/-).

B) Características agronômicas (item 9 do formulário):

  1. Ciclo vegetativo: número de dias da emergência à floração (50% das plantas com flores);

  2. Ciclo total: número de dias da emergência à maturação. (Obs.: maturação: 95% das vagens secas);

  3. Altura das plantas (cm);

  4. Altura de inserção das vagens inferiores (cm). (Obs.: avaliadas na área útil);

  5. Grau de acamamento:

- todas ou quase todas as plantas eretas;

- todas ou quase todas as plantas levemente inclinadas ou até 25% das plantas acamadas;

- todas as plantas medianamente inclinadas ou de 25 a 50% das plantas acamadas;

- todas as plantas fortemente inclinadas ou de 50 a 80% das plantas acamadas;

- mais de 80% das plantas acamadas.


  1. Grau de deiscência das vagens (avaliada aos 15 dias após a maturação):

- 0% de debulha;

- 1 a 3% de debulha;

- 4 a 10% de debulha;

- 11 a 20% de debulha;

- mais de 20% de debulha.


  1. Peso de 100 sementes (em gramas, base 13% de umidade da semente).

  1. Reação a doenças e nematóides (item 10 do formulário): casa de vegetação e/ou a campo, preencher utilizando os códigos da tabela a seguir:

Código

Conceito

R

Resistente

MR

Moderadamente resistente

MS

Moderadamente suscetível

S

Suscetível

AS

Altamente suscetível

T

Tolerante

MT

Moderadamente tolerante

SI

Sem informação




  1. Pústula bacteriana (Xanthomonas axonopodis pv. glycines): R ou S;

  2. Crestamento bacteriano (Pseudomonas syringae pv. glycinea): R, MR, MS, S ou SI;

  3. Mancha “olho-de-rã” (Cercospora sojina): R, MR, MS ou S;

  4. Podridão parda da haste (Phialophora gregata): R, MR, MS, S ou AS;

  5. Mosaico comum da soja (VMCS): R, S ou SI;

  6. Oídio (Microsphaera diffusa): R, MR, S ou AS;

  7. Cancro da haste (Diaporthe phaseolorum f. sp. meridionalis): R, MR, MS, S ou AS;

  8. Podridão vermelha da raiz (Fusarium solani): R, MR, MS, S, AS ou SI;

  9. Nematóide das galhas (Meloidogyne incognita): T, MT, S ou SI;

  10. Nematóide das galhas (Meloidogyne javanica): T, MT, S ou SI;

  11. Nematóide de cisto (Heterodera glycines): R, MR, MS, S, AS ou SI.

D) Avaliação da produtividade (item 11 do formulário):

A produtividade das cultivares e linhagens será calculada a partir do rendimento da área útil das parcelas, padronizado para 13% de umidade e transformado em quilogramas por hectare.

Experimentos cujos Coeficientes de Variação forem superiores a 20% não deverão ser computados na análise de conjunto dos locais e por conseqüência, no cálculo da produtividade na região.

Será inscrita no Registro Nacional de Cultivares (RNC) a cultivar que, nos ensaios de determinação do VCU, tenha obtido produtividade igual ou superior a média das testemunhas. Caso contrário, o solicitante da inscrição deverá indicar a existência de característica(s) de relevância que justifique(m) a sua inscrição no RNC.

E) Avaliação da qualidade tecnológica/industrial (item 12 do formulário):

A qualidade industrial das cultivares de soja será expressa pelos teores de óleo e de proteína nos grãos, em percentagem, e sobre o peso da matéria seca do grão. Incluir também os teores das cultivares testemunhas.

As amostras, para essas análises, podem ser coletadas de apenas uma repetição (bloco) de cada local (experimento), em cada ano.
IV - Atualização de informações
Novas informações sobre a cultivar, tais como: mudanças na região de adaptação, reação a pragas, doenças, nematóides, limitações, etc., devem ser enviadas nos mesmos formulários do VCU, para serem anexadas ao documento de inscrição.

VII - Observações transitórias

Durante o período de dois anos (1998 e 1999) serão aceitos propostas de inscrição no RNC, com informações parciais para: deiscência, peso de 100 (cem) sementes, teor de óleo, teor de proteína e reação à oídio.

Também, em caráter transitório, de dois anos (1998 e 1999), serão aceitas propostas de inscrição no RNC de cultivares essencialmente derivadas, com um mínimo de um ano de teste ou dois anos se o parental não estiver inscrito no RNC.

VIII - Observação: no preenchimento do formulário, sempre que necessário, utilizar folhas anexas.




MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES



ANEXO VI
Formulário para inscrição de cultivares de soja (Glycine max) no Registro Nacional de Cultivares




1.1. Denominação da cultivar:

     


Protocolo (para uso exclusivo do RNC/SDA)

2. Requerente:

Nome:      

CNPJ/CPF:      

Endereço:      


Município:       UF:       País:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      


3. Responsável pelas informações: [  ] Representante legal [  ] Procurador [  ] Técnico

Nome:      

CGC/CPF:      

Endereço:      


Município:       UF:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      


4. Instituição(ões) responsável(eis) pelos ensaios: [  ] requerente [  ] contratada [  ] conveniada

[  ] Outras (citar):      

Nome:      

CGC/CPF:      

Endereço:      
Município:       UF:      

Caixa Postal:       CEP:      

Telefone:       Fax:       E-mail:      

Técnico(s) responsável(eis) pelo(s) ensaio(s):

     

(Se necessário, utilizar folha anexa)



5. Informações complementares:

5.1- cultivar protegida: sim [  ] (nº certificado)       não [  ]

- Em caso positivo indicar o(s) país(es):      

5.2- cultivar transferida: sim [  ] não [  ]

5.3- cultivar estrangeira: sim [  ] não [  ] País de origem:      

5.- cultivar essencialmente derivada: sim [  ] não [  ]

5.5- organismo geneticamente modificado: sim [  ] não [  ]]

- Em caso positivo, anexar documento comprovando a desregulamentação do referido OGM.



6. Origem da cultivar:

6.1- Instituição(ões) ou empresa(s) criadora(s), detentora(s) e/ou introdutora(s):

     

6.2- Melhorista(s) participante(s) na obtenção/introdução (anexar declaração do melhorista responsável):



     

6.3- Cruzamento:

- ano de realização:      

- local (país, estado e município):      

- instituição que realizou:      

6.4- Genealogia:

- parentais imediatos:

     


- relatório técnico do processo de seleção: apresentar no caso da cultivar não estar protegida no Brasil.

6.5- Denominação experimental ou pré-comercial:      



7. Avaliação da cultivar:

7.1- Locais de avaliação:

- Município, UF:      

- Altitude:      

- Latitude:      

- Tipo de Solo:      

- Época de plantio:      

- Outros fatores bióticos/abióticos:

     

7.2- Região de adaptação: apresentar indicadores da adaptação da cultivar em relação a altitude, latitude, época de plantio e/ou outros fatores bióticos/abióticos, a critério do responsável pelo ensaio/requerente.



8. Descritores: preencher no caso da cultivar não estar protegida no Brasil

8.1. Cor do hipocótilo:      

8.2. Tipo de crescimento:      

8.3. Cor da pubescência:      

8.4. Densidade da pubescência:      

8.5. Cor da flor:      

8.6. Cor da vagem:      

8.7. Forma da semente:      

8.8. Cor do tegumento:      

8.9. Brilho da semente:      

8.10. Cor do hilo:      

8.11. Reação à peroxidade:      



9. Características agronômicas, por local em que foram realizados os testes, média de dois anos, preencher de acordo ao modelo a seguir.

Local

Ciclo (dias)

Altura (cm)

Grau de

Deiscência

Peso de 100




Florescimento

Total

Planta

Inserção 1ª vagem

acamamento (1-5)

(%)

sementes

(g)


     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

10. Reação a doenças e nematóides: preencher utilizando os código estabelecidos no Item III-C, média de dois anos.

Reação a:

Casa de vegetação

Campo

Pústula bacteriana

     

     

Crestamento bacteriano

     

     

Mancha “Olho-de-Rã”

     

     

Podridão parda da haste

     

     

Mosaico comum da soja

     

     

Oídio

     

     

Cancro da haste

     

     

Podridão vermelha da raiz

     

     

Nematóide das galhas (Meloidogyne incognita)

     

     

Nematóide das galhas(M. javanica)

     

     

Nematóide de cisto

     

     

11. Produtividade

Rendimento comparativo de grãos (kg/ha) da cultivar de soja avaliada e das cultivares padrões, por região, local e ano, preencher de acordo ao modelo a seguir:




Região

Local

Ano

Cultivar

Testemunhas (kg/ha)

C.V.










(kg/ha)

     

     

     1

Média

%

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

    

     

     

     

     

     

     

     

     

    

1 Usar testemunha C (parental recorrente) no caso de cultivar essencialmente derivada, substituindo A ou B.

12. Qualidade industrial:

Rendimento industrial, por local em que os testes foram realizados, média de dois anos. Preencher de acordo ao modelo a seguir.



Local

Cultivar

Testemunhas







A

B

C1




Óleo (%)

Proteína (%)

Óleo (%)

Proteína (%)

Óleo (%)

Proteína (%)

Óleo (%)

Proteína (%)

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Usar testemunha C (parental recorrente) no caso de cultivar essencialmente derivada, substituindo A ou B.

13. Produção de semente:

13.1. Estoque de semente disponível por ocasião do registro:

- semente genética:       kg

- semente básica:       t

13.2. Início de comercialização (ano) :      


14. Informações complementares:

14.1. Sistemas de produção sugeridos para a cultivar:

     

14.2. Aspectos em que a cultivar apresenta vantagens comparativas em relação a outras em uso:



     

14.3. Formas especiais de uso das plantas e dos grãos:

     


  1. Limitações da cultivar - condições de cultivo e de uso que devem ser evitadas:

     

Local e data:



Assinatura do Requerente ou Responsável




: assuntos -> insumos-agropecuarios -> insumos-agricolas -> sementes-e-mudas -> registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento secretaria de defesa agropecuária
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Ministério da agricultura, pecuária e abastecimento secretaria de defesa agropecuária
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Secretaria de apoio rural e cooperativismo
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares
registro-nacional-de-cultivares-2013-rnc-1 -> Registro nacional de cultivares




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal