Prova de oftalmologia 2001



Baixar 66.94 Kb.
Encontro18.11.2017
Tamanho66.94 Kb.

EXERCÍCIOS - OFTALMOLOGIA GERAL



RODÍZIO C – 2010
Escritas:

  1. Quais são os sintomas de necessidade de correção visual com óculos?

  2. Como se chama a área do córtex occipital onde se aportam todas as informações visuais?

  3. Descreva a patogenia da retinopatia diabética

  4. Quais são as principais causas de olho vermelho que diminuem a acuidade visual?

1. O reflexo de fusão se completa:



  1. Ao final do primeiro mês de vida

  2. Ao final do 4° ano de vida

  3. Ao final do primeiro ano de vida

  4. Ao final do 6° mês de vida

2. o principal fator etiológico da paralisia aguda do músculo reto lateral em adultos é:

  1. aneurisma no seio cavernoso

  2. diabetes mellitus

  3. tumor de fossa posterior

  4. lesão traumática do músculo reto lateral

3. A cirurgia refrativa tem mais eficácia na correção de:

  1. miopia e astigmatismo

  2. na presbiopia

  3. no ceratocone

  4. na alta hipermetropia

4. Ambliopia em portadores de catarata congênita:

  1. sempre presente

  2. nunca presente

  3. se operado precocemente poderá ser evitada

  4. se operado tardiamente não se recupera

(a resposta aparentemente era a A, mesmo a C e a D estarem mais corretas)

5. Qual a área do córtex cerebral responsável pela distinção das cores:



  1. V1

  2. V5

  3. V3

  4. V4

6. São fatores de risco da retinopatia da prematuridade:

  1. baixo peso ao nascer, baixa idade gestacional e exposição ao oxigênio

  2. idade gestacional avançada, baixo peso ao nascer

  3. icterícia neonatal e exposição ao oxigênio

  4. ictérica neonatal e idade gestacional baixa

7. Com relação às conjuntivites, é correto afirmar:



  1. Como e de causa infecciosa, o paciente deve ficar afastado de suas atividades por pelo menos 7 dias

  2. o tratamento e feito com antibiótico tópico de amplo espectro em dosagem terapêutica para as conjuntivites bacterianas e em doses profiláticas para as conjuntivites virais

  3. Conjuntivites adenovirais não tratadas com antivirais

  4. Conjuntivites bacterianas são geralmente bilaterais

  1. Com relação ao tratamento do glaucoma, baseia-se em reduzir a pressão intraocular, de que forma?

  1. clínico, como uso de drogas

  2. cirúrgico

  3. laser

  4. todas as anteriores

9. o glaucoma é uma neuropatia óptica que se caracteriza por:

  1. escavação aumentada

  2. pressão intra-ocular alterada

  3. alteração de campo visual

  4. todas as anteriores.

10. A percepção de estereopsia e dada por:

  1. Fusão cortical de duas imagens idênticas

  2. Fusão cortical de 2 imagens semelhantes

  3. Fusão cortical de 2 imagens de tamanhos diferentes

  4. Fusão cortical de 2 imagens de cores diferentes

11. Qual o músculo inervado pelo nervo troclear:

  1. oblíquo superior

  2. reto lateral

  3. oblíquo inferior

  4. reto inferior

12. A urgência em se operar um lactente portador de catarata congênita é:

  1. absoluta

  2. relativa

  3. sem urgência

  4. não necessita cirurgia

  1. Paciente de 50 anos com queixa de moscas volantes e fotopsias. O provável

Diagnóstico é:

  1. conjuntivite

  2. catarata

  3. descolamento do vítreo posterior

  4. episclerite




  1. Criança do sexo masculino, com 7 anos de idade, queixa-se de olho vermelho, prurido, secreçao esbranquiçada em ambos os olhos, apresenta provavelmente quadro de:

  1. conjuntivite adenoviral

  2. conjuntivite primaveril

  3. conjuntivite bacteriana

  4. conjuntivite atópica

15. A catarata senil pode ser operada quando:

  1. a visão esta comprometida em 100%

  2. o indivíduo apresenta 50% de perda visual

  3. o paciente está com fotofobia, diplopia e glare

  4. o paciente está desconfortável e insatisfeito por impedimento no trabalho

16. A técnica mais utilizada para a cirurgia de catarata nos dias de hoje e:

  1. Facectomia por crioextração

  2. facectomia por sucção por ventosa

  3. facectomia intra-capsular

  4. facoemulsificação

17. As causas mais freqüentes de leucocoria são:

a) Catarata, retinoblastoma, retinopatia da prematuridade

  1. Toxocaríase, doença de Coats

  2. Glaucoma congênito, toxoplasmose e diabetes

  3. Oclusão venosa, mucocele

18. A causa mais comum da uveíte posterior em nosso meio e:



  1. toxoplasmose

  2. artrite reumatóide juvenil

  3. CMV

  4. AIDS

19. o excimer laser utilizado nas cirurgias refrativas e aplicado não:

  1. córnea

  2. esclera

  3. cristalino

  4. retina

20. Tumor maligno de orbita mais freqüente na infância e:

  1. Glioma do nervo óptico

  2. Retinoblastoma

  3. Rabdomiossarcoma

  4. Neuroblastoma



XLIV RODÍZIO C 2009
1) Pq é importante sabe quando termina de formar o RTX de fusão?

2) Retinopatia Diabética.

3) Presbiopia. Pq ocorre?

4) Quais as alterações de olho vermelho que dá perda de acuidade visual.




  1. Tumor de órbita mais frequente em crianças.

  2. Onde atua o laser em cirurgia de refração?

  3. Causa mais frequente de uveite post. (toxo!)

  4. Conjuntivite. Condutas.

  5. Caso clínico de conjuntivite em homem, com secreção branca e prurido. Qual o tipo de conjuntivite?




  1. O reflexo de fusão termina a sua evolução:

  1. ao final do primeiro mês de vida

  2. ao final do 4 ano de vida

  3. ao final do primeiro ano de vida

  4. ao final do 6 mês de vida




  1. O principal fator etiológico da paralisia aguda de VI nervo em adultos é:

  1. aneurismo no seio cavernoso

  2. diabetes melitus

  3. tumor de fossa posterior

  4. lesão traumática do músculo reto lateral




  1. A cirurgia refrativa tem mais eficácia na correção de:

  1. miopia e astigmatismo

  2. na presbiopia

  3. no ceratocone

  4. na alta hipermetropia




  1. Ambliopia em portadores de catarata congênita

  1. sempre presente

  2. nunca presente

  3. se operado precocemente poderá ser evitada

  4. se operado tardiamente não se recupera




  1. Qual a área do córtex cerebral responsável pela distinção das cores:

  1. V1

  2. V5

  3. V3

  4. V4



  1. São fatores de risco da retinopatia da prematuridade:

  1. Baixo peso ao nascer, baixa idade gestacional e exposição ao oxigênio

  2. Idade gestacional avançada, baixo peso ao nascer

  3. Icterícia neonatal e exposição ao oxigênio

  4. Icterícia neonatal e idade gestacional baixa



  1. Tratamento glaucoma

a) clinico, com uso de drogas

b) cirurgico

c) laser

d) todas as anteriores


8) O glaucoma é uma neuropatia óptica que se caracteriza por

a) escavação aumentada

b) pressão intra-ocular alterada

c) alteração do campo visual

d) todas as anteriores


  1. A percepção da estereopsia é dada por

  1. fusão cortical de duas imagens idênticas

  2. fusão cortical de duas imagens semelhantes

  3. fusão cortical de duas imagens de tamanhos diferentes

  4. fusão cortical de duas imagens de cores diferentes




  1. Qual o músculo inervado pelo nervo troclear

  1. obliquo superior

  2. reto lateral

  3. obliquo inferior

  4. reto inferior




  1. A urgência em se operar um lactente portador de catarata congênita é

  1. absoluta

  2. relativa

  3. sem urgência

  4. não necessita cirurgia




  1. Paciente de 50 anos com queixa de moscas volantes e fotopsias. O provavel diagnostico:

  1. conjuntivite

  2. catarata

  3. descolamento do vítreo posterior

  4. episclerite




  1. Criança do sexo masculino com 7 anos de idade queixa-se de olho vermelho, prurido, secreção esbranquiçada em ambos os olhos, apresenta provavelmente quadro de:

  1. conjuntivite adenoviral

  2. conjuntivite primaveril

  3. conjuntivite bacteriana

  4. conjuntivite atopica




  1. A catarata senil pode ser operada quando:

  1. a visão esta comprometida em 100%

  2. o individuo apresenta 50% de perda visual

  3. o paciente esta com fotofobia, diplopia e glare

  4. o paciente esta desconfortável e insatisfeito por impedimento no trabalho




  1. A técnica mais utilizada para a cirurgia de catarata nos dias de hoje é:

  1. facectomia por crioextracao

  2. facectomia por sucção por ventosa

  3. facectomia intra-capsular

  4. facoemulsificação




  1. A causa mais freqüente de celulite orbitaria é:

  1. foco dental

  2. otite

  3. sinusopatia

  4. meningite


Tinha 4 testes iguais aos anos anteriores.
PROVA OFTALMO – RODIZIO C 2008


  1. Qual a importância de se saber quando que ocorre o reflexo de fixação?

  2. Causa de presbiopia

  3. Fisiopatologia da Retinopatia Diabética

  4. Quais as causas de olhos vermelhos que alteram acuidade visual?

20 testes – metade era igual à prova antiga




QUESTÕES DISSERTATIVAS


  1. Falar sobre a Retinopatia Diabética.

A diabetes é uma doença complexa e progressiva que afeta os vasos sanguíneos do olho. Um material anormal é depositado nas paredes dos vasos sanguíneos da retina que é a região conhecida como "fundo de olho", causando estreitamento e às vezes bloqueio do vaso sanguíneo, além de enfraquecimento da sua parede – o que ocasiona deformidades conhecidas como micro-aneurismas. Estes freqüentemente rompem ou extravasam sangue causando hemorragia e infiltração de gordura na retina. Existem duas formas de retinopatia diabética: exsudativa e proliferativa. Em ambos os casos, pode levar a uma perda parcial ou total da visão.

  • Retinopatia Diabética Exsudativa: ocorre quando as hemorragias e as gorduras afetam a mácula, que é necessária para a visão central, usada para a leitura.

  • Retinopatia Diabética Proliferativa: surge quando a doença dos vasos sanguíneos da retina progride, o que ocasiona a proliferação de novos vasos anormais que são chamados "neovasos". Estes novos vasos são extremamente frágeis e também podem sangrar. Além do sangramento, os neovasos podem proliferar para o interior do olho causando graus variados de destruição da retina, dificuldades de visão e cegueira em conseqüência de um descolamento de retina.

Causas: o diabetes melittus é o fator desencadeante desta doença, na qual o corpo humano não pode fazer uso adequado de alimentos, especialmente de açúcares. O problema específico é uma quantidade deficiente do hormônio insulina nos diabéticos.

Grupos de risco: as pessoas que têm diabetes apresentam um risco de perder a visão 25 vezes mais do que as que não portam a doença. A Retinopatia Diabética atinge mais de 75% das pessoas que têm diabetes há mais de 20 anos.

Tratamentos: o controle cuidadoso da diabetes com uma dieta adequada, uso de pílulas hipoglicemiantes, insulina ou com uma combinação destes tratamentos, que são prescritos pelo endocrinologista.

Fotocoagulação por raios laser: é o procedimento pelo qual pequenas áreas da retina doente são cauterizadas com a luz de um raio-laser na tentativa de prevenir o processo de hemorragia. O ideal é que este tratamento seja administrado no início da doença, possibilitando melhores resultados por isso é extremamente importante a consulta periódica ao oftalmologista.


  1. Classificação da Retinopatia Diabética.

Várias são as tentativas que visam graduar a RH(3-4). Classicamente, temos a classificação de Gans, a qual divide as alterações retinianas entre as de etiologia hipertensiva e as ateroscleróticas. Estas são divididas em:

- A0: normalidade;

- A1: discreta esclerose (alteração do cruzamento arterio-venoso e retificação arteriolar);

- A2: intensa esclerose (pseudo-esmagamento arterio-venoso e/ou fios de cobre);

- A3: e obstrução arteriolar (fio de prata).

As alterações decorrentes da hipertensão são divididas em:

- H0: normalidade;

- H1: espasmos arteriolares;

- H2: espasmos arteriolares associados a hemorragias;

- H3: exsudatos.

E todos estes mais a estase de papila, respectivamente(5-6). Outra classificação também muito difundida é a Classificação Modificada de Scheie que propõe:

- grau 0 para fundoscopia normal;

- grau 1 para estreitamentos arteriolares discretos;

- grau 2 para estreitamentos arteriolares evidentes com irregularidades focais;

- grau 3 quando associado a hemorragias e/ou exsudatos;

- grau 4 quando já há edema de disco óptico.


  1. Classificação da Retinopatia Hipertensiva.

Várias são as tentativas que visam graduar a RH(3-4). Classicamente, temos a classificação de Gans, a qual divide as alterações retinianas entre as de etiologia hipertensiva e as ateroscleróticas. Estas são divididas em A0, A1, A2 e A3, as quais representam normalidade, discreta esclerose (alteração do cruzamento arterio-venoso e retificação arteriolar,  intensa esclerose (pseudo-esmagamento arterio-venoso e/ou fios de cobre) e obstrução arteriolar (fio de prata), respectivamente. As alterações decorrentes da hipertensão são divididas em H0, H1, H2 e H3, as quais representam normalidade, espasmos arteriolares, espasmos arteriolares associados a hemorragias e exsudatos, e todos estes mais a estase de papila, respectivamente(5-6). Outra classificação também muito difundida é a Classificação Modificada de Scheie que propõe: grau 0 para fundoscopia normal, grau 1 para estreitamentos arteriolares discretos, grau 2 para estreitamentos arteriolares evidentes com irregularidades focais, grau 3 quando associado a hemorragias e/ou exsudatos e grau 4 quando já há edema de disco óptico.


  1. Descreva o quadro clínico do Glaucoma Crônico de Ângulo Aberto.

Trata-se da forma mais comum do glaucoma. Ocorre como decorrência do processo de envelhecimento. O ângulo de drenagem do olho torna-se menos eficiente com o passar do tempo e a pressão intra-ocular aumenta de maneira gradual. Quando este aumento de pressão resulta em lesão ao nervo óptico, é conhecido como glaucoma crônico de ângulo aberto. Mais de 90% dos pacientes adultos portadores de glaucoma sofrem deste tipo da doença.
O glaucoma crônico de ângulo aberto pode prejudicar a visão de forma tão gradual e indolor que o paciente nem percebe qualquer problema antes do nervo óptico já estar bastante lesado.


  1. Quais são os componentes do Reflexo Visual?

- Reflexo de fixação: 3ª semana ao 4º mês

- Acuidade visual: 1º ao 5º ano

- Localização espacial oculocênctrica

- Fusão
6. Inervação Parassimpática: miose
-Reflexo fotomotor: quando um olho é estimulado com um feixe de luz, a pupila desse olho contrai-se em virtude do seguinte mecanismo: o impulso nervoso originado na retina é conduzido pelo n. óptico e tracto óptico, passam pelo corpo geniculado lateral (não fazem sinapse) e chegam no colículo superior terminado em neurônios da área pré-tectal. Daí saem fibras que terminam fazendo sinapse com os neurônios do núcleo de Edinger-Westphal. Deste núcleo saem fibras prégnglionares que pelo III par vão ao gÂnglio ciliar, de onde saem fibras pós-ganglionares que terminam no músculo esfíncter da pupila, determinando sua contração.
-Reflexo Consensual: quando um olho é estimulado com um feixe de luz observa-se a contração da pupila do lado oposto. O impulso nervoso cruza o plano mediano no quiasma óptico e na comissura posterior, neste caso através que, da área prétectal de um lado, cruzam para o núcleo de Edinger Westphal do lado oposto.
7.Inervação Simpática: midríase
Em ausência ou diminuição da luz, o músculo dilatador da pupila da pupila se contrai causando midríase. As fibras pré-ganglionares (neurônio 2) relacionadas com a inervação da pupila originam-se de neurônios situados na coluna lateral da medula torácica T1-T2 (recebem impulsos hipotalâmicos – neurônio 1). Essas fibras saem pelas raízes ventrais, ganham os nervos espinhais correspondentes e passam ao tronco simpático pelos respectivos ramos comunicantes brancos. Sobem no tronco simpático e terminam estabelecendo sinapses com neurônios pós-ganglionares do gânglio cervical superior (durante esse percurso passam em região próxima ao ápice do pulmão). As fibras pós ganglionares (neurônio 3) sobem no nervo e plexo carptídeo interno e penetram no crânio com a artéria carótido interna. A seguir, passam sem fazer sinapse no gânglio ciliar e por meio dos nervos ciliares curtos chegam no músculo dilatador da pupila.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal