Primeira folha de rosto



Baixar 0.52 Mb.
Página3/4
Encontro02.07.2019
Tamanho0.52 Mb.
1   2   3   4

ÉS ENTÃO POETA!

06.09.2011.

Tens a capacidade intelectiva de expandir-se em palavras

Buscas o sublime e a sintonia da alma com a natureza

Se mantém atento aos menores bafejos da inspiração

Desperto e atento ao Sol, aos morros e aos ventos

Carregas consigo uma real compreensão da vida

Num prisma unicamente seu

És constante e estável na sintonização

Nascestes assim louco, demente, doente

Intensificas as coisas pobres e tolas

Vives um mundo a parte das coisas pobres e tolas

Vibras nesse mundo único, só seu e diferente

És incansável na busca pelo nada obscuro

Imanas a intensificação positiva da criatura e do Criador
És então poeta!

FADÁRIO HÍBRIDO – 79



DOS CAUSOS, CONTOS, CRÔNICAS, FÁBULAS e ROMANCES

10.09.2011.

Sempre fui mais apegado aos meus textos poéticos. Causos, contos, crônicas, fábulas e romances então, sofríveis, que nem os tento muito. Podem reparar que não é falsa modéstia. Tentei vários romances e sempre me perdi no meio do caminho. Tenho dois livros que não POESIAS, um é autobiográfico, ou seja, não precisei de muita imaginação nem de um compromisso com uma idéia central, já que o dividi em capítulos sem ordem cronológica. O outro é de filosofia, no entanto ele segue em ritmo de ensaios e aforismos. Eis então minha incapacidade de me prender em um considerável tema por muito tempo.

Mas sei reparar o que leva os escritores àquilo que considero o domínio de se ater aos menores elementos de particularidades.

O escritor de causos, contos, crônicas, fábulas e romances, vivem circunstancialmente no presente, aquilo que já está no passado.

Trazem consigo, ou por dom ou por esforço contínuo, a capacidade, que considero complexa, de se aterem com naturalidade, sem deslocação, num ponto que tem começo-meio-fim, sem que se percam.

Olham com real precisão aquilo que os cercam, descrevem e narram numa habilidade precisa de pormenores e detalhes, ainda que seus textos sejam complexos e intrincados. Vi muito isso em nossos grandes romancistas, citando para mim o maior de todos: Machado de Assis e muitos outros que ainda me deparo nos livros que leio e na própria internet.

Venho então nesse texto, corroborado de dois motivos óbvios: pedir que perdoem-me por minhas poesias surrealistas e transcendentais, onde pareço estar “dopado” em viagens “interplanetárias” e aplaudir aos tantos, e aos tantos que são exímios contistas e afins, por suas capacidades empíricas e magistrais de nos apreender do início ao fim em seus perfeitos textos.

80 – MARCELO BRAGA

QUE

12.08.2011.

Que existe mais em mim

De tristezas

De alegrias

Não sei me guiar nessas questões...


Que terra mais meus pés andaram

Vermelhas

Pretas

Sei mais dos céus azuis, cinzas...


Que Marcelo mais escreve

Das poesias de amor

Dos textos sacanas

Sei mais do Marcelo existencialista


Que música mais me toca

O progressivo

O clássico erudito

Não sei se saberia viver sem música


Que lembrança trago mais recôndita

As andanças amazônicas

As transas indômitas

Sei mais dos sorrisos que inibi


Quanto

Quanto mais

Quanto mais procuro

Respostas

ZZZ!
FADÁRIO HÍBRIDO – 81

POSSUINDO A VIDA

13.09.2011.


Quero o esgotamento

A busca insana

Os fatos incontestes

De que estar vivo é uma oportunidade única
Se eu pensar diferente

Achar que vim de algum lugar que não um espermatozóide e

Achar que vou para outro, que seja céu, purgatório ou inferno

Meus dias poucos, não terão tido a graça de possuí-los!

82 – MARCELO BRAGA

PORRA! DEIXE-ME ESSE CONVÍVIO COMIGO!

15.09.2011.

Já sei de quase tudo

Sei que não terei tempo para saber

Então “não me repreenda, eu amei demais” (Ângela Ro Ro)
Já sei de quase tudo

Sei de tudo aquilo que perdi

Das coisas que esqueci por aí aonde não sei nem onde

“Bringe Driking” mata

O tempo também nos mata a partir do dia em que nascemos

Não penso antes de agir

Penso que agir também é desnecessário

Devo ser mesmo um otário ou pelo contrário

A liberdade pode estar nesse balde d’água fria

Mas sou magro e prefiro os banhos quentes de chuveiro

Obrigado!

Deixe-me livre em minhas trancafiadas algemas particulares

Alguém falou: “eu sou o que dói”

Mas ou menos isso que quero dizer


Essa coisa de amor e ódio já se desarranjou

Tudo que podia ser pensado ou dito, já foi escrito

O princípio continua sendo o mistério do fim e

Cá entre nós, para mim, pouco importa além de meu EU


Porra! Deixe-me amargar esse convívio obrigatório comigo

Já estou nessa há 38 anos, caralho!


E me amo de um jeito peculiar, único e esquisito prá você...

É só isso.

FADÁRIO HÍBRIDO – 83

ASSIM SÃO OS GRANDES JORNALISTAS

16.09.2011.

Viver num tipo especial de memorização

No presente aquilo que está no passado

Ater-se nos menores detalhes e ao mesmo tempo estar

No topo dos acontecimentos


Viver com naturalidade extrema

Agir conforme o ambiente e experiências passadas

Saber narrar cada acontecimento por maior que sejam

Intrincadas suas tramas e complexidades


Viver circunstancialmente o hoje e uma época remota

Como em um passe de mágica voltar do passado para o atual

Ter o ritmo das coisas sendo capaz de pormenorizar os

Detalhes dos fatos ocorridos


Assim são os grandes:

JORNALISTAS!

84 – MARCELO BRAGA

METAMORFOSEADA

21.09.2011.

Nesta semana estou abrindo canteiros

Tirando das sementeiras, aquilo que deu certo

São verduras, legumes, flores e anseios
Estou cercando tudo de sal grosso

Existem os caramujos, as formigas e lagartas

São da natureza seres incompatíveis com o florescer
Nesta semana estou me recuperando paulatinamente

Sem pressa e com mais de mil vulcões em erupção

Não vou correr, já conheço a lava que vem
Estou vivendo o encanto interior dos resultados

Aquilo que me possibilita cada semente plantada

Que o Sol, a água, o tempo a tornou, metamorfoseada

FADÁRIO HÍBRIDO – 85



NEM FALE COMIGO!

23.09.2011.

À margem do manter-se vivo

Primitivo em meus instintos

Conservação da vida

Não sou suicida

Quem não tem medo da morte

Nem fale comigo!


Uma cota psíquica

Continuidade daquilo que comecei

Protejo-me de mim

De você


Dos tsunamis

Zelo e empenho!


Já veio na estrutura de meu gene

Está em meus tecidos

Regeneração do rabo cortado

A vida me impõe a própria vida

Quem não gosta dessa vida aqui

Nem fale comigo!


86 – MARCELO BRAGA

SE NÃO POSSO SORRIR...

25.09.2011.

Se perseguido pela censura, abate-me e

Reativo minhas indisposições


O contentamento é aquilo que procuramos

No íntimo, no inconsciente


Os menores se perturbam com cada nossa resistência

Cada um tem sua forma de se deparar com as coisas


Se humildade fosse virtude

Ter pena, piedade, também seria


A gente quer o mundo para nossas músicas

Os palcos para nossas apresentações


E
Se não posso sorrir, ser indiferente ou chorar

Minha vida não é minha!


FADÁRIO HÍBRIDO – 87



ESTOU MELHOR ASSIM

26.09.2011.

Estou melhor assim

Longe de mim

No desequilíbrio

Na incoerência

Na saudade

Do nada


No tudo
Estou melhor assim

Sempre você

Me acertando

Na solidão

Nas ponderações irritantes

Do nada


No tudo
Estou melhor assim

Estabelecendo critérios

Sopesando tudo adequadamente

Hierarquizando valores e medidas

Estabilidades e espontaneidades

E

Fugindo de vista disso tudo, quando me é mister ser COISA!



88 – MARCELO BRAGA

IPSO FACTO

27.09.2011.

Reduzo-me ao metabolismo orgânico

Na seiva que decorre das fontes vivas do organismo e

Difundem-se em minha própria personalidade
Impetuoso, violento e sarcástico

Provas de minha vitalidade, às vezes inofensivo e

Meu teor coordena-se no conjunto físico-psíquico
Ipso facto

Nadando contra a maré; propenso a desencontros e

Ultrapassando os limites médios da vontade própria
Aquilo que penso

Aquilo que sou

Aquilo que penso que sou

FADÁRIO HÍBRIDO – 89



INDUTIVO

28.09.2011.

Não uso mais canetas e alguns outros conceitos

Correspondências e outras circunferências


Demarco o ponto possível das observâncias

Irrelevantes características de meu raio ocular


É justamente assim, quando num prisma intimamente pessoal

Perfaço a extensão telúrica da ilimitada periferia “poesiacal”


Determino hoje como deve ser aquilo que nunca vou entender

Amanhã, minhas determinações volteiam reinos instáveis


E
Prováveis!

FADÁRIO HÍBRIDO – 90



TRISTE QUANDO O INVERNO VAI EMBORA...

30.09.2011.

Fico triste quando o inverno vai embora

Não sou aquele carioca do RIO 40 GRAUS

Fico triste, porque o calor me atrapalha a pensar

Deve ser a saudade genética... herda-se conhecimento?


Fico triste quando inverno vai embora

Já sou ruim de comer, no calor então...


Foi o inverno que me trouxe pra cá

Foi nele que apareci

Foi nele que te conheci
E ela nem se importa com datas...

FADÁRIO HÍBRIDO – 91



UMA CAIXA DE FÓSFORO

06.10.2011.

Eu tenho um arquivo

Páginas amareladas

De fotos distorcidas

E um lixão nos fundos

Um vidro de álcool

Uma caixa de fósforo

Um papel aceso

E o gosto em observar

O FOGO!

92 – MARCELO BRAGA



CRUZES E CRISES

06.10.2011.

Minha linha-mestra sempre foi o DESVIO

Aplicaram-me diretivas e corretivos

Em vão...

Os cristais e seus prismas eram as minhas diretrizes

Vieram-me cruzes, gólgotas e

Crises...


Crescer é dolorido para quem se acha INDIVIDUAL

Parecia até a juventude inglesa

Rebeldia posta à mesa
Fui assim retardando a ponderação

Protelando o equilíbrio da emoção com a razão

E cá entre nós, não diga para ninguém:

Vou ali e já volto!

FADÁRIO HÍBRIDO – 93

NOVO CICLO

08.10.2011.

Descartam-se as inconveniências do passado

Do antigo e do recente

Caminha-se agora nos passos da autonomia

Do feliz e real presente


Chegam-se às estruturas já postas pela independência

Desprendido e ainda íntegro

Objetiva-se o DAQUI PRA FRENTE

No concreto e na prosperidade


Aplicam-se prumos de excelência já testados

Segundo as novas técnicas e normas

Adequa-se de vez ao momento estável e

Numa linha única de um horizonte único


Caminha-se!

FADÁRIO HÍBRIDO – 94



11 do 11 do ano 11

10.10.2011.

Daqui a pouco é 11 do 11 do ano 11

E o Flamengo ganhou ontem

E a venda foi ruim, o pessoal estava na Parada Gay

E ouço novamente Bob Dylan que minha mulher acha insuportável

E eu também

E tenho um monte de bosta para recolher do galinheiro

E uma porrada de contas para pagar com o banco em greve

E, e, e
Assim caminha a humanidade de minha cotidianidade!


Essa saiu rápido!
Ao som de “Ballad of Thin Man”.

FADÁRIO HÍBRIDO – 95



PERTO DE DEUS

12.10.2011.

Envolver seu amor protetoramente

Incluir sua família em seus planos majoritários

Zelar pela construção emocional de seus filhos

Resguardar-se de terceiros ciumentos

Criar um círculo visível, porém inacessível aos invejosos

Reforçar as portas de seu refúgio

Ter uma razão justificada no amor mais puro

Ter um potencial incansável que não se desgasta

Possibilitar a sustentação do equilíbrio psicológico

Manter-se pleno e impetuoso em seus objetivos

Preocupações férteis; não mais as mesquinhas

Esquecer todo o desperdício do passado que tanto o prejudicou


Estar então PERTO DE DEUS!
Ouvindo “Perto de Deus” – Cidade Negra.

96 – MARCELO BRAGA



AGORA NÃO DÁ!

13.10.2011.

Sou um idealista

Fantasio e sentencio aspirações radicais de mudanças e

Cinco minutos depois

Torno-me operativo, material e misturado no turbilhão


Vendo coisas pelo dobro do preço que comprei e

Os outros ainda me agradecem

Faço anti-propaganda de meus produtos e

É aí que mais querem comprar


Posso estar ouvindo “Telúrica” de Baby Consuelo e

Em cinco minutos depois voltar para meu Pink Floyd

Posso estar ouvindo “Chão de Giz” de Zé Ramalho e

Em cinco minutos depois voltar para meu Whishbone Ash


Minha consciência não tem espaço para valores eternos

Minhas superações são do acaso e das porradas que levo por acaso

Minhas compenetrações são introspectivas e desatentas

Meu tropismo se orienta no ontológico desconsiderar


Mais tarde, sei lá quando, serei mais delicado

Agora não dá!

FADÁRIO HÍBRIDO – 97

PRA VOCÊ QUE JÁ PLANTOU UMA ÁRVORE E FEZ FILHO, O LHE QUE FALTA?

14.10.2011.

Um livrete

Um caderno

Um fascículo

Um trecho

Um folhetim

Uma cláusula

Um tratado

Um opúsculo

Uma publicação

Um anúncio

Um laudo

Uma passagem

Uma tese

Uma monografia


Uma publicação periódica

Um livro


Uma Coleção de Livros

Uma enciclopédia!

98 – MARCELO BRAGA

A ENTRADA DOS DEUSES NO VALHALLA

15.10.2011.

No perfeito não se mexe!
Quero lá saber se o nazismo o adotou?

Seria uma contradição, eu que descendente de ciganos da Baviera...

Eu quero é a música!

O clima de agitação

As notas rápidas e progressivas

A energia que oscila dos graves aos agudos

O dramático homogeneizado com a suavidade dos violinos

A lembrança de minha avó de olhos azuis ao piano

As tantas poesias que já escrevi como hóspede desse mestre
E mais essa.
Ao som de: “Entrada dos Deuses no Valhalla”.

FADÁRIO HÍBRIDO – 99



CUIDADO COM OS CANAIS DE 3 CARACTERES

15.10.2011.

Repare

Tais canais



Possuem

Mais comerciais

Que programação:
VH1

MTV


FOX

GNT


TNT

SBT
Caso isso não seja problema

Para você

Então


P.Q.P.

És um


MAD!

100 – MARCELO BRAGA



QUANDO NÃO SE ACHARES MAIS

17.10.2011.

Sejais fecundo nos campos áridos

Sejais receptivo à sublimidades

Sejais paixão quando ciência

Sejais natureza quando metrópole

Sejais seiva quando fome

Sejais constância quando atropelos

Sejais prisma quando opacidade

Sejais necessário quando desnecessário fores

Sejais positivo quando realista

Sejais sintonia quando interferência

Sejais simpatia quando inveja

Sejais verdadeiro quando mentira

Sejais disponibilidade quando fado

Sejais poeta quando insônia


Sejais você quando não se achares mais...

FADÁRIO HÍBRIDO – 101



UMA DAS CERTEZAS...

21.10.2011.

Uma das certezas da tentativa é fracasso

Uma das certezas de atravessar a rua é o carro atropelando

Uma das certezas do café quentinho é o trincar do dente

Uma das certezas da mentira é a rua sem saída

Uma das certezas da dúvida é o saber

Uma das certezas da conta vencida é o corte

Uma das certezas da vida é a morte!

102 – MARCELO BRAGA



PONDERADOS!

25.10.2011.

Nada pode incomodar mais que nossa própria norma de moralidade. Portanto, devemos estabelecer critérios compatíveis com as normas que seremos capazes de seguir.
Saber ponderar com equidade nossas limitações e possibilidades, de forma íntegra, possibilitando um julgamento pessoal ameno e não tão assustador.
Estarmos devidamente conceituados de que a vida é feita de ciclos e então devidamente preparados para as mudanças bruscas que podem nos afetar de repente.
Equilibrar a RAZÃO com a EMOÇÃO. Estou em busca dessa adequação a séculos. Na aplicação prática, tenho conseguido alguns pequenos avanços.
E ser responsável o suficiente para não se preocupar tanto com as inconclusões da vida, com as interferências externas e termos em constante, a idéia de um crescimento pessoal. Que seja, o mesmo, um pouco mais acelerado daquilo que o próprio tempo nos permitirá alcançar.
A vida é curta!
AO SOM DE “TRANQUILO” – BEBEL GILBERTO.

FADÁRIO HÍBRIDO – 103



MAIS UMA PARA MINHA ANA JULIA

26.10.2011.

Eu ainda precisava chegar ao início dos anos 20 desse século

2011, foi amplamente vivido em minhas graduações

Nenhum prejuízo sofrido nas linhas básicas de meu ser

Investi alto na desviolência de minhas alternâncias lunares

Adequei-me com as ondas do mar que nunca quebram iguais
Vi minha filha desenvolver sua inteligência

Sua independência e insistência taurina

Ficar mais linda que podia ser tal dádiva

Ouvir as palavras mais puras e de sonoridade angelical

O sorriso mais lindo que existe no mundo e

Que um dia será desse mundo e para sempre minha

Mundo esse que não se conterá em abrir-lhe as portas
Entrei em contato com pessoas interessantes

Errei erros inéditos de minha lista de erros

Vi minhas coisas apodrecerem e então criarem raízes

Vi minhas plantas crescerem e frutificarem

Meus bichos em coitos alucinantes, se multiplicarem
No momento: sou um ser “tranquilo”...
(enquanto estou só eu e eu aqui quietinho, ouvindo música)

104 – MARCELO BRAGA



CARA-CRACHÁ

26.10.2011.

Sequencia (meu word velhinho é um imbecil, ele grifa em vermelho, como se sem o trema eu estivesse escrevendo errado... coitado, tem muito que aprender ainda!)

Constância

Coerência

Progressividade


Quatro coisas que começam a combinar com minha rebeldia e

Não é que eles estão se dando bem?!

Outro dia ouvi uma conversa entre eles: - Vamos formar um quinteto?!
Hoje assimilo concretamente o potencial que existe na inveja

Sei onde encontro os recursos para potencializar meus desfrutes

Minhas motivAÇÕES transmudam não mais tão impelidas por qualquer impedimento
Ouço Paco de Lucia agora

Mudei para Paul Mauriat em seu disco de clássicos soviéticos


Bem, voltando:
Encontro algumas razões em minha personalidade desinformada

Uma sucessão de variadas modalidades de me expressar

Pregado em minha camisa um cara-crachá de credenciais onde

Não sou apenas mais um visitante: vim aqui para registrar essa bobeira toda!


Até mais ver!

FADÁRIO HÍBRIDO – 105



SÓ QUE, QUANDO SÓ, SÓ VOU DE BÓIA!

2810.2011.

Em tuas praias desertas

Sem as bandeiras vermelhas fincadas nas areias

Quem estará lá para te salvar do afogamento?
De solidão todo mundo entende
Bebes num gole só os aplausos vazios

Eu também sou assim


Já fui doce e puro

Acreditei em gente, em coisas

Só que, quando só, só vou de bóia

Não sei mais nadar...

106 – MARCELO BRAGA

MEU PAU

29.10.2011.

Estou a um passo do perpendicular

Quando vou por um caminho gosto de voltar por outro

Falei em meu perfil que eu não tinha tribo, mas estou virando um índio

Quando meu cinzeiro inteira três guimbas, tenho de esvaziá-lo (TOC)

Já sei quando querem me pedir algo: o tom de voz muda

Tudo que faço, se tiver música ao fundo, fica melhor

O cu deve mesmo enxergar – sinto quando estão reparando algo em mim

Detesto ser o único em pé no ônibus. Sento então na escada

Quando meu dinheiro está contadinho, é que as coisas estão sob controle

Nunca gostei do sono, mas ultimamente ele me tem feito um bem que nem te conto...

Estou a um passo do transversal

Ontem o banco me roubou R$ 189,00

Hoje vou sair para recuperar em cima de quem nada tem a ver com isso

Compro em São Paulo por R$ 1,00, vendo no Rio por R$ 5,00 e meus conterrâneos apertam minha mão e me agradecem

Falam: você é o cara!

Saio por aí livremente, arrastando minha bola de ferro

Vou construir um quarto chamado BUNKER em cima da cozinha

Descobri que meu pau é tamanho média nacional

Ainda bem que não nasci na Nigéria

Cato xepa, dou aos meus bichos, mas digo aos outros que é meu almoço de amanhã

Lucro na ração e lucro em não ter visitas que possam resolver aparecer

Estou nas linhas básicas, normalmente leve!

FADÁRIO HÍBRIDO – 107

ABUSO E USO!

30.10.2011.

É quando estabilizado que busco o ofusco

É quando estrutura que busco loucura

É quando corrente que busco soltura

É quando afirmação que busco a dúvida

É quando perfil que tento teu frontal

É quando na cama que meu dedo resvala teu anal

É quando bravura que ataco com brandura
Sou três porções:

Uma boca na entrada

Um beijo prato principal e

Um pé na estrada...


Ao som de “Crossroads” – Eric Clapton.

108 – MARCELO BRAGA



SAIU?! ACENDA A LUZ!

31.10.2011.

Tire essas mãos cheias de dedos de minhas roupas

Me fale o tamanho e a banda que queres, eu pego pra você!


Já sei, você foi lá na esquina e eu não estava; eu já sabia!

Putz, quantas vezes vou ter que lhe ensinar a me encontrar?!


Saiu?! Acenda a luz!

Não me deixe na escuridão!


Ainda temos segredos, mas só vou te contar depois que você morrer!
Ainda temos individualidades, mas só vou misturá-las quando consertarmos o liquidificador!
Ainda temos desejos, mas só iremos saciá-los quando a antiga Europa se instalar aqui!
Mais um cigarro, um copo de Coca-Cola e já volto...

FADÁRIO HÍBRIDO – 109



EQUIPADAMENTE OCUPADO

03.11.2011.

Descobri que a morte chegará quando eu estiver concluindo algo

Vou então “fazer” minha barba e colocá-la de molho!


Me falaram que no inferno andarei descalço

Nada então de esmeril em meus cascos!


Li que ficarei flutuando por aí

Vou então tirar minhas asas amareladas do guarda-roupa!


Sei que ando muito ocupado com as coisas terrenas

Vou então cavucar a terra até sair do outro lado!

110 – MARCELO BRAGA

cereBELO

04.11.2011.

Tudo pode ser arranjado na fantasia

Servindo-me dos recursos de minha imaginação

Mas não – assim comprometo-me com minha RAZÃO DE ESTIMAÇÃO!
Existe um setor em meu cereBELO onde acomodo abstrações e artificialismos

Posso nele, viver a quimera das imagens transcendentes

Mas não – assim traio minhas APLICABILIDADES OBJETIVAS!
Tenho um vasto campo aberto aos devaneios

Onde passeio aleatoriamente, entre fins e meios, minha linha poética

Mas não – assim fico completamente distante de MINHA REALIDADE NUA E CRUEL!

FADÁRIO HÍBRIDO – 111





Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande