Palavras de agradecimento do servo


Recebido por Jacob Lorber, em 25 de abril de 1847



Baixar 2.41 Mb.
Página48/56
Encontro11.06.2018
Tamanho2.41 Mb.
1   ...   44   45   46   47   48   49   50   51   ...   56

Recebido por Jacob Lorber, em 25 de abril de 1847




Querido Pai, será que somente os sacerdotes ou outros religiosos das mais diversas seitas podem ofertar o Teu Corpo, no pão, e Teu Sangue, no vinho? Ou será que alguém que Te ama e tem fé pode fazer o mesmo em Teu Nome? Especialmente se este leigo que por Ti foi chamado, educado e orientado, vê que na igreja em que foi educado e criado pratica-se tudo menos a verdadeira fé e o verdadeiro amor?
1 – Na escritura está escrito “Fazei isto em Minha memória”. Quem deve fazer isto não é mencionado. Que cada um que tenha sido renascido (batizado) na água e no Espírito Santo pode fazê-lo em Meu Nome, pode-se concluir na escritura, pois ela dá o direito a todos e não somente a alguns.
2 – Se não fosse assim, o leigo não poderia rezar o Pai Nosso ou fazer outras coisas que são ordenadas no Evangelho. Eu jamais disse aos apóstolos: “...fazei isto vós especialmente, e os crentes não devem fazê-lo, pois é o mais severo pecado mortal”; mas em todos os lugares está escrito “fazei”, e isto serve a todos, tanto emissários como alunos. “Pois só Um é vosso Mestre e Senhor; vós todos, porém, sois irmãos. Só sereis reconhecidos em vosso Amor, e isto Me dirá se sois Meus discípulos”. É assim que está escrito.
3 – Quem disser que foi obrigado a fazer uma parte para obter a vida eterna, este também deve e pode fazer a outra parte. Pois aquele que não realizar totalmente a Palavra que Eu ensinei é comparável a um fruto que, por falta de sol, não conseguiu amadurecer.
4 – Mas como cada cristão verdadeiro e leal pode batizar, quando alguém estiver pronto para o batizado espiritual, então é uma obrigação para os verdadeiros cristãos preparar uma refeição de amor em Minha memória. Esta refeição deve ser de pão e vinho, mas devemos evitar que os “porcos” compartilhem nossa mesa, estes que não crêem em Mim, que se desfazem de Mim, Me negam e Me desprezam.
5 – Eu vos digo: Em verdade, em verdade, todos aqueles que Me amam se reúnem em Meu nome, comem e bebem o pão e o vinho e se lembram sinceramente de Mim; mas melhor ainda é quando alimentais vossos irmãos necessitados, isto será um real ato de amor e fidelidade.
6 – Pois tudo o que fizerdes aos pobres, estareis fazendo para Mim em pessoa. Desejais fazer algo mais santo e importante que isto? Dizeis: “Senhor, não conheço nenhum ato mais caridoso”.
7 – Este é o verdadeiro “Hoc est e mim corpus meum” (Este é Meu Corpo): que realizeis verdadeiras ações de caridade. Pois ações de caridade são Meu verdadeiro “corpo”, que foi dado para muitos, não para todos e não somente para apóstolos ou sacerdotes, e que serve para que todos obtenham a Vida Eterna.
8 – A mesma coisa acontece com o cálice de Meu Sangue, quero dizer, Minha Palavra, que deve ser distribuída entre todos os povos, assim como o sangue é distribuído a todos os órgãos e membros do corpo físico no seu estado mais puro e verdadeiro, como um vinho puro e verdadeiro e não como um vinho estragado.
9 – Se numa ceia de amor como esta Meu Nome for mencionado e for guardado em verdade no coração, então o cálice será degustado em espírito e verdade. Alguém entre vós quer mais?
10 – O que é melhor: o Amor ou a hóstia e o tal vinho consagrado? Eu falo: Onde Eu não Me encontrar no amor das pessoas e nas Minhas Palavras, lá o pão e o vinho são um zero. Mas se Eu lá Me encontrar no amor e na Palavra, lá Eu estarei como uma eterna ceia no coração, alma e espírito dos homens, sem precisar de nenhuma consagração sacerdotal. Amém.

Confissão e remissão dos pecados

Recebido por Jacob Lorber, em 02 de maio de 1847

1 – Existe uma enorme distância entre uma confissão feita na igreja católica, onde os pecados são perdoados, e a que é feita no coração, para eliminar dele qualquer tipo de impurezas de quem está buscando o Meu Amor. Esta última confissão é inerente a um homem batizado em espírito e não com sal e água.


2 – No primeiro caso é realizado um ato que não consta nas Escrituras e só se busca um perdão material dos pecados. No segundo caso o pecador já há muito está puro e limpo e deve se apresentar a qualquer sacerdote racional. Ele se apresenta e diz ao sacerdote como, quando e onde ele pecou, desde quando desistiu dos pecados em Meu Nome e não pecou mais.
3 – O sacerdote então lhe dará a habitual absolvição material, após a qual o confessante poderá participar da comunhão, para satisfazer às exigências materiais externas da igreja na qual ele se encontra.
4 – Se entende bem demais e enfrenta um sacerdote tolo que lhe nega a absolvição, então deve se afastar dele com a consciência bem tranquila. Pois a quem Eu perdoo os pecados, estes já lhe são perdoados, ainda que milhares de sacerdotes não o façam.
5 – Quem for afastado não deve ter nenhum escrúpulo com respeito à comunhão. Pois aquele que Me possui em seu coração no Espírito do Amor e Misericórdia, este pode renunciar a esta comunhão cultural de sã consciência.
6 – O melhor remédio para o perdão dos pecados é não tornar a pecar, se arrepender de verdade por aqueles pecados que já fez e praticar a caridade com os pobres em Meu Nome, perdoar a todos os inimigos do fundo do coração e orar por eles em espírito e verdade. Pois se alguém lamenta ter pecado, este Me faz lamentar também que Eu ainda o castigue. A caridade, porém, encobre a maioria dos pecados. E aquele que perdoa, também será perdoado, ainda que tenha mais pecados que areia no mar e pasto na Terra.
7 – Estes são, portanto, os únicos meios de como um pecador consegue a remissão de seus pecados, sem precisar de nenhuma confissão, nem sacerdote, nem nada. É no coração, ou não haverá perdão.
8 – Porém se alguém obteve por Mim o perdão dos pecados, o verdadeiro e único em valor, por ter seguido em espírito e verdade os mandamentos e as ações prescritas no Evangelho, se desejar, pode procurar um sacerdote para satisfazer os hábitos locais, mas isto não tem nenhum valor para a dita “salvação da alma”. Este ato cultural é somente para evitar mágoas em vossa vida terrena e não faz mal algum, contanto que tenhais purificado vossos corações Comigo.
9 – Podeis fazer tudo o que o “culto” pedir, para não serdes causa de tristeza para os vossos. Pois no vosso renascimento sabeis que podeis atacar as cobras e escorpiões, e estes nada poderão contra vós, podeis beber do cálice envenenado (escutar os ensinamentos de Babel), e o veneno não vos prejudicará.
10 – Acho que isto está bem claro para vós. Agi e vivei de acordo. Amém.

Carestia espiritual e material

Recebido por Jacob Lorber, em 16 de maio de 1847




  1. Bem, escreve algumas palavrinhas sobre a atual carestia dos alimentos materiais.




  1. Vede, por todos os tempos do mundo foi assim e sempre será assim: os alimentos materiais acompanham sempre o mesmo passo dos alimentos espirituais. Os israelitas foram frequentemente castigados com deformidades, carestia, fome e pestes, quando seus espíritos e corações se afastavam de Mim e se dirigiam a outros deuses. Na atualidade impera a miséria e a peste nos países que se afastaram de Mim. E por quê? Pela ausência do Meu Espírito.




  1. Enquanto o povo da Terra se preocupava comigo, mesmo em suas diferentes seitas, e ansiava pelo Meu Espírito, então ainda existia uma grande quantidade de anjos misturados ao povo. Com isto não só as pessoas eram abençoadas, mas a Terra e as plantações também, e sempre havia uma farta colheita. Mas estas colheitas levaram o povo a pensar em industrialização  e os pensamentos concernentes a Mim quase que desapareceram!




  1. Em vez das Escrituras espirituais verdadeiras, as quais foram renegadas e mesmo consideradas diabólicas tanto por Roma, como pela sociedade civil, começou-se a produzir grande quantidade de jornais e outras publicações que invadiram os lares e afastaram muitos de Mim. Novamente se adoram relíquias e se organizam procissões, fundam-se novas ordens e muitas outras atrocidades semelhantes.




  1. Então se criou uma grande fome no Espírito, quase sempre precedida pela cada vez maior carestia do alimento espiritual. Os anjos se retiram do solo da Terra cada vez mais, pois a escuridão crescente que se estabelecia na Terra lhes causava grande nojo, e a prostituição das pessoas, especialmente dos romanos, lhes causava uma enorme aversão. Podemos, pois, entender que o solo terráqueo, cada vez mais abandonado pelos obreiros espirituais, começasse a enfraquecer e como consequência produzir colheitas cada vez mais escassas.




  1. No ano passado (1846) Eu estraguei a produção de batatas em alguns lugares, e vejam, toda a Europa está se lamentando. O que acontecerá quando Eu também limitar a colheita do trigo, milho e arroz, o que muito provavelmente farei, se os homens permanecerem nesta sua escuridão, prostituição, mau comportamento e avidez em tudo industrializar, esquecendo-se de Mim cada vez mais. Aí sim, ouvireis e lereis sobre grandes lamentações, grande miséria e grande desespero. Vossos cabelos ficarão de pé!




  1. Eu pensei mesmo em enviar a cólera, mas isto Me causou pena, pois descobri bastantes pessoas bondosas entre alguns povos. Mas ao mesmo tempo descobri um número bem maior de usurários, diretamente surgidos do inferno. E estes diabos, que ainda são larvas humanas, devem sentir Meu castigo de acordo com seu sacrilégio. Por isto todo tipo de desgraça deve acometer a Terra. Enquanto esta corja não enfraquecer e a Terra não ficar mais luminosa, Eu não abençoarei o solo terráqueo, a não ser naqueles locais habitados por pessoas que verdadeiramente Me abrigam em seus corações e creem que Eu estou com elas e que Eu as alimentarei e manterei mesmo com apenas um pouco de pão.




  1. Não temais vós esta época de penúria, não! Enquanto confiardes plenamente em Mim, não passareis fome. Se possuirdes pouco, Eu abençoarei este pouco e tereis fartura. Mas se vós, mesmo conscientes de Minha benção, continuais a vos preocupar e vos perguntar: “O que comeremos? Com que nos vestiremos?” Então Eu permitirei que vós vos preocupeis de fato e Me afastarei um pouco. Podereis estocar tanta comida quanto puderdes, e assim mesmo passareis fome, como se nada tivésseis comido por semanas.




  1. Pois, como em todo o universo, aqui o importante é Minha benção. Por isto, permanecei confiantes em Meu Amor. Aconteça o que acontecer, Eu nunca vos abandonarei e vós não sentireis fome, nem espiritual nem materialmente. Mesmo se Meu servo (Jacob Lorber) viajar, Eu sempre estarei entre vós, abençoando-vos enquanto permanecerdes em Minha Ordem.




  1. Prestai atenção: nada de preocupações, lamentos e queixas, pois enquanto Eu estiver entre vós, nada vos atingirá! Não podeis ser tristes, abatidos ou medrosos, pois isto seria uma demonstração de vosso coração que estaria dizendo: “Vede, o Senhor aqui Se encontra, mas Ele dorme e não deseja nos ajudar”. Eliminai este pensamento, pois onde Eu estou deve haver alegria total e feliz entrega à Minha Vontade. Se for assim, Eu estarei governando estes corações e estas casas. Amém.

Quem vos diz isto sou Eu, vosso Deus que vos abençoa, vosso Pai e Senhor. Amém.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Carestia espiritual e material - continuação

Recebido por Jacob Lorber, em 16 de maio de 1847


1 - Bem, escreve mais algumas palavras.
2 – A vossa cidade (Graz) também sofrerá, pois aqui já existem uns bons bocados de pobres, porque os ricos, de uma certa forma, tudo lhes tomam, para construir uma fortuna para os seus filhos que já são bastante ricos e que não querem tirar nada, ou só o mínimo, para os pobres. A estes lhes serão tomados os herdeiros, para que os pobres os herdem. Eu, porém, vou tratar os ricos de tal maneira, que eles se tornarão débeis e se arrastarão de joelhos até a Cruz.
3 – De certo serão os pobres os primeiros a serem atacados, para dar ao rico a oportunidade de ficar com piedade. Se ele assim ficar, seu castigo será bem mais leve. Se ele não tiver piedade, então sim a cólera, como uma faxineira, iniciará a limpeza com milhares de foices, agindo entre eles (os ricos) sem dó nem piedade, e ela deve cortar mais de mil molhos de feno.
4 – Para diminuir os pobres e proteger a riqueza dos ricos, planeja-se limitar o casamento dos pobres, e em grande escala. Ó isto é o mais maldito produto do inferno, é uma obra satânica, isto é a razão da peste.
5 – Com a proibição dos casamentos e da correta e honrada maneira de procriar filhos (já que o instinto existe), como também com a violenta mortandade dos animais selvagens nas florestas, a recepção dos elementos da natureza o agrupamento das almas libertas em etapas superiores está sendo dificultado. Quando estas almas libertas que iniciam sua redenção em cogumelos, esponjas e mofo tiverem escalado os degraus de evolução e acharem o próximo sendo de pouca monta, não podendo ser totalmente acolhidos, então elas se reúnem, para formar um ser parecido com um homem. Começam a vagar pelo mundo, apoderam-se dos homens e dos animais, para tentar conseguir uma etapa mais elevada. Mas como estas almas ainda estão muito imaturas, eles trazem morte a todos dos que se apoderaram.
6 – Elas preferem os humanos, pois acham que com eles encontram o caminho mais curto para sua total libertação, o que é um grande engano, pois ainda possuem uma inteligência totalmente materialista. Mas como os humanos são os culpados por estas aparições (devido a seu egoísmo), Eu permito que eles sejam castigados no que mais sentem, tanto espiritualmente, como na carne.
7 – Vede, este é o infame motivo de toda peste, a que prefere habitar os países no oriente, pois lá a procriação correta do humano é tolhida de forma tirânica, às vezes até com a prática de mutilações.
8 – Mas se na Europa, ainda um pouco melhor, as devastações para satisfazer as grandes indústrias de alguns ricos e o ato de redenção dos espíritos naturais for totalmente banido do mundo, então as consequências destruidoras não demorarão a aparecer, e os que conseguirem sobreviver que tirem uma boa lição e saibam que Eu não criei a Terra para as indústrias, muito menos para os ricos, mas somente para a redenção dos espíritos naturais que nela estão aprisionados.
9 – Prestai atenção: A Minha finalidade para a Terra é totalmente diversa da que Satã e seguidores que querem para o mundo.
10 – As doenças das batatas já foi um pré-aviso. O que aconteceu a este legume foi, pela Minha Misericórdia em relação aos humanos, para protegê-los. Isto acontecerá logo com os mesmos ricos, se eles não se tornarem melhores e não modificarem seus sentimentos para com os pobres.
11 – A receita que o irmão recebeu é boa. Mas mesmo assim, no momento certo, Eu te darei uma muito melhor (*).
12 – As cidades mencionadas já possuem um plano bem elaborado para a diminuição dos casamentos e por isto deverão ser dignamente premiadas. Desta vez serão especialmente castigadas, em toda a Europa, com destaque para todas suas cidades industriais.
13 – Mas tudo isto pode ser bem suavizado com orações e boas ações para com os pobres, especialmente lá onde os casamentos não estiverem tão elaboradamente reprimidos. Isto vos sirva de advertência e exemplo a seguir. Amém.
(*) “A Cura pela Luz do Sol” – Nesta mensagem se encontra esta receita e também na minha tradução: “A Cura”. A tradutora

A verdadeira arte de viver

Recebido por Jacob Lorber, em 17 de maio de 1847

1 – A virtude é a do ser humano completo ao escolher livremente o bem e então, sem se deixar levar a enganos, agir com fidelidade e firmeza. Se algum ser humano conseguiu adquirir esta aptidão harmônica, na qual ele unificou todos os seus desejos e necessidades, e se ele agir de acordo, então ele será um virtuoso.


2 – Mas se alguém ainda não conseguiu chegar a este ponto de madureza e somente lá de vez em quando agir como Eu quero, mas em outras ocasiões parecer uma água morna sem vida, então ele é alguma coisa isoladamente, mas no total é um nada. Se um que é totalmente virtuoso só diz: “Eu sou um servo inútil”, o que poderá dizer esta pessoa que é ainda tão corroída pela sua tibieza? Esta de longe ainda não é virtuosa, mas sim um coitado de um ignorante em tudo o que faz ou deixa de fazer. Ele é qual jardineiro que enche seu jardim com plantas que são fáceis de criar, mas que não dão qualquer fruto.
3 – As plantas já estão organizadas de tal maneira (para a educação do homem), que aqueles que menos precisam do esforço do jardineiro são os que dão muito pouco ou nenhum fruto, ou então frutos nocivos para o ser humano. Isto acontece também com a pessoa que, após ouvir os ensinamentos do Evangelho, faz alguma caridade, mas deixa muito sem fazer.
4 – O reino vegetal da vida eterna é parecido com um rico pomar que é muito semelhante às árvores frutíferas que nele crescem com boas raízes, um tronco bonito e firme, verde, com galhos e ramagens altaneiras, cheias de folhas e uma flor; mas e o fruto...? Onde está o fruto? Uma semente ínfima que a brisa pode levar é o que se obtém desta árvore, semente esta que nem mesmo serve para uma boa semeadura. A lenha não é boa para o fogão e serve muito menos para a construção de casas, e muito menos para móveis e utensílios. Estas árvores são plantadas à beira de riachos e lagos, para que elas  em grande quantidade e com suas raízes, o único atributo bom que possuem  protejam as margens da destruição, quando houver uma tromba d´água. Mesmo esta função às vezes elas não desempenham.
5 – Assim é o homem que realiza uma função muito bem, mas deixa de realizar outras. Não passa de uma árvore inútil que, devido aos galhos baixos que possui, só pode ajudar Judas Iscariotes a cometer suicídio, mas de resto não presta para quase nada.
6 – Quem quiser ser virtuoso deve observar tudo, não pode deixar de lado nada do que o Evangelho prescreve. Que ele não seja um ouvinte inútil ou somente um meio-obreiro da Palavra, mas sim um obreiro completo da mesma. Então ele será como um jardineiro que muito ativamente e sem receio não recusou nenhum trabalho; e seu cuidado será recompensado de sobejo mil vezes mais. Ele não é igual àquele agricultor tolo que plantou em seu pomar árvores que pouco empenho e trabalho exigem, mas cujos frutos os ventos levam.
7 – Ele não se igualará a estas árvores infrutíferas, mas sim será semelhante a uma videira nobre que com suas plantas poderosas dará uvas maravilhosas de sabor incomum e de sumos espirituais, dos quais são preparados  por todas as eternidades e por Meu Pai e Senhor da videira  o Meu vinho,. O amor para Amor, o coração para o Coração, a vida para a Vida, o Espírito para o Espírito.

8 – Virtude é uma palavra enormemente importante. Viva aquele que a possui. Este se tornou um verdadeiro testemunho da vida, ainda em vida.


9 – Quanto esforço uma pessoa gasta para tornar-se um artista no mundo. Passa anos praticando com afinco, muitas horas, a fim de conseguir sua meta artística no mundo. Mas se uma pessoa consegue realizar tal esforço para obter um progresso material, porque então não se esforça para obter esta maravilhosa e infinitamente mais elevada maestria da Vida Eterna. Posso vos dizer que isto é milhares de vezes mais fácil de se conseguir.
10 – Para isto ele não precisa ser contorcionista nem violentar seu físico, não precisa estragar seus olhos, intestinos e pulmões. Ele só precisa esforçar um pouquinho sua memória. Tudo se baseia na fé, naquilo que a Palavra ensina, e com a certa vontade amorosa no desejo de ouvir e seguir a Palavra. Com uma pequena e suave prática, todos podem se tornar em seguidores amadurecidos de primeira classe.

POIS MEU JUGO É SUAVE E MEU FARDO LEVE.
11 – As leis da escola da vida são extremamente fáceis de entender e de seguir. Por que é que elas são tão pouco respeitadas? Porque parece que elas ferem o amor próprio, enquanto que todos deveriam reconhecer, com os olhos vendados, que cada um que se esforça seriamente em alcançar o Reino de Deus está realmente criando, com cada irmão, uma nobre árvore frutífera no pomar de sua vida. Esta lhe produzirá os frutos mais ricos e saborosos por toda a eternidade, pois certamente não se transformará em uma árvore infrutífera, já que de Deus tal qualidade de árvore jamais poderá acontecer.
12 – Livrai-vos, pois, de todas estas pérolas insignificantes e inúteis, se desejardes achar ou mesmo conseguir a compra da grande pérola verdadeira. Tornai-vos verdadeiros jardineiros, não vos torneis árvores estéreis; tornai-vos, porém, videiras carregadas de frutos e assim sereis verdadeiros Mestres da Vida na escola da Vida. E Eu, vosso Senhor Deus e Pai, Me alegrarei com os magníficos e maravilhosos produtos de Vida de Meus amados filhos. Amém.

O Imperador e Deus

Recebido por Jacob Lorber, em 23 de maio de 1847




Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” – Mateus 22-21

1 – Na atualidade existem muitos no mundo que não conhecem as fronteiras entre o que é de César e o que é de Deus. Sim, existem até alguns que, neste sentido, são republicanos: contra Deus e contra o imperador. Não vamos falar sobre estes, pois aqueles que não querem reconhecer nenhum poder acima de si mesmos já se bastam, já alcançaram o mais alto grau de devaneio, do qual só conseguirão evoluir com muita dificuldade e aplicando todo o rigor em si mesmos.


2 – Egoísmo, amor próprio, presunção própria de autograndeza e sabedoria pífia, em outras palavras um puro estoicismo no mais simples sentido da palavra, são um verdadeiro ácido para o espírito. Aquele espírito que estiver envenenado por estes sentimentos acima mencionados dificilmente conseguirá saber a distância entre suas obrigações para com Deus e para com César.
3 – Por isto o que está sendo dito aqui seja somente para aqueles que procuram mas não conseguem encontrar o caminho certo, pois muitas coisas mundanas enganosamente os impedem.
4 – Para apagar este ponto enganoso, vamos apresentar uma curta explicação da diferença de obrigações que existem entre César e Deus e o que o homem deve dar a um e ao outro. Então ouvi e prestai bem atenção ao que o Senhor diz.
5 – O homem está composto de: espírito, alma e, temporariamente, um corpo material. A alma é o homem propriamente dito, estando entre o espírito e o corpo. Ela deve se preocupar, com sua compreensão e seu tirocínio, tanto pelo espírito eterno como pelo corpo temporário.
6 – O que o espírito precisa, e o que o corpo? Isto já é de sobejo de vosso conhecimento e seria muito cansativo e repetitivo, se aqui apresentássemos todos estes conhecimentos já dados e várias vezes repetidos. Bem, então vamos só ao que é essencial, e isto de modo bem resumido.
7 – Dai ao espírito o que é de mais puro espiritual, e ao corpo o que é necessário ao mesmo; mas seguindo a Ordem, para que o espírito não fique prejudicado. Bem, para cada um, espírito e o corpo, o que é seu.
8 – Duvido que não consigais ver de imediato que tudo o que vem do espírito  a Palavra de Deus, a Fé, o Amor e a total confiança em Mim, o Senhor  é o mais puro espiritual e pertence ao Espírito.
9 – Mas comida, bebida, vestimenta, habitação, arte e ofício, enquanto necessários para conseguir a manutenção do corpo, pertencem ao mesmo e a ele devem ser dados de maneira que seja capaz de recebê-los na medida certa. O alimento e a bebida à sua maneira, a roupa somente para sua utilidade, tal qual a moradia, o aprendizado e a prática da habilidade, para que a arte e o ofício possam ser exercidos de forma natural e correta.
10 – Vede, aqui estão lado a lado Deus e César, e cada um de vós facilmente pode ver o que, como homem bem espiritualizado, deve dar ao outro.
11 – Mas da mesma maneira que estas duas obrigações se comportam numa pessoa, elas se comportam entre Mim, Deus e Senhor e um governante mundano, o qual é empossado somente por Mim, para governar somente a matéria. E este não tem absolutamente nenhum poder, a não ser o que lhe foi emprestado por Mim, o eterno Senhor de todo Poder e Força. Este poder emprestado pode ser doce ou amargo, de acordo com o que as pessoas precisam para sua evolução, se boas ou más.
12 – Todo governante é e sempre será um chicote em Minhas Mãos. Cabe a cada pessoa lhe dar, pois, tudo aquilo o que lhe deve; o que lhe deve, efetivamente, para manter seu próprio corpo.
13 – Mas quanto a ela e seu espírito, nenhum governante deve se intrometer. E se o mesmo extrapolar seus direitos e querer impor ideias e exigências aos homens, então encontrará nisto seu julgamento.
14 – Mas se um monarca encarcerar o espírito da pessoa pela força física e quiser lhe impor o que ela Me deve e por direito Eu tenho a receber, então permito que ela se dedique assim mesmo ao governante, para que não o zangue. Mas no coração desta pessoa ele não tem participação nenhuma e ela Me dá tudo aquilo que Me é de direito. Eu encontrarei um meio seguro de julgar o governante como ele merece, devido à violência que usou contra as pessoas, desperdiçando o poder por Mim recebido.
15 – Nenhum dos vassalos do governante deve ousar fazer um julgamento do mesmo pelas suas próprias mãos, pois este julgamento só pertence a Mim.
16 – Fazei tudo o que puderdes em favor do governante e orai constantemente por este irmão que está em tão alta, mas difícil posição de provação. Assim tereis feito pelo mesmo tudo o que está em vossas mãos e, demonstrando amor ao próximo, indiretamente tereis dado a Deus o que Lhe é devido.
17 – O que está abaixo ou acima disto é pecado. Quem, por ser bajulador ou por intenções egoísticas, adorar formalmente ao governante, fingindo ser patriota, este estará pecando, pois estará dando ao governante além do devido respeito. Quem o servir com declina também está em pecado. Equipara-se a uma pessoa que constantemente ataca seu corpo com ideias suicidas. Aquele que dá demais ao governante se iguala a alguém que só encontra prazer no seu corpo e só pensa em satisfazê-lo. Então ambos são pecadores, cada qual a sua maneira.
18 – Desta explanação cada um de vós saberá definitivamente o que deve a César e o que a Deus, e como é fácil distinguir entre estas duas obrigações, pois estas se reencontram totalmente nos dois grandes mandamentos do Amor.
19 – Fazei assim no espírito do evangelho, que aqui está presente, e vivereis felizes no mundo e na eternidade. Amém.

Uma carta para uma filha no “dia santo” de seu nome

Recebido por Jacob Lorber, em 28 de maio de 1847

1 – Eu pedi ao Senhor que me desse umas palavrinhas para passar a minha irmã no seu dia, mas Ele nada me quis falar. Só me disse o seguinte:

2 – Como podes tu, tolo, Me usar constantemente como “felicitador” para dias de santos? Por que é que este “dia santo” (do nome) deve servir para que Eu dê mensagensinhas extras para tuas meninas? No dia do nascimento do corpo tudo bem, mas poupe-Me destes tolos dias santos (do nome) que vós inventastes. Eu já te disse que estes dias Me são extremamente desprezíveis, mas mesmo assim sempre vens com o mesmo pedido.


3 – O que é o tal “dia santo” (do nome)? Vê, este é o primeiro dia da vaidade; primeiro para os pais, pois eles não sabem que nome bonito podem dar a seu filho ao ser batizado, depois para a criança, quando esta conseguir entender como o seu nome é bonito.
4 – Por favor, não Me venhas novamente com um dia de tanta vaidade, pois senão Eu vou te felicitar, mas não de uma maneira suave e alegre. Lembra-te disto e te comportes no futuro, quando estiver se aproximando um tal dia santo do nome.
5 – Eu já te dei umas mensagens nestes dias, devido à tua ignorância inofensiva, porém na ocasião não tinham sido reveladas as “dez letras” da obra principal (Criação de Deus -Vol. 1 capítulo 3, 12 e apêndice). Mas no momento em que elas já estão se revelando, então exijo de ti e de cada um que tomou conhecimento das mesmas uma reflexão exata do motivo pelo qual Me procura.
6 – Eu não serei mais severo, mas sim mais exato. Eu darei a esta filha uma mensagem, mas em outra ocasião, o que lhe será bem mais útil. Mas no dia do santo do nome não direi nada, a não ser Minha Bênção de todos os dias.
7 – Além disso, exijo que cada um que desejar ouvir uma Palavra ou um conselho Meu se interiorize em seu coração e Me peça, a Mim e não a ti, pois senão acharão que só por ti receberão Minha Misericórdia e que tu só precisarias dizer: “Senhor, faze isto ou aquilo”, e Eu deveria dançar ao som de tua música.
8 – Isto Eu não farei mais. De agora em diante deves te deixar ser atraído por Mim, se desejares evoluir. Mas se tu ou outros quiserem mais explicações sobre a Palavra, então sim, como sempre, estarei disposto a elucidar todas as dúvidas. Mas para o dia do santo do nome, jamais.
9 – Bem, então para tua irmã tenho algo diferente, mas só se ela Me perguntar carinhosamente. Eu então te exortarei a dar-lhe a mensagem, mas de outra maneira, não. Põe isto na tua cabeça definitivamente. Amém.
10 – Veja bem que como é que eu consegui uma boa reprimenda do amado e honroso Senhor. Observe bem isto toda vez que desejar alguma coisa do Senhor.
11 – Peça-Lhe com muito amor e seriedade, e com certeza Ele vos dará algo. Desta vez, porém, você deve se satisfazer com a minha boa vontade, e eu com a reprimenda.
12 – Siga, pois, meu conselho, se desejar alguma coisa do Espírito de Deus. A mim, considere-me como um instrumento mudo que está sempre disposto a servir aos irmãos em nome do Senhor. Isto lhe diz, à senhora, no dia do seu nome, o seu irmão em Cristo −o Senhor.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Tu me amas? Gostas de Mim?

Recebido por Jacob Lorber, em 30 de maio de 1847

1 – Primeiro pergunto: Ó Senhor, amado e santo Pai, Tu me amas?
2 – Resposta: Certamente, milhões de vezes mais do que tu Me amas, Minha filhinha. Pois Eu, teu Deus e Pai, Me preocupo por ti a todo instante e por toda vida. Tu, porém, não pensas em Mim com tanto afinco, mas sim só de vez em quando, somente quando é do teu desejo. Se Eu fizesse contigo o que fazes Comigo, ó filhinha, tua vida já teria acabado há muito. Só disto podes ver que Eu te amo milhões de vezes mais do que tu a Mim. Acho que com isto te esforçarás em amar-Me cada vez mais de agora em diante.
3 – Segunda pergunta: Tu, querido e santo Pai, Te zangas comigo, se todos os domingos vou à casa de minha tia, para me divertir um pouco?
4 – Resposta: Sim, Minha filha, isto de fato não Me agrada muito, pois então adquires muitos sentimentos mundanos, pelos quais, como o correr do tempo, poderás Me esquecer mais e mais; e muito Me doeria, se um dia te tornasses totalmente infiel.
5 – Por isto, seria mais de Meu agrado se tu não te deixasses levar à casa da tia, mas sim se só de vez em quando visitasses tua tia, da qual, além de um lanche, só recebes ninharias. Mas se tu, em vez de ir sempre à casa da tia, viesses a Mim no teu coraçãozinho, Eu poderia servir-te coisas muito melhores que tua tia, que é muito fútil e vaidosa.
6 – Vê, Minha filha, com o teu “ir à casa de titia” regularmente aos domingos Eu não concordo totalmente, mas não te proíbo de maneira alguma de ir. Podes fazer o que te causa alegria. Pois saibas: a Mim não causa alegria um amor forçado e exigido; o único amor que vale é o livre e espontâneo.
7 – Quando Me preferires, livremente, à tua tia, isto Me causará grande alegria. Mas se Eu te obrigasse a isto, Eu não teria alegria alguma com teu sacrifício. Da mesma maneira que não sentirias nenhuma alegria, se alguém te amasse somente quando tu o forçasses a isto. Vê, é idêntico ao que acontece Comigo.
8 – Os que mais Me agradam são aqueles que vêm a Mim livre e espontaneamente, que Me possuem sempre em seus corações e me amam acima de tudo e de todos. A estes Eu amo acima de tudo e para eles abro os cofres de meus tesouros no Céu.

9 – Faze tu assim, Minha querida filha, e em pouco tempo crescerás em Meu Grande Amor e verás quão bom e quão rico sou Eu, que sou teu verdadeiro Pai, e quanto Eu posso dar aos que Me amam acima de tudo.


10 – Observa isto bem, no teu coração, Minha filhinha, e em curto prazo estarás morando no Meu Coração de Pai. Isso Eu digo e prometo, teu amado Pai. Amém.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Um horror para Deus


1   ...   44   45   46   47   48   49   50   51   ...   56


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal