Para isso, optou-se o uso da alvenaria estrutural em bloco cerâmicos, devido ao seu desempenho térmico e acústico satisfatório



Baixar 0.82 Mb.
Página1/3
Encontro29.08.2019
Tamanho0.82 Mb.
  1   2   3


Anais do 45º Congresso Brasileiro de Cerâmica 040220

30 de maio a 2 de junho de 2001 - Florianópolis – SC.



BLOCO CERÂMICO PARA HABITAÇÕES DE CARÁTER SOCIAL

J. M. D. Soares*, H. G. Blois F, M. D. F. dos Santos, M. A. Pozzobon, J. P. Ruff, L. Poletto


Universidade Federal de Santa Maria

UFSM – CT – LMCC – CEP 97105-900 Santa Maria, RS, Brasil - *jmario@ct.ufsm.br

Laboratório de Materiais de Construção Civil

A busca de alternativas que promovam condições de habitabilidade às populações de baixa renda deve ser um esforço conjunto dos órgãos governamentais, centros de pesquisa e sociedade em geral. Através disto, este trabalho visa desenvolver alternativas tipológicas de habitações de caráter social utilizando blocos cerâmicos com dimensões superiores as dos blocos comercializados correntemente. Neste trabalho foram propostas quatro tipologias de habitações populares baseadas em estudos realizados nas principais cidades do estado, permitindo identificar as características gerais dos conjuntos habitacionais e subsidiar a definição de padrões para o desenvolvimento das tipologias. Estas tipologias desenvolvidas possuem de 38 a 70 m², possibilitando a variação de um a quatro dormitórios, bem como condições que possibilitem a adequação a dimensões de terreno e inclinações. Como conclusão da pesquisa está prevista a construção, em parceria com a FINEP e as cinco maiores cerâmicas do RS, dos quatro protótipos, em escala real, para comprovar seu desempenho.

Palavras-chaves: Habitação, bloco, cerâmica, alvenaria.



INTRODUÇÃO

O déficit habitacional é uma questão preocupante e de grande amplitude em nosso país. Uma grande parcela da população vive em submoradias e aliadas a redução da capacidade de atendimento da demanda, por parte de programas habitacionais, tende a agravar essa situação já calamitosa. Com isso, a busca de alternativas e desenvolvimento de medidas que promovam condições de habitabilidade às populações de baixa renda deve ser um esforço conjunto dos órgãos governamentais, centros de pesquisa e sociedade em geral.



Diante disto o projeto financiado pela Financiadora de Estudo e Projetos (FINEP), Caixa Econômica Federal (CEF) e Iniciativa Privada, objetiva desenvolver alternativas tipológicas de habitação de caráter social com blocos cerâmicos, a partir de sistemas construtivos racionalizados. Para tanto, foram definidos padrões mínimos de habitabilidade considerando as características do Rio Grande do Sul. Para isto, foram aplicados 240 questionários em conjuntos habitacionais de 12 principais cidades (Figura 1), compreendendo uma subdivisão do Rio Grande do Sul em 7 regiões em função do Produto Interno Bruto, número de habitantes e localização geográfica das cidades. A análise desses resultados permitiu identificar as características gerais dos conjuntos habitacionais e subsidiar a definição de padrões para o desenvolvimento das tipologias.

Figura 1 – Divisão regional do Rio Grande do Sul




  1   2   3


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal