Paulo ganem souto



Baixar 3.67 Mb.
Página17/58
Encontro21.10.2017
Tamanho3.67 Mb.
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   58

ADENOCARCINOMA “IN SITU”


Colposcopia

Presença de lesão?

Sim

Encaminhar para biópsia em centro de referência

Biópsia sem invasão

Conização

Biópsia com invasão

Conduta específica

Manter seguimento na UBS ou USF

Não




DETECÇÃO PRECOCE DO CANCER DE MAMA / SEGUIMENTO

EPIDEMIOLOGIA:

No Brasil, o câncer de mama é o mais freqüente em incidência e mortalidade no sexo feminino, apresentando curva ascendente a partir dos 25 anos de idade e concentrando a maioria dos casos entre 45 e 50 anos. Representa, aproximadamente, 20% do total de casos diagnosticados e 15%, em média, das mortes por câncer.



A análise das tendências nas taxas de mortalidade por câncer de mama observadas no Brasil aponta para um aumento progressivo, observando–se de 1979 a 1998, uma variação de 6,14/100.000 a 9,70/100.000 na taxa de mortalidade. É a partir da idade de 50 anos que a mortalidade por câncer de mama vem crescendo no país, sendo que em faixas mais precoces a mortalidade permanece estável nos últimos 20 anos. Estima-se que o câncer de mama se manterá como a primeira causa de morte por câncer no Brasil.



FATORES DE RISCO:

  • Sexo feminino;

  • Menarca precoce (antes dos 11 anos);

  • Menopausa tardia (após os 55 anos);

  • Nuliparidade;

  • Primeira gestação a termo após os 30 anos;

  • Mãe ou irmã com história de câncer de mama na pré-menopausa;

  • Dieta rica em gordura animal e pobre em fibras;

  • Obesidade (principalmente após a menopausa);

  • Radiações ionizantes;

  • Etilismo;

  • Residência em área urbana.








GRUPOS POPULACIONAIS COM RISCO ELEVADO (GPRE):


  • Mulheres com história familiar de pelo menos um parente de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) com diagnóstico de câncer de mama, abaixo dos 50 anos de idade;

  • Mulheres com história familiar de pelo menos um parente de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) com diagnóstico de câncer de mama bilateral ou câncer de ovário, em qualquer faixa etária;

  • Mulheres com história familiar de câncer de mama masculino;

  • Mulheres com diagnóstico histopatológico de lesão mamária proliferativa com atipia ou neoplasia lobular in situ.






DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA:


  • Rastreamento por meio do exame clínico da mama, para todas as mulheres a partir de 40 anos de idade, realizado anualmente. Este procedimento é ainda compreendido como parte de atendimento integral à saúde da mulher, devendo ser realizado em todas as consultas clínicas, independente da faixa etária;

  • Rastreamento por mamografia, para as mulheres com idade entre 50 a 69 anos, com o máximo de dois anos entre os exames;

  • Exame clínico da mama e mamografia anual, a partir dos 35 anos, para as mulheres pertencentes a grupos populacionais com risco elevado (GPRE) de desenvolver câncer de mamas;

  • O AEM (auto-exame de mama) deve ser mensal independente da faixa etária, preferencialmente logo após a menstruação.


CANCER DE MAMA / FLUXOGRAMA


Demanda espontânea ou organizada de mulheres

Consulta (orientar auto-exame de mama)

Atividade Educativa (incluir auto-exame de mama - AEM)

Exame clínico das mamas sem alteração

Exame clínico das mamas com alteração


> 35 anos

< 35 anos

A partir de 35 anos pertencente ao GPRE ou a partir de 50 anos

< 35 anos

Solicitação de mamografia

Acompanhamento na UBS ou USF (repetir o exame clínico das mamas anualmente).

UBS ou USF

Birads 0

Birads 1

Birads 2-3

Birads 4-5

Encaminhar para ginecologista com relatório (repetir mamografia? Outros exames de imagem?)

LAUDOS MAMOGRÁFICOS –



1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   58


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal