Perfil epidemiológico das HepatitesBeC no sudoeste do Paraná (8ª Regional de Saúde) no período de 2003 a 2015



Baixar 29.05 Kb.
Encontro22.02.2018
Tamanho29.05 Kb.



Perfil epidemiológico das Hepatites B e C no sudoeste do Paraná (8ª Regional de Saúde) no período de 2003 a 2015
Thayse Fachin Cormanique(PIBIC/Fundação Araucária/Unioeste), Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida(Orientador), e-mail: liraneferreto@uol.com.br

Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Centro de Ciências da Saúde/Francisco Beltrão-PR


Grande área e área: Ciências da Saúde - Medicina
Palavras-chave: Epidemiologia, Hepatite B, Hepatite C, Saúde Pública.
Resumo
As hepatites virais consistem em doenças de notificação compulsória e apresentam grande importância socialmente devido à elevada prevalência. Analisar o perfil epidemiológico dos casos confirmados de hepatites B e C notificados na Vigilância Epidemiologia da 8ª Regional de Saúde de Francisco Beltrão, PR, no período entre 2003 a maio de 2015. Estudo ecológico em que os resultados foram analisados através do teste do qui-quadrado. Resultados: Observou-se 1.706 casos confirmados de hepatite B e 95 de hepatite C. Houve predominância do sexo masculino entre os casos de ambas as hepatites, com significância estatística. A faixa etária de 30 a 39 anos foi a que apresentou maior prevalência de hepatite B (28%) e hepatite C (31,6%). A transmissão do vírus B ocorreu principalmente por via sexual e domiciliar (30,4%), enquanto o vírus C foi transmitido predominantemente por UDI e transfusional (26,1%). Apesar dos avanços e conquistas com a melhora do monitoramento das doenças de notificação compulsória, observa-se que o perfil epidemiológico dos pacientes foi semelhante aos disponíveis na literatura cientifica, destacando-se a necessidade de investimento em ações de orientação, detecção e rastreamento para o controle da evolução das hepatites virais.
Introdução
As hepatites B e C são problemas de saúde pública mundial. Isso porque consistem em doenças com altas chances de cronicidade e alto potencial evolutivo para complicações. Estima-se que cerca de 3% da população mundial tiveram contato e estão infectados com o vírus da hepatite C (HCV) (Brandão e Silva, 2001), estando propensas a desenvolver as complicações dessa doença, como hepatocarcinoma e cirrose hepática, de acordo com a World Health Organization (WHO) (Voigt et al, 2010). Já com relação à Hepatite B, estima-se que 5% da população mundial sejam portadores do vírus causador dessa doença (HBV) e ainda que um milhão de pessoas morram anualmente pela doença hepática crônica (Zatti et al, 2013). O Sul do Brasil ocupa o terceiro lugar nos valores de incidência para Hepatite C (Voigt et al, 2010) e possui a maior incidência de Hepatite B do País desde 2002 (Pudelco et al, 2014). Dentro dessa Região, destaca-se o Sudoeste do Paraná, que é uma área endêmica para Hepatite B, apresentando altos índices para a doença (Voigt et al, 2010). O objetivo da pesquisa foi de analisar o perfil epidemiológico dos casos confirmados de hepatites pelos vírus B e C notificados no SINAN da área de abrangência dos municípios da 8ª Regional de Saúde de Francisco Beltrão, Paraná, no período de 2003 a 2015.
Materiais e Métodos
Este estudo foi realizado por meio da análise de dados obtidos pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no período de 2003 a 2015, devido à disponibilidade de dados. Foram investigados os dados registrados pela ficha do SINAN disponibilizados no Setor de Vigilância Epidemiológica da 8ª Regional de Saúde de Francisco Beltrão, referente aos 27 municípios da Regional. Os dados obtidos foram analisados aplicando-se o teste do qui-quadrado (χ²), a fim de comparar as proporções encontradas entre as hepatites dos tipos B e C, no programa estatístico SPSS. A presente pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Seres Humanos da UNIOESTE, sob parecer n° 861.944, de 29 de outubro de 2014.
Resultados e Discussão
Ao total foram confirmados 1.801 casos de hepatite B e C na 8ª Regional de Saúde de Francisco Beltrão – PR, sendo que 94,7% foram de hepatite B. Da amostra analisada, 52,7% das notificações eram do sexo masculino, apresentando uma média de idade de 40 anos ± 13,10 anos. Identificou-se um maior percentual de homens (58,5% para B e 52,1% para C) do que mulheres portando os vírus das hepatites, o que muito provavelmente está relacionado com o fato de os homens apresentarem maior comportamento sexual de risco em relação às mulheres (Cruzeiro et al, 2010; Vieira et al, 2000). Com relação à raça, 83% dos portadores do HCV e 90,2% (p>0,04) dos indivíduos notificados com Hepatite B são da cor branca, o que é confirmado por Tanno e Fay (2005), cujo estudo mostra que a infecção pelo VHB tem sido mais frequente em brancos e pardos na América Latina. Analisando o grau de escolaridade dos indivíduos notificados, identificou-se que 58,5% dos indivíduos com Hepatite C e 61,25% dos indivíduos com Hepatite B possuem menos de oito anos de escolaridade, não apresentando significância estatística.

A hepatite B, na presente investigação, afeta significativamente a faixa etária da população mais jovem, visto que 20,2% dos casos confirmados encontram-se na faixa de 0 a 29 anos, enquanto os casos de HCV encontram-se na população acima de 20 anos. A faixa etária de 30 a 39 anos foi a que apresentou maior prevalência de hepatite B (28%) e hepatite C (31,6%). Observa-se que 70,3% dos casos de hepatite B encontram-se entre 20 a 49 anos, dado que pode ser atribuído a dois fatores, à endemicidade da região e à implantação da vacina da hepatite B somente a partir de 1998. Destaca-se o percentual de 0,6% da amostra, diagnosticada com hepatite B, na faixa etária de 0 a 9 anos. Esses números preocupam, visto que demostram que houve ineficiência do sistema público de saúde em monitorar as mães positivas para hepatite B, ocorrendo a transmissão vertical, e que houve ainda ineficiência da imunoprofilaxia imediatamente após o nascimento, com a administração da vacina e imunoglobulina, que reduziria em 90% dos casos de infecção neonatal pelo VHB (Conceição et.al., 2009). Segundo Martins, Narciso-Schiavon e Shiavon (2010), os padrões epidemiológicos de transmissão do HCV, como no caso da presente pesquisa, aproximam-se de um padrão em que há maior preva­lência do HCV na população entre 30 e 39 anos e menor prevalência nas pessoas abaixo de 20 e acima de 50 anos, ou seja, isso pode indicar que a transmissão de HCV tenha ocorrido em um passado recente, aproximadamente entre 10 e 30 anos. Estatisticamente, estar institucionalizado representa 4,98 vezes maior risco de adquirir hepatites virais (IC95%) OR=5,98 (3,62-9,87).



Tabela 1 – Distribuição de HBV e HCV, segundo a provável fonte de infecção, nos municípios da 8ª Regional de Saúde, no período de 2003-2015.

Fonte de infecção

Hepatite B

%

Hepatite C

%

Sexual

UDI


Transfusional/hemodiálise

Vertical


Acidente de trabalho

Domiciliar

Tratamento cirúrgico/dentário

Outros


Ignorado

266

05

14



91

01

193



79

59

805



17,6

0,3


0,9

6,0


0,1

12,8


5,2

3,9


53,2

08

12

11



--

--

06



01

01

49



9,1

13,6


12,5

--

--



6,8

1,1


1,1

55,7


Total

1513

100

88

100

Fonte: Sinan, 2015.










Na tabela 1, é possível identificar que a primeira via de infecção para hepatite B foi a sexual, seguida da domiciliar. A primeira ocorre em decorrência das relações sexuais desprotegidas e em pessoas com múltiplos parceiros (Brasil, 2005) e a segunda ocorre devido ao compartilhamento de escovas de dente, lâminas de barbear e navalhas. No caso da hepatite C, a principal via de infecção foi o uso de drogas injetáveis, seguida da via transfusional, que pode ter ocorrido por causa de doadores que obtiveram resultados falso-negativos, causados pela janela imunológica, ou por hemofílicos e hemodialisados que adquiriram a infecção antes da adoção de medidas preventivas, que somente ocorreu após 1993. A análise dos dados apresentados mostra que a notificação das hepatites ainda é bastante incompleta, haja vista a grande quantidade de dados epidemiológicos ignorados ou lançados de maneira incorreta. No presente estudo, 184 casos de hepatite B e seis casos de hepatite C foram classificados com a fonte de infecção pessoa/pessoa ou alimento/água contaminada. O diagnóstico foi confirmado por critério laboratorial em 77,6% dos casos de hepatite B e 13,8% dos casos de hepatite C. A confirmação clínica-epidemiológica correspondeu a 0,05% e 77,6% dos casos, respectivamente. Identificou-se pelo critério da cicatriz sorológica 22,3% dos casos de hepatite B e 9,6% dos casos de hepatite C não foram confirmados por nenhum diagnóstico.
Conclusões
Apesar dos avanços conquistas com a melhora do monitoramento das doenças de notificação compulsória, observa-se que o perfil epidemiológico dos pacientes foi semelhante aos disponíveis na literatura científica, destacando-se a necessidade de investimento em ações de orientação, detecção e rastreamento para o controle da evolução das hepatites virais.
Agradecimentos
À 8ª Regional de Saúde do Estado do Paraná, pela gentileza e colaboração com a pesquisa, fornecendo-nos os dados, e à Fundação Araucária, pelo patrocínio financeiro que possibilitou a realização desse estudo.
Referências
Brandão, A. B. M., Silva, M. A. A. et al. (2001). Diagnostico da Hepatite C na prática medica. Rev. Panam Saúde Pública, Washington, v. 9, n. 3.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de aconselhamento em hepatites virais / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2005.
Conceição, Joseni Santos da et al . Conhecimento dos obstetras sobre a transmissão vertical da hepatite B. Arq. Gastroenterol.,  São Paulo ,  v. 46, n. 1, p. 57-61, Mar.  2009.  
Cruzeiro, A. L. S. et al. (2010) Comportamento sexual de risco: fatores associados ao número de parceiros sexuais e ao uso de preservativo em adolescentes. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, p. 1149-1158.
Martins, T.; Narciso-Schiavon, J.L.; Schiavon, L.de L. Epidemiologia da infecção pelo vírus da hepatite C. Rev Assoc Med Bras 2011; 57(1):107-112.



: eventos -> eaicti -> eaictiAnais -> arquivos
arquivos -> Avaliação do efeito da clorexidina e do hipoclorito de sódio na cimentação adesiva de pinos – estudo in vitro
arquivos -> Análise clinicopatológica de tumores malignos de glândula salivar provenientes de uma casuística de Cascavel (PR) diagnosticados entre os anos de 2001 a 2015
arquivos -> Análise morfométrica dos tecidos gengivais de ratos castrados e com periodontite experimental
arquivos -> Eletrodo de hidroxiapatita para determinação de matéria orgânica
arquivos -> Aplicabilidade da acupuntura auricular no controle da dor, depressão e incapacidade em pacientes portadores de disfunção temporomandibular
arquivos -> Avaliação clínica comparativa entre duas técnicas cirúrgicas para recobrimento radicular em classes I e II de Miller
arquivos -> Análise do conhecimento a respeito da psiconeuroimunologia e do uso da abordagem holística pelos enfermeiros do município de Foz do Iguaçu-pr na prática diária
arquivos -> Estudo morfométrico do plexo submucoso do jejuno de ratos em modelo experimental de câncer tumor de Walker-256
arquivos -> Avaliação da compactação do solo em sistema semeadura direta submetido ao trafego de conjuntos de transbordos graneleiros
arquivos -> Cateter central de inserção periférica: análise do uso na unidade de tratamento intensivo neonatal do Hospital Universitário do Oeste do Paraná




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal