Paulo ganem souto



Baixar 3.67 Mb.
Página19/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   58

AVALIAÇÃO CLÍNICA


Identificação/caracterização dos fatores de risco e sinais de alerta para câncer de próstata

  • Encaminhar com relatório para avaliação especializada – urologista – acompanhamento concomitante na UBS

  • Caso a UBS/profissionais estejam habilitados e capacitados a realizar avaliação urológica: fazer toque retal + solicitação de PSA (antígeno prostático específico)

  • Orientar retorno após resultado do PSA.

PSA < 4, 0 ng/dl ;

Ao toque retal próstata normal



PSA > 4, 0 ng/dl e/ou alteração do toque retal e/ou fatores de riscos aumentados

Monitoramento anual na UBS/USF



Solicitar USG transretal da próstata e encaminhar ao serviço especializado / urologia com relatório;

Manter acompanhamento concomitante na UBS.



OBSERVAÇÃO




  • Para realização de o PSA orientar :

- não realizar atividade sexual, não andar a cavalo ou bicicleta durante os 5 dias que antecedem a dosagem sanguínea;




  • Só realizar o PSA 5 dias após o toque retal e/ou realização de USG transretal da próstata;




  • Não necessita de jejum;






ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE LEUCEMIA


Queixa: palidez, sangramentos, febre, infecções de repetição, dor óssea.



Exame físico: palidez, adenopatia, petéquias, equimoses, aumento do baço e figado.

Anemia (normocromica, normocítica), diminuição de plaquetas, aumento oudiminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos


Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório




Hemograma com plaquetas

Rx de torax

Aumento/ alargamento do mediastino







CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO

Dor abdominal recidivante e/ou massa abdominal palpável


Aumento do baço e fígado aumento dos gânglios



  • Massa abdominal isolada com ou sem dor

  • Sintomas gastrointestinal ou geniturinário

  • Cushing

  • Feminização

  • Virilização

Hemograma com plaquetas sorologias (cmv, EBV, rubéola, toxoplasmose)

Raio x abdomen pa/perfil

USG abdominal



Anemia, aumento de plaquetas, aumento ou diminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos

Neoplasia intra-abdominal?


Encaminhar para unidade de referência de infectologia com relatório


A
Infecção por cmv, EBV, rubéola, toxoplasmose)?

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório




Tumor intra-abdominal
Tumor retro-peritonial

Sorologias positivas (IGM)


BORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM MASSA ABDOMINAL

CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO


ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE LESÃO ÓSSEA





  • Raio x local

  • Hemograma com plaquetas

  • Vhs, fosf. alcalina

Dor óssea (de repouso, crônica, localizada), aumento do volume local, impotência funcional, sinais inflamatórios ou fratura patológica.



Lesão óssea única, localizada, bem delimitada.

Rarefação óssea associada a sintomas gerais (febre, aumento dos gânglios, aumento do baço e fígado

Lesão lítica com reação periosteal ou lesão esclerozante

Lesão lítica sem reação periosteal com ou sem sintomas gerais

Lesão benigna ?

Anemia, aumento de plaquetas, aumento ou diminuição de leucócitos, Neutropenia presença de blastos

Tumor ósseo maligno ?

Neoplasia óssea?

Encaminhar para o serviço de ortopedia com relatório

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório



CÂNCER INFANTIL / CONTINUAÇÃO

ABORDAGEM SINDRÔMICA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE COM SUSPEITA DE TUMOR DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL



  • Sinais aumento da pressão intra-craniana (cefaléia, vômitos sem pródromos, papiledema), sem febre




  • Sinais neurológicos de localização / déficit motor




  • Paralisia de nervos cranianos




  • Alteração da marcha (ataxia)






Tumor do sistema nervoso central ?

Encaminhar para um centro de diagnóstico e tratamento do câncer infanto-juvenil com relatório



ANEMIA FALCIFORME

Doença falciforme: Termo genérico para caracterizar um grupo de desordens genéticas, em que existe o predomínio de hemoglobina S, capaz de alterar a forma da hemácia (em foice ou falcização). Compreende as Hb SC, S talassemias, SD entre outras ou seja existe heterozigose com presença de Hb S.
Anemia falciforme: Patologia apresentada por portadores da hemoglobina SS caracterizada por hemácias em forma de foice, e como conseqüências a maior adesão dessas hemácias nos vasos sanguíneos, causando obstrução (crises dolorosas, edema de mãos e pés), maior tendência à hemólise casando palidez e icterícia, além de maior probabilidade de adquirir infecções. Homozigose paraH b S.
Traço falciforme: Caracteriza indivíduos portadores de um gene normal para hemoglobina (HbA) e outro anormal (HbS).São assintomáticos na maioria dos casos. Não são indicadas profilaxia infecciosa e terapia com folatos. Filhos de duas pessoas com traço falciforme podem nascer com anemia falciforme, daí a importância de fazer a eletroforese do parceiro.


O TESTE DO PEZINHO É IMPORTNTE PARA A DETECÇÃO PRECOCE:

  • ANEMIA FALCIFORME;

  • FENILCETONÚRIA;

  • HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO.


Principais sintomas: Variam de indivíduo para indivíduo. Os sintoma costumam aparecer após os seis meses de idade.

Crises de dor: Freqüente nos ossos e articulações. Tem duração variável e geralmente estão associadas ao tempo frio, infecções, período pré-menstrual, problemas emocionais, gravidez ou desidratação.

Icterícia: Sinal freqüente da doença. Diagnóstico diferencial com hepatite.

Síndrome mão-pé: Ocorre em crianças pequenas, causando inchaço, dor e eritema em mãos e pés, pode ser o primeiro sinal da doença.

Infecções: Maior predisposição nos portadores de doença falciforme, principalmente pneumonias e meningite. Devem ser dados vacinas especiais para prevenir as complicações (vide tabela em anexo).

Úlcera de perna: Geralmente próxima aos tornozelos, a partir da adolescência.Podem levar anos para cicatrização completa, se não forem bem cuidadas no início. Para prevenir, os pacientes devem usar meias grossas e sapato de cano longo, manter a pele hidratada e evitar traumas.

Seqüestro esplênico:Palidez e aumento repentino do baço. Trata-se de uma emergência. Ocorre mais freqüentemente em menores de 5 anos e pode levar a óbito se não tratado de imediato.



1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal