Primeira versãO



Baixar 11.34 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho11.34 Kb.

RINITE VIRAL e ATÓPICA

RINITE VIRAL ou RESFRIADO COMUM:
É importante, mesmo numa rinite provavelmente viral, que o médico procure outras causas para o problema, como: atresia coanal e corpo estranho.

O diagnóstico diferencial mais importante é com a rinite estreptocócica rinopatia por alérgenos e irritantes. Em RN é descrito a rinite inespecífica no período neonatal (stuffy nose).

A conduta sintomática, no resfriado comum e na obstrução nasal associada as outras causas, é:
Conduta:


  • Fazer lavagens nasais com soro fisiológico ou empregar um dos tópicos nasais em que a base é o soro fisiológico. Usá-lo na temperatura ambiente, nunca gelado. Lembrar ainda que o soro fisiológico, conservado na porta do refrigerador, pode ser usado por até 7 dias. O cloreto de benzalcônio, existente em vários preparados, pode ser danoso, sobretudo aos asmáticos, agravando o broncoespasmo em alguns pacientes;

  • Não prescrever vasoconstrictores sistêmicos ou tópicos, descongestionante sistêmico. Se a família insistir, relatar os riscos dos adrenérgicos, sobretudo da nafazolina. Atenção: avise que Sorine adulto contém nafazolina;

  • Se houver febre, prescrever antitérmicos. Orientar aumento da oferta hídrica e de sucos ricos em vitaminas A e C e não forçar alimentação;

  • Recomendar que procurem o pediatra assistente ou voltem ao serviço de saúde, se a febre se prolongar por 48-72 horas. Pode significar complicação: OMA, sinusite ou outra infecção;

  • Em RN/lactentes jovens, orientar sobre a melhor maneira de alimentar. Prescrever elevação do decúbito (a 30C), com a cabeça em leve extensão. Usar instilação nasal com soro fisiológico; excepcionalmente, nebulizar por 15 minutos com soro fisiológico, 6 a 8 vezes ao dia;

  • Encaminhar ao médico assistente, principalmente se a família está muito tensa;

  • A aspiração de secreções deve ser evitada, especialmente com o aspirador manual, que freqüentemente lesa a mucosa. A aspiração na clínica, com equipamento que é capaz de gerar grande pressão negativa, é absolutamente contra-indicada;

  • Falar sobre a importância de evitar contato com irritantes respiratórios (fumo e outros) e alérgenos, se há história de alergia respiratória ou cutânea na família.


RINITE ALÉRGICA

A exclusão da causa ou das causas precipitantes tipo cigarro, ácaros, outros irritantes e alérgenos, é medida essencial. Essa noção sempre deve ser repassada para o familiar.

As lavagens nasais com soro fisiológico continuam sendo medida importante.

Se o dado principal é o prurido e/ou espirro, receite anti-histamínico por via oral, por 7 dias:




  • Loratidina (0,15 mg/kg/dia, em uma tomada)

  • Cetirizina (0,2-0,3mg/kg/dia, em duas tomadas)

  • Maleato de dexclorfeniramina- (0,10- 0,15mg/kg/dia, em 2 ou 3 doses).

Em maiores de 6 anos, também pode-se usar o anti-histamínico tópico azelastina (uma instilação em cada narina, 2 vezes ao dia).



Se há intensa obstrução e o paciente for maior de 6 anos, pensar na possibilidade de associar um descongestionante sistêmico, como loratadina e pseudo-efedrina (dose da pseudo-efedrina 2-3 mg/kg/dia, em 2 tomadas).

Encaminhar ao pediatra assistente, sobretudo para avaliar prejuízos que a rinopatia crônica pode ocasionar.



CONSELHOS DOS MAIS “VIVIDOS.”
Nariz entupido em RN preocupa muito os familiares. A criança quer comer e não consegue. Quer dormir e tem dificuldade. A mãe angustia-se, sobretudo no primeiro filho. Explique que a duração do episódio da rinite viral é mais longo do que em crianças maiores e adultos.

Há razão anatômica para justificar esta grande dificuldade de respirar do RN, quando ele está com o nariz obstruído. A respiração bucal não compensa a dificuldade da passagem nasal do ar, desde que o laringe está numa situação alta, nessa idade.

Dialogue com os familiares, fale sobre essa característica anatômica do filho, informe que, apesar do transtorno, o RN não será prejudicado e adote a conduta antes prescrita.



©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal