Pequeno glossário de termos de saúde pública



Baixar 118.38 Kb.
Página1/2
Encontro16.04.2018
Tamanho118.38 Kb.
  1   2

PEQUENO GLOSSÁRIO DE TERMOS DE SAÚDE PÚBLICA

Autor: CLARISVAN DO COUTO GONÇALVES

Ações de Saúde - A expressão ações e serviços de saúde é o Titulo II, Capitulo I, da Lei 8.080/90. Os artigos e 5° fazem menção às "ações e serviços de saúde" sem, entretanto apresentar uma definição e principalmente seu alcance. Esta imprecisão suscitou ao longo do tempo de existência do Sistema Único de Saúde polêmicas, pois, seria a partir de tal definição que se estabeleceria o planejamento do Sistema e seriam alocados os recursos. Em 03 de agosto de 2000 o Tribunal de Contas da União proferiu decisão que teve como Ministro Relator Humberto Guimarães Souto que contém o seguinte teor:

"Decisão


O Tribunal Pleno, diante das razões expostas pelo Relator.

DECIDE: firmar entendimento no sentido que o termo "demais ações de saúde", contido no parágrafo único do art. 20 da Lei nº 8.142/90, refere-se ás ações de promoção, proteção e recuperação da saúde inseridas no campo de atuação do Sistema Único de Saúde, conforme as disposições dos art. 196 e 198, II, da Carta Magna, do inciso III do art. 5° da Lei nº 8.080/90, bem como aquelas ações constantes do art. 200 da Constituição Federal c/c o art. 6° da Lei 8080/90".

O princípio da integralidade das ações e serviços de saúde, sob o prisma da horizontalidade: não se deve separar ações de promoção, proteção e recuperação, mas sim integrá-las e oferecê-las à população de forma igual e universal. CF 198 II (16) Atividades preventivas, sem prejuízo das assistenciais. Nesse item, rompe-se uma outra prática prejudicial ao sistema de saúde e que imperou durante décadas. A famosa dicotomia entre prevenção e assistência. Marcador teórico do sistema de saúde, sob gestão diversa, em que os serviços previdenciários de saúde se dedicavam mais às ações curativas e MS, Estados e Municípios, mais às ações preventivas. Lei 8.080, 5 III (27) A demanda da população geralmente é por serviços assistenciais que respondem às suas necessidades sentidas. Procedimentos de promoção e prevenção à saúde nem sempre são buscados. Vacinas e outros procedimentos preventivos, em menor volume, só são buscados atendendo ao forte apelo promocional por se constituírem, na maioria das vezes, em necessidades não sentidas.

Ações de promoção e proteção à saúde:

a. promoção: educação em saúde, bons padrões de alimentação e nutrição, adoção de estilos de vida saudáveis, uso adequado e desenvolvimento de aptidões e capacidades, aconselhamentos específicos, como os de cunho genético e sexual.

b. proteção: vigilância epidemiológica, vacinações, saneamento básico, vigilância sanitária, exames médicos e odontológicos periódicos, entre outros.

Ações de recuperação da saúde abrangem: diagnóstico e tratamento de doenças, acidentes e danos de toda natureza, a limitação da invalidez e a reabilitação, com as ações:

- consultas médicas e odontológicas, a vacinação, o atendimento de enfermagem, exames diagnósticos e o tratamento, inclusive em regime de internação, e em todos os níveis de complexidade.

Programas de saúde: programas dirigidos a uma população-alvo mais exposta a riscos na sua saúde, por exemplo, menores de um ano, gestantes, idosos e outros, dependendo do seu nível social e características epidemiológicas de cada região.

 

Alta complexidade - Os serviços de Média e Alta complexidade são encontrados em instituições hospitalares e ambulatoriais e a assistência a população é prestada em serviços na área de abrangência dos municípios ou referenciado para outros centros, de acordo com os preceitos constitucionais do Sistema Único de Saúde, envolvendo pronto atendimento, Urgência e Emergência, atendimentos especializados, internação e apoio diagnóstico, através de laboratórios e imagenologia.

O fluxo dos serviços se dará diretamente aos serviços quando se tratar de casos de traumas que coloquem em risco a vida, e através de encaminhamentos realizados pelas Unidades Básicas ou outro serviço, quando após avaliação clínica foi constatado a necessidade de avaliação e ou tratamento especializado.

Atenção de Alta Complexidade em Saúde

1- Procedimentos Cadastrados pelas Secretarias estaduais:

• Patologia Clínica

• Radiodiagnóstico

• Hemodinâmica

• Terapia Renal Substitutiva

• Ressonância Magnética

Medicina Nuclear

• Tomografia Computadorizada

• Radiologia Intervencionista

• TRS

2- Procedimentos que devem ser cadastrados no Ministério da Saúde/SGSAC:



• U.T.I.

• Gastroplastia

• Queimados

• Cardiologia

• Oncologia

• Lesões Lábio-Palatais

• Ortopedia

• Neurocirurgia

• Epilepsia

• Implante Coclear

3- Fluxo de Cadastramento

4- Como se cadastrar como prestador nos Sistemas de Alta Complexidade:

a. Verifique a normatização específica para o seu tipo de serviço, providenciando a documentação comprobatória de atendimento aos requisitos específicos para a área. Ex.: UTI, portaria 3432, de 12.08.98 e demais.

b. Formalize seu pedido junto à Secretaria Municipal ou Estadual, conforme o tipo de gestão do SUS na sua região.

(texto extraído do site http://www.sespa.pa.gov.br, em 23 de agosto de 2003)

 

Atenção Básica - É o primeiro nível de atenção em saúde a ser ofertado por todos os municípios, com qualidade e suficiência para sua população. Contempla o conjunto de ações estratégicas mínimas, necessárias para a atenção adequada aos problemas de saúde mais freqüentes na maior parte do território brasileiro.



Piso de Atenção Básica – PAB

Implantado em 1997, consiste em um montante de recursos financeiros destinados, exclusivamente, ao financiamento das ações de atenção básica à saúde. Ampliado em 2001, pela Norma Operacional de Assistência à Saúde — NOAS, o Piso de Atenção Básica Ampliado — PAB-A financia um elenco maior de procedimentos integrados, destinados à cobertura das ações básicas, de prevenção de doenças, assistência ambulatorial, e das ações correlacionadas aos programas descentralizados pelo Ministério da Saúde.

O Piso de Atenção Básica é composto de uma parte fixa de recursos (PAB Fixo) destinados à assistência básica, e de uma parte variável (PAB Variável), relativa a incentivos para o desenvolvimento dos programas executados nesse nível de atenção. Os recursos correspondentes à parte fixa são obtidos pela multiplicação de um valor per capita nacional pela população de cada município e são transferidos direta e automaticamente do Fundo Nacional de Saúde para os Fundos Municipais correspondentes.

O PAB-A Fixo, prevê a remuneração per capita das ações estratégicas mínimas de atenção básica previstas no Anexo 1 da NOAS — SUS, em todo o território nacional. Contemplam, além das ações previstas na Norma Operacional Básica - NOB, responsabilidades e atividades de:

- controle da Tuberculose;

- eliminação da Hanseníase;

- controle da Hipertensão;

- controle do Diabetes Melitus;

- ações de saúde bucal;

- ações de saúde da criança;

- ações de saúde da mulher.

O PAB Variável, por sua vez, remunera direta e automaticamente, estados e municípios habilitados à execução de ações previstas em programas e incentivos do Ministério da Saúde, de acordo com regulamentação especifica.

Contemplam:

- Ações Básicas de Vigilância Sanitária;

- Assistência Farmacêutica Básica;

- Programa de Agentes Comunitários de Saúde — PACS;

- Programa de Saúde da Família — PSF.

Autorização de Internação Hospitalar - O Sistema de Autorização de Internação Hospitalar é a forma pela qual são remunerados os prestadores de serviços de saúde no Brasil. Este sistema consiste em montar uma tabela de pagamentos (em geral organizada por diagnóstico, como os Diagnosis Related Groups - DRG’s americanos) que remunera cada um dos componentes que compõe o custo médio da intervenção médica necessária para aquele diagnóstico.

Até 1983 o Brasil remunerava os prestadores através de um sistema de pagamento por unidade de serviço (free for service). A mudança desse sistema para o sistema de remuneração por autorização de internação hospitalar (AIH) correspondeu a uma evolução do conceito de controle de custos em saúde no Brasil. A idéia básica seria fazer com que os serviços fossem remunerados segundo seus custos de produção.

No entanto, tal fato não ocorreu, uma vez que os reajustes passaram a ser feitos de acordo com necessidades políticas. Assim, as corporações médicas mais fortes eram aquelas que conseguiam melhor remuneração para seus serviços, independente de existir uma evidência estatística em termos de custos. A forte inflação que marcou a economia brasileira durante quase todos os anos 80 e parte dos 90 impedia que houvessem pesquisas atualizadas e aceitáveis sobre custos dos procedimentos. (por André Cezar Medici).

 

Autorização de Procedimento de Alta Complexidade/Custo – APAC - A finalidade desse documento é autorizar a realização de Procedimentos Ambulatoriais de Alta Complexidade/Custo e os, considerados de monitoramento estratégico.

Este documento somente pode ser utilizado pelos órgãos autorizadores responsáveis pela emissão da APAC.

Número de Vias e Destino

A APAC-I/Formulário será emitida em 02 (duas) vias destinadas a:

•1ª Via: anexada ao prontuário médico do paciente na UPS com Serviço de Diálise. Quando for autorizado o fornecimento de medicamentos excepcionais. ficará arquivada no Serviço de Farmácia da Unidade Pública.

• 2ª via: arquivada no órgão autorizador.



Orientações de Preenchimento dos Campos da APAC-I

NÚMERO DA APAC: Campo pré-impresso composto de 10 (dez) seqüenciais numéricos e 1 (um) dígito verificador.

NOME DO PACIENTE: Preencher com o nome completo do paciente. Preencher com o nome completo do paciente.

CPF DO PACIENTE: Preencher com o número do CPF do paciente.

SOLICITAÇAO:

NOME DA UNIDADE SOLICITANTE: Preencher com o nome da Unidade que solicitou a APAC.

CÓDIGO: Preencher com o código estabelecido para a Unidade, na ocasião do cadastramento.

CPF DO MÉDICO SOLICITANTE: Preencher com o número do CPF do médico que solicitou a APAC-l.

NOME DO MÉDICO SOLICITANTE: Preencher com o nome completo do médico que solicitou a APAC-I.

AUTORIZAÇAO:

PROCEDIMENTO/MEDICAMENTO(S) AUTORIZADO(S): Informar o nome do procedimento ou nome genérico do medicamento e seu respectivo CÓDIGO de acordo com a ‘Tabela de Procedimentos do SFA!SUS". ÓRGÂO AUTORIZADOR: Preencher com o nome do órgão autorizador. Preencher com o nome do órgão autorizador.

CÓDIGO: Preencher com o código do órgão autorizador. Preencher com o código do órgão autorizador.

NOME DA UNIDADE PRESTADORA DE SERVIÇO: Preencher com o nome da UPS onde será realizado o tratamento do paciente ou o nome da Unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento. Preencher com o nome da UPS onde será realizado o tratamento do paciente ou o nome da Unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento.

CGC: Preencher com o número do CGC da UPS aonde será realizado o tratamento do paciente ou o número do CCC da unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento. Preencher com o número do CGC da UPS aonde será realizado o tratamento do paciente ou o número do CCC da unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento.

CODIGO: Preencher com o código da UPS aonde será realizado o tratamento do paciente ou o código da Unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento. Preencher com o código da UPS aonde será realizado o tratamento do paciente ou o código da Unidade com Serviço de Farmácia que dispensará o medicamento.

PERIODO DE VALIDADE: Informar as datas (DIA/MES/ANO) de início e fim do período de validade da APAC (DIA, MES E ANO de inicio e fim da validade da APAC).

CPF DO MEDICO AUTORIZADOR: Preencher com o número do CPF do médico responsável pela autorização do procedimento/medicamento(s).

ASSINATURA E CARIMBO: Assinatura e carimbo do médico autorizador.

 

Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde – CNES - O Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde foi instituído pela Portaria MS/SAS 376, de 03 de outubro de 2000, publicada no Diário Oficial da União de 04 de outubro de 2000. Após acordo na Comissão Intergestores Tripartite a PT 376 permaneceu em consulta pública até dezembro de 2000. Com a incorporação das sugestões recebidas dos gestores estaduais e municipais do SUS e da sociedade em geral, editou-se em 29/12/2000 a PT/SAS 511/2000 que passa a normatizar o processo de cadastramento em todo Território Nacional.

O Sistema representa um desejo há muito aspirado por todos que utilizam as informações de saúde como base para elaboração do seu trabalho, tanto no aspecto operacional quanto gerencial. visto que os dados cadastrais se constituem um dos pontos fundamentais para a elaboração da programação, controle e avaliação da assistência hospitalar e ambulatorial no pais, assim como a garantia da correspondência entre a capacidade operacional das entidades vinculadas ao SUS e o pagamento pelos serviços prestados.

É um gigantesco empreendimento no sentido de adquirir o conhecimento efetivo de como está formado o universo de estabelecimentos que cuidam da saúde da nossa população, desde nos grandes centros, até nas mais longínquas localidades, tornando visível esse cenário a toda sociedade, fortalecendo o controle social.

O Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde - CNES contou para sua elaboração, com diversas fontes de consulta e experiências que foram fundamentais em sua conformação fina. Dentre as quais pode-se destacar:

- Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária – 1998 - do IBGE;

- Formulários do Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS;

- Formulários do Sistema de Informações Hospitalares do SUS;

- Formulários dos Sistemas de Autorização de APAC’s;

- Formulários do Cartão Nacional de Saúde;

- Contribuições de Técnicos e Instituições afins (PT/GM/MS 277/2000);

- Sugestões recebidas de Gestores e da sociedade em geral.

A elaboração do novo modelo de cadastro leve como base às necessidades dos Gestores no tocante aos Sistemas de Informações do SUS, a Pesquisa de Assistência Médica Sanitária de 1998 do IBGE (com acréscimos efetuados naqueles formulários).

A FCES criada pela PT/GM/MS 1890/97 e PTISAS 33/98, visando ampliar as informações de ambos instrumentos para a gestão do Sistema Contou, ainda, com a contribuição de técnicos de diversas instiruiç3es, conforme PT/GM/MS 2 77/2000.

O cadastro compreende o conhecimento dos Estabelecimentos de Saúde nos aspectos de Área Física. Recursos Humanos. Equipamentos e Serviços Ambulatoriais e Hospitalares. E base para o Cartão Nacional de Saúde dos profissionais que executam ações e ou serviços de Saúde pelo SUS no pais.

Abrange a totalidade dos Hospitais existentes no país, assim como a totalidade dos estabelecimentos ambulatoriais vinculados ao SUS e, ainda, os Estabelecimentos de Saúde ambulatoriais não vinculados ao SUS, estes últimos a serem cadastrados em duas etapas:

a) Obrigatoriamente nesta fase: Os Estabelecimentos privados que executem serviços de Patologia Clínica, Radiologia, Terapia Renal Substitutiva, Radioterapia, Quimioterapia, Hemoterapia, Ressonância Magnética, Medicina Nuclear, Radiologia Intervencionista e Tomografia Computadorizada.

b) Em cronograma estabelecido pelos Gestores Estaduais e Municipais. os demais estabelecimentos ambulatoriais.

 

Estabelecimentos de Saúde (ES) - Denominação dada a qualquer local destinado a realização de ações e/ou serviços de saúde, coletiva ou individual, qualquer que seja o seu porte ou nível de complexidade. Para efeito deste cadastro, o Estabelecimento de Saúde poderá ser tanto um hospital de grande porte, quanto uni consultório médico isolado ou, ainda, uma Unidade de Vigilância Sanitária ou Epidemiológica.



O cadastramento prevê as etapas, a saber:

1ª - Fornecimento da informação através do preenchimento dos formulários por parte do responsável pelo Estabelecimento de Saúde (internet, disquetes, formulário...). Esta etapa será utilizada de modo opcional pelo Gestor responsável pelo cadastramento, o qual deverá orientar os estabelecimentos localizados em seu território, sobre esta decisão;

2ª - Verificação "in loco" de competência do gestor, validando as informações prestadas pelos Estabelecimentos de Saúde;

3ª - Encaminhamento dos dados pelo Gestor ao DATASUS que incluirá a unidade no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde;

4ª - Certificação do processo de cadastramento do Estado, sob responsabilidade do Ministério da Saúde.

As FCES, além de serem enviadas ao Banco de Dados em meio magnético, devem ser arquivadas no Estabelecimento de Saúde e no Departamento, Serviço ou Seção de Controle e Avaliação dos Gestores, devidamente assinadas por funcionários responsáveis pela equipe de cadastramento, unidade e Gestores Públicos, aos quais o estabelecimento está vinculado no sistema de saúde, pois são documentos oficiais do Sistema.

A SAS disponibiliza os seguintes endereços em sua página na Internet:

• www.saude.gov.br

• www.saude.gov.br/sas

• www3.saude.gov.br/mweb/home/sas.htm

Nestes sites poderão ser encontradas informações relativas ao processo de cadastramento, além do e-mail: cgca@saude.gov.br", cgca@saude.gov.br para esclarecimentos de questões relativas ao presente cadastramento, de forma a oferecer maior segurança aos responsáveis pelos Estabelecimentos de Saúde e Gestores quanto ao preenchimento dos formulários.

O cadastramento dos estabelecimentos de saúde está consubstanciado nos seguintes atos legais, dentre outros:



PT/MEC 375/91- Estabelece conceituações para os Hospitais de Ensino de todo o território nacional.

PT/GM 1.890/97- Determina a atualização do Cadastro de Unidades Hospitalares, Ambulatoriais e Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia (SADT).

PT/SAS 33/98- Determina a atualização do Cadastro de Unidades Hospitalares, Ambulatoriais e Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia do Sistema Único de Saúde.

PT/GM 3.947/98 - Compatibilização das atividades profissionais no SUS com a Classificação Brasileira de Ocupações - CBO.

IN/SRF/STN/SFC 04/97 - Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições.

IN/SRF 200/2002 - Os procedimentos relativos ao Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) observarão o disposto nesta Instrução Normativa.

Anexo I - Orientações de Caráter Geral;

Anexo II - Instruções de Preenchimento;

Anexo III - Modelo de Ficha de Cancelamento de Inscrição;

Anexo IV - Documento Básico de Entrada no CNPJ.

IN/SRF 028/99 - Introduz alterações na IN/SRF 04/97, que dispõe sobre a retenção de impostos e contribuições.

PT/SAS 35/99 - Visa adequar as diretrizes do SIASUS e redefine os instrumentos/documentos a serem utilizados pelo sistema.

PT/SAS 376/2000 - Aprova a Ficha Cadastral dos Estabelecimentos de Saúde - FCES e o Manual de Preenchimento, bem como a criação do Banco de Dados Nacional de Estabelecimentos de Saúde.

PT/SAS 403/2000 - Cria o Código Nacional de Estabelecimentos de Saúde.

PT/SFJSAS 31/2000 - Inclui na Tabela de Procedimentos do SIA SUS procedimentos destinados a co-financiar as atividades de cadastramento a serem efetuadas pelos Gestores do SUS.

PT/SAS 511/2000 - Revoga a PT/SAS 376/2000 e aprova a Ficha Cadastral de Estabelecimentos de Saúde - FCES, o Manual de Preenchimento, bem como a criação do Banco de Dados Nacional de Estabelecimentos de Saúde (após consulta pública). Republicação da Portaria PT/SAS 511/2000

Republicação da Portaria PT/SAS 511/2000



PT/SAS 576/2001 - Estabelece até 28 de fevereiro de 2002, o prazo para exportação, pelos Gestores ao DATASUS, dos dados cadastrais dos Estabelecimentos de Saúde em seu território, sem o que não se processará a certificação do cadastro pela Organização Pan-Americana de Saúde/OPAS/OMS.

(texto extraído do site http://cnes.datasus.gov.br, em 16 de setembro de 2003).

 

Comissão Intergestores Bipartite - A CIB, composta igualmente de forma paritária, é integrada por representação da Secretaria Estadual de Saúde (SES) e do Conselho Estadual de Secretários Municipais de Saúde (COSEMS) ou órgão equivalente. Um dos representantes dos municípios é o Secretário de Saúde da Capital. A Bipartite pode operar com subcomissões regionais. As conclusões das negociações pactuadas na CIT e na CIB são formalizadas em ato próprio do gestor respectivo. Aquelas referentes a matérias de competência dos Conselhos de Saúde, definidas por força da Lei Orgânica, da NOB/96 ou de resolução específica dos respectivos Conselhos são submetidas previamente a estes para aprovação. As demais resoluções devem ser encaminhadas, no prazo máximo de 15 dias decorridos de sua publicação, para conhecimento, avaliação e eventual recurso da parte que se julgar prejudicada, inclusive no que se refere á habilitação dos estados e municípios ás condições de gestão desta Norma.

 

Comissão Intergestores Tripartite - A CIT é composta, paritariamente, por representação do Ministério da Saúde (MS), do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS) e do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS). As conclusões das negociações pactuadas na CIT são formalizadas em ato próprio do gestor respectivo. Aquelas referentes a matérias de competência dos Conselhos de Saúde, definidas por força da Lei Orgânica, da NOB/96 ou de resolução especifica dos respectivos Conselhos são submetidas previamente a estes para aprovação. As demais resoluções devem ser encaminhadas, no prazo máximo de 15 dias decorridos de sua publicação, para conhecimento, avaliação e eventual recurso da parte que se julgar prejudicada, inclusive no que se refere à habilitação dos estados e municípios às condições de gestão desta Norma.

 

Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde - CONASEMS - As principais características do CONASEMS podem ser encontradas no seu estatuto que dispõe:

"Art. 1°- O CONSELHO NACIONAL DE SECRETARIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE - CONASEMS - é uma entidade civil de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, de duração indeterminada, com sede e foro em Brasília - DE, regendo-se pelo presente Estatuto e normas complementares.

Art. 2°- O CONASEMS tem por finalidades: lutar pela autonomia dos municípios; congregar os dirigentes dos serviços municipais de saúde, funcionando como órgão permanente de intercâmbio de experiências e informações de seus membros; participar das políticas de saúde no âmbito nacional e, atuar de todas as formas para a elevação do nível de saúde da população.

Parágrafo único - Para a consecução de suas finalidades, o CONASEMS se propõe a atuar principalmente em três linhas de ação:

Ação Política: Representa os Secretários Municipais de Saúde em todos os fóruns de negociação e deliberação no âmbito do Setor Saúde;

Apoio Técnico: Contribui com os municípios no sentido de buscar estratégias direcionadas para o aperfeiçoamento da gestão do Sistema Municipal de Saúde, através do intercâmbio de informações e cooperação técnica;

Parcerias com instituições nacionais e internacionais".

 

Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS - Natureza: O CONASS é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, que se pauta pelos princípios que regem o direito público, e que congrega os Secretários e seus substitutos legais, enquanto gestores oficiais das Secretarias de Estado da Saúde, dos Estados e Distrito Federa. Tem sede e foro na Capital da República.



Finalidades, Competências e Linhas de Ação: funcionar como órgão permanente de intercâmbio de experiências e informações de seus membros; implementar os princípios e diretrizes Constitucionais e da legislação complementar, no desenvolvimento das ações e serviços de saúde; promover o pleno exercício das responsabilidades das Secretarias de Saúde, na política de saúde, junto aos órgãos do Governo Federal e Municipal, do poder legislativo e das entidades da sociedade; diligenciar no sentido de que as Secretarias de Saúde dos Estados e Distrito Federal participem da formulação e tomada de decisões que digam respeito ao desenvolvimento dos Sistemas de Saúde nas Unidades Federadas, em conjunto com o Ministério da Saúde; assegurar às Secretarias Municipais de Saúde ou órgãos municipais equivalentes, através da direção do Conselho ou Associação de Secretários Municipais de Saúde de cada unidade federada, a participação em todas as decisões que digam respeito ao desenvolvimento dos sistemas municipais ou intermunicipais de saúde; encaminhar aos órgãos competentes propostas para equacionar os problemas da área de saúde em todo território nacional; estimular e intercambiar experiências quanto ao funcionamento dos Conselhos de Saúde; promover estudos e propor soluções aos problemas relativos ao desenvolvimento da área da saúde: orientar e promover a realização de congressos, conferências, seminários e outros encontros tendentes ao aperfeiçoamento das atividades do setor saúde; manter intercâmbio com órgãos e entidades nacionais e estrangeiras de interesse para o setor saúde.

Data de Criação: 03 de fevereiro de 1982.

Mandato da Diretoria: Anual.

Forma de escolha da Presidência: Eleição em Assembléia.

Forma de organização do Conselho: Assembléia.

Composição:

• Presidência Nacional e quatro Vices

• Coordenações Regionais

• Câmaras Técnicas

• Secretaria Executiva

(Dados extraídos do site http://www.conass.com.br)

 

Ministério da Saúde - Muito embora a história da Saúde Pública Brasileira tenha início em 1808, o Ministério da Saúde só veio a ser instituído no dia 25 de julho de 1953, com a Lei n° 1.920, que desdobrou o então Ministério da Educação e Saúde em dois ministérios: Saúde e Educação e Cultura. A partir da sua criação, o Ministério passou a encarregar-se, especificamente, das atividades até então de responsabilidade do Departamento Nacional de Saúde (DNS) mantendo a mesma estrutura que, na época, não era suficiente para dar ao órgão governamental o perfil de Secretaria de Estado, apropriado para atender aos importantes problemas da saúde pública existentes. Na verdade, o Ministério limitava-se a ação legal e a mera divisão das atividades de saúde e educação, antes incorporadas num só ministério. Mesmo sendo a principal unidade administrativa de ação sanitária direta do Governo, essa função continuava, ainda, distribuída por vários ministérios e autarquias, com pulverização de recursos financeiros e dispersão do pessoal técnico, ficando alguns vinculados a órgãos de administração direta, outros às autarquias e fundações.

Três anos após a criação do Ministério, em 1956, surge o Departamento Nacional de Endemias Rurais, que tinha como finalidade organizar e executar os serviços de investigação e de combate à malária, leishmaniose, doença de Chagas, peste, brucelose, febre amarela e outras endemias existentes no país, de acordo com as conveniências técnicas e administrativas.

O Instituto Oswaldo Cruz preservava sua condição de órgão de investigação, pesquisa e produção de vacinas. A Escola Nacional de Saúde Pública incumbia-se da formação e aperfeiçoamento de pessoal e o antigo Serviço Especial de Saúde Pública atuava no campo da demonstração de técnicas sanitárias e serviços de emergência a necessitarem de pronta mobilização, sem prejuízo de sua ação executiva direta, no campo do saneamento e da assistência médico-sanitária aos estados.

No inicio dos anos 60, a desigualdade social, marcada pela baixa renda per capita e a alta concentração de riquezas, ganha dimensão no discurso dos sanitaristas em torno das relações entre saúde e desenvolvimento. O planejamento de metas de crescimento e de melhorias, conduziu o que alguns pesquisadores intitularam como a grande panacéia dos anos 60 - o planejamento global e o planejamento em saúde. As propostas para adequar os serviços de saúde pública à realidade diagnosticada pelos sanitaristas desenvolvimentistas tiveram marcos importantes, como a formulação da Política Nacional de Saúde na gestão do então ministro, Estácio Souto-Maior, em 1961, com o objetivo de redefinir a identidade do Ministério da Saúde e colocá-lo em sintonia com os avanços verificados na esfera econômico-social.

Outro marco da história da saúde no âmbito ministerial ocorreu em 1963, com a realização da III Conferência Nacional da Saúde (CNS), convocada pelo ministro Wilson Fadul, árduo defensor da tese de municipalização. A Conferência propunha a reordenação dos serviços de assistência médico-sanitária e alinhamentos gerais para determinar uma nova divisão das atribuições e responsabilidades entre os níveis político-administrativos da Federação visando, sobretudo, a municipalização.

Em 1964, os militares assumem o governo e Raymundo de Brito firma-se como ministro da saúde e reitera o propósito de incorporar ao MS a assistência médica da Previdência Social, dentro da proposta de fixar um Plano Nacional de Saúde segundo as diretrizes da III Conferência Nacional de Saúde.

Com a implantação da Reforma Administrativa Federal, em 25 de fevereiro de 1967, ficou estabelecido que o Ministério da Saúde seria o responsável pela formulação e coordenação da Política Nacional de Saúde, que até então não havia saído do papel. Ficaram as seguintes áreas de competência: política nacional de saúde; atividades médicas e paramédicas: ação preventiva em geral, vigilância sanitária de fronteiras e de portos marítimos, fluviais e aéreos: controle de drogas, medicamentos e alimentos e pesquisa médico-sanitária.

Ao longo destes quase cinqüenta anos de existência, o Ministério da Saúde passou por diversas reformas na estrutura. Destaca-se a reforma de 1974, na qual as Secretarias de Saúde e de Assistência Médica foram englobadas, passando a constituir a Secretaria Nacional de Saúde, para reforçar o conceito de que não existia dicotomia entre Saúde Pública e Assistência Médica. No mesmo ano, a Superintendência de Campanhas de Saúde Pública - SUCAM -passa à subordinação direta do Ministro do Estado, para possibilitar-lhe maior flexibilidade técnica e administrativa, elevando-se a órgão de primeira linha. Foram criadas as Coordenadorias de Saúde, compreendendo cinco regiões: Amazônia, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste, ficando as Delegacias Federais de Saúde compreendidas nessas áreas subordinadas às mesmas. As Delegacias Federais de Saúde deixavam, assim, de integrar órgãos de primeira linha. E criada também, a Coordenadoria de Comunicação Social como órgão de assistência direta e imediata do Ministro de Estado e instituído o Conselho de Prevenção Antitóxico, como órgão colegiado, diretamente subordinado ao Ministro de Estado.

É função do Ministério da Saúde dispor de todas as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, reduzindo as enfermidades, controlando as doenças endêmicas e parasitárias, melhorando a vigilância à saúde e dando qualidade de vida ao brasileiro.

São por causa destas atribuições que o Ministério da Saúde impõe-se o desafio de garantir o direito do cidadão ao atendimento à saúde e prover condições para que esse direito esteja ao alcance da população, independente da condição social de cada um.

A Constituição Federal de 1988 deu um importante passo na garantia do direito à saúde com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS). Seus princípios apontam para a democratização nas ações e nos serviços de saúde que deixam de ser restritos e passam a ser universais, da mesma forma, deixam de ser centralizados e passam a nortearem-se pela descentralização. Ou seja, o objetivo é capacitar os municípios a assumir suas responsabilidades e prerrogativas diante do SUS, bem como desenvolver ações que dêem prioridade à prevenção e à promoção da saúde.

Nem sempre é possível ao município executar sozinho todos os serviços de saúde. Pequenos municípios carecem de recursos humanos, financeiros e materiais, e sua população é insuficiente para manter um hospital ou serviços especializados. Por isso, a descentralização dos serviços implica também em sua regionalização. Num país imenso como o nosso, para evitar desperdícios e duplicações faz-se necessário organizar os serviços, visando dar acesso a todos os tipos de atendimento.

Em 1990, o Congresso Nacional aprovou a Lei Orgânica da Saúde, que detalha o funcionamento do SUS. Foram mudanças profundas na Saúde Pública brasileira que exigiram, para sua implantação e funcionamento, o aprimoramento do sistema de informação em saúde. Em suma, compete ao Ministério da Saúde:

a) política nacional de saúde;

b) coordenação e fiscalização do Sistema Único de Saúde;

e) saúde ambiental e ações de promoção, proteção e recuperação da saúde individual e coletiva, inclusive a dos trabalhadores e dos índios;

d) informações de saúde;

e) insumos críticos para a saúde;

f) ação preventiva em geral, vigilância e controle sanitário de fronteiras e de portos marítimos, fluviais e aéreos;

g) vigilância de saúde, especialmente drogas, medicamentos e alimentos;

h) pesquisa científica e tecnologia na área de saúde.

 

Norma Operacional Básica - O Ministério da Saúde adotou as Normas Operacionais Básicas (NOB) como instrumento tático para regulação do processo de descentralização e para definição dos instrumentos de repasse de recursos financeiros entre a União e os estados e municípios. e do respectivo acompanhamento. A primeira NOR, emitida em 1991, teve como característica básica a transformação dos serviços de natureza pública, tanto estaduais quanto municipais, em prestadores ressarcidos conforme a produção, igualando-os àqueles de natureza privada e filantrópica. Mas introduziu, também, o relacionamento direto do Ministério da Saúde com as Secretarias Municipais de Saúde através de "convênios de municipalização", estimulando a disseminação dos requisitos - Fundo e Conselho Municipais de Saúde -previstos para repasse de recursos financeiros na Lei 8.142/90, e que, ao final de 1982, já estavam presentes em cerca de 2.000 municípios.



"A NOB-92 apenas deu continuidade à NOB-91. Não trouxe grandes modificações. Foi solicitada a contribuição de várias pessoas. no sentido de aprimorá-la. Mas os óbices e ilegalidades maiores continuariam, intocáveis. Municipalistas chamados a contribuir usaram a expressão.’ ‘estamos enfeitando a corda do enforcamento". A expressão era utilizada, pois discordavam da essência, ainda que chamados a contribuir no periférico. A contribuição de modificação na NOB-91 para 92 foi periférica. O âmago persistiu intocável. Não pela má-fé ou f’alta de vontade direta dos responsáveis maiores, nem da equipe. A resultante das várias forças envolvidas na época era na sentido de conter a descentralização". (Gilson Carvalho, Financiamento Federal Para a Saúde — 1988-2001, Tese de Doutorada, apresentada ao departamento de saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo para a obtenção do Grau e Doutor em Saúde Pública. SP, 2002, pg.69)

No entanto, o processo de descentralização para os municípios alcança maior potencial de indução a partir da edição da Norma Operacional Básica 01/93, que "regulamenta o processo de descentralização da gestão dos serviços no âmbito do Sistema Único de Saúde e estabelece os mecanismos de financiamento das ações de saúde, em particular da assistência hospitalar e ambulatorial e diretrizes para os investimentos no setor"

A NOB 01/93, além de outras definições, estabeleceu três diferentes condições de gestão para os municípios: incipiente, parcial e semi-plena. Na condição de gestão semi-plena, forma mais avançada de descentralização do SUS, os municípios assumem o controle total da gestão do sistema de saúde, incluindo definição de políticas, execução, acompanhamento, controle e avaliação no âmbito de seus territórios. Assim, compete às Secretarias/Departamentos Municipais de Saúde:

a) assumir a completa responsabilidade sobre a gestão da prestação de serviços: planejamento, cadastramento, contratação, controle e pagamento de prestadores ambulatoriais e hospitalares, públicos e privados;

b) assumir o gerenciamento de toda a rede pública existente no município, exceto unidades hospitalares de referência sob gestão estadual;

c) assumir a execução e controle das ações de saúde, nutrição, vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e de saúde do trabalhador (vigilância de ambientes e processos de trabalho, assistência e reabilitação do acidentado do trabalho).

Na condição de gestão semi-plena, o município passa a receber mensalmente, por transferência fundo a fundo, o total dos recursos financeiros para custeio correspondentes ao teto ambulatorial e hospitalar estabelecido.

Devido ao grande número de municípios e à diversidade de realidades locais a descentralização vem ocorrendo de forma gradual, heterogênea, conflituosa e inovadora, porém singularmente diferente da municipalização concebida em 1991.

Em 1994 apenas 24 municípios assumiram a condição de gestão semi-plena no pais.

Em 1996 esse número era de 137 num universo de aproximadamente 5.000 municípios, incluindo as capitais de II estados, com uma cobertura de 16% da população do país e utilizando 23% dos recursos do Fundo Nacional de Saúde destinados à assistência.



"A NOB-94 nunca saiu do papel na realidade. (...) Esse anteprojeto foi discutido pela equipe técnica do Ministério da Saúde, na Comissão Intergestores Tripartite. Quando chegou no Ministério da Fazenda (...) para discussão do aporte de recursos, o projeto não foi aprovado" (Gilson Carvalho, Financiamento Federal Para a Saúde — 1988-2001, Tese de Doutorada, apresentada ao departamento de saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo para a obtenção do Grau e Doutor em Saúde Pública, SP, 2002, pg.97)

 

Norma Operacional de Assistência à Saúde - Portaria n0 373 de 27 de fevereiro de 2002 - NOAS/SUS/2002.

Art. 1° Aprovar, na forma do Anexo desta Portaria, a Norma Operacional da Assistência à Saúde NOAS-SUS 01/2002 que amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; estabelece o processo de regionalização como estratégia de hierarquização dos serviços de saúde e da busca de maior equidade;, cria mecanismos para o fortalecimento da capacidade de gestão do Sistema Unico de Saúde e procede à atualização dos critérios de habilitação de estados e municípios.

Objetivos:

Buscar a equidade melhorando o acesso aos serviços;

Promover a integralidade das ações na lógica da hierarquização e regionalização;

Buscar a organização dos sistemas de saúde em todos os níveis de atenção.



Estratégias:

Regionalização e Organização da Assistência:

Fortalecimento da Capacidade de Gestão do SUS;

Revisão dos Critérios de Habilitação



Regionalização:

Elaboração do Plano Diretor de Regionalização:

Ampliação da Atenção Básica;

Qualificação das Microrregiões na Assistência à Saúde;

Organização da Média Complexidade;

Política para a Alta Complexidade.



Conteúdo do Plano de Regionalização:

organização do território estadual em regiões e microrregiões de saúde:

identificação das prioridades de intervenção em cada região microrregião:

instrumento do plano diretor de investimentos,

inserção e definição do papel do municípios nas microrregiões de saúde, com identificação dos municípios sede, de sua área de abrangência e dos fluxos de referência.

Região/Microrregião de Saúde:

Base territorial de planejamento definida no âmbito estadual, de acordo com as características e estratégias de regionalização de cada estado; pode compreender um ou mais módulos assistenciais.

 

Organização Pan-Americana da Saúde - A Organização Pan-Americana da Saúde é um organismo internacional de saúde pública com um século de experiência, dedicado a melhorar as condições de saúde dos países das Américas. Ela também atua como Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde para as Américas e faz parte dos sistemas da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Organização das Nações Unidas (ONU). Técnicos e cientistas de vários países do mundo estão vinculados à OPAS. São eles que promovem a transferência de tecnologia e a difusão do conhecimento acumulado através de experiências produzidas nos Estados Membros da OPAS/OMS.

A OPAS coopera, através desses técnicos e cientistas, com os governos para melhorar políticas e serviços públicos de saúde, estimulando o trabalho em conjunto com os países, para alcançar metas comuns como iniciativas sanitárias multilaterais, de acordo com as decisões dos governos que fazem parte do corpo diretivo da Organização.

A organização funcional da Representação no Brasil foi construída a partir de dois eixos convergentes, que articulam a visão interprogramática da cooperação técnica no país.

No eixo horizontal estão ordenadas as áreas temáticas relacionadas às grandes dimensões da saúde:

- Promoção da Saúde,

- Prevenção e Controle de Doenças,

- Saúde Ambiental

- Serviços de Saúde

No eixo vertical estão relacionados as cinco áreas temáticas orientadas para os processos de produção da saúde:

a) Apoio à Formulação de Políticas de Saúde

b) Informação para Decisão

e) Formação, Gestão e Regulamentação de Recursos Humanos

d) Avaliação de Tecnologia de Saúde

e) Promoção da Investigação e Desenvolvimento de Metodologias

O Comitê de Gestão da Cooperação Técnica, presidido pelo Representante e integrado pelo chefe da Administração e pelos coordenadores das nove áreas temáticas aglutinadas em projetos de cooperação, é responsável pela condução do processo de cooperação. O comitê também avalia novas iniciativas e promove a integralidade do trabalho da Representação.

Trabalho

A OPAS contribui para o fortalecimento do setor saúde nos países para que os programas prioritários sejam executados e para que sejam utilizados enfoques multisetoriais e integrais de saúde.

As atividades da OPAS são dirigidas à busca da eqüidade nas ações que beneficiem grupos mais vulneráveis, em especial, as mães e as crianças, os trabalhadores, os mais pobres, os mais velhos, os refugiados e os desabrigados. A OPAS propõe e apóia campanhas para erradicar ou eliminar doenças transmissíveis, a exemplo do que aconteceu com a varíola em 1973. Mais tarde, em 1985, os países das América decidiram ter como missão erradicar a poliomielite, meta que foi alcançada e ratificada em 1994.

A Organização coopera com os países nos preparativos para situações de emergência e na coordenação de socorro em casos de desastres, bem como no controle à doenças transmissíveis como malária, chagas, raiva urbana, lepra e outras que afetam a população americana.

Um grande esforço é empreendido para deter epidemias como a de cólera, através da elaboração de planos nacionais de emergência e de planos regionais de investimentos em meio ambiente e saúde.

A OPAS trabalha para reduzir a mortalidade e a morbidade por doenças diarréicas promovendo o atendimento aos casos e a reidratação oral, divulgando também o diagnóstico adequado e o tratamento das infecções respiratórias agudas.

Outro campo de colaboração com os países é relacionado com a provisão de água potável, saneamento e proteção ambiental ás comunidades pobres, para reduzir as enfermidades associadas com a má qualidade da água e deterioração do meio-ambiente.

Os problemas nutricionais e a redução dos riscos de saúde ocupacional na região, também integram o trabalho de cooperação da OPAS com os países.

A Organização colabora para acelerar a promoção de estilos de vida saudáveis, prevenindo os problemas de saúde típicos do desenvolvimento e da urbanização, como as enfermidades cardiovasculares, câncer, diabetes, acidentes de trânsito, fumo, drogas é alcoolismo. Ela utiliza tecnologias modernas de comunicação e atividades de informação, educação e promoção de saúde.

São desenvolvidos também programas destinados a melhorar a saúde da mulher e sua integração à sociedade, assim como sua importância em relação aos serviços de saúde como cliente e como provedora do atendimento.

A OPAS executa projetos em conjunto com outros organismos e fundos do sistema das Nações Unidas, os bancos de desenvolvimento (Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento) e diversos governos e fundações filantrópicas.

Ela reconhece que as organizações privadas, com ou sem fins lucrativos, contribuem para o atendimento à saúde, promovendo o diálogo entre a sociedade, estas instituições e os ministérios da saúde.

A Organização cumpre a importante função de facilitar a capacitação de trabalhadores de saúde por meio de bolsas, cursos, seminários e fortalecimento de instituições docentes nacionais, e tem um programa de publicações que difunde informações técnicas e cientificas, além de uma rede de bibliotecas académicas, centros de documentação e bibliotecas locais especializadas em saúde.

(texto extraído do site http://opas/or.br, em 14 de setembro de 2003)

 

Organização Mundial da Saúde - Num restaurante em São Francisco, Estado Unidos, estavam três médicos: um chinês, um norueguês e um brasileiro.

Em entrevista publicada na site da OMS, Dr. Sze lembra como a idéia meio maluca, surgida durante um almoço informal entre os três únicos médicos presentes na conferência - ele, o brasileiro Geraldo de Paula Souza e o norueguês Karl Evang - tornou-se realidade.

"Por que não criamos uma nova organização de saúde?", perguntou o Dr. Evang. Meio céticos a principio, os outros dois acabaram contagiados pelo entusiasmo do norueguês e resolveram agir.

A proposta não era para criar apenas mais uma organização de saúde, como outras que já existiam, mas para estabelecer uma única organização mundial de saúde. Não seria fácil juntar as diversas e tão diferentes organizações existentes na época, mas isso seria um problema a ser resolvido posteriormente. Em primeiro lugar, era preciso ‘vender a idéia’ à conferência, convocada para tratar da criação da ONU e cuja tumultuada agenda não permitia brechas para se tratar de questões de saúde. As dificuldades quase tomaram a missão impossível e o desânimo tomou conta do grupo, principalmente quando o Dr. Evang precisou retomar à Noruega antes da conferência terminar.

Quando tudo parecia acabado, uma nova expectativa surgiu, a partir de uma idéia do Dr. Paulo Souza: "Por que não propomos que a palavra ‘saúde’ seja inserida na constituição da ONU?". Na cabeça dos médicos, isso certamente abriria espaço para discussões sobre o tema e obrigaria a ONU a criar a organização de saúde. A delegação brasileira cumpriu seu pape! e conseguiu aprovar a proposta que inseria o termo na Constituição da Organização das Nações Unidas.

O passo foi decisivo, mas não bastava. Era preciso convocar outra conferencia para tratar especificamente da tão sonhada organização e não havia tempo hábil para uma resolução da assembléia sobre o assunto. Mais uma vez, a solução do problema surgiu de onde menos se esperava. Durante um jantar, Dr. Zse comentou com o Secretário Geral da Conferência, Sr Alger Hiss, e perguntou o que poderia ser feito. A resposta veio na hora: "E muito simples. Em vez de apresentar uma resolução, faça uma declaração". Assim foi feito e uma declaração conjunta dos governos brasileiro e chinês, aprovada por unanimidade pela Conferência, obrigou a ONU a assumir definitivamente a criação de um órgão que tratasse da saúde em nível mundial.

A esperada conferência Sanitária Internacional acabou ocorrendo entrel9 a 22 de junho de 1946, em NY, com a participação de representantes de 61 países. Nela foi traçado o primeiro esboço da constituição da organização, assinado em 22 de julho do mesmo ano e que entrou em vigor no dia 7 de abril de 1948, data oficial da fundação da OMS.

(Matéria extraída da TEMA - publicação da Fundação Oswaldo Cruz - Editada pelo Programa Radis)

 




  1   2


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal