Plano de Ensino



Baixar 38.66 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho38.66 Kb.


Plano de Ensino




1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO



Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe.
Curso: Fisioterapia.
Professor: Siham Abdel Karim Amer
-Graduação: Bacharel em Fisioterapia – UNICRUZ – CRUZ ALTA – RS.

-Pós-Graduação: Especialização em Ciências da Saúde, com Área de Concentração em Ergonomia – UnC – Concórdia – SC.



-Mestrado em Saúde Coletiva – UNIPLAC - Lages – SC

sihamfisioterapia@hotmail.com, siham@uniarp.edu.br

Período/ Fase: 1º Semestre: 1º Ano: 2011
Disciplina: Anatomia.

Carga Horária: 60 horas/aula
Código: AFSO1






2. EMENTA


  • Introdução ao estudo da anatomia: conceito, nomenclatura, posições e eixos de estudo, planos de estudo.

  • Osteologia: conceitos, estudo dos ossos e acidentes ósseos.

  • Artrologia: Conceitos, tipos de articulações, classificações, elementos articulares, movimentos articulares.

  • Miologia: conceitos, classificações, posições.

  • Ligamentos: classificações, posições, funções.

 

3. OBJETIVO GERAL DA DICIPLINA


Estudar a anatomia em todos os seus aspectos, ressaltando sua importância como base para todos os cursos da área da saúde.



4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA


  • Estudar a história da anatomia; nomenclatura específica; posições e eixos; ossos, artrologia e miologia.

  • Possibilitar o desenvolvimento de uma visão ampla do acadêmico a disciplina de anatomia;

  • Possibilitar a identificação das partes do corpo humano, para aplicação das técnicas adquiridas no decorrer do curso;

  • Reconhecer as partes, para objetivar a real reabilitação aplicabilidade do saber.





5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES


Todas as disciplinas ofertadas no decorrer da grade que exijam o conhecimento das partes e funcionamento, tanto mecânico como fisiológico do corpo humano.


6. HABILIDADES REQUERIDAS E COMPORTAMENTO ESPERADO


  • A capacidade de identificar partes do corpo humano, seus planos, eixos, ossos, músculos, ligamentos e articulações,

  • A capacidade de propor modelos de reabilitação; de ordenar atividades e programas; de proporcionar a total recuperação e ou reintegração na sociedade deste paciente e ou trabalhar as partes do ser humano, adaptando-o no objetivo proposto de cada área.





7. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO





  1. 1 - Introdução

    • A história da Anatomia desde a antiguidade

    • Campos de estudo da Anatomia

2. Nomenclatura Anatômica

3. Posições de Estudo

3.1 Posição Anatômica



    1. Termos de direção

    2. Planos Anatômicos

3.4Cavidades do corpo

4. Sistema esquelético

4.1 Funções do esqueleto

4.2 Classificação dos ossos

4.3 Estrutura do osso

4.4 Desenvolvimento do osso

5. Ossos individuais do esqueleto

5.1 Acidentes ósseos

5.3 Ossos da Cabeça

5.3.1 Abóbada Craniana

5.3.2 Suturas

5.5 Ossos do membro superior

5.5.1 Osso do braço

5.5.2 Ossos do antebraço

5.5.3 Ossos da cintura escapular

5.5.4 Ossos da mão.

5.6 Ossos da coluna vertebral

5.6.1 detalhes identificadores das vértebras específicas

5.7 Caixa torácica

5.7.1 Costelas

5.7.2 Ossos do esterno

6. Articulações

6.1 Articulações fibrosas

6.2 Articulações cartilagenosas

6.3 Articulações sinoviais

6.3.1 Bolsas sinoviais e bainhas dos tendões

6.3.2 Movimento das articulações sinoviais

6.3.3 Tipos de articulações sinoviais.

7. Ligamentos

7.1 Ligamentos de articulações importantes



8. Sistema Muscular

8.1 Tipos de Músculos

8.1.1 Músculo esquelético

8.1.2 Músculo liso

8.1.3 músculo Cardíaco

8.2 Ações musculares

8.3 Músculos da cabeça e do pescoço

8.4 Músculos do tronco

8.5 Músculos dos membros superiores

8.6 Músculos dos membros inferiores







8. ESTRATÉGIAS DE ENSINO

Expor o conteúdo de maneira que facilite e estimule a aprendizagem:




  • Aulas expositivas utilizando quadro, retroprojetor, transcolder;




  • Aulas práticas nos laboratórios de anatomia;

  • Pesquisas bibliográficas com seminários e apresentação de trabalho;

  • Experiências vivenciais.





9. SISTEMA DE AVALIAÇÃO




  • A verificação do rendimento pessoal compreenderá para fins d aprovação o dispo-

sitivo na Resolução CONSUL N. 13, que prevê especificamente em seu art. 6, que o aluno que obtiver na disciplina média igual ou superior a seis durante o período letivo

e assiduidade não inferior a 75% será considerado aprovado.



  • No decorrer do semestre, os alunos terão três momentos para que os conhecimentos adquiridos possam ser analisados (M1, M2 e M3). Esta análise de aprendizagem será feita em grupo e de forma individual, com pesos diferenciados,

conforme especificação a seguir.

  • Assim a especificação se dará da seguinte forma: a constatação de pelo menos 75% de freqüência nas atividades em sala de aula e no aproveitamento de três médias parciais (M1, M2 e M3), conforme dispõe a referida Resolução, nos seguintes termos:

Primeira Média – M1:

- Prova de conhecimento parcial, individual, sem consulta, com uma questão bônus de conhecimentos gerais, valendo 0,5 ponto = Peso 7,5 (75%)

- Trabalho em grupo = Peso 1,5 (1,5%)

- Nota de participação, frequência e produção em sala de aula = Peso 1,0 (10%)



Segunda Média – M2:

- Prova de conhecimento parcial, individual, sem consulta = Peso 8,0 (80%) ( podendo ou não, contemplar o conteúdo anterior)

- Trabalhos em grupo = Peso 1,0 (10%)

- Nota de participação, frequência e produção em sala = Peso 1,0 (10%)



Terceira Média – M3:

- Prova de conhecimento parcial, individual, sem consulta = Peso 7,0 (70%), (contemplando todo o conteúdo ministrado no semestre).

- Trabalhos em grupo = Peso 3,0 (30%)

Observações:


  • As análises de aprendizagem individuais (provas), serão escritas, constituídas de pelo menos 50% de questões discursivas e aplicadas em data previamente marcada;

  • O aluno que se ausentar no dia da realização da prova, só terá direito à prova substitutiva mediante processo administrativo devidamente protocolado e autorizado pela secretaria do aluno, limitando-se a apenas 01 (uma) prova substitutiva no semestre;

  • Os trabalhos devem ser entregues em sala de aula, em documento impresso; caso entregues em atraso, terão a redução de 30% do valor e poderão ser entregues até a próxima aula, não cabendo formas substitutivas para o mesmo;

  • Receberão nota 0 (zero), os trabalhos que apresentarem sinais de cópia, sendo cópia de qualquer natureza; estes serão avaliados com os seguintes critérios de análise: - qualidade de idéias; - uso de convenções; - criatividade e originalidade.




10. BIBLIOGRAFIA



Bibliografia Básica:
CASTRO, Sebastião Vicente. Anatomia Humana. São Paulo: Makron Books, 2005.
DANGELO, José Geraldo. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2000.
SOBOTTA. Atlas de anatomia humana. 20 ed. Atual. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.
Bibliografia Complementar:

ABRAHAMS, P. H., HUTCHINSGS, Ralph T., MARKS, Jr., S. C. Atlas colorido de anatomia humana de Mcminn. 4 ed. 1. Reimp., 2000. São Paulo: Manole, 2000.


DANGELO, José Geraldo. Anatomia humana básica. São Paulo: Atheneu, 1998.

GRAY, Henry. Anatomia. 29 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

KAHLE, Werner. Atlas de anatomia humana: com texto comentado e aplicações em clínica médica e cirurgia. São Paulo: Atheneu, 1998.

KOPF-MAIER, Petra. Wolf-Heidegger. Atlas de anatomia human. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

MCMINN, Robert M. H., HUTCHINGS, Ralk]ph T., LOGAN, Bari M. Atlas colorido de anatomia cabeça e pescoço. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

NETTER, Frank H. Atlas de anatomia humana. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

ROHEN, Johanes W., YOKOCHI, C. Anatomia humana: atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 3. ed. Sao Paulo: Manole, 1993.

ROHEN, Johanes W., YOKOCHI, C., Lütjen- Drecoli, E. Anatomia humana: atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 4. ed. Sao Paulo: Manole, 1998.

SPENCE, Alexander P. Anatomia humana básica. 2 ed. São Paulo: Manole, 1991.

THOMPSON, Clem W. Manual de cinesiologia estrutural. 12 ed. São Paulo: Manole, 1997.



WATANABE, Li-sei. ERHART. Elementos de anatomia humana. 9 ed. São Paulo: Atheneu, 2000.
EIRHED, R. Atlas de anatomia do movimento. São Paulo: Manole, 1986.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal