Paralisias agudas flácidas uma preocupaçÃo da vigilãncia epidemiológica



Baixar 7.06 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho7.06 Kb.

PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS / PFA - UMA PREOCUPAÇÃO DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

          Em 1994 o Brasil recebeu o Certificado da Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem . Este fato foi de extrema importância para todos os profissionais de saúde , envolvidos direta ou indiretamente nas ações de erradicação deste agravo em nosso país .

       Atualmente, as ações do programa de erradicação do poliomielite na fase pós certificação estão voltadas a prevenção da reintrodução do poliovirus selvagem em nosso país , uma vez que este ainda circula em diversos continentes.

A globalização, hoje um processo visível na realidade mundial , torna o fluxo de pessoas entre os diversos continentes um risco para a disseminação de muitas doenças , dentre elas o Poliomielite.

       Diante disto , é imprescindível a manutenção de altas coberturas vacinais contra a poliomielite , bem como um sistema de vigilância epidemiológica ativo e sensível , capaz de detectar e investigar todos os casos de PFA que ocorrem no país, e adotar as medidas de controle adequadas frente aos casos suspeitos.

Assim sendo, enquanto houver circulação do vírus selvagem da poliomielite em outro continente, o risco continua existindo e cabe a Vigilância Epidemiológica e aos profissionais de saúde ligados á saúde pública manter a notificação de todo e qualquer caso de paralisia flácida aguda em menores de 15 anos, independente da hipótese diagnóstica inicial .



È de fundamental importância que diante de uma notificação de um caso suspeito seja seguida a seguinte rotina :

  • Notificar a Vigilância Epidemiológica Estadual imediatamente (a PFA é um agravo de notificação imediata )

  • Coleta de 01 amostra de fezes no máximo até 14 dias do inicio do déficit motor para pesquisa do poliovírus ;

  • Enviar as fezes para o Lacen /MS com a solicitação de exames devidamente preenchida, acompanhada de uma cópia da ficha de notificação / investigação ;

  • Investigar o caso nas primeiras 48 horas após a notificação ;

  • Enviar a ficha de investigação para a Vigilância Epidemiológica Estadual , que se responsabilizará pelo lançamento da mesma no SINAN – W ;

  • Realizar a revisita após 60 dias - o paciente não apresentando seqüelas e exame negativo , o caso pode ser encerrado ;

  • Em casos que apresentem sequelas após 60 dias, é necessário uma revisão de preferência com a neuropediatra de referência.

A MANUTENÇÃO DE ALTAS COBERTURAS VACINAIS CONTRA A POLIOMIELITE, A NOTIFICAÇÃO OPORTUNA DE CASOS SUSPEITOS E O CUMPRIMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE DA VIGILÂNCIA DAS PARALISIAS FLÁCIDAS AGUDAS SÃO A GARANTIA DA MANUTENÇÃO DA ERRADICAÇÃO DESTA DOENÇA DE NOSSO PAÍS E DAS AMÉRICAS .


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande