Questões Preparatórias



Baixar 322.51 Kb.
Página2/7
Encontro21.10.2017
Tamanho322.51 Kb.
1   2   3   4   5   6   7

CLASSIFICAÇÃO


Segundo o EPOS (European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps) de2012, as rinossinusites podem ser classificadas:

I) Quanto ao tempo da doença:



  1. Aguda: sintomas de início súbito com completa remissão em até 12 semanas.

  2. Crônica: sintomas de início súbito ou em episódios de exacerbação da doença sem completa remissão em até 12 semanas.

  3. Rinossinusite aguda recorrente: quatro ou mais episódios de RSA no intervalo de um ano, com resolução completa dos sintomas entre eles.

Segundo o EPOS 2012, a rinossinusite aguda (RSA) ainda pode ser subdividida em: RSA viral (resfriado comum), RSA pós-viral e RSA bacteriana (RSAB). Geralmente os tipos de RSA aparecem nesta ordem consecutiva além de compartilhar o mecanismo inflamatório e as semelhanças clínicas.

Resfriado comum (RSA viral)

-Definido quando a duração dos sintomas é menor que 10 dias.



RSA pós-viral

- Aumento dos sintomas após 5 dias ou

- Persistência dos sintomas após 10 dias (com menos de 12 semanas de duração)

Uma pequena porcentagem dos pacientes com RSA pós-viral terá RSA bacteriana.



RSA bacteriana

Sugere-se o diagnóstico de RSA bacteriana (RSAB) quando temos três ou mais dos sintomas abaixo com especificidade de 81% e sensibilidade de 66%:

- Descarga nasal (com predominância unilateral) e secreção purulenta em cavidade nasal;

- Dor local importante (com predominância unilateral);

- Febre (> 38 ºC);

- Elevação da velocidade de hemossedimentação (VHS) e proteína C reativa (PCR);

- “Double sickening", ou seja, uma deterioração após um período inicial da doença.

II) quanto à severidade da doença: Classificação análoga visual em LEVE, MODERADA OU SEVERA. Para tanto deve ser fornecida uma escala de 0 a 10 (escala analógica visual) ao paciente, onde ele deve informar “Quão incômodos são os seus sintomas de rinossinusite?”.


    1. Leve: escala de 0 – 3

    2. Moderada: escala de 4 – 7

    3. Severa: escala de 8 – 10

Considera-se as pontuações maiores que 5 como comprometedora à qualidade de vida do paciente.

Segundo o EPOS 2012, a classificação deve estar de acordo com a aparência endoscópica, assim na doença moderada/grave deve haver alteração na mucosa.

Única classificação aprovada pelo Task Force on Rhinosinusitis5, o estadiamento tomográfico de Lund-Mackay6 tem sido amplamente usado por sua simplicidade para determinar o grau de envolvimento dos seios paranasais. O escore é totalmente baseado em achados da TC, de acordo com o velamento (ausente = 0, parcial = 1 ou completo = 2) em cada seio paranasal e o velamento (ausente = 0 ou completo = 2) do complexo ostiomeatal.


Estrutura

Esquerdo

Direito

Seio Maxilar

0, 1 ou 2

0, 1 ou 2

Seios etmoidais ant.

0, 1 ou 2

0, 1 ou 2

Seios etmoidais post.

0, 1 ou 2

0, 1 ou 2

Seio frontal

0, 1 ou 2

0, 1 ou 2

Seio esfenoidal

0, 1 ou 2

0, 1 ou 2

Complexo óstio-meatal

0 ou 2

0 ou 2

Tabela 1: estadiamento de Lund-Mackay - Fonte: Adaptado de Lund VJ6

O chamado complexo ou unidade ostiomeatal é um conjunto de estruturas anatômicas composto por recessos e protuberâncias, nos quais encontramos: bolha etmoidal, processo unciforme, infundíbulo, hiato semilunar (superior e inferior), óstios de drenagens, células etmoidais anteriores (aggernasi) e células de Haller. Incluímos como fazendo parte das estruturas do complexo ostiomeatal a face meatal da concha média e recesso frontal8.



  1. FATORES PREDISPONENTES

Rinussinusites Agudas:

Rinite alérgica é considerada fator predisponente por causar edema da mucosa nasal, principalmente ao redor dos óstios de drenagem, o que provocaria hipoventilação sinusal e retenção de secreções, a liberação de mediadores pelos mastócitos e a exposição dos sítios de ligação do Streptococcus pneumoniae pelos mediadores inflamatórios secretado pelos eosinófilos. Embora esta seja uma hipótese atrativa, não há estudos prospectivos publicados sobre a incidência de rinossinusite infecciosa nos pacientes com rinite alérgica claramente definida.

A presença de corpos estranhos na cavidade nasal pode propiciar o acúmulo de secreções e a conseqüente superinfecção bacteriana.

Somente alguns artigos podem ser encontrados na literatura em relação ao papel do refluxo laringofaringeano (RLF) e/ou infecção por Helicobacter pylori(HP) na patogênese da rinossinusite aguda.Portanto, mesmo que não haja uma correlação clara entre a doença de refluxo e/ou a infecção por HP e rinossinusite aguda, este é, sem dúvida, um campo para futuras investigações quando se considera o aumento deste problema gastrointestinal nos países desenvolvidos e o fato de que o conteúdo ácido do refluxo e a própria infecção por Helicobacter pode causar diminuição da capacidade mucociliar.

Segundo o EPOS 2012, pacientes com RSA recorrente devem ser investigados quanto a presença de infecções odontogênicas e de variações anatômicas como desvio septal, concha media bolhosa, obstrução coanal (hiperplasia adenoideana, atresia/estenose), pólipos nasais, células de Haller, hipoplasia de seios paranasais.



Rinussinusites Crônicas:

A rinossinusite crônica parece representar uma síndrome com múltiplas etiologias5: Fatores genéticos/fisiológicos, fatores estruturais e fatores ambientais.



Fatores Genéticos /

Fisiológicos

Fatores Ambientais

Fatores Estruturais

Hiperreatividade aérea

Alergia

Desvio septal

Imunodeficiências

Tabagismo

Concha Bulosa

Sensibilidade a AAS

Irritação / Poluição

Concha Média Paradoxal

Disfunção ciliar

Viroses

Céls de Haller e Frontais

Fibrose Cística

Bactérias

Doença Dentária

Doenças autoimunes

Fungos

Corpo estranho

Doenças granulomatosas

Estresse

Trauma mecânico

Tabela 2: Causas da Rinossinusite Crônica- Fonte: adaptado de Bailey B.J.

Fatores Genéticos/Fisiológicos: as imunodeficiências, inatas ou adquiridas, como a deficiência de IgG (deficiência identificável mais comum), deficiência de IgA, deficiência comum variável, agamaglubulinemia ligada ao X, HIV (apresentando-se com maior incidência, maior intensidade e com pior resposta aos tratamentos convencionais), entre outras, devem ser investigadas em situações de infecção persistente ou recorrente. A presença de imunodeficiência congênita ou adquirida pode favorecer o aparecimento de RSC. Baixas titulações de IgA, IgM e IgG foram encontrados respectivamente em 17,5 e 18% dos pacientes com rinossinusite refratária. A imunodeficiência comum variável foi diagnosticada em 10% e a imunodeficiência seletiva IgA em 6%. Portanto, teste imunológico deve ser uma parte integral do caminho de diagnóstico na rinossinusite crônica

Doenças hereditárias como a fibrose cística (mucoviscidose), Síndrome de Kartagener (tríade: sinusite, bronquiectasia e situs inversus), discinesia ciliar primária são situações que alteram o clearance mucociliar resultando em sinusite5. Devem sempre ser lembradas nas rinossinusites na infância1.

A rinossinusite é também apresentação comum das doenças granulomatosas (sarcoidose e granulomatose de Wegener principalmente) e autoimunes (LES, síndrome de Sjögren)5.

Fatores Ambientais: O papel do tabagismo permanece incerto na rinossinusite, um estudo canadense mostrou alta prevalência, enquanto outro coreano não confirmou a mesma observação. Apesar de dados in-vitro sobre a toxicidade dos poluentes no epitélio respiratório, não existe evidência convincente sobre o papel etiológico dos poluentes e toxinas.

A baixa renda foi associada a uma maior prevalência de RSC



Biofilme: a conversão das formas bacterianas planctônicas livre-flutuantes em comunidades sésseis complexas foi extensivamente investigada. Os biofilmes são comunidades especializadas, estruturadas de microorganismos aderentes envoltos em uma substância polimérica extracelular complexa (EPS). Estas influências e sinalização célula-célula que existe entre a bactéria próxima (percepção de quorum) facilitam o desenvolvimento do fenótipo do biofilme. Embora a bactéria per se possa ser susceptível aos antibióticos, a adoção de uma estratégia de biofilme é protetora resultando em processos infecciosos crônicos e recalcitrantes. Descobriu-se biofilmes no meio da otite, colesteatoma e tonsilite

Cirurgias endoscópicas nasais podem predispor a rinussinusites, como a realização inadvertida de óstio acessório provocando fenômeno da recirculação, por exemplo.

Existem poucos estudos sobre a influência do refluxo ácido gastro-esofágico na patogênese das rinossinusites bacterianas, porém devido ao seu potencial em causar diminuição da atividade ciliar, o refluxo deve ser considerado um fator predisponente potencial



Alergia: apesar da associação observada por alguns autores entre RSC e pacientes com alergia, o papel da mesma na fisiopatogenia da RSC é incerto.

Asma e rinossinusite freqüentemente coexistem, mas sua inter-relação é pouco compreendida. Sabe-se que o tratamento clínico e/ou cirúrgico da RSC reduz a necessidade de medicações para a asma.

Variações anatômicas: apesar de vários estudos mostrarem variações anatômicas em pacientes com RSC, nenhum deles correlacionou a alteração tomográfica como fator predisponente para a rinossinusite crônica. Além disso, outros estudos mostraram a presença de alterações anatômicas semelhantes em estudos tomográficos em indivíduos com RS e nos controles.
  1. AGENTES ETIOLÓGICOS


A infecção por bactéria na mucosa danificada por infecção viral (resfriado comum) é a causa mais importante de RSA.

As espécies mais comuns de bactérias isoladas de seios maxilares de pacientes com RSA são: Streptococcus pneumoniae, Haemophylus influenza e Moraxella catarrhalis, esta última mais comum em crianças. Uma minoria de infecções agudas, aproximadamente 6% a 10%, é causada por bactérias anaeróbias. Dentre elas estão os Peptostreptococcus, Bacteróides, Fusobacterium, sendo geralmente associadas com infecções dentárias. Staphylococcus aureus é um agente incomum de rinossinusite aguda, mas é importante por causa de sua virulência e resistência à terapêutica atual. Em um estudo uma percentagem de pacientes com rinossinusite esfenoidal envolveu crescimento de S. aureus (29%). Por isso, se o seio esfenoidal está envolvido um antibiótico apropriado deverá ser usado. Em crianças, as bactérias responsáveis por rinossinusite aguda são aproximadamente as mesmas que para adultos. Entretanto, S. pneumoniae é responsável por 30%, H. influenzae por 20% e Moraxella catarrhalis por outros 20%. Importante lembrar que Staphylococcus aureus e anaeróbios não costumam colonizar crianças com rinossinusite aguda.



Em rinossinusite nosocomial, bactérias gram negativas são predominantes. Vários estudos mostram a Pseudomonas aeruginosa é a mais comum, seguida por Klebsiella pneumoniae, Enterobacter species, Proteus mirabilis e Escherichia coli. Ocasionalmente pode ser encontrado Actinomyces ou Nocardia4.

Em rinossinusite crônica os microorganismos mais freqüentes isolados são: Staphylococcus aureus (36%), Staphylococcus coagulase-negativo (20%) e Streptococcus pneumoniae (17%). As culturas de meato médio e seio maxilar apresentam os mesmos patógenos em 80% dos casos.

Alguns autores sugerem que conforme a cronicidade se desenvolve, as espécies aeróbias e facultativas são gradualmente substituídas por anaeróbias. Esta alteração pode resultar da pressão seletiva dos agentes microbianos que permitem que organismos resistentes sobrevivam e do desenvolvimento de condições apropriadas para o crescimento anaeróbico, que inclui a redução na tensão de oxigênio e aumento na acidez dentro dos seios. Mas geralmente a colonização é polimicrobiana.

  1. QUADRO CLÍNICO

Clínico

O diagnóstico de rinossinusite consiste no achado de processo inflamatório na mucosa nasal e seios paranasais acompanhado por dois ou mais sintomas dos quais, umdeve ser OBRIGATORIAMENTE:



  1. Obstrução nasal/ bloqueio/ congestão nasal

  2. Rinorréia anterior ou posterior

Sintomas não obrigatórios, mas que podem estar presentes:

  1. Dor ou pressão facial - classicamente em peso, não-pulsátil e piora com a inclinação da cabeça para frente

  2. Hiposmia ou anosmia: pode ser por obstrução dificultando acesso de moléculas odoríferas ou mesmo por lesões diretas no epitélio olfatório

Outros sintomas são: plenitude auricular, causada pela drenagem de secreções na região do óstio faríngeo da tuba auditiva; tosse (seca ou produtiva) pelas secreções que drenam posteriormente pela rinofaringe; irritação faríngea, laríngea e traqueal, causando dor de garganta e rouquidão; além de outros sintomas à distância, como aqueles de vias aéreas inferiores, febre, tontura e mal-estar.

Sinais

À inspeção e palpação: edema periorbitário, sem hiperemia ou sinais infecciosos, que neste caso levantariam suspeita de alguma complicação; halitose, causada pela presença de secreções purulentas em fossas nasais e drenando pela rinofaringe; dor à palpação facial correspondente à região dos seios (maxilar, frontal e etmoidal).

À rinoscopia anterior: presença de edema e hiperemia de conchas nasais; presença de secreção em região de meato médio ou nas fossas nasais

À oroscopia: drenagem posterior de secreção mucopurulenta é sugestiva de RS bacteriana; hiperemia da parede posterior da orofaringe.



  1. EXAMES COMPLEMENTARES

  1. Endoscopia nasal:

A endoscopia nasal é recomendada em todos os pacientes com qualquer tipo de queixa nasal. Pode ser realizada utilizando-se endoscópio rígido de 0°, 30°, 45° e 70° ou endoscópio flexível de calibre em torno de 3 mm1.
Pode haver presença de pólipos ou rinorréia mucopurulenta proveniente do meato médio, ou edema e obstrução do complexo ostiomeatal.

  1. Tomografia Computadorizada:

A tomografia computadorizada no plano coronal e em janela óssea é a modalidade de escolha para a avaliação das rinossinusites. O plano coronal evidencia a unidade ostiomeatal e a relação do cérebro com o teto do etmóide e das órbitas com os seios paranasais. As imagens em cortes axiais são indicadas para evidenciar as células etmoidais posteriores e os seios esfenoidais. A tomografia dos seios paranasais está indicada em rinossinusites agudas que não estejam evoluindo bem mesmo com o tratamento clínico adequado, nas crônicas e recorrentes, nas complicações das rinossinusites e quando há indicação cirúrgica1.

É considerada ‘Padrão-Ouro’ para avaliação das rinossinusites crônicas4. Em algumas situações, por exemplo na fibrose cística, a TC superestima a rinossinusite crônica enquanto a história clínica subestima o diagnóstico. Por isso, para o acompanhamento de pacientes com fibrose cística a TC deve ser avaliada conjuntamente com a endoscopia nasal19.



  1. Ressonância Magnética:

Tem valor importante para a avaliação de complicações regionais e intracranianas de doença sinusal e seu tratamento cirúrgico, bem como no diagnóstico diferencial com processos neoplásicos e na suspeita de rinossinusite fúngica1.

  1. Radiografia simples:

Exame pouco sensível de utilidade limitada.Estudos comparativos entre a radiografia simples e a tomografia computadorizada tem demonstrado a sua pouca acurácia. De maneira geral, o valor diagnóstico do RX simples dos seios paranasais é controverso e discutível. As alterações radiológicas que podem estar presentes são: espessamento de mucosa (maior do que 4 mm), nível líquido ou opacificação completa do seio. Atualmente é muito pouco utilizado1.

8. TRATAMENTO

1) Medidas gerais:

Restabelecer a drenagem que é tão importante quanto esterilizar o seio. Deve ser feita a higiene nasal, hidratação adequada, umidificação do ambiente, identificação de agentes que causem alergia e evitar exposição a eles. O uso de sprays nasais com corticosteróides são indicados principalmente em casos de RSA pós viral ( nível Ia no EPOS)

Quando a rinorréia é aquosa, o uso de spray aerossol é mais adequado que a solução aquosa4. Os vasoconstritores sistêmicos por vezes, estão associados aos anti-histamínicos, o que poderia levar a um espessamento do muco nasal e conseqüente comprometimento do clearance mucociliar, além de outros efeitos sistêmicos pela estimulação do sistema cardiovascular e central. Logo, é recomendada a preferência pela utilização de vasoconstritores tópicos na rinossinusites agudas e por um período curto de tempo1.

2) Lavagem nasal:

O uso de solução hipertônica (instilação de 1 ml de solução salina a 3% , 3 vezes ao dia por 1 mês) leva à melhora clínica (tosse e rinorréia) e radiológica (RX de seios e tomografia) dos pacientes, comparado à lavagem nasal com solução salina fisiológica que apresenta melhora apenas no item secreção nasal/rinorréia. É possível que a hiperosmolaridade dos fluidos das vias aéreas cause um aumento de cálcio, liberado dos estoques intracelulares, e o aumento de cálcio pode estimular a freqüência do batimento ciliar4, 21. Segundo o EPOS de 2012, há benefício da lavagem nasal na rinossinusite aguda e crônica (nível I), grau de evidência A.



Formulação isotônica

Formulação hipertônica

Água fervida/filtrada 300ml

Água fervida/filtrada 300ml

Sal marinho ou grosso 1 colher de chá rasa

Sal marinho ou grosso 2 colheres de chá rasa

Bicarbonato de sódio 1 colher de chá rasa

Bicarbonato de sódio 1 colher de chá rasa

Tabela 4: soluções para lavagem nasal- Fonte: Adaptado de Gil, J.M.4.

3) Antibioticoterapia

O antibiótico deve ser reservado para os casos de rinossinusite aguda em que há piora dos sintomas após 5 dias ou persistência dos sintomas após 10 dias, uma vez que até esse período a maioria dos quadros gripais já se resolveu.

Segundo EPOS de 2012, a antibioticoterapia deve ser reservada para pacientes com febre alta ou dor (unilateral) facial severa. Os objetivos do tratamento antimicrobiano nas rinossinusites agudas são: retorno dos seios paranasais ao seu estado normal, prevenir as complicações (ex.: meningite, abscesso cerebral e etc.) e evitar a cronicidade da doença.

A escolha do antimicrobiano deve levar em consideração a prevalência de microorganismos produtores de B-lactamase, a severidade e evolução da doença, o risco de complicações e o uso recente de antibióticos. O tempo de tratamento deve ser de 10 a 14 dias, de acordo com a gravidade. A falta de resposta em 72 horas ou mais, que é um tempo arbitrário, definiria a falha terapêutica1.

Com base nos parâmetros acima, os pacientes são divididos em duas categorias:

- grupo I: pacientes com sintomas leves que não fizeram uso de antibióticos nas últimas 4 a 6 semanas;

- grupo II: pacientes com sintomas leves, mas que usaram antibiótico nas últimas 4 a 6 semanas, ou com doença moderada-grave independente do uso prévio de antibióticos.

Recomendações para terapia inicial para adultos do grupo I incluem: amoxicilina, amoxicilina-inibidores da Beta lactamase, cefalosporinas de segunda geração (axetil cefuroxima, cefprozil, cefaclor). A trimetoprima-sulfametoxazol, doxiciclina, e os novos macrolídeos (azitromicina, claritromicina ou roxitromicina) podem ser consideradas para pacientes com alergia aos antibióticos beta lactâmicos, estimando-se, porém uma falha no tratamento em 20% a 25% dos casos.

Recomendações para terapia inicial para adultos do grupo II incluem as seguintes possibilidades: altas doses de amoxicilina-clavulanato, fluorquinolonas respiratórias(levofloxacina, moxifloxacino e gemifloxacino) e ceftriaxona, na dosagem de 1 g/dia IM ou EV por cinco dias.

A resistência dos patógenos predominantes na RSA, tais como Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxela catarrhalis, tem aumentado e com variações consideráveis em todo o mundo. A escolha do agente antibacteriano pode não ser o mesmo para todas as regiões, e esta escolha vai depender do grau de resistência local e do fator etiológico da doença.


Antibiótico

Adultos

Crianças

Amoxicilina

1.5- 4 g/dia c/ 8 ou 12h

45-90 mg/kg/dia

Amoxicilina + inibidor de beta lactamase

1.5- 4g / 250 mg/dia c/ 8 ou 12h

45-90 mg/6.4 mg/kg/dia

Cefalosporinas de 2a geração

500 mg-1g /dia c/ 12h

15-30 mg/kg/dia

Macrolídeos

500 mg /dia c/ 12 ou 24h

10-15 mg/kg/dia- 1x ou 2x dia

Sulfametaxazol-trimetoprima

1600 mg + 320mg /dia c/ 12h

30 mg/kg + 6 mg/kg/dia

Doxiciclina

200 mg /dia c/12h, 1o dia, após

100 mg c/24h






Ceftriaxona

1 g/dia / 5dias c/ 24h

50 mg/kg/dia / 5dias

Levofloxacino

500 mg /dia c/ 24h




Moxifloxacino

400 mg /dia c/24h




Gemifloxacino

320 mg c/ 24h




Tabela 5.1: Antibioticoterapia em sinusite aguda

Tabela 5.2: Antibióticos utilizados em exacerbações de rinossinusite crônica – Fonte: Diretrizes Brasileiras sobre rinossinusites (2008)

Tabela 5.3Tratamento para adultos em rinossinusite aguda (EPOS 2012)

RSA: rinossinusite aguda bacteriana

Tabela 5.4. Tratamento para adultosem RSC sem polipose (EPOS 2012)

Tabela 5.5. Tratamento para adultos em rinossinusite crônica com polipose





Algoritmo 2: Conduta na RSA em adultos imunocompetentes em unidade básica de saúde. Fonte: adaptado do EPOS 2012

Recomendações para terapia inicial para crianças do grupo I incluem: amoxicilina, amoxicilina associada a inibidor de beta lactamase e cefalosporinas de segunda geração (axetil cefuroxime, cefprozil, cefaclor). Trimetoprima-sulfametoxazol e macrolídeos (azitromicina, claritromicina e roxitromicina) podem ser consideradas se o paciente apresenta alergia aos antibióticos betas lactâmicos. É importante lembrar que estes últimos possuem ação limitada sobre a maioria dos patógenos, havendo a possibilidade de falha no tratamento

A recomendação para terapia inicial em crianças do grupo II incluem as seguintes opções: altas doses de amoxilina-inibidores de beta lactamase e cefalosporinas de segunda geração (Axetil cefuroxime, cefprozil e cefaclor). Trimetoprima-sulfametoxazol, azitromicina ou claritromicina, são recomendados se o paciente apresenta histórico de reação alérgica Tipo I aos antibióticos betas lactâmicos. Ceftriaxona, na dosagem de 50 mg/kg por dia IM ou EV por cinco dias também é uma opção terapêutica nesses casos.

A RSC torna-se indistinguível da hipertrofia adenoidiana ou adenoidite crônica. Para o tratamento da RSC na infância as únicas medicações com relevância clínica e científica são: lavagem nasal salina e corticóide tópico. O tratamento cirúrgico quando indicado inclui diversas modalidades como adenoidectomia com ou sem irrigação antral e FESS.

Algoritmo 3. Tratamento de rinossinusite aguda em crianças (Tratado de Otorrinolaringologia 2ª edição)



Algoritmo 4. Tratamento das rinossinusites crônicas em crianças (Tratado de Otorrinolaringologia 2ª edição)



Tratamento a longo prazo com antibióticos na rinossinusite crônica

A eficácia do tratamento a longo prazo com antibióticos na panbronquiolite difusa, uma doença de etiologia incerta, caracterizada pela inflamação progressiva crônica nos bronquíolos respiratórios inspirou os asiáticos na última década a tratar a RSC da mesma forma. Subseqüentemente, diversos relatórios clínicos declararam que antibióticos macrólideos em baixas doses e a longo prazo são eficazes no tratamento da rinossinusite crônica incurável por cirurgia ou tratamento com corticosteróides, com uma melhora nos sintomas variando entre 60% e 80% em diferentes estudos. A terapia com macrolídeo foi apresentada como tendo um início lento com melhoras contínuas até 4 meses após o início da terapia.

O benefício do tratamento com esta classe de antibióticos em baixas doses, a longo prazo, parece ser, em casos selecionados, eficaz quando esteróides tópicos e cursos curtos de antibióticos falharam. O mecanismo exato de ação não é conhecido, mas provavelmente envolve a regulação de forma descendente da resposta imunológica local do hospedeiro (e redução da resposta inflamatória) bem como uma regulação de forma descendente da virulência da bactéria colonizadora.

Quando se considerar tratamento prolongado com macrolídeo, a dosagem sérica de IgE pode ser útil em identificar os pacientes com melhor resposta. Segundo o EPOS 2012, pacientes com RSC com altos níveis de IgE sérico respondem pior ao tratamento prolongado com claritromicina.



Nas rinossinusites crônicas devemos ter uma cobertura eficaz contra os microrganismos aeróbios principalmente o S. aureus e os Staphylococcus coagulase negativos e anaeróbios. A clindamicina constitui uma boa opção para os quadros crônicos. A utilização de metronidazol associado com uma cefalosporina de primeira (cefalexina) ou segunda geração ativas contra S. aureus podem ser consideradas1.

O tempo de tratamento estará na dependência de outras medidas terapêuticas, mas pode ser recomendada por 4 a 6 semanas. Entretanto, não há estudos randomizados que mostram a eficácia da antibioticoterapia prolongada5.

Tem sido reportado o uso de antibióticos intranasais tópicos para rinossinusites crônicas, porém há poucos trabalhos a respeito deste uso5.

Aeróbios devem ser considerados, especialmente Pseudomonas aeruginosa. O uso de uma cefalosporina com atividade antipseudomonas ou uma fluoroquinolona são excelentes opções1.

No EPOS2007, o tratamento com macrolídeos por tempo prolongado foi considerado primeira escolha para pacientes com doença moderada/severa que falharam com tratamento clínico (corticóide tópico e lavagem nasal salina). Já no EPOS2012, concluiu-se que o uso prolongado de macrolídeos tem sua ação comprovada em vias aéreas inferiores porém não há evidência concreta que tenha a mesma efetividade em RSCsPN ou RSCcPN. Dessa forma, passa a ter o mesmo nível de evidência que a cirurgia funcional endoscópica (FESS). Concluiu-se que os macrolídeos são mais eficazes nas RSC sem polipose nasal, com IgE normal.



4) Tratamento Cirúrgico

Indicado na rinossinusite aguda recorrente (correção dos fatores predisponentes), rinossinusite crônica após falha no tratamento clínico (ex.: polipose nasal bilateral; rinossinusite fúngica), rinossinusites causando complicações (ex.: meningite; abscessos subperiostais, cerebrais, orbitários; trombose de seio cavernoso; mucocele ou mucopiocele; osteomielite etc.)1.

  1. RINOSSINUSITE FÚNGICA

Em 1885, Schubert descreveu pela primeira vez um caso de aspergilose do nariz e seios paranasais. Não existia uma classificação clara das rinossinusites fúngicas e a maior parte dos casos era agrupada como rinossinusite aspergilosa. No decorrer desses anos outros fungos e apresentações clínicas foram observados e novas classificações foram propostas. A classificação das rinossinusites fúngicas (RSF) é baseada na relação imunológica entre o fungo e o hospedeiro e no grau de invasão da mucosa, existindo dois tipos básicos da doença: invasiva ou não invasiva.

Não invasiva

 

 



Bola fúngica

Rinossinusite fúngica alérgica eosinofílica relacionada a fungos, que inclui a rinossinusite fúngica alergica

Infestação fúngica saprófita

Invasiva

 

 



Crônica( indolente)

Aguda( fulminante)

Granulomatosa





Tabela 7: Classificação das Rinossinusites Fúngicas.

Dependendo da imunidade do hospedeiro e das características do fungo, uma forma extramucosa não-invasiva pode se tornar invasiva. Por definição, as formas não-invasivas são formas consideradas saprofíticas, extramucosas e benigna em natureza.

De maneira geral, a suspeita diagnóstica é baseada no quadro clínico, exame físico e exame radiológico, sendo confirmada por histologia e cultura. No entanto, em um grande número de casos de rinossinusite fúngica comprovada a cultura é tida como negativa.

O método de imagem de escolha para o estudo da rinossinusite fúngica é a TC, que tem como sinal característico áreas hiperatenuantes no interior de um seio paransal. No início da doença pode evidenciar somente inflamação crônica da mucosa, posteriormente, nos casos invasivos, há destruição óssea e reação inflamatória nas estruturas adjacentes. A RNMé mais sensível que a TC no diagnóstico de RSF invasiva, podendo detectar precocemente reação inflamatória na órbita e no nervo óptico e formação de abscessos intracranianos.. Em geral, a RNM é solicitada na suspeita de invasão de estruturas adjacentes2.



Rinossinusite fúngica não invasiva

  1. Bola Fúngica

Trata-se de um emaranhado de hifas no interior do seio, sem invasão tecidual e com mínima reação inflamatória local. Geralmente acomete um único seio, sendo o maxilar o mais acometido, seguido do esfenóide, frontal e raramente etmoidal. O papel do fungo é saprófita, o seio envolvido é único e o paciente na maioria das vezes é imunocompetente.

Não existe um quadro específico.O paciente apresenta rinossinusite crônica de difícil tratamento com episódios agudos sobrepostos.






Macroscopicamente, a bola fungica é um grumo pegajoso e friável, que pode ser verde, amarelo, marrom ou preto e que se destaca facilmente da mucosa, a qual está normal ou com sinais inflamatórios discretos.

Na TC, observa-se:


  • Presença de conteúdo de partes moles, geralmente heterogêneo, ocupando parcial ou totalmente o seio acometido.

  • Pode apresentar em até 1/3 dos casos, densidade metálica e/ou áreas de calcificação intrassinusal

  • Pode haver esclerose óssea das paredes dos seios acometidos ou afinamento da parede óssea.

Deve-se remover cirurgicamente o fungo, restabelecer a drenagem mucociliar e a ventilação do seio acometido. Antifúngicos não são utilizados, uma vez que não há invasão da mucosa. Dentre a etiologia mais freqüente, as espécies de Aspergillus são as mais encontradas,, podendo ainda ser encontrado a Pseudallescheria boydii2. Na histopatologia nota-se infecção crônica inespecífica e hifas extramucosas( hifas nem sempre presentes).

Figura 2: TC mostrando achados de RSF- Fonte: Pereira, E. 33



  1. Rinossinusite Fúngica Eosinofílica, incluindo RSFúngica Alérgica

Segundo o Tratado de Otorrinolaringologia de 2011, o termo rinossinusite fungica alérgica foi incluído no grupo de rinossinusite fúngica relacionada à Eosinofilia, visto que o denominador comum era a presença de eosinófilos na mucina e não a hipersensibilidade do tipo I. Além disso, o termo mucina alérgica foi mudado para mucina eosinofílica (referente aos eosinófilos ou produto de eosinófilos degradados no muco).

Uma nova entidade, chamada de rinossinusite mucínica eosinofílica foi proposta para pacientes com doença bilateral, mais freqüente em idosos, com maior sensibilidade a aspirina e maior incidência de asma, histologicamente semelhantes a RSF alérgica, exceto pela ausência de hifas. É mais freqüente em idosos, com maior sensibilidade a aspirina, maior incidência de asma, menores níveis de IgE e deficiência de IgE na metade dos casos.



Dica: De maneira simplista, as relações entre as várias formas de RSC evidenciados na figura 3, podem ser assim memorizadas:

  • RSME (RS mucinica eosinofílica): sem hifas e com pouca hipersensibilidade tipo I

  • Semelhante a RSFA com IgE positiva para fungos: sem hifas e IgE positiva para fungos

  • RSFE (RS fungica eosinofílica): com hifas e pouca hipersensibilidade do tipo I

  • RSFA (RS fúngica alérgica): com hifas e IgE positiva para fungos

Figura 3. Relação entre os diversos tipos de rinossinusite crônica (Tratado de Otorrinolaringologia 2011)



Rinossinusite Fúngica Alérgica

A combinação de polipose nasal, rinossinusite crônica e culturas resultando em fungos do gênero Aspergillus foi primeiramente notada em 1976 por Safirstein, que observou a semelhança clínica que este conjunto de achados apresentava com a aspergilose broncopulmonar alérgica.Trata-se da forma mais comum das rinossinusites fúngicas. Acredita-se que em aproximadamente 7% das cirurgias para rinossinusites crônicas o diagnóstico verdadeiro é de RSFA. Pode corresponder a mais, dependendo do rigor diagnóstico. A RSFA está associada a história de atopia. É relacionada à asma em 50% dos casos e a polipose em quase 100% dos casos.

A fisiopatologia da RSFA continua controversa na literatura. Marple considera que os eosinófilos tem papel importante no desenvolvimento da RSFA e de algumas RSC, mas os fatores que desencadeiam a inflamação eosinofílica continuam sendo questionados. A reação em cascata que leva a RSFA é multifatorial, envolvendo sensibilidade mediada pela IgE (atopia), receptores específicos de células T, exposição aos fungos e fatores locais da defesa da mucosa.

Várias espécies de fungos podem ser as causadoras, principalmente Aspergillus, Curvularia, Alternaria, Bipolaris, Rhizomucor, Helminthosporium.

Os pacientes têm queixas comuns às outras rinossinusites. Em aproximadamente 75% dos casos há queixas de rinorréia purulenta escurecida, quase marrom, que é a mucina eosinofílica. O quadro clínico caracteriza-se por rinossinusite crônica, atopia, polipose nasal, deformidade facial progressiva sem invasão fúngica da mucosa nasal, os critérios diagnósticos estão listados no quadro abaixo.4.

Quadro 1: critérios diagnósticos da RSFA. Tratado ABORL 2011

Dentre os achados radiológicos, pode ocorrer em todos os seios paranasais, sendo comum o acometimento bilateral, principalmente de etmoide. Podem ser visualizadas expansão ou erosão óssea dos seios paranasais acometidos, justificados pela pressão dos fungos, assim como o acometimento da órbita e da cavidade intracraniana. Áreas de hiperatenuação intra-sinusal na TC podem ser visibilizadas. A grande quantidade de proteína encontrada na mucina alérgica freqüentemente registra um sinal negativo na RNM2.

As estratégias para o tratamento mais adequado ainda não são bem definidas. Em parte, isso é conseqüência da diversidade de opiniões sobre a patogênese da doença. De uma forma geral, a grande maioria dos médicos concorda que a associação de medidas cirúrgicas e clínicas seja a mais adequada2. O tratamento com drogas antifúngicas sistêmicas isoladas não é efetivo.







A cirurgia é conservadora, preserva a mucosa para proteger as estruturas subjacentes e evitar a semeadura do fungo. Se houver pólipos, devem ser completamente retirados. Os principais objetivos da cirurgia são retirar toda a mucina e todo o fungo, deixar uma boa drenagem e ventilação e um acesso para o seguimento pós-operatório, que consiste em retornos semanais inicialmente. O procedimento pode ser realizado pelo método tradicional (Caldwell-Luc) ou por cirurgia endoscópica funcional, sendo esta preferencial. A decisão é baseada na extensão da doença e na experiência do médico4.

Alguns autores preconizam a utilização pré-operatória de corticosteróides sistêmicos 1-2 semanas anteriores à cirurgia, para que haja redução dos pólipos, diminuindo a inflamação da mucosa e o sangramento intra-operatório. Já o uso de corticóides sistêmicos seguidos por corticóides nasais em esquema de redução, no pós-operatório, é importante para a redução da recorrência da doença. O Tratado da ABORL 2011 recomenda prednisona 1-2 mg/kg/dia antes da cirurgia e manter por 1 semana a 1 mês após. Antifúngicos não são utilizados, uma vez que não há invasão da mucosa. A eficácia de irrigações com antifúngicos também é controversa.

A imunoterapia tem sido descrita como efetiva no controle da Rinossinusite fúngica alérgica, reduzindo o edema, a formação de pólipos e a diminuição do uso de corticoides, porém estudos com maior duração devem ser realizados, para o resultado ser mais conclusivo.



  1. Infestação Saprófita

Apresenta incidência desconhecida, descrito como presença de fungos assintomáticos, visíveis em crostas mucosas no nariz e seios paranasais. Ocorre com maior freqüência em pacientes submetidos a cirurgias endoscópicas.

Rinossinusite fúngica invasiva

As rinossinusites invasivas são formas infecciosas identificadas comumente em pacientes com doenças de base, como o diabete, com imunossupressão induzida, como nos transplantados, ou por doenças imunossupressoras.Caracterizada por alta morbidade e mortalidade.

O diagnóstico rápido é imprescindível para um desfecho favorável. O exame físico deve sempre incluir endoscopia nasal, que pode mostrar: tufos fúngicos crescendo em secreções retidas, edema polipóide ou pólipos, mucina alérgica, material caseoso, concreções marrons, massa granulomatosa, debris brancos e escara em mucosa negra.

A histopatologia é fundamental para definir existência ou não de fúngica invasiva. Ë considerada invasiva quando encontram-se formações tipo hifas em submucosa com ou sem invasão angiocentrica ou necrose tecidual com poucas células inflamatórias do hospedeiro.



Quadro 2 : Fatores de risco para rinossinusite fúngica invasiva



  1. Crônica Invasiva (indolente):

Sintomas sinusais por mais de 4 semanas, comporta-se como uma neoplasia maligna que se apresenta como uma massa em seios paranasais, que podem sofrer erosão óssea através das barreiras anatômicas em bochecha, órbita, palato duro, cérebro ou hipófise. Ao invadir a órbita, esse processo crônico leva à proptose, neuropatia de II, IV e VI pares cranianos e diminuição da acuidade visual. Placa cribiforme erosada pode acarretar cefaléia crônica, convulsões e déficit neurológico focal. Outras complicações incluem: abscesso epidural, cerebrite parenquimatosa, meningite, trombose de seia cavernoso, osteomielite, aneurisma micótico, AVC e disseminação hematogênica. Uma clara imunodeficiência não é encontrada com facilidade, podendo ocorrer em indivíduos imunocompetentes. Aspergillus é o microorganismo mais comum, sendo que no Sudão, onde essa doença é endêmica o A. flavus é o mais isolado.Outros microorganismos que podem ser encontrados são: Mucor, Rhizopus, Bipolaris e Candida.

Na Tomografia computadorizada os achados mais expressivos são espessamento significativo de tecidos moles e alteração do osso adjacente, com paredes ósseas escleróticas, evidenciando processo crônico. Além disso, processo expansivo de tecido sólido e homogêneo pode ocupar todos os seios unilateralmente.Infiltração de tecidos moles periantral é um indicador de doença invasiva, assim como coleção hiperatenuante de tecidos moles em um ou mais seios paranasais. O processo invasivo pode ter efeito massa, simulando malignidade, com destruição óssea e acometimento de estruturas adjacentes.

A RNM pode ser solicitada em casos de invasão iminente de órbita e/ou comprometimento intracraniano.

Figura 5. TC de provável RSF invasiva

Após confirmação histológica da invasão( a invasão vascular é mínima ou ausente, presença de invasão de tecido subepitelial).O tratamento consiste na remoção cirúrgica ampla (com preservação de periorbita e dura mater para conter disseminação) em conjunto com antifúngicos sistêmicos ( a escolha depende do fungo presente). A recorrência da rinossinusite fúngica invasiva crônica não é rara, sendo uma afecção com altas taxas de morbidade e mortalidade.


  1. Aguda Invasiva (fulminante)

Incidência quase exclusiva em pacientes imunocomprometidos, geralmente em indivíduos neutropênicos graves ou diabéticos insulino dependentes, especialmente relacionado a cetoacidose diabética. No primeiro grupo destaca-se a aspergilose, em especial o Aspergillus fumigatus como agente etiológico e no segundo, os fungos da ordem dos Zygomycetos (Rhizopus, Rhizomucor, Absidia e Mucor).

Apresenta um caráter angioinvasivo. Iniciam-se geralmente como uma necrose ulcerativa da mucosa nasal, levando à destruição das conchas inferiores, progredindo rapidamente, em questão de dias. Destrói os seios paranasais envolvidos e se estende para órbita e cérebro. O termo mucormicose rinocerebral é empregado para descrever o acometimento dos seios paranasais em adição ao tecido cerebral.

Apesar de nem todos os processos agudos invasivos serem fulminantes, o nome alerta para a necessidade de um diagnóstico muito precoce que possibilite aumentar as chances do paciente não evoluir ao óbito. Pacientes sabidamente imunossuprimidos (< 500 leucócitos) ou diabéticos com inadequado controle com sintomas nasossinusais devem ser sempre bem avaliados, independente de exames de imagem normais.

As taxas de mortalidade encontram-se entre 50 e 80%, no entanto, se houver envolvimento sintomático intracraniano, a mortalidade chega a 100%, com pouca resposta a cirurgia radical.

Diante da gravidade da doença, deve-se suspeitar de rinossinusite fungica invasiva em todos os pacientes imunocomprometidos com qualquer sintoma ou sinal de doença nasossinuasal. Inicia-se geralmente (mais de 90% dos casos) com febre alta refratária a antibióticos, lembrar que pacientes com baixa contagem de leucócitos podem, eventualmente, não ter febre.Se houver sintomas como edema facial ou orbital, dor ou dormência facial, comprometimento orbitário ou envolvimento de nervo craniano, há necessidade de avaliação com maior urgência

Ao exame físico, um dos sinais nasais iniciais inclui secreção granular serossanguinolenta com perfuração septal. . De acordo com o comprometimento da orbita, pode ocorrer quemose, proptose, oftalmoplegia e diminuição na acuidade visual. A oroscopia pode apresentar escaras gengivais ou de palato.

Presença de lesões claras isquêmicas ou escuras necróticas na endoscopia nasal devem ser prontamente biopsiadas para confirmação do diagnóstico da presença de fungos (hifas) invadindo a mucosa, submucosa ou osso, além de comprometimento perivascular, endovascular e trombose de microvasos. Estudos apontam a concha média como área muito freqüentemente afetada e de possível serventia para a realização das biópsias nesses pacientes. Muitas vezes, lesões isquêmicas ou edema importante podem ser vistos junto ao vestíbulo nasal, incluindo a pele do nariz, precocemente.

A tomografia computadorizada pode comprovar a presença de inflamação com ou sem lesões comprometendo os limites ósseos da fossa nasal e/ou seios paranasais e/ou palato duro.Auxilia no diagnóstico e na extensão do procedimento cirúrgico. A RM pode ser muito útil nos casos de dúvida quanto à invasão do sistema nervoso central ou de grandes vasos, pois em caso de confirmação, a mortalidade se aproxima de 100% e grandes procedimentos cirúrgicos deformantes podem ser devidamente pesados quanto aos reais benefícios.

Os principais achados dos exames de imagem são: espessamento unilateral importante de cavidade nasal, nos seios paranasais há predileção por envolvimento unilateral de etmóide e esfenóide. Pode haver extensão além dos seios paranasais com parede óssea intacta (devido tendência de invasão de vasos), inflamação e infiltração de gordura retroantral, destruição pontilhada das paredes ósseas/ erosão óssea, disseminação orbital através da lâmina papirácea, invasão intracraniana. Na TC com contraste, a não opacificação da veia oftálmica superior e da artéria oftálmica é descrita como sinal sugestivo do comprometimento do ápice orbitário.

Do tecido biopsiado de lesão suspeita, pode –se realizar a pesquisa direta: amostra de tecido esmagado com 2 a 3 gotas de hidróxido de potássio e o anatomopatológico: para mucor as hifas caracteristicamente se ramificam em ângulo reto, já os aspergillus possuem hifas menores, com ramificações em 45º.

Atualmente, no caso de aspergilose invasiva há 2 outras peças diagnósticas: dosagem sérica de galactomanama (mais específica para aspergillus, pode haver reação cruzada com histoplasma) e de beta-D-glucan (detecta outras doenças fúngicas invasivas, como candidíase)

Além da cirurgia, o uso de antifúngicos sistêmicos está indicado. Doses elevadas de anfotericina B são utilizadas, adicionadas de liberação lipossomal quando ocorrer insuficiência renal pela droga isolada. No caso das infecções por Aspergillus sp., o antifúngico de escolha é o Voriconazol. A cirurgia deverá ser sempre o mais abrangente possível, praticamente com princípios oncológicos sempre que os limites da doença forem possíveis de ser alcançados.

Deve-se lembrar que a correção do distúrbio metabólico ou imunológico subjacente é o fator mais importante para sobrevida do paciente. Se houver neutropenia, o G-CSF faz parte do arsenal terapêutico. Deve-se buscar neutrófilos > 1000/ mm3.


  1. Granulomatosa Invasiva

Primariamente chamada de ‘Granuloma Primário Paranasal de Aspergilos do Sudão’, é uma rara condição que tem seu nome tanto pela predileção geográfica (encontrada isoladamente do norte do continente africano) e do fungo causal, o Aspergillus flavus é o principal agente isolado.

Quadro clínico: Sintomas sinusias por mais de 12 semanas, massa expansiva em bochechas, órbita, nariz e seios paranasais, em hospedeiros imunocompetentes. Proptose muitas vezes é um achado proeminente A diferenciação com a forma crônica invasiva é baseada nos achados histopatológicos, na forma granulomatosa, a resposta granulomatosa é vista com fibrose considerável, sendo que granuloma não caseoso ou Celulas gigantes do tipo de Langhans podem ser vistas, as hifas geralmente são escassas.

Não existe consenso sobre tratamento. Recomenda-se remoção completa do tecido doente com ampla aeração do seio acometido seguida de medicação antifúngica.

Suspeita diagnóstica das rinossinusites fúngicas:

• Comprometimento isolado de um seio paranasal (maxilar, esfenóide) ou assimétrico (percentual significativo de doenças unilaterais), com velamento e calcificação em seu interior e/ou densidades diferentes na tomografia e com hipossinal na secreção e hipersinal na mucosa na RM em T2.

• Dor facial, com exacerbações, sinais e sintomas inespecíficos de RSs (congestão, cefaléia, rinorréia, etc.), edema nariz e face.

• Secreção de aspecto amarronzada espessa (mucina) e/ou caseosa em endoscopia diagnóstica ou durante ato cirúrgico.

• Áreas isquêmicas ou necróticas à endoscopia.

• Exame direto da secreção com eosinófilos em degranulação e/ou necróticos (Cristais de Charcot-Leyden).

• Fungos no exame direto (hifas), se negativo, cultura positiva (Sabouraud/Micosel), se ambos negativos, com PCR positivo (diante dos achados clínicos e radiológicos acima).

• Revestimento mucoso com inflamação inespecífica (se fungos presentes em epitélio, submucosa e/ou osso caracteriza-se quadro INVASIVO - correlacionar com achados clínicos e estado imune do paciente).

• Quadros clínico e radiológico semelhantes, com mucina eosinofílica presente, sem nenhum método disponível para identificação de fungos positivo, pode indicar RSC eosinofílica não-fúngica (mucinica, atópica ou não-atópica).

• Presença de fungos em exame direto, cultura e/ou PCR pode ser encontrado em indivíduos normais.



Classificação

Bola Fúngica

RSFA

RSF Invasiva Aguda (fulminante)

RSF Invasiva (indolente)

Sinais e Sintomas

Sintomas nasossinusais intermitentes e inespecíficos, com secreção purulenta eventual do seio acometido à endoscopia.

Sintomas nasossinusais crônicos (congestão).

Polipos nasais

Mucina sempre

Prick/IgE específica +



Sintomas nasossinusais inicialmente inespecíficos com evolução fulminante, com sintomas dependendo das áreas comprometidas (SNC, olhos, pálato, pele).

Áreas brancas, isquêmicas ou crostas pretas na endoscopia, com sangramento mínimo a manipulação.



Sintomas nasossinusais inespecíficos e crônicos, podendo determinar comprometimento da visão se na área do apex orbitário.


Imunidade

Pacientes imunocompe-tentes

Paciente

imunocompetente



Pacientes imunossuprimidos

(<500 leucócitos)



Pacientes imunocompetentes

imunossupressão leve ou imunossuprimidos



Radiologia

Seio paranasal acometido isoladamente (maxilar mais comum)

Imagem hiperatenuante intrasinusal



Assimetria no comprometimento de ambos os lados

Variação na densidade das secreções na TC

RM hipersinal mucosa e hiposinal da secreção

Redelineamento ósseo



Imagens podem ser inicialmente normais com leve edema da mucosa e/ou pele, vestíbulo nasal, evoluindo para lesões que invadem tecidos vizinhos

RNM importante nos casos de dúvida da invasão do SNC pela diferença no prog-nóstico



Imagens semelhantes a RSFA ou mucinica eosinofílica.

Histologia

Mucosa sem invasão com inflamação leve inespecífica

Agrupados de hifas (mais comum – Aspergillus sp)




Mucosa sem invasão com inflamação eosinofílica in-tensa e mucina com eosinófilos necróticos e fungos (hifas)

Invasão da mucosa, submucosa, vasos e osso pelos fungos.

Mucina característica e invasão da mucosa, e/ou submucosa pelos fungos

Tratamento

Remoção cirúrgica (en-donasal e/ou acesso ex-terno)

Cirurgia endonasal

Corticóide sistêmico pós operatório e durante IVAS

Corticóide tópico


Cirurgia endonasal e/ou externa com tentativa de principios oncológicos.

Antifúngicos sistêmicos endovenosos



Cirurgia endonasal Antifungicos sistêmicos orais (EV se paciente imunossuprimido - <500 leucócitos)

Prognóstico

Cura

Melhora na qualidade de vida

Recidivas freqüentes



Mortalidade elevada

Curto prazo



Quadros crônicos / recidivas frequentes imunocompetentes

Morbimortalidade a considerar em imunossuprimidos



Tabela 8: Classificação das RS fúngicas - Fonte: Diretrizes Brasileiras de Rinossinusites – Suplemento30

Neoplasias malignas dos seios paranasais

  • Carcinoma Espinocelular

  • Estesioneuroblastoma

  • Linfoma sinonasal

  • Carcinoma indiferenciado sinonasal

  • Plasmocitoma

Neoplasias Benignas

  • Pseudotumor inflamatório




Autoimunidade

  • Granulomatose de Wegener

  • Sarcoidose

  • Síndrome de Churg-Strauss

Infecciosos

  • Sífilis

  • Tuberculose

  • Rinoscleroma

  • Blastomicose

  • Rinossinusite bacteriana aguda

Diversos

  • Uso ilícito de drogas (cocaína, anfetamina)



1   2   3   4   5   6   7


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal