Paulo ganem souto



Baixar 3.67 Mb.
Página9/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   58

Marasmo

Kwashiorkor Marasmático


Encaminhar com relatório para internamento em unidade de referência

Kwashiorkor




STATUS NUTRICIONAL DA CRIANÇA E OUTROS GRUPOS POPULACIONAIS – DESNUTRIÇÃO/CONTINUAÇÃO


FONTES DE NUTRIENTES:
Vitamina A: Leite materno, fígado, ovos, óleo de peixe, vegetais folhosos, legumes e frutas amareladas e/ou verdes escuros.
Vitamina D: Fígado, leite, óleo de peixe, sardinha, atum, salmão.
Vitamina E: Óleos vegetais, manteigas, gema de ovo.
Vitamina K: Fígado, gema de ovo, óleos vegetais, leite de vaca, vegetais folhosos verde-escuros.
Complexo B: Carnes vermelhas, fígado, legumes, levedo de cerveja, cereais integrais, leite de vaca, gema de ovo, queijo, germe de trigo, miúdos, brócolis, batata, couve-flor, tomate, amendoim.
Vitamina C: Frutas (acerola, goiaba, laranja, maracujá, abacaxi, tomate, limão), batata, pimentão, vegetais folhosos.
Cálcio: leite, iogurte, queijo, ovos, brócolis, couve.
Fósforo: Carnes vermelhas, aves e peixe, ovos, leguminosas, nozes e amêndoas, castanhas.
Potássio: Frutas (banana, laranja, maçã, melão), verduras de folha, batata.
Cloro: Carnes vermelhas , aves e peixe, espinafre, cenoura, sal de cozinha.
Magnésio: Vegetais folhosos verde-escuros e legumes, frutas (figo e maçã), cereais integrais, nozes e amendoim.
Ferro: Carnes vermelhas, fígado, miúdos, gema de ovo, leguminosas, vegetais folhosos verde-escuros, frutas secas.
Zinco: Carnes vermelhas, aves e peixe, fígado, frutos do mar, ovos, cereais integrais, lentilha e germe de trigo.



STATUS NUTRICIONAL DA CRIANÇA E OUTROS GRUPOS POPULACIONAIS - OBESIDADE

EPIDEMIOLOGIA:

No Brasil, estima-se que 20% das crianças sejam obesas e que cerca de 32% da população adulta apresentem algum grau de excesso de peso, sendo 25% casos mais graves. A obesidade é um problema sério em todas as regiões do país, mas a situação é ainda mais crítica no Sul. De acordo com dados da PNSN de 1989, a prevalência de obesidade em brasileiros com mais de 18 anos de idade é de 28%, no caso dos homens, e de 38% no caso das mulheres.




CAUSAS:

Fatores genéticos, endocrinopatias, sedentarismo, dieta excessiva e desequilibrada.


CONSEQÜÊNCIAS:

Apnéia do sono, acidente vascular cerebral, fertilidade reduzida em homens e mulheres, hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemias, doenças cardiovasculares, cálculo biliar, aterosclerose, vários tipos de câncer, como o de mama, útero, próstata e intestino; doenças pulmonares, problemas ortopédicos e gota.



CLASSIFICAÇÃO


Existem diversas maneiras de classificar e diagnosticar a obesidade. Uma das mais utilizadas atualmente baseia-se na gravidade do excesso de peso, o que se faz através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC ou Índice de Quetelet), utilizando-se a seguinte fórmula: IMC = Peso atual (kg) / altura2 ( m2 )
O IMC não é indicado crianças e adolescentes porque passam por rápidas alterações corporais decorrentes do crescimento. A rede pública de saúde usa o “cartão da criança” para verificar a adequação da altura e do peso até os 5 anos de idade. A classificação a seguir mostra os diferentes graus de obesidade em adultos:
CLASSIFICAÇÃO IMC
Baixo peso Menor que 18,5

Normal sobrepeso maior que 25 18,5 – 24,9

Pré-obeso 25 – 29,9

Obeso I 30 – 34,9

Obeso II 35 – 39,9

Obeso III Maior que 40


RELAÇÃO CINTURA/QUADRIL (RCQ) – Este indicador afere a localização da gordura corporal. Em adultos, o padrão de distribuição do tecido adiposo tem relação direta com o risco de morbi-mortalidade.
RELAÇÃO CINTURA/QUADRIL RICO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES

RCQ > 1 Para homens

RCQ >0,85 Para mulheres

STATUS NUTRICIONAL DA CRIANÇA E OUTROS GRUPOS POPULACIONAIS – OBESIDADE/ CONTINUAÇÃO

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA OBESIDADE:

O usuário deve ser orientado a preferir uma dieta pobre em gordura e em colesterol e rica em frutas e verduras; Moderar as quantidades de açúcares e sal;


Beber, no mínimo, oito copos de água por dia entre as refeições; Estabelecer horários fixos para se alimentar; Dividir a alimentação em cinco ou seis refeições, reduzindo a quantidade consumida em cada uma delas; Preparar o prato com toda a quantidade de alimentos a ser consumida, para ter o controle da quantidade que vai comer.
Toda a família deve participar do processo de educação alimentar. A recomendação vale, especialmente quando se trata de mudar os hábitos das crianças, pois elas se espelham nos adultos. Convém prestar atenção nos produtos vendidos nas lanchonetes das escolas, pois a maioria não apresenta valor nutritivo, sendo apenas fonte de gorduras e calorias extras.
Atividade física é a melhor maneira de controlar o peso é a combinação de dieta com exercícios físicos e não apenas um ou outro. O ideal é fazer um pouco de atividade física todos os dias, ou pelo menos três vezes por semana. Recomenda-se avaliação clínica antes do início da programação das atividades físicas.
Encaminhar para os centros de referência os casos de obesidade mórbida – obeso III (IMC > 40)


AÇÕES INTERSETORIAIS:

  • Articular a participação de outros setores municipais em projetos que tenham como principal objetivo de promover à saúde e prevenir a obesidade;

  • Utilizar meios de comunicação disponíveis para facilitar o acesso de todas as camadas sociais às informações sobre alimentação saudável.



AMAMENTAÇÃO




A Organização Mundial de Saúde preconiza o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida com manutenção até 02 anos de idade ou mais e introdução de alimentação complementar oportuna a partir do 6ºmês de vida.




1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal