Paralisias agudas flácidas uma preocupaçÃo da vigilãncia epidemiológica



Baixar 7.06 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho7.06 Kb.

PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / PFA - UMA PREOCUPAÇÃO DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

          Em 1994 o Brasil recebeu o Certificado da Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem . Este fato foi de extrema importância para todos os profissionais de saúde , envolvidos direta ou indiretamente nas ações de erradicação deste agravo em nosso país .

       Atualmente, as ações do programa de erradicação do poliomielite na fase pós certificação estão voltadas a prevenção da reintrodução do poliovirus selvagem em nosso país , uma vez que este ainda circula em diversos continentes.

A globalização, hoje um processo visível na realidade mundial , torna o fluxo de pessoas entre os diversos continentes um risco para a disseminação de muitas doenças , dentre elas o Poliomielite.

       Diante disto , é imprescindível a manutenção de altas coberturas vacinais contra a poliomielite , bem como um sistema de vigilância epidemiológica ativo e sensível , capaz de detectar e investigar todos os casos de PFA que ocorrem no país, e adotar as medidas de controle adequadas frente aos casos suspeitos.

Assim sendo, enquanto houver circulação do vírus selvagem da poliomielite em outro continente, o risco continua existindo e cabe a Vigilância Epidemiológica e aos profissionais de saúde ligados á saúde pública manter a notificação de todo e qualquer caso de paralisia flácida aguda em menores de 15 anos, independente da hipótese diagnóstica inicial .



È de fundamental importância que diante de uma notificação de um caso suspeito seja seguida a seguinte rotina :

  • Notificar a Vigilância Epidemiológica Estadual imediatamente (a PFA é um agravo de notificação imediata )

  • Coleta de 01 amostra de fezes no máximo até 14 dias do inicio do déficit motor para pesquisa do poliovírus ;

  • Enviar as fezes para o Lacen /MS com a solicitação de exames devidamente preenchida, acompanhada de uma cópia da ficha de notificação / investigação ;

  • Investigar o caso nas primeiras 48 horas após a notificação ;

  • Enviar a ficha de investigação para a Vigilância Epidemiológica Estadual , que se responsabilizará pelo lançamento da mesma no SINAN – W ;

  • Realizar a revisita após 60 dias - o paciente não apresentando seqüelas e exame negativo , o caso pode ser encerrado ;

  • Em casos que apresentem sequelas após 60 dias, é necessário uma revisão de preferência com a neuropediatra de referência.

A MANUTENÇÃO DE ALTAS COBERTURAS VACINAIS CONTRA A POLIOMIELITE, A NOTIFICAÇÃO OPORTUNA DE CASOS SUSPEITOS E O CUMPRIMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA VIGILÂNCIA DAS PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS SÃO A GARANTIA DA MANUTENÇÃO DA ERRADICAÇÃO DESTA DOENÇA DE NOSSO PAÍS E DAS AMÉRICAS .




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal