Palavras de agradecimento do servo



Baixar 2.41 Mb.
Página7/56
Encontro11.06.2018
Tamanho2.41 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   56

Visão espiritual



De longe, as montanhas azuis se mostram como uma parede lisa. Mas se te aproximares, a parede se transforma em amplas regiões. Assim também é com o espiritual. Onde teus olhos veem uma só coisa, Eu te digo, existem trilhões.
Terremotos e sua causa

Recebido por Jacob Lorber, em 27 de setembro de 1840



1 – Na natureza ainda acontecem coisas, grandes ou pequenas, das quais os cientistas não têm o menor conhecimento.
2 – A estes fenômenos naturais pertencem, por exemplo, o magnetismo do polo norte, a aurora boreal, o raio e os assim chamados fenômenos rápidos como a estrela cadente, nuvenzinhas no céu azul, as formações de cristais, as marés dos mares, a revolução da Terra, um prolongado tremor, ou abalos que, como é de nosso conhecimento, já arrasaram totalmente regiões em segundos. A estes fenômenos também pertencem os deslizamentos, as larídeas, a destruição total de montanhas ou ilhas e, ainda mais, o partir da Terra, o secar das fontes e até de rios e poços, o retraimento do mar e, nestas ocasiões, o aparecimento de fogo e fumaça dos abismos da Terra. Ainda existem muitos mais, alguns já conhecidos e outros que ainda não foram observados por ninguém.
3 – Mas hoje só quero Me referir aos terremotos, como também aos movimentos e aos abalos da Terra.
4 – O conhecido “terremoto” não é um acontecimento isolado, mas sim é a consequência de um abalo sísmico que aconteceu em algum lugar do planeta. E isto acontece da seguinte maneira:
5 – Bem no interior do planeta Terra (que é um ser vivo) encontra-se, como em todo reino animal, um tipo de vísceras. Mas como já foi mencionado, há em todo o interior da Terra incontáveis espíritos caídos que lá estão aprisionados, mas que, de acordo com Minha Ordem, passam lá um período pré-determinado. Ao fim deste período, eles retornarão à vida. Então, em um determinado ponto da Terra, pessoas que se tornaram extremamente sensuais e materialistas, quando de sua morte, seus espíritos não alcançam a vida eterna do espírito, mas sim a morte da matéria. Daí estes espíritos se acomodam como o foram antes, antes de seu nascimento.
6 – Quando isto acontece por um longo tempo, o interior deste ponto se torna sobrecarregado. Estes espíritos, em sua maldade, começam a empurrar uns aos outros, se friccionar e a se inflamar. Então aqueles espíritos que ainda não nasceram como seres humanos (espíritos primários) são acordados de seu sono de calmaria, explodem seu cárcere, se jogam em sua ira sobre os outros espíritos, feito enormes colunas de fogo, para destruí-los. Os espíritos que já foram encarnados, mas que retornaram a cair prisioneiros da matéria, se inflamam com mais veemência, pois pensam que o outro fogo é o tal fogo do inferno, como castigo por Mim mandado. E se inflamam cheios de ira contra Mim, querendo Me destruir como também a todos os anjos do céu.
7 – Quando isto começa a acontecer, um anjo pacificador é enviado do Céu por Mim. Este abre as comportas de alguma caverna interna cheia de água, a qual, orientada pelo anjo, se precipita com a velocidade de um raio sobre um destes pontos cheios de fogo de ódio.
8 – Quando a água, junto ao espírito pacificador, alcança o ponto incendiado, ela abandona seu invólucro, se inflama contra os maldosos e os castiga com o fogo da paz.
9 – A água se transforma em vapor e experimenta, com ajuda de seus espíritos, esta expansão repentina. Ocasiona um abalo, e tudo que se encontra acima daquele ponto (cidades, montanhas, vilarejos, etc) são desmanchados como pó.
10 – Com isto se formam novas rachaduras no interior da Terra, que às vezes chegam até a superfície, para as quais os espíritos primários não nascidos e os espíritos pacificadores da água se reúnem e se deixam levar para futuras evoluções. Os espíritos maus, que já tiveram uma encarnação, mas que caíram, permanecem bem mais mansos na poça de lama que se formou no processo anterior.
11 – Como se vê, é a única causa para o aparecimento de tal abalo sísmico.
12 – Mas com respeito às oscilações e vibrações que em geral são chamados de “terremotos,” estas não passam do abrir das comportas por parte do anjo e da queda das águas, além de pequenas acomodações da crosta terrestre, quando as camadas que estão sobre o ponto debaixo da bacia foram rompidas violentamente e tiradas de sua calma; em segundo lugar, deve-se à pesada queda das águas, o que torna o tremor bem mais prolongado. Estes movimentos são, pois, a causa das oscilações e vibrações.
13 – Mas ao que se refere ao tremor da Terra após um tão violento abalo, é isto tudo uma consequência do afastamento dos espíritos da água, junto com os espíritos ainda não nascidos, para dentro das novas rachaduras e cavernas. Pois é para isto que a Terra foi criada, para que ela carregue em suas entranhas um gênero caído dos espíritos, para o seu renascimento em uma existência livre e eterna em e por Mim.
14 – Enquanto existir na Terra um grupo revoltado, tanto mais tais acontecimentos ocorrerão cada vez com mais frequência e intensidade. Tudo depende da sensibilidade e do afastamento de Deus que as pessoas na superfície da Terra praticarem.
15 – Vós podeis ver que isto é a mais pura verdade, ao observardes estes fenômenos que acontecem em toda a superfície da Terra em toda sua terrível violência e grandeza furiosa; como por exemplo, a destruição de Lisboa, da ilha de Jawa e locais parecidos, da região próxima ao Monte Ararat, esta última acontecendo seguindo fielmente os ensinamentos que hoje vos dei e que pudestes sentir um pouco até aqui em vossas casas, como também toda a América sentiu. Isto acontece da seguinte maneira:
16 – Quando uma placa contínua (sem mesmo qualquer interrupção) se estende até o ponto do abalo, então este abalo se reflete a lugares bem distantes. Seria o mesmo que colocásseis uma série de estacas de forma contínua, e o abalo que causardes no ponto inicial A se estenderá sucessivamente até B, no fim das estacas. Vede, é assim que este abalo pode se estender a regiões bem distantes.
17 – Estes abalos então têm consequências naturais, mas estas não são as únicas nem as mais importantes, pois se elas fossem sem alguma utilidade para Mim, seria muito fácil evitá-las. Mas como elas são de grande utilidade e originando-se em Meu Amor e Sabedoria, elas são enviadas a tais localidades com mensageiros de advertência, locais onde as pessoas nada mais sabem de Mim, sabem menos que uma árvore na floresta sabe de Mim. Estes mensageiros então comunicam à tais pessoas que Me esqueceram tão completamente que Eu ainda não morri, mas sim que ainda existo em todo Meu Poder e Força. E que ainda só é necessário um pequenino aceno de Minha parte, para que em todo o planeta aconteça o mesmo que aconteceu na região do Ararat (o pico mais elevado na Turquia).
18 – Pois saibais que vossa região está minada em suas profundezas (a cerca de 2.000 toesas de profundidade) de tais câmaras de água. Vossas montanhas, bem como vossas planícies, se encontram, pois, flutuando sobre estas águas e são de certa forma ligadas ou ancoradas por enormes pilastras de rochas.
19 – Só é necessário que Me esqueça só mais um pouquinho, e podereis estar certos que Eu também conseguirei vos apresentar um espetáculo bem maior que o visto no Ararat. Porém Eu vos digo: ai das pessoas às quais Eu preciso dedicar este tipo de espetáculo. Estas deverão aguardar uma outra Criação, para poderem retornar a mais uma vida probatória, com a qual conseguirão libertar-se.
20 – Lembrai-vos, porém, ante estes acontecimentos que não cai uma gotinha de uma nuvem sem que antes ela tenha passado pelo Meu Amor e sido criado pelo mesmo. E podeis ter certeza que quando vos envio uma chuva como a de ontem, que veio das mais altas pastagens da vida, toda a manutenção da Terra depende desta primeira gotinha que mal consegue umedecer um grãozinho, o qual teria explodido sem ela e teria levado os espíritos que o sitiam a uma atitude similar, e estes a seus vizinhos e assim por diante até o último grãozinho da Terra. Podeis ter certeza que nos próximos segundos a Terra estaria envolta em chamas destruidoras. E da mesma maneira que o grãozinho da Terra de areia poderia ter despertado ao seu vizinho para a destruição, assim também uma Terra despertaria a outra e um Sol ao outro e assim por diante até o infinito. E tudo seria a obra de um instante, o mesmo que se vós tomásseis um grãozinho de vossa odiosa pólvora e o incendiásseis; mesmo que ele fizesse parte de um montão do tamanho da Terra, todos os grãozinhos que o compõem se inflamariam instantaneamente.
21 – Mas se este grãozinho de pólvora tivesse sido umedecido pela gotinha que caiu da nuvem, o que será que aconteceria, quando a centelhazinha de chama o atingisse? Nada, o grãozinho de pólvora umedecido não se inflamaria e o restante estaria seguro, não haveria perigo algum de explodir e estaria protegido da destruição.
22 – Vede, tudo o que vós conseguis ver ou compreender, mesmo aquela pequena poeira solar que se mexe, não depende de jeito algum do acaso, mas tudo - mas absolutamente tudo - já foi por Mim programado em eternidades; tudo foi por Mim programado em eternidades, tudo foi pesado, tudo foi medido. Se um ser humano, ou mesmo o espírito de um anjo, conseguisse realizar alguma modificação e se Meu eterno cuidado não estivesse sempre presente, poderíeis ver o desastre que aconteceria, mesmo só com a modificação desta pequenina poeira solar.
23 – Eu, porém, vos digo: o centro de gravidade de um sol central depende, no seu mais íntimo, do rumo que uma poeirinha não visível aos vossos olhos toma. Pois Minha Ordem é tão exatamente dirigida a tudo, que desde o maior de tudo ao menor, tudo e todos existem para a preservação do Todo.
24 – Agora vós vos perguntareis: “Porque existem estes enormes depósitos de água debaixo das montanhas e planícies, onde toda a superfície está sempre em perigo de afundar nas profundezas enormes destas águas?”. Eu digo: Está tudo assim organizado, para que exista desta maneira eternamente. E assim seria, se não houvesse a maldade voluntária dos humanos que perturbam Minha eterna Ordem, esta maldade na qual Eu não posso interferir, pois o livre arbítrio de um único ser humano Me é mais valioso do que um cosmo solar e todos os seus sóis, luas, planetas e estrelas.
25 – E se Eu retirasse a água dos depósitos subterrâneos, dizei-Me com que o grande fogo que está no interior da Terra poderia ser suavizado e amenizado?
26 – Se a visão da região do Arafat vos causa tanto horror, ela, no entanto, é bênção para a conservação do todo. Se não acontecesse da maneira que já foi mencionada, em vez da destruição de uma região pequena, aconteceria a completa destruição da Terra no momento seguinte.
27 – Eu sou o eterno e supremo Amor em tudo que vossos olhos conseguem ver e vossos ouvidos conseguem ouvir. Sendo Meu, tudo foi criado pela Misericórdia de Meu Amor e assim continua a existir no Meu Amor, e sendo algo desintegrado, o será suave e amorosamente em Meu Amor. E mesmo a matéria visível representando - e é de fato - a ira de Minha Divindade, esta só é mantida calma pelo Meu Amor enquanto Minha eterna Ordem assim achar necessário.
28 – Podeis estar totalmente certos que se em algum lugar, entre milhões de pessoas, existir um único que Me reconhece e que está em Meu Amor, então aquele lugar, mesmo que sua crosta fosse tão fina como uma folha de papel, se mantém firme e forte, como se seu subterrâneo fosse de milhas e milhas de rocha compacta. Mas lá, onde entre milhões não se encontra um único que deseja Me conhecer e amar como o único conservador de todos os mundos e de todos os seres, lá nem mesmo uma crosta tão grande quanto um sol e dura quanto um diamante será frágil demais para se opor à destruição, se esta for necessária para a conservação de Minha Ordem.
29 – Mas como suponho que Me amais em verdade, não tendes que temer nada, mesmo que a Terra se despedace sob vossos pés. Em verdade Eu vos digo: Também se estivésseis caminhando sobre destroços fumegantes da Terra, deveríeis saber Me reconhecer em espírito, verdade e no amor de seus corações.
30 – Eu afirmo que destruirei sóis, e os destroços do mundo voarão quais raios de um lado ao outro e se inflamarão com o fogo da Minha ira por todo o infinito, e mesmo assim nenhum cabelo será tocado naqueles que Me amam. Eu sou e sempre serei um bondoso e carinhoso Pai para Meus filhos. Amém.

Sobre abalos e fenômenos meteorológicos

Recebido por Jacob Lorber, em 04 de outubro de 1840

1 – O que foi mencionado sobre os abismos e fendas da crosta terrestre, como também as rupturas largas, tudo isto tem a mesma causa que o desaparecimento da nascente, o secar dos poços e o encolhimento dos mares e de alguns lagos.
2 – Antes de acontecer algum destes abalos sísmicos, os espíritos malignos se reúnem, estes que foram expulsos do mundo e colocados nos cárceres da matéria, formando verdadeiras hordas do mal. Esta reunião, em certos pontos da Terra, oferece ao homem a seguinte aparição: a partir da junção dos minerais com a água, acontece uma efervescência química que origina uma série de gases, os quis procuram uma saída. Eles conseguem encontrar um espaço vazio onde se aglomeram por anos e anos e muitas vezes conseguem elevar a crosta terrestre que cobre o espaço em que se encontram.
3 – Quando ela for bem elevada, uma grande quantidade começa a apresentar rachaduras que ficam cada vez maiores e que finalmente produzem verdadeiros abismos. É quando no decorrer deste procedimento os gases subterrâneos se infiltram na água e com sua força conseguem alterar os espaços que a mesma ocupa, cortando sua comunicação com o exterior, o que causa o desaparecimento de mananciais e poços, bem como mares em contínuo contato com estas águas subterrâneas se afastam significativamente de suas margens originais.

4 – Vede, é assim que se apresenta este fenômeno natural aos olhos materiais e à razão da mente. Mas isto não é a realidade. Quando se dá a reunião dos espíritos de comportamento violento e agressivo, os outros espíritos que ainda estão calmos são ofendidos e também começam a se agitar, então geralmente um anjo pacificador é para lá enviado. Este abre canais no interior da Terra, que levam água aos espíritos inflamados em sua ira. Estes pacificadores procuram acalmar estas hordas de espíritos malignos e irados. Os espíritos de paz se reúnem em grande número pelo acúmulo da água e, com um número superior reunido pelo anjo, saem da água em forma de gases e acalmam aos espíritos zangados.


5 – Quando este intento não consegue sucesso, então o anjo, como foi dito com relação aos terremotos, usa da violência de seu poder e destrói com toda sua força até os menores lugares, pois todos são habitações dos espíritos ainda não encarnados.
6 – Estes espíritos assim libertos se inflamam, pois estão em brasas, e o mesmo acontece aos espíritos pacificadores; neste instante de ebulição acontece o chamado abalo sísmico.
7 – As consequências deste incêndio vós já o conheceis. Mas para que estes incêndios não aconteçam com muita frequência (pois com o passar do tempo ocasionariam a total destruição dos corpos do universo, e isto pela livre vontade de Meu anjo, ao qual pouco importa se, para a glória de Meu Nome, ele transforma em pó centenas de terras ou mundos, num só segundo), Eu fabriquei em certos lugares da Terra verdadeiros para-raios da ira dos espíritos infernais. As águas eternas, transformadas em vapor, abafam a ira e agressividade dos mesmos, que se apresentam em estado inflamado. Quando isto acontece, eles são desviados ao exterior de forma natural, sem causar estragos.
8 – Claro que as pessoas não deveriam construir suas casas próximas a estes lugares, pois lá sempre é necessário que aconteçam pequenos estragos. A Terra é bastante ampla, não sendo necessário que ali habitem pessoas, pois estes locais são verdadeiros chamarizes do inferno.
9 – De fato os vulcões não passam de para-raios da ira e agressividade do inferno. Estes vulcões possuem infinitos canais subterrâneos; parecem com as raízes de uma árvore grande, mas apesar disto eles não podem tocar todo e qualquer lugar da Terra, pois senão ela seria feito uma esponja de banho, e isto a incapacitaria de portar algo significativo em sua superfície, tal como: pessoas, montanhas, continentes e grandes oceanos, já que sua superfície deve ser uma escola para vida livre em Mim.
10 – Nos locais aonde os canais vulcânicos não chegam, acontecem frequentemente elevações causadas pelo ajuntamento destes espíritos que se libertaram. Porém para parecer uma destruição violenta, um segundo anjo constrói aberturas nos vales e também nas fendas das montanhas. Então os gases (sem se incendiarem) saem pelas mesmas, como ventos fortes sobre a superfície da Terra, provocando tormentas.
11 – Vede, este tipo de elevação acontece quase que todos os dias, e isto podeis observar no instrumento por vós chamado de barômetro. No subir ou cair do mercúrio, podeis observar o maior ou menor comando dos tais espíritos. Quando ele cai, então existe uma concentração no subterrâneo e a crosta terrestre está sendo elevada. Com isto vós todos com vossas cidades e habitações sereis elevados a cada instante para camadas mais altas da atmosfera; como o ar se torna mais rarefeito, a pressão sobre o mercúrio diminui e este cai no casulo que o contém.
12 – Com a Minha vontade, estes espíritos (quando vistos na natureza, são como gases) encontram uma saída normal sem violência. Então eles fluem pelo ar em todas as direções, e a crosta terrestre lentamente torna a cair ao seu lugar de costume. Na mesma proporção o mercúrio sobe, pois aumenta a pressão sobre o mesmo.
13 – Tenho certeza que logo perguntareis o que acontece com estes espíritos libertos que se originam na água. Eu vos digo: Questionai a vós mesmos o que acostumais fazer após terdes realizado vossas tarefas. Vós vos dirigis a vossos lares, para descansar em paz. Vede, é isto que estes espíritos pacificadores também fazem, e isto acontece com mais facilidade para eles, pois já conhecem o caminho que devem seguir para alcançarem a alma dos homens livres da Terra.
14 – Vede, estes espíritos se juntam (com o passar do tempo) aos espíritos que vêm das esferas livres da luz e se unem pelo invisível eletromagnetismo, o qual seria melhor denominado como “meio-amor-natureza”, e caem sobre a terra como chuva, granizo ou neve, frutificando-a.
15 – Existem diferenças mínimas entre a chuva, o granizo e a neve, mas elas todas têm sua razão de ser. No granizo, misturam-se espíritos não-encarnados e malignos aos espíritos livres não-encarnados. Para que os mesmos não consigam causar prejuízos, eles são aprisionados pelo espírito da água, e assim sua ira e agressividade esfriam, ficam mais calmos e são levados de volta à Terra na forma de granizo. Esta é a razão por que uma tormenta de granizo sempre é mais violenta que a chuva ou o vento.

16 – Isto vos mostram as nuvens que cruzam o céu em todas as direções antes de tal tormenta. Quando virdes isto, sabei que é este o momento que os espíritos malignos estão sendo caçados em toda parte, para serem presos pelos espíritos pacificadores. E os maus espíritos se expressam com trovoadas, raios e outros meios de protesto. Mas isto de nada lhes adianta, no fim, todos serão aprisionados e devolvidos ao seu lugar apropriado e determinado.


17 – Quando eles alcançam a Terra, são acolhidos pela matéria, e os pacíficos espíritos das águas se dissolvem de seus cubinhos de gelo duro. Se esta tormenta de granizo prejudicou vossos frutos, deveis deixar isto bem esquecido, pois este prejuízo é um nada comparado com o prejuízo que teríeis, se os espíritos pacificadores não tivessem intervindo segundo a Minha Vontade. Pois os espíritos malignos são verdadeiros “destruidores do mundo” e eles teriam se incendiado de tal maneira (se tivessem conseguido a liberdade total), que o mundo seria em poucos minutos igual a um globo de pólvora.
18 – Por isto não deveis temer demais o granizo, pois tudo que sofre castigo tem por merecer o mesmo. Pensai nos castigos que vós dais a vossos filhos desobedientes e entendereis o que Eu, vosso amoroso Pai, estou a fazer.
19 – Vede, é assim que são os fenômenos não compreendidos até o presente momento. E como acontece com o granizo, em maior alcance acontece também com a neve e com o gelo, porém de efeito mais duradouro. Pois deveis saber que quanto mais ao norte se encontra o ponto na Terra, tanto mais malignos e astutos são estes espíritos primários que o habitam.
20 – Observai ainda o seguinte: Após o que aprendestes sobre os assuntos da natureza pela Minha Misericórdia, podeis ter uma pequena noção da importância da sabedoria mundana. Se alguém quiser aprender uma profissão, ele deve procurar um mestre instrutor, pois senão será sempre um remendão ignorante. Eu, porém, sou o verdadeiro e único mestre em todos os assuntos, e quem desejar aprender deve se entregar a Mim, o mestre de todos os mestres. Pois não há outros caminhos para chegar a Meu reino, a não ser pela porta que Eu vos mostrei. Ai dos ladrões e assaltantes que desejam entrar escondidos pelo telhado, a eles acontecerá o mesmo que aos espíritos no granizo, pois serão expulsos para as longínquas periferias trevosas por uma eternidade.
21 – O homem comum deverá ser esclarecido de tudo isto, mas sempre à medida de seu amor por Mim, o que lhe abrirá os sentidos. Porém Eu vos afirmo que os sábios do mundo deverão ser envergonhados até por uma casinha de caracol vazia, por larvas originadas em infusões, e mesmo uma minhoca envergonhará estes sábios, zombando de sua suposta sabedoria.
22 – É, pois, um tolo aquele que não aprende Comigo. Mas aquele que recebeu diretamente de Mim, mesmo que a dádiva fosse mínima, este por eternidades não conseguirá digerir o que recebeu. Pois Eu sou eternamente infinito, mais do que o maior dos sóis, o maior sol central, que como um pai em meio a seus filhos a todos abençoa.
23 – Guardai o que vos disse bem em vossos corações, pois Eu, o doador de tudo, vos dei estes ensinamentos, um bom e delicioso pedaço do pão da Vida Eterna.
24 – Alegrai-vos, pois, em vossos corações, pois ao dardes o pão a vossos filhos, vos sentis próximos aos mesmos. Isto também acontece Comigo.
25 – Onde aparecer o Meu Pão da Vida, podeis crer, lá Eu Me encontro; Eu, vosso Pai. Amém. Assim, pelo Vosso Pai. Amém.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx



Cuidado com os prazeres do corpo

Recebido por Jacob Lorber, em 13 de outubro de 1840


1 – Pois escreve aqui tu, Meu servo preguiçoso, muito mau e tolo; que Me olha somente com um olho, enquanto que o outro se dirige aos prazeres do mundo; que só Me ouve com um dos ouvidos, enquanto que o outro só escuta o som do mundo.
2 – Dirige tudo para Mim, para que reconheças na luz de Meu eterno dia o infinito valor daquilo que Eu te dou com tanto prazer, a ti, indigno filho. E mesmo os anjos do céu não entendem a prodigalidade com que vos premio e não se atrevem a chegar perto de tanta luz que Eu vos dou, a vós, pecadores.
3 – Pausa bem no que tu recebes e de Quem tu o recebes! E no futuro não honra tanto ao caneco, pois é no vinho que se encontra o espírito da carne e da prostituição. E se tu continuares a assim fazer, Eu permitirei que caias totalmente na prostituição, como todos os outros que fazem o mesmo que tu. E depois terás que percorrer um longo caminho, até conseguires voltar ao rumo da Minha Graça e Misericórdia.
4 – Escreve, pois, o seguinte, como mensagem ao nosso irmão necessitado:
5 – Cada prazer do estômago e da barriga não se presta para Meu Reino, pois o suco desnecessário escurece o peito e torna Minha casa futura um covil tenebroso, já que o espírito não pode ser desperto numa noite tripla, quero dizer: na noite do Amor, na noite do querer e consequentemente na noite do pecado.
6 – Eu não vos dou leis para que desejeis vos tornar novamente escravos do pecado, mas para que vos torneis livres em Meu Amor. Por isto Eu só vos mostro os caminhos que vos levam a Meu Amor.
7 – Deixai, pois, descansar vossa carne na morte. Não a despertai com estimulantes novos. Assim vosso espírito viverá em Meu Amor, na certeza que se origina nas raízes de uma fé verdadeira e viva, que é a verdadeira luz que vem de Meu grande sol da Misericórdia, em cujo centro se encontra o mais aconchegante local de descanso de Meu Amor eterno.

8 – Observai em vossa volta. Vereis este Meu Sol já alto no firmamento natural e já sentireis bem o seu suave calor. Mas não deveis desejar despertar de novo vossa carne para o pecado, pois Eu poderia desejar colocar Meu Sol para vós no ocaso. Vosso chão se tornaria um deserto de areia quente, em vez de vos saciar com o verdadeiro pão do céu. E do bebedouro da água de Meu Amor, vós vos saciaríeis na “fata morgana” do mundo.


9 – Atenção Meu filho, vê, Eu te amo e te ajudo em tudo. Por isto deixa tua carne em paz na sua morte, para que Eu possa despertar o teu amor e logo possas degustar a vida eterna que vem de Mim.
10 – Mantém teus filhos sob controle e não permitas que caiam no mundo. Fecha bem as janelas da tua casa, para que seus sentimentos não sejam enganados. Todas as portas do mundo estão abertas para o mundo, como também todas as janelas de vossas casas. Mas isto não deve acontecer com aqueles que Eu quero chamar de filhos.
11 – Amém. Assim fala vosso Pai.


1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   56


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal