Área de Odontologia Social


Prótese Buco Maxilo Facial



Baixar 416.18 Kb.
Página6/6
Encontro24.10.2017
Tamanho416.18 Kb.
1   2   3   4   5   6

Prótese Buco Maxilo Facial

1.Introdução à Prótese Buco Maxilo Facial1.1.Responsabilidade da Odontologia frente à Prótese Buco Maxilo Facial. 1.2.Conceito: Estudo clínico e reabilitação protética das malformação congênitas, mutilações traumáticas ou patológicas e distúrbios de desenvolvimento maxilo faciais. 1.3.Especialidade odontológica reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia.1.4.Malformação congênitas do lábio e ou palato- Síndromes.1.5.Câncer da cabeça e pescoço - câncer bucal: Emanoterapia e Cirúrgica oncológica.1.6.Implantes para fixação de próteses bucais e faciais. 1.7.Suporte para a Cirurgia e Traumatologia Maxilo Faciais. 1.8.Luxação tempo-mandibular 1.9.Distúrbios de desenvolvimento maxilo faciais - anquilose têmporomandibular. 1.10.Tratamento através da Prótese Buco Maxilo Facial: optativo/último recurso. 2.Malformação do lábio e do palato.2.1.Introdução: malformações crânio faciais2.2.Conceito: fendas de palato primário e fendas de palato secundário.2.3.Embriologia: formação da face e das estruturas intrabucais.2.4.Patogenia das fendas lábio-palatinas.2.5.Etiologia das malformações: fatores genéticos e fatores mesológicos.2.6.Incidência: raça, sexo, localização, lateralidade, idade dos pais e clima.2.7.Distúrbios: estéticos, funcional e psíquico.2.8.Classificação: Dawis e Richie, Veau, Fogh Andersen, Kernahan e Stark, Villar Sancho e Spina.2.9.Tratamento: equipe multiprofissional2.10.Tratamento: odontológico, odontopediátrico e protético buco-maxilo-facial (precoce e tardio).3. Biomateriais3.1.Conceito: São materiais naturais ou artificiais, que substituem total ou parcialmente estruturas vivas ou ainda, dispositivos biomédicos que aumentam ou substutuem uma função natural.3.2.Ciência dos Biometariais: É a ciência que estuda as propriedades dos tecidos e órgãos, estuda interação entre os biomateriais e os tecidos, desenvolvem e caracteriza os materiais que podem ser usados para medir, restaurar ou melhorar funções biológicas. 3.3 Materiais disponíveis: polímeros não degradáveis; polímeros degradáveis ou reativos; adesivos poliméricos teciduais; metais; cerâmicas e vidros;carbonos; materiais biológicos4. Prótese nas grandes perdas da maxila 4.1.Introdução4.2.Conceito4.3. Etiologia: traumática e cirurgicas4.4. Divisão: quanto à extensão e quanto à localização da perda(parciais, anteriores, lateriais, unilaterais e bilateriais4.5.Totais: unilaterais e bilateriais4.6. Distúrbios: funcionais (fonação, mastigação, deglutição, respiração, olfação e visão)4.7. Estéticos: defeitos cicatriciais, depressão geniana, ectrópio da pálpebra inferior, edema, perdas tissulares, ósseas e músculo cutâneas.4.8. A prótese nas perdas cirúrgicas: prótese imediata, prótese tardia, redutora, reparadora.4.9. Confecção: Moldagem, porção inter cavitária, porção basal4.10.Retenção: 4.11.Prótese Conjugada5.Próteses nas grandes perdas Mandibulares5.1. Introdução; 5.2.Conceito; 5.3. Evolução; 5.4.Oportunidade; 5.5.Estudo Clínico: etiologia, divisão, distúrbios; 5.6.Tratamento: imediato, cirúrgico, autógeno, alógeno, tardio; 5.7.Prevenção6.Implantes em Prótese Buco Maxilo Facial6.1.Introdução; 6.2.Conceito: Osteo-integração; 6.3.Planejamento Prótetico ; 6.4.Considerações Cirúrgicas; 6.5.Áreas de fixação de implante; 6.5.1.Intra-oral; 6.5.2.Extra-oral; 6.6.Avaliação clínica; 6.7.Paciente irradiado; 6.8.Paciente em crescimento; 6.9.Vantagens das Próteses Implanto-suportadas7.Moldagens e Modelos em PBMF7.1.Moldagens intra-orais; 7.1.1.Comunicações oro-nasais.; 7.1.2.esfíncter velofaríngeo; 7.1.3.região intra-cavitária; 7.1.4.Moldagem segmentada em microstomia; 7.2 Moldagens extra-orais; 7.2.1.Cavidade anoftálmica: técnicas e materiais empregados; 7.2.2.Faciais: totais e parciais: regiões faciais técnicas e materiais empregados; 7.3.Modelos - confecção e materiais empregados8. Próteses faciais - epíteses8.1.Introdução: tratamento plástico-cirúrgico, tratamento aloplástico.; 8.2. Conceito: perdas do revestimento músculo-cutâneo, perdas do esqueleto de suporte; 8.3.Oportunidade: próteses temporárias, próteses reparadoras; 8.4. Modalidades de próteses faciais restauradoras:; 8.4.1. Próteses para órgãos impares: prótese nasal e labial.; 8.4.2. Próteses para órgãos pares: prótese auricular e óculo-palpebral.; 8.4.3. Prótese para grandes perdas da face; 8.5.Etiologia: patológica e traumática; 8.6.Distúrbios: funcionais, estéticos e psíquicos; 8.7.Materiais empregados na confecção das epíteses - requisitos de um material ideal (Bulbulian): materiais flexíveis, materiais rígidos; 8.8.Técnica de confecção das epíteses: noções de antropometria, biotipologia e cartografia facial; 8.9.Meios de retenção das próteses faciais: Colagem, cirúrgico-protético, mecânicos, retenção anatômica; 8.10. Desenvolvimento atual.9.Próteses faciais - anaplerose9.1.Introdução: prótese ocular em resina acrílica; 9.2.Conceito: perdas parciais ou perdas totais do globo ocular; 9.3.Objetivos: restabelecer a estética, prevenir o colapso palpebral, proteger contra agentes externos, secreção e escoamento do fluxo lacrimal, impedir a perda da tonicidade muscular; 9.4.Considerações anatômicas: globo ocular, músculos, fáscia do bulbo, aparelho lacrimal; 9.5.Etiologia: congênita e adquirida (traumatismos e patológicas); 9.6.Intervenções cirúrgicas para a remoção do globo ocular: evisceração e enucleação; 9.7.Técnica de confecção da prótese ocular individualizada; 9.8.Recomendações ao paciente quanto à prótese, quanto à utilização da prótese e manutenção cavidade anoftálmica10. Prótese complementar da terapia de radiação - prótese radífera10.1. Introdução: ortovoltagem - megavoltagem ; 10.2. Modalidades terapêuticas - cirúrgicas, actinica, medicamentosa, imunológica, criocírugica; 10.3.Tratamento emanoterápico direto (por contato com RX, por moldagem de radium, por agulhamento intersticial) pericutâneo energia eletrica, substãncias radioativas); 10.4.Objetivos: programa de atenção estomatológica aos pacientes irradiados; 10.5. Alterações teciduais; 10.6.Procedimentos pré-radioterápicos; 10.7.Procedimentos trans-radioterápicos; 10.8.Procedimentos pós-radioterápicos; 10.9. Próteses radíferas: Portadoras ou contensoras, localizadoras ou orientadoras, afastadoras e protetoras; 10.10.Considerações finais: Conscientização por parte dos elementos da área de saúde, educação dos pacientes para os cuidados necessários11. Recursos da Prótese Buco Maxilo Facial nas Constricções maxilo-mandibulares11.1.Introdução: Transtornos banais até deformidades de grave consequência.; 11.2.Modalidades: Constricção de origem muscular cicatricial e articular.; 11.3.Constricção de origem muscular: Conceito: Trismo; 11.3.1. Divisão: Origem inflamatória e origem psiquica.; 11.3.2 Etiologia: Inflamações no próprio músculo ou nos tecidos vizinhos aos planos musculares; 11.3.3 Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.3.4 Tratamentos: psiquico e mecanoterápico, agentes físicos, medicamentoso; 11.4 Constricção de origem cicatricial; 11.4.1.Conceito: Cicatrizes; 11.4.2 Divisão: Quanto localização e quanto a espessura; 11.4.3.Etiologia: Ferimentos, queimaduras, entidades patológicas; 11.4.4.Diagnóstico: Anamnéses, exame clínico e exame radiográfico; 11.4.5.Tratamento: Cirúrgico, mecanoterápico ou cirúrgico mais mecanoterápico; 11.4.6.Constricções por consolidação óssea extra articulares.; 11.5.Constricção de origem articular:; 11.5.1.Conceito: Afecções da articulação têmporo-mandibular; 11.5.2.Modalidades: Artrite e Anquilose da ATM.; 11.5.3.Artrite da ATM:; 11.5.3.1.Conceito: Afecções de origem infecciosa ou traumática; 11.5.3.2.Divisão: Aguda ou Crônica; 11.5.3.4.Etiologia: Artrite aguda infecciosa e traumática; 11.5.3.4.Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.5.3.5.Tratamento: Mecanoterápico, cirúrgico e medicamentoso; 11.5.4. Anquilose da ATM: 11.5.4.1.Conceito: Perda dos movimentos da ATM.; 11.5.4.2.Divisão: Anquilose fibrosa ou óssea, unilateral ou bilateral, congênita ou adquirida; 11.5.4.3.Anatomopatológico: Anquilose falsa ou verdadeira; 11.5.4.4.Etiologia: Complicações de artrites infecciosas ou traumáticas; 11.5.4.5. Diagnóstico: Anamnése, exame clínico e exame radiográfico; 11.5.4.6.Tratamento: Cirúrgico, mecanoterápico e cirúrgico mais mecanoterápico.12. Recursos da Prótese Buco-Maxilo-Facial nas luxações da ATM.12.1.Introdução: causas bizarras, ação do próprio cirurgião-dentista; 12.2.Conceitos: luxação - sub-luxação; 12.3.Anatomia da ATM; superficies articulares, disco articular, cápsula articular, ligamentos e músculos; 12.4.Dinâmica da luxação: luxação do côndilo a posição extra-articular; 12.5. Classificação: tipo de luxação, direção e lado; 12.6.Ocorrência: fatores mecânicos e espasmos musculares; 12.7.Incidência: idade, sexo, freqüência; 12.8.Etiologia: causas predisponentes, eficientes e psicológicas; 12.9.Diagnóstico: quando clínico e palpação; 12.10.Tratamento: clássico, Watson, Jones, Atterbury, cirúrgico e agentes esclerosantes; 12.11.Cuidados posteriores: ataduras, aparelho contensor extra-oral.13. Prótese Buco Maxilo Facial frente a Odontologia Desportiva13.1 Introdução: é de vital importância a prevenção e manutenção da saúde bucal. dos atletas.13.2 Conceito: estudo e planejamento da condição buco dentário de atletas; 13.3. Objetivos: possibilitar melhor performace dos atletas nas mais diversas modalidades esportivas; 13.3.1. Análise da condição bucal; 13.3.2. Indicação de tratamentos: pré competição, pós competição; 13.3.3. Prevenção: protetores buco dentários tipos de protetores indicação para as diferentes modalidades esportivas confecção dos diferentes tipos de protetores buco dentários; 13.3.4. Estudo das fraturas e recursos protéticos; 13.3.5. Tratamento.
BENOIST, M. Reabilitation et Prothése Maxillo-Faciales. Julien Prelat, Ed., 1978, p. 437.CHALLIAN, V.A. et alli Maxillofacial prothetics. Baltimora. Willians & Wilkins, 1971, 456p.CESCHINI, J.R. O implante na reabilitação bucal. Panamed editorial, 535p. 1984.FONSECA, E.P. Prótese Ocular, São Paulo, Panamed. Editorial.PSAUME, M. et BOUTROUX, L. Restauration et prosthesis maxillo-faciales, Paris, Masson, 1950, p. 136-323.RAHN, A & BOUCHER, I.J. Maxillofacial prosthetics: principles: and concept. Philadelphia, Sauders, 1970, 266p.RAMFJORD, S. & ASH, M.M. Oclusão. 3a. ed., Rio de Janeiro, interamericana, p 6-11, 189, 1984.REZENDE, J.R.V.; OLIVEIRA, J.A.P. & DIAS, R.B. Prótese Buco Maxilo-Facial. Conceitos básicos e práticos de laboratório. Sarvier, São Paulo, 1986.RIES CENTENO, G.A. Cirurgia bucal. Buenos Aires, Ataneo, p. 208-402, 1968.ROCHA, R.G.F. Moldagem da face com gesso. Tese Doutorado, Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, 1965.SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE REABILITAÇÃO DA FACE E DE PRÓTESE BUCO-MAXILO FACIAL. 1o., São Paulo, 4-7 setembro. 1977./Anais./ São Paulo, Fundação "Centro de Pesquisa de Oncologia, 1977, p. 277.
Traumatologia

1. Introdução á Traumatologia-Maxilo-Facial. 1.1. Conceito: a Traumatologia Maxilo-Facial como especialidade cirúrgica. 1.2. Histórico e evolução da Traumatologia Maxilo-Facial. 1.3. Área de atuação do Cirurgião-Traumatologista Maxilo Facial. 2. Estudo da arquitetura do esqueleto facial. 2.1. Conceitos: arcos, pilares e vigas. 2.2. Descrição das trajetórias de força de resistência e fragilidade da maxila e mandibula. 3. Estudo clínico e tratamento das fraturas mandibulares. 3.1. Introdução: caracteristicas clínicas das diferentes fraturas da mandibula. 3.2. Sintomatologia específica das fraturas mandibulares da sínfise, corpo, ângulo, apófise coronóide e côndilo. 3.3. Seleção e escolha da forma de tratamento para fraturas da mandibula. 3.4. Tratamento ortopédico: métodos de contenções maxilo mandibulares. 3.5. Tratamento cirúrgico: estudo dos diferentes tipos de osteossinteses e materiais empregados. 3.6. Princípios básicos do tratamento imediato. 4. Estudo clínico e tratamento das fraturas do esqueleto facial. 4.1. Introdução: características clínicas das fraturas do esqueleto fixo da face. 4.2. As fraturas do maxilar: Le Fort, classificações e sinonimia. 4.3. Diagnóstico clínico-radiográfico e tratamento das fraturas de Le Fort. 4.4. As fraturas do malar e arco zigomático: diferenciação de fratura de disjunção e classificação das diferentes fraturas. Dignóstico clínico-radiográfico e tratamento. 4.5. Fratura dos ossos próprios do nariz: diagnóstico clínico-radiográfico e tratamento. 4.6. Métodos cirúrgicos e ortopédicos de tratamento das fraturas do esqueleto fixo da face: osteossintese manobras incruentas e tipos de contenção utilizadas. 5. Estudo clínico e tratamento do trauma dento-alveolares. 5.1. Introdução: aspectos psicológicos do traumatismo dentário. 5.2. Classificação das fraturas dentárias envolvendo a coroa e a raiz dentária. Reparação pulpar frente ao traumatismo dentário. 5.3. Luxação dentária: diagnóstico clínico e princípios do tratamento. Contenções utilizadas e acessíveis ao odontologista. 5.4. Exofoliação traumática: medidas iniciais do tratamento, condutas de urgência. Contenção e prognóstico. Informação e prevenção dirigida aos pais e acompanhantes. 5.5. Fraturas dento-alveolares envolvendo 2 ou mais dentes. Diagnóstico clínico - radiográfico e medidas iniciais do tratamento, conduta definitiva. 6. Estudo clínico e tratamento das sequelas advindas aos traumatismos maxilo-faciais. 6.1. Introdução: conceito de sequelas e o porquê de sua ocorrência. 6.2. Fatores determinantes do aparecimento das sequelas: prímario e secundário. 6.3. Tipos de sequelas e planejamento cirúrgico-protético do tratamento. 6.4. Prevenção das sequelas de origem traumática. 7. Estudo clínico e tratamento dos ferimentos do tegumento facial. 7.1. Introdução: conceito de ferimentos simples e complexos. 7.2. Definição de enxertos e retalhos e sua aplicação nos diversos traumas faciais. 7.3. Biologia na reparação dos tecidos: cicatrização por primeira e segunda intenção. 7.4. Medidas de urgências no ferimento da face: a antissepsia das lesões. Materiais comumente usados nas suturas faciais e endo-bucais. 8. Estudo clínico e tratamento das disfunções da ATM. 8.1. Introdução: histórico, evolução do diagnóstico e tratamento das disfunções da ATM. 8.2. Mecanismo de desenvolvimento da disfunção: aspectos oclusais, musculares e psicológicos como fatores múltiplos na etiologia da doença. 8.3. Tratamento da fase aguda: utilização de placas de mordida. Relação entre o odontologista, o fonoaudiólogo, o psicólogo e o fisioterapeuta. 8.4. Tratamento definitivo das disfunções: medidas oclusais protéticas ou ortodônticas necessárias para o equilibrio da oclusão. 9. Atendimento inicial ao politraumatizado. 9.1. Avaliação inicial do politraumatizado. 9.2. Atendimento pré-hospitalar. 9.3. Atendimento hospitalar. 9.4. Noções básicas do ATLS. 9.5. Demonstração prática com o grupo de resgate do Corpo de Bombeiros de São Paulo. 10. Estudo clínico e tratamento da fratura do côndilo. 10.1. Introdução e conceitos. 10.2. Classificação. 10.3. Diagnóstico clínico e radigoráfico. 10.4. Tratamento: ortopédico, ortopédico funcional e cirúrgica. 10.5. Medidas pós-operatórias. 10.6. Sequelas.
1. APRILE, H; FIGUN, M. I. Anatomia Odontológica. 3a. Edição, Livraria El Ateneu, Buenso Aires, 1960. 2. BARROS, J.J.; SOUZA, L.C.M. Traumatismo buco-Maxilo-facial. São Paulo, ROCA, 1993, 418p. 3. BARROS, J.J.; SOUZA, L.C.M. Traumatismo buco-Maxilo-facial. São Paulo, ROCA, 2000, 455p. 4. BARROS, J.J.; RODES, S.M. Tratamento das Disfunções Craniomandibulares ATM. Editora Santos, 1995. 5. CONVERSE, J.M.; WAKNITA, F.W. External skeleton fixation in fracturas oif the mandibular angle. J Bone & Joint Surg., n.24, p.154-160, Jan. 1942. 6. CHIARUGI, G. Instituizioni di Anatomia Dll"Uomo. v.1, Sattima Edizione - Societá Editrico Libraria Milano, 1948. 7. CRONA-LARSSON, G. & NOREN, J.G. Luxation injuries to permanent teeth: a retrospsective study of etiologicval factors. Endodont dent Traumat, v.5, n.4, p.176-179, Aug. 1989. 8. DINGMAN, R.O. & MATVIG, P. Cirurgia das fraturas faciais. Philadelphia, Editora Santos, 1983, p.376. 9. FONSECA, R.J. & WLAKER, R.V. Oral and maxillofacial trauma. Philadelphia, Aunders, v.1, 650p., 1991. 10. GRAZIANI, M. Traumatologia Maxilo Facial. Rio de Janeiro, Guanabara - Koogan, 1982, p.245. 11. GRAZIANI, M. Cirurgia Buco Maxilo Facial. Rio de Janeiro, Guanabara - Koogan, 1976, p.676. 12. PSILLAKIS, J.M.: ZANINI, S.A., MÉLEGA, J.M.: COSTA, E. A. & RUZ, R.L. Cirurgia craniomaxilofacial. Rio de Janeiro, Medsi, 1987, p.643. 13. ROWE, W.L.; KILLEY, H.C. Fracturas of the facial skeleton, 2a. Ed. Edinburg & Livingstone, p.205, 1970. 14. ROWE, N.L.; WILLIANS, J.L. Maxillofacial injuires, 2ª ed., church, 1985. 15. SICHER, H.Y. & TANDLOR, J. - Anatomia para dentistas. Ed. Labor S.A. 16. ZIDE, M.F. & KENT. J.W. Indications of open reductions of mandibular condyle fractures. J oral Maxillofac Surg, n.41, p.89, 1983






1   2   3   4   5   6


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal