Portuguese: Placebo by Howard Pittman


Capítulo 9: O Caminho para casa



Baixar 101.52 Kb.
Página2/2
Encontro11.06.2018
Tamanho101.52 Kb.
1   2

Capítulo 9: O Caminho para casa.

Quando os anjos decidiram que eu tinha visto o suficiente da obra dos demônios neste mundo físico, fui levado de volta para o Segundo Céu apenas pela passagem através da parede divisória da dimensão. Uma vez de volta para dentro do Segundo Céu, meu acompanhante me guiou na direção do Terceiro Céu e eu estava feliz finalmente. Afinal, este era o lugar onde eu queria ir o tempo todo. Mesmo nesta fase, a minha vida física ainda era minha principal preocupação.

De repente, chegamos ao lugar mais lindo. Eu sei que eu já relatei quão terrível é o Segundo Céu, então você pode imaginar o quão surpreendente foi encontrar alguma coisa bonita lá. Deus não me permitiu manter na memória o porquê este lugar era tão bonito. Eu me lembro que era o lugar mais bonito que eu já vi. Este lugar parecia um túnel, uma estrada, um vale ou algum tipo de rodovia. Tinha uma luz mais brilhante que tudo, e era completamente cercado por um escudo invisível. Eu sabia que o escudo invisível era a proteção do Espírito Santo.

Caminhando nesse túnel, ou ao longo da estrada, ou vale, ou o que quer que seja, estavam o que parecia ser seres humanos. Eu perguntei ao meu acompanhante quem eles eram. Ele me disse: "Eles são santos indo para casa." Estes eram os espíritos dos cristãos que morreram na Terra e eles estavam indo para casa. Cada um destes santos foi acompanhado por pelo menos um anjo da guarda e alguns tinham toda uma série de anjos com eles. Eu me perguntava por que alguns santos foram acompanhados apenas por um anjo e outros tinham muitos outros. Eu estava observando como os santos passaram à maneira de ir para casa. Ali era a passagem da Terra para o Terceiro Céu. Descobri que apenas espíritos “autorizados” eram permitidos naquele túnel. Nenhum demônio era permitido ali.

Quando meu acompanhante tinha acabado de me explicar sobre a viagem de regresso dos santos. Comecei a entrar no túnel. O anjo me parou e me disse que teria que viajar ao lado do túnel e não dentro dele. Eu viajei, paralelamente, mas do lado de fora do túnel onde os santos estavam. Enquanto nós estávamos viajando ao lado do túnel, não nos movemos na "velocidade do pensamento." Em vez disso, viajamos como que flutuando sobre uma nuvem. Em outras palavras, não havia nenhuma nuvem, mas o modo de viajar fez com que me sentisse como se estivesse flutuando sobre uma nuvem.

Eu podia ver os santos todas as vezes se deslocando ao longo por dentro do túnel. Eles estavam em forma e aparência de seres humanos, ainda que eu não pudesse detectar qualquer raça, idade ou sexo. Eles estavam todos vestidos iguais, com as roupas parecendo ser composta de duas partes. Havia uma blusa ou camisa e um par de calças. A cor das roupas era um pastel, azul bebê com uma das peças de vestuário sendo como uma sombra mais clara do que a outra parte. O azul era tão leve que era quase branco. Eu percebi que esses santos que eu estava vendo ainda não tinham recebido o seu corpo glorificado, pois devem esperar até a primeira ressurreição.

A princípio eu estava decepcionado de que não me era permitido viajar no túnel com os santos, mas a decepção foi amenizada quando me disseram que íamos para o mesmo lugar que eles estavam indo. Afinal, eu sabia que se a minha vida física seria prorrogada, eu teria que comparecer diante de Deus. Mesmo agora, a minha vida física ainda era a coisa mais importante para mim.

Enquanto viajávamos, notei que ao meu redor todos os demônios estavam começando a cair para trás. Os Portões apareceram à vista, e quanto mais nos aproximávamos dos Portões, mais os demônios ficavam para trás caídos. Quando chegamos diante dos Portões não havia demônios a vista. Embora os Portões do Terceiro Céu abram-se em direção ao Segundo Céu, nenhum demônio podia se aproximar.

Em vez de me permitir entrar, o anjo me posicionou diante de um dos lados dos Portões. Ele me instruiu a ficar lá e ver como era permitido aos santos entrar no céu. Enquanto os santos foram autorizados a entrar no Céu, eu notei uma coisa estranha. Eles foram autorizados a entrar apenas um de cada vez. Não houve dois que foram autorizados a entrar pelos Portões, ao mesmo tempo. Eu me perguntei sobre isso, mas nunca foi explicado para mim. Eu estudei sobre isso muitas vezes desde que voltei e agora eu acho que sei por que. Creio que esta é uma homenagem ou uma saudação para o indivíduo. Afinal de contas, essa pessoa fez a escolha com sua própria vontade soberana. Lembre-se, tinha sido dito para mim, especificamente, que nós, enquanto imagens do Deus vivo, possuímos uma vontade soberana através da qual temos o direito de escolher nosso próprio destino.

Enquanto os santos estavam sendo admitidos, eu estava me perguntando por que eu não era autorizado a fazer o que tinha ido fazer. Eu estava tão impaciente para começar o meu pedido diante de Deus que eu perdi todo o ponto que vi. Este ponto foi tão importante que o próprio Espírito Santo me disse. Vi cinqüenta santos entrarem no Céu, mas o ponto que eu perdi foi o período em questão. Foi-me explicado que ao mesmo tempo em que cinqüenta santos morreram na Terra, outros 1.950 seres humanos também morrem, ou seja, apenas 50 de 2.000 vão para o céu. Pois os outros 1.950 não estavam lá. Onde eles estavam? Essa foi apenas a 2 ½ parte dos que vão para o Céu! 97,5% não foram! É o quanto representaria hoje? Se assim for, 97 ½ por cento da população do mundo hoje não está pronta para se encontrar com Deus. A parte triste, meu amigo, é que é exatamente o representante da Igreja de Laodicéia época em que vivemos hoje. Estamos agora no momento em que a grande maioria dos freqüentadores da igreja são apenas "professos de boca" e não “possuidores de coração."

No início, eu afirmei que não iria tentar convencer ninguém de nada, declarei. No entanto, eu gostaria de oferecer como uma evidência a parábola do semeador contada por Jesus no capítulo treze do livro de Mateus. Se você leu este capítulo com atenção, você vai notar que três em cada quatro pessoas que ouviram o evangelho pregado, o recusaram. Se você observar, isso é cerca de setenta e cinco por cento. Estou dizendo que três em cada quatro pessoas que se preocupam em ouvir o evangelho, recusam-no! A parte triste sobre isso é que a esmagadora maioria das pessoas que se converteram ao evangelho, o abandonam, e não sabem que têm o abandonado! Eles compraram uma mentira de Satanás e foram enganados. Eles foram levados a acreditar em algo que não é a verdade e eles foram enganados por Satanás para rejeitar o evangelho! Coloque as setenta e cinco por cento que rejeitaram o evangelho com aqueles no mundo que não tinham pretensão de ouvir a verdade e você tem as noventa e sete e meio é a metade da população hoje!

Ao contemplar esse fato, agora eu compreendo o nojo do Senhor para com a Igreja do tipo Laodicéia. Eu também compreendi claramente os versículos das Escrituras em Mateus 7:22-23 que descreve quantas pessoas comparecerão diante do trono no dia do Juízo argumentando. "Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitos milagres?”.Apenas para ouvir o decreto do Senhor para com eles," Nunca vos conheci: Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade ... "

Capítulo 10: Um rude despertar.

Meu acompanhante disse-me para ficar ao lado dos portões e apresentar o meu caso. Ele assegurou-me de que Deus ouviria e responderia o meu pedido. Enquanto eu estava diante dos portões, a sensação de alegria, felicidade e contentamento irradiava para fora do céu. Eu podia sentir o calor que é produzido e que eu estava ali para pleitear minha causa. Eu podia sentir o tremendo poder de Deus. Nenhum ser poderia aparecer diante Dele - mesmo separado por um portão de como eu estava - sem experimentar este incrível poder, poder e majestade. No começo eu tinha uma sensação de medo, uma espécie de sentimento de culpa que sempre é produzida em mim quando eu acredito que tenho imposto algo a outros. Com meus olhos da mente, eu podia visualizar apenas um Deus ocupado que ficaria chateado comigo por afastá-Lo de assuntos mais importantes. Então, tão subitamente quanto esse sentimento veio, se foi. Descobri então a força ou a ousadia da minha crença de que eu tinha servido meu Deus fielmente durante muitos anos. Para mim, eu estava convencido de que este meu pedido seria uma pressão!

Corajosamente acheguei-me diante do trono e comecei a lembrar a Deus a grande vida de adoração, amor e sacrifício que eu tinha vivido por Ele. Eu falei a Ele sobre todas as obras que eu tinha feito lembrando-lhe que agora eu estava com problemas e só Ele poderia ajudar, concedendo-me uma extensão da minha vida física. Deus estava totalmente em silêncio enquanto eu falava. Quando eu tinha terminado meu pedido, eu ouvi a voz real e audível de Deus, quando Ele me respondeu.

A voz que ouvi não era como a suave voz que Satanás usou para enganar-me antes no vale. Você pode juntar o barulho de todas as tempestades, vulcões, tornados e furacões e eles não podiam de forma alguma imitar o que eu ouvi. O som da Sua voz não era de nenhuma maneira como a voz suave que eu falei anteriormente. O som da Sua voz desceu dos Portões sobre mim antes mesmo das palavras, e me bateu. O tom da sua ira bateu em meu rosto e Deus passou a dizer-me que tipo de vida que eu tinha vivido. Ele me disse que Ele realmente pensou em mim e até mesmo outras pessoas que viveram como eu vivi. Ele ressaltou que a minha fé era MORTA, que minhas obras NÃO eram ACEITÁVEIS, e que eu tinha trabalhado em VÃO. Ele me disse que era uma abominação, eu ter vivido esse tipo de vida, em seguida ousar chamá-la de uma vida de adoração. Além disso, Ele disse para aqueles que o fazem, que eles estão em perigo de sofrer sua ira eterna. Como Deus tratou comigo, Ele demonstrou a sua ira temporária para comigo. Repare que essa não era a Sua ira eterna. Ele disse que há alguns que experimentarão a Sua ira eterna.

Eu não podia acreditar que Ele estava falando comigo daquela maneira! Eu o tinha servido durante anos! Eu pensei que tinha vivido uma vida agradável a Ele! Quando Ele foi enumerando meus erros, eu tinha certeza de que Ele tinha me confundido com outra pessoa. Não houve força em mim para me mover, menos ainda para protestar, eu estava em pânico dentro de mim. De maneira nenhuma Ele poderia estar falando de mim! Todos esses anos eu pensei que estava fazendo as obras de Deus! Agora Ele estava me dizendo que o que eu fiz, eu fiz para mim mesmo. Mesmo quando eu preguei e testemunhei sobre a graça salvadora de Jesus Cristo, eu estava fazendo isso só por mim para que minha consciência pudesse ser amenizada. Em essência, o meu primeiro amor e os primeiros trabalhos foram para mim. Depois que minhas necessidades e desejos eram satisfeitos ou realizados, a fim de acalmar a minha consciência eu me prestava a fazer a obra do Senhor. Isso fez com que minhas prioridades fossem de ordem inaceitável. Na verdade, eu havia me tornado o meu próprio falso deus.

Ele deixa claro em seus ensinamentos que Ele é um Deus ciumento e não haverá outros deuses diante Dele; de carne, de pedra, sangue ou qualquer outra coisa. Ele não terá outros deuses diante Dele. Deus me disse que Ele não aceitava este tipo de culto no dia dos fariseus e Ele certamente não estava disposto a aceitá-lo agora na era da Igreja de Laodicéia. Ele colocou-me muito claro como as palavras e ações podem fazer isso. A fim de que nossas obras sejam aceitáveis, temos que trabalhar de acordo com sua ordem em Mateus 06:33, que afirma enfaticamente: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas essas outras coisas serão acrescentadas.” Enquanto Deus me disse sobre os meus verdadeiros motivos, o versículo da escritura em Mateus 16:24-26 e Lucas 14:26-33 ficou muito claro para mim. Em Mateus 16, afirma: "Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, NEGUE-SE a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me, para quem quiser salvar a sua vida perdê-la, e quem perder sua vida por minha causa achá-la-á.” Em Lucas 14 começando no versículo 26 está escrito: "Se alguém vem a mim e não aborrece seu pai, e a mãe, esposa e filhos, e irmãos, e irmãs, sim, e também à PRÓPRIA VIDA, ele não pode ser meu discípulo. E quem não toma a sua cruz e me segue, não pode ser meu discípulo. Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se senta primeiro a calcular o custo, se tem com que terminá-lo?” No versículo 23 deste mesmo capítulo, Jesus faz a seguinte afirmação, de que Ele é a pedra angular, duas partes das escrituras já declaram: "Assim, pois, qualquer de vós que não renuncia a tudo o que ele tem, não pode ser meu discípulo”.

Somente agora quando eu estava ali, diante Dele, sendo advertido foi que essas duas porções da Escritura e o seu verdadeiro significado tornam-se absolutamente claras para mim. Por Deus ter falado a mim sobre meus VERDADEIROS MOTIVOS, eu podia ver claramente, pela primeira vez como as MINHAS OBRAS estavam MORTAS. Porque Deus estava mostrando sua ira para comigo, eu não conseguia sequer falar. Nenhuma força restou em mim, eu era nada mais do que um pano de trapo contorcendo-me em agonia. Verdadeiramente, foi uma sorte para mim que isto não era a ira eterna de Deus para comigo, apenas Sua ira temporária. No entanto, naquele momento eu não sabia que isso era apenas temporário.

É preciso observar que em nenhum momento, enquanto Deus estava me advertindo Ele disse que eu não era salvo, nem disse que meu nome não constava no Livro da Vida do Cordeiro. Ele sequer mencionou a salvação para mim, mas falou apenas sobre as obras produzidas pela minha vida. Ele me disse que o tipo de vida que eu vivi foi uma vida inaceitável para um cristão verdadeiro. Assim como Ele me falou das minhas obras mortas, indicou que existem algumas pessoas que não estão salvas, mas pensam que estão. Essas pessoas sentirão Sua ira eterna. Ele também deixou claro para mim que há outros de Seus filhos que vão encontrar-se na minha condição presente no Dia do Juízo. Isto revelou-me o verdadeiro significado de 1 Coríntios 3:15 que afirma: "Se a obra de alguém se queimar, este sofrerá perda, mas ele mesmo será salvo, todavia como pelo fogo".

Não há palavras que possam descrever a dor que eu suportei enquanto a ira de Deus estava sobre mim por esta vida que eu chamava de serviço. A agonia estava além do alcance da imaginação e o remorso que senti produziu um fardo muito pesado semelhante a um peso físico prendendo-me para baixo ou uma pedra enorme me esmagando. Crescendo enfraquecida e mais fraca, minha mente estava correndo freneticamente em um esforço para entender o que o Senhor estava me dizendo e recordando cada incidente real. Deus não deixa espaço para erro e isso inclui tudo o que está em nossas mentes.

A surpresa foi tão avassaladora em sua magnitude, que me tornou insensível. Minha força deixou-me imediatamente, assim como se eu tivesse sido atingido por um raio. Mesmo que Deus tivesse permitido a mim, falar alguma palavra de protesto, eu não teria sido capaz de fazê-lo. Eu não tinha absolutamente nenhuma força para fazer nada. Em minha mente eu estava constantemente NEGANDO o erro em minha vida apesar de reconhecer o fato de que eu o tinha cometido. Minha consciência estava adormecida, mas minha mente NÃO.

Lentamente, tudo começou a ser absorvido por mim. Lembra-se de como a Bíblia nos diz para não ter outros deuses diante de nós? Eu tinha pensado que o Deus Altíssimo era o único Deus da minha vida, mas eu não estava cumprindo com a parte das Escrituras que nos diz que não devemos permitir que nada se interponha entre nós e o Senhor, (seja o que for) para se tornar o nosso "Deus." Percebi que cada dia de minha vida foi dedicada somente para MIM MESMO! Minha vida toda eu estava preocupado PRIMEIRAMENTE com as MINHAS necessidades e somente DEPOIS eu estava preocupado com o que o Senhor queria. O dinheiro para ajudar a igreja, os pobres, ou qualquer outra coisa era secundário, porque eu era o meu PRÓPRIO "deus". Naturalmente, o diabo estava contente em me permitir permanecer nessa condição, porque enquanto eu estava naquela condição, eu era sem qualquer utilidade para o Senhor e Seu reino.

Eu permiti que isso acontecesse, porque eu estava realmente indiferente às coisas do Senhor. Foi muito desconfortável mudar e eu estava convencido de que eu poderia permanecer como estava sem ter que realmente FAZER alguma coisa (como seguir o mandamento do Senhor sobre NEGAR a mim mesmo e pegar a minha cruz de cada dia SEGUI-LO).Por este motivo, minha vida foi desperdiçada, não tendo acrescentado a absolutamente nada aos olhos do Senhor.

Espero que você entenda o que eu estou dizendo porque é o ponto principal deste capítulo. O fato é que precisamos provar que somos realmente cristãos, começando por analisar nossas motivações por trás de cada ação em nossas vidas, e depois nos arrepender e nos comprometer a seguir o Senhor diariamente. Quando decidimos servir-lo em PRIMEIRO lugar, essa decisão deve ser seguida por AÇÃO ou ela será tão inútil quanto se não tivéssemos decidido fazê-lo em primeiro lugar.


Capítulo 11: Meu Pai Real.

Quando Deus estava sobre mim a entrevista terminou tão de repente como seria o desligar de uma torneira. Eu não era permitido ignorar ou mesmo refletir sobre o que Deus disse. Os anjos imediatamente levaram-me como se eu fosse um pano de trapo, sem força em mim. Totalmente aniquilado, eu não poderia mesmo analisar os meus pensamentos.

Os anjos levaram-me de volta através do Segundo Céu, através da parede de dimensão, até o quarto do hospital onde meu corpo estava deitado. Não recuperei minha compostura até que tivesse chegado à cama em que meu corpo estava. Como me recompus, e protestei com veemência: "Não! Não!” Eu disse aos anjos," Deus não me respondeu! Ele não disse sim ou não ao meu pedido! Por favor, oh por favor me levem-me de volta! "Eu pleiteei com os anjos.

Deus é um Deus de ordem e Ele nunca faz nada por acaso. Uma vez que toda essa experiência tinha sido planejada por Deus, os anjos cumpriram com o meu pedido e levaram-me de volta. Deus estava lidando comigo suavemente e carinhosamente por seu grande AMOR, sabendo que era necessária para mim essa experiência, para que as escamas dos meus olhos caíssem.

Durante o tempo que Deus estava mostrando sua indignação em relação a mim, eu pensei que isso era terrível e doloroso. Mais tarde descobri que isso não era nada comparado com a dor que os perdidos enfrentarão ao receber a sua ira eterna.

Durante o caminho de volta ao Terceiro Céu, eu estava fora de mim tentando ver uma razão lógica ou base legítima para pleitear o meu caso. Deus já tinha me dito que minha vida tinha sido um fracasso, portanto, eu não poderia oferecer a minha vida passada, como prova das minhas intenções para servi-Lo. De alguma forma ou de outra, o pensamento de Ezequias veio à minha mente. Quando Deus mandou um recado para ele colocar a casa em ordem, ele chorou e orou e Deus ouviu. Deus estendeu a sua vida por quinze anos. Lembrei-me de meus estudos sobre ele que Ezequias foi o típico "bom- menino- velho", semelhante a mim. Lembrei-me de como ele tinha boas intenções em seu coração, mas como ele tinha problemas em traduzir essas intenções na vida cotidiana. Uma vez que este parecia ser o mesmo tipo de problema que eu tive na minha vida, eu concluí que Deus tratou com Ezequias, baseado nas intenções do seu coração. Devido a essa suposição, conclui este raciocínio seria a base da minha súplica.

Quando cheguei novamente ao Terceiro Céu, eu fui levado ao mesmo lugar onde tinha pleiteado minha causa. Não tão ousado desta vez, me lembrei com antecedência de como a ira de Deus tinha me chocado. No entanto, eu tinha pedido a Deus um favor e Deus não tinha respondido. Querendo a sua resposta, não importasse qual fosse eu timidamente comecei a apelar para o meu caso novamente.

Desta vez, Deus não me derrubou, mas deixou-me falar. Deus não falou comigo com ira, mas começou a me responder em um tom de piedade. Antes de tudo isso, Deus estava falando em tristeza.

Abrindo o meu apelo, citando as escrituras a Deus, comecei por dizer-lhe tudo sobre Ezequias. Eu disse a Deus que eu descobri que Ezequias era o típico "bom- menino- velho", e que as intenções de seu coração eram puras, mas ele parecia ser incapaz de traduzir essas intenções na vida cotidiana. Lá estava eu, um nada insignificante e a menor criatura em todo o Seu universo, trocando palavras com este Deus grande e temível, que havia criado tudo.

Eu disse: "Pai, se você conceder-me esse pedido, eu prometo que farei melhor da próxima vez."

O Senhor respondeu-me desta forma, "Howard Pittman, você já prometeu antes." Deus não precisou dizer nenhuma outra palavra. Lá estavam elas, todas as promessas que eu tinha feito a um Deus santo na minha vida passada inteira. Nenhuma delas permaneceu. De alguma forma, de alguma maneira, eu tinha conseguido quebrar todas elas. Com nada mais a dizer, sem palavras em todo o meu vocabulário, nenhum lugar para ir, eu caí de joelhos diante Dele. Tudo que eu podia dizer era: "Amém" à minha própria condenação. Eu sabia que se naquele momento Deus me banisse para os abismos do inferno, eu teria apenas que dizer "amém" para minha própria condenação.

Naquele momento, Deus não decretou o juízo, mas me mostrou misericórdia. As escamas caíram de meus olhos e minha alma estava subitamente cheia de luz. Esse poderoso, impressionante, Deus Todo-consumidor não era agora tão evidente. Ali naquele trono lidando comigo foi o meu Pai REAL. Deus já não era um Deus distante, mas um real e genuíno pai. A percepção de Ele ser o meu verdadeiro Pai e meu melhor amigo veio a mim pela primeira vez na minha vida. A relação maravilhosa da qual eu tinha beneficiado com o meu pai físico e o maravilhoso amor que nós compartilhamos um para o outro de repente veio à minha mente ampliado mil vezes. Naquele momento eu estava com meu Pai verdadeiro, aquele que me amou tanto que Deus deixou toda a sua criação para lidar comigo, o filho pródigo.

Pela primeira vez na minha vida, eu vi em minha mente quem Deus realmente é. Pela primeira vez, eu conheci a Deus como Deus realmente é: Meu verdadeiro Pai, meu melhor amigo. Como a compreensão de quem é Deus inundou minha alma a tristeza, grande e dolorosa também vieram. A tristeza veio quando eu percebi que através da desobediência eu tinha machucado o meu Pai. Essa percepção da dor e tristeza produziram dor real que não era apenas um sentimento de culpa, mas a dor real semelhante à dor experimentada na carne quando temos um ferimento físico. Neste momento, Deus começou a tratar comigo em tristeza e o tom de Sua voz não expressava mais pena. Em vez disso, o som era de tristeza genuína. De repente percebi que Deus estava machucado também. Deus estava sofrendo porque estava machucado. Sendo um verdadeiro Deus e o tipo de Deus que Deus é, Deus tinha que me permitir sofrer aquela dor e Deus não podia tirá-la de mim. Embora Deus tivesse que me deixar sofrer a dor, Deus não permitiria que eu sofresse sozinho. Deus, o Altíssimo, o mais Supremo, o Criador de tudo, o Pai de todos não me deixou sofrer sozinho.

A essa altura, de repente eu percebi que a minha vida física não era tão importante, afinal. Agora, eu estava realmente preocupado com o que meu Pai queria. Sua vontade de repente se tornou a primeira coisa da minha vida e minha vida física não era mais importante. Isto é, quando Deus me deu de volta a minha vida física. Só quando cheguei a um lugar que minha vida não significava nada para mim, foi que Deus a devolveu para mim. Agora que o filho pródigo voltou, o Pai podia falar finalmente. Deus pôde me dizer o objetivo de toda essa minha viagem ao Céu e que Deus tinha uma mensagem e queria que eu a dissesse às pessoas na Terra.



Capítulo 12: Acorde!

Eu repito agora para você, ponto por ponto a mensagem de todos os cinco pontos que Deus me deu para entregar a esse mundo de hoje.



Ponto número 1: Para aqueles que se dizem cristãos, esta Era em que vivemos é a da Igreja de Laodicéia . Uma grande maioria dos assim chamados cristãos, estão de fato, vivendo uma vida enganados. Eles falam de Jesus e brincam de Igreja, mas não vivem isso. Eles alegam ser cristãos e vivem como o diabo. Eles compraram a grande mentira de Satanás que diz que eles estão bem. Ele lhes diz que já está de bom tamanho ir à igreja no domingo e assistir aos cultos durante a semana, mas, quanto ao resto do tempo, eles estão prontos a obter tudo o que puderem da vida. No que diz respeito a sua vida cristã, eles acreditam que estão confortáveis e não têm necessidade de nada e, como resultado, eles são apenas cristãos mornos se é que são cristãos.

Ponto número dois: Satanás é um demônio pessoal.

Ponto número 3: Para o mundo inteiro, estes são os dias de Noé. Como foi nos dias de Noé, assim será no dia da vinda do filho do homem. Os seres humanos não pensavam no que Noé estava dizendo nem mesmo os humanos acreditaram que alguma coisa estava prestes a mudar. A humanidade podia ver as nuvens de tempestade no horizonte, mas ainda não acreditava que a chuva era iminente. O aviso de hoje é semelhante. A humanidade pode ver todos os sinais dos últimos dias, mas a humanidade não acredita que alguma coisa vá mudar. Ela não acredita na iminente vinda de nosso Senhor e não se preparam para encontrar-se com Deus.

Ponto número 4: Para aqueles que se dizem cristãos, eles deveriam ser embaixadores de Cristo aqui na terra. Uma pessoa não pode ter qualquer testemunho da verdade ou do poder em sua vida, a menos que viva a sua fé cristã em todos os momentos, 24 horas por dia, sete dias por semana. Para ser um verdadeiro cristão é preciso viver, não apenas falar. Honrar a Deus apenas com seus lábios e não com seu coração não é aceitável. Aqueles que aceitam a responsabilidade de ensinar, pregar, ou qualquer papel de liderança tem muito pelo que responder.

Ponto Número 5: Deus está agora no processo de recrutar um Exército com o qual Deus vai sacudir este velho mundo mais uma vez. Ao trabalhar com os seus soldados, Deus irá produzir grandes milagres que irão abalar a hierarquia estabelecida da assim chamada religião organizada neste mundo de hoje. Estes soldados que Deus está recrutando agora vão demonstrar o poder de Deus em maior medida do que fizeram os discípulos na era pentecostal. Agora, o recrutamento começou seriamente, porque Deus está prestes a realizar grandes milagres através de seu Exército que Deus nos prometeu que faria na Bíblia. João Batista trouxe o espírito de Elias para esse mundo e ele nem sabia que o tinha. João negou, mas confessou que Jesus era assim. O propósito desse espírito era endireitar os caminhos da vinda do Senhor.

--------------------------------------------------------------------------------



"O Alfa e o Ômega, a causa de toda a existência do universo estava sofrendo porque um mero filho terreno estava sofrendo. Oh, que amor! Oh compreensão! Foi muito além de qualquer coisa que um simples terráqueo pode entender. Oh, quão precioso é apenas um, pequenino, insignificante filho Terreno é para o Grande Deus "- Howard Pittman”.

Translated by: Rosaine Dalila Scruff




1   2


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal