Palavras de agradecimento do servo


Amor, a força original da Vida



Baixar 2.41 Mb.
Página23/56
Encontro11.06.2018
Tamanho2.41 Mb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   56

Amor, a força original da Vida


Recebido por Jacob Lorber, em 18 de novembro de 1841


  1. “Acordai e orai, para não cairdes em tentação! Vosso coração está cheio de boa vontade, mas vossa carne é fraca”.




  1. Quem não levar esta verdade eterna sempre em seu coração e em sua boca, nunca está seguro contra a queda. Sabeis muito bem como é difícil para o caído se levantar e ficar completamente de pé. Isto vos mostra de sobejo o universo e, como um exemplo bem claro, vossa vida em si, se desejardes prestar-lhe um pouquinho de atenção. Toda a criação, inclusive o homem, não passa de partículas do grande espírito de Lúcifer caído e condenado à matéria juntamente com sua falange.




  1. A “carne”, pois, é fraca. Mas não penseis que é a carne de vosso corpo – que é uma carne morta – porém a carne do espírito, a que é de fato o seu amor (do espírito). Esta, deveis entender bem, é a carne bem fraca, que ainda está exposta a todo tipo de tentações. Esta carne em vós ainda é qual um junco na água, ou uma biruta que é dirigida ao bel-prazer do vento.




  1. Eu, porém, vos digo: Aquele cuja carne ainda é fraca é aquele que teme subir uma montanha, para lá construir sua casa; porém fica na planície, construindo sua casa na areia, pois é bem mais cômodo.




  1. Enquanto não houver águas ou ventos torrenciais para fustigar as paredes fracas da casa, esta estará de pé do mesmo modo que aquela sobre a rocha, e todos se admiram pelo habitante da montanha ter tido tanto trabalho em levar o material para lá. Porém quando as tormentas chegarem e as águas e os ventos se elevarem, será que o morador da casa na rocha não vos perguntará: “Ó vós, tolos comodistas! Como foi possível que tivésseis tido a ideia de construir na areia do vale?”.




  1. Vede, assim fraca ainda é vossa “carne” e ainda não podeis vos separar da casa na areia. Eu vos digo: Deveis orar e vigiar, para que, quando a tormenta chegar, não sucumbais à tentação. De que vos adianta todo o conhecimento da boa vontade, se esta não vier apoiada no amor, que é a carne do espírito? Será que disto jamais se originará alguma ação?




  1. O amor é a eterna mola-motor da vontade, como a vontade o é da ação. Considerai, vós mesmos, de que utilidade seria um relógio se não tivesse uma mola-motor bastante forte e grande para colocar todos os elementos em movimento? Quantos não sabem de casos onde a vontade é tocada, mas nada acontece, pois o amor não foi tocado? Quantas jovens despertam a vontade de um homem solteiro, mas este prefere outra, onde encontrou amor unido a esta vontade?




  1. Onde estava a origem da ação? Certamente não só na vontade (que é qual relógio que não tem nenhuma mola-motor, ou a mesma é muito fraca ou preguiçosa), porém no verdadeiramente forte e justo amor, o qual é a única força que aciona a vontade.




  1. Por isto fortificai vosso amor. Este é o verdadeiro “Vigiar e Orar” Comigo, que sou o Eterno Amor, mas em palavras bem mais simples.




  1. Amai e atuai neste amor Comigo! Não agi somente pela vontade, mas sim sede atuantes no amor; quer dizer, agi apoiados em Meu Amor por vós e só então por vosso amor por Mim.




  1. Observai Meu leve Mandamento do Amor e confiai totalmente em Mim. Nesta rocha construí vossa casa e estareis em segurança, podendo desprezar as águas e os ventos tormentosos, quando estes chegarem. Pois vossa casa está sobre uma rocha e vosso relógio tem uma mola-motor forte e confiável. Possuireis então uma carne forte, junto ao espírito cheio de boa vontade. Sim, tereis vivido a verdadeira ressurreição da carne, nesta mesma carne onde vereis o Eterno Amor, o Eterno Deus, pessoalmente; então usufruireis um novo amor por Deus, por toda a eternidade.




  1. Vede, esta é a verdadeira Ceia! Este é o verdadeiro corpo do Eterno Amor que por vós existe e o verdadeiro sangue que por vós foi derramado. Comei e bebei este corpo e este sangue, para com isto fortificar vossa carne, e que ela ressuscite para a Vida verdadeira e eterna.




  1. Meu Amor é a grande e verdadeira Ceia! Quem seguir Meus Mandamentos, que não são nada mais que o puro Amor, este possui o Meu Amor, pois Me ama de verdade.




  1. Aquele que Me amar na ação comerá verdadeiramente Minha Carne e beberá conscientemente Meu Sangue, que são o Pão e o Vinho Celestial Verdadeiro dos anjos e da vida. Em verdade, quem beber do Vinho e comer do Pão, este nunca mais sentirá fome nem sede.




  1. Bem, agora uma palavrinha para aquela.



  1. Vê, este Meu Corpo e este Meu Sangue também deve ser tua maior ligação entre tua vida corpórea e a Minha! Come e bebe quanto quiseres. Eu te digo: Jamais te enfastiarás. Este pão e este vinho satisfazem completamente, mas despertam sempre o desejo de querer cada vez mais.




  1. Se assim fizeres, estarás preparada quando o “Noivo” chegar. Terás um bom estoque de óleo para iluminar a lamparina e serás aceita com muita alegria. Pois Meu Amor é o Óleo, é unção para o renascimento da carne fraca.




  1. De que serve à lâmpada o pavio que apresenta um espírito de boa vontade, se lhe falta o Óleo do Amor? Bem, então te aconselha somente com o “Óleo”. O pavio te será dado junto à lâmpada. Mas o Óleo, este sim tu deves adquirir em Mim por ti mesma, pois quando o “Noivo” chegar, estarás pronta.




  1. Isto é o “Orai e Vigiai Comigo”, como também é a “verdadeira Ceia Santa” que Eu te dou hoje e eternamente, para que a usufruas feliz. Come e bebe! Mas não mistures ao Pão nenhuma iguaria mundana e não coloques água no teu Vinho; assim ressuscitarás de fato na carne do amor do espírito para a verdadeira e eterna Vida. Amém.




  1. Considera isto uma eterna ligação que Eu te dou. Amém.


Permanecei no Amor
Recebido por Jacob Lorber, em 4 de dezembro de 1841, à tarde


E Ele lhes disse: "Tenho desejado ardentemente comer esta Páscoa convosco, antes de sofrer. Pois Eu vos digo: Não tornarei a comê-la, até que ela se cumpra no Reino de Deus”. Lucas 22-15-16.


  1. Não entendeis assuntos tão simples e claros, porque sempre preferis a sabedoria, em vez de ler ou ouvir com o Amor, no qual tudo está unificado e por isto é de compreensão simples; enquanto que na tola razão tudo está disperso como as estrelas no infinito espaço, das quais ninguém jamais conseguirá saber (com a razão) como são e o que se encontra no seu interior.




  1. Por isto, procurai sempre abrigo unicamente no Amor e nele permanecei. Ele é a única luz do Infinito, de toda a eternidade e da profunda Onipotência de Deus. Quando vos tiverdes apoderado do Amor corretamente, e este a vós, então estareis aptos para entender tudo e obtereis coisas que não conseguiríeis imaginar nem nos mais loucos sonhos da Sabedoria.




  1. E é por isto que Eu lhes disse: "Do Coração Eu anseio", ou ainda: "Ó amor, Meu amor por vós Me obrigou a compartilhar o Amor convosco, antes que Este Meu Amor comece a julgar o mundo e devolver ao mesmo o que lhe pertence, para conservar o que é vosso, que é a verdadeira e justa Vida que se origina Nele (o Amor) e por Ele".




  1. Como consequência, o seguinte é o mesmo: "Eu não tornarei a comê-la, antes que ela se cumpra no Reino de Deus"; ou de maneira mais simples para vós que tendes dificuldades em ouvir: "Eu de hoje em diante não mais comerei, só após o julgamento do mundo ou do príncipe do mundo no Reino de Deus, o qual é o Reino do Amor e da ressurreição do Espírito".




  1. A verdadeira Páscoa, porém, é o verdadeiro Amor por Mim, e pelo qual o coração se torna lar do Espírito Santo.




  1. Vede, isto tão simples de entender é o que significam estes dois versículos. No futuro, não procureis o entendimento dos textos com a razão e na razão, com um espírito mundano rígido, mas sim com o Amor, no Amor e no espírito humilde da Verdade, e assim tudo será de fácil entendimento. Senão demorará, até que Eu possa comer o Cordeiro da Páscoa em vossa companhia, no Meu Reino. Entendei bem isto. Amém.


Para uma filha cansada do mundo
Recebido por Jacob Lorber, em 17 de dezembro de 1841




  1. Ó Abba Emanuel! Na mais profunda humildade aqui me encontro implorando-te, a ti, o mais Amoroso Pai, Tu, que alivias a todos os sofredores e oprimidos que Te procuram, olha com carinho o coração humilhado desta nossa irmã, cujas esperanças (no mundo) foram completamente destruídas e que não possui a força necessária para voltar-se para Ti; ó Santo Pai, em Ti, onde somente encontra-se a paz, o consolo, e uma Vida nova e verdadeira.




  1. No seu desespero e na sua escuridão ela nem imagina que as portas se encontram abertas de par em par nesta época de graça e que Tu, Santo e Amoroso Pai, aguardas de braços abertos todos os Teus filhos perdidos, perdoando-os todos.




  1. Põe, por favor, Tua Luz e Tua Verdade no coração dela, que parece estar cansada da vida na Terra. Mostra-lhe (já que ela assim deseja) a doença que acomete sua alma, como também seu corpo fraco. Dá-lhe, amoroso Pai, palavras de consolo, de vontade de viver, e fortifica seu coração.




  1. Eu, um humilde servo Teu, peço-Te com toda a minha humildade: Tua Vontade se faça nesta irmã. Amém.




  1. Tu, porém, Santo Pai e Senhor, és o único Salvador, ressuscitador que pode fazer-nos renascer. A Ti, só a ti todo nosso agradecimento, louvor e Amor. Pois tu és o Redentor e Teu Amor é eterno. Amém.

Resposta do Pai ao pedido anterior:




  1. Aquele que voltar seus olhos para o mundo, mais cedo ou mais tarde verá como este recompensa seus admiradores, seguidores e trabalhadores.




  1. O que é o mundo? Nada mais que um corpo morto, um sepulcro no qual pouca coisa boa pode ser encontrada, nada mais que podridão tenebrosa, esqueletos asquerosos a serem putrefatos e expostos a todo tipo de vermes. Vê, estes são os tesouros do Mundo! Mesmo sendo asquerosos, são idolatrados e procurados apaixonadamente pelos homens, especialmente nos dias atuais. Eu, que com Meu Amor Paternal tento protegê-los dos mesmos, preocupadíssimo com suas atitudes tresloucadas e externamente egoístas; tudo faço para evitar que eles se precipitem neste sepulcro, o que é difícil, pois tenho que respeitar seu livre arbítrio.




  1. Vê, assim é o mundo. E tão extremamente tolos e mesmo maus são os que nele foram criados. Eu te digo que em cem pessoas poderei encontrar somente meio justo e entre mil só um totalmente justo. Pois o mundo tornou a todos mais ou menos cegos.




  1. Observa a moda das roupas. Elas já são o verme da morte que começou a comer o corpo em vida. Sobre a moda encontra-se um dos Meus maiores julgamentos, pois ela é a maquiagem da morte pela qual milhares de pessoas, até milhões, serão excluídos da vida eterna.




  1. E a dança! Esta vos leva com imensa rapidez para a morte, tanto material como espiritual. Os bailarinos carregam a morte em seus braços. O que Eu devo fazer com eles? Eu os deixo de lado, pois já receberam seu prêmio pelo qual tanto suaram.

  2. E mais ainda o usurário, o invejoso e o avarento. Estes três são de longe o primor de vermes humanos (o nome "humano" é bom demais para este tipo de servos da morte). Não é nem possível chamá-los de "pecadores". O pecador de vez em quando se arrepende e às vezes tem o desejo de melhorar. Mas este trio de almas materialistas, que só reconhecem as pessoas pelos bens (dinheiro) materiais que possuem, estes não conhecem a palavra "arrependimento". Onde está o rico que se arrepende de ser rico? Se um destes ricos tiver tanto dinheiro e ele doar uma ninharia para um pobre, o faz com muita má vontade. Eu sei muito bem quão poucos são os ricos que se dedicam a ajudar seus irmãos necessitados com alegria no coração. Eu te digo, se os contares nos teus dedos, sobrarão dedos nas tuas mãos, se tomares uma cidade de aproximadamente 500 mil habitantes.




  1. E a infidelidade daqueles que só se amam a si mesmos? Achas que os que se declaram para ti, o tenham feito por amor a ti mesmo? Acredita, estes só amam a si mesmos, em ti! Mas já que tens coração iluminado e esclarecido, eles se sentiram mal e seu amor próprio não agüentou o que consideravam humilhante (tua retidão os enfraquecia) e assim te abandonaram.




  1. E agora estás triste em teu coração, por Eu ter te protegido e liberto destes que iriam te destruir, pois só amam a si mesmos e só são fiéis amantes de si mesmos? Eu te digo: Alegra-te pelo que hoje choras! Eu te prometo que teu coração se curará neste teu peito e então poderei entregá-lo alegremente a um homem que será teu companheiro aqui e na eternidade.




  1. Acredita no que te digo: Eu estou mais perto de ti, do que jamais poderás imaginar! Assim, se Me procurasses com amor em teu coração, tu, que tanto desperdiçaste este teu amor e ainda continuas a desperdiçá-lo, já Me terias encontrado há muito tempo.




  1. Vê, tua doença corpórea sou Eu! Sim, Eu estou doente em ti, doente de amor. E por isto tu estás enfraquecida e adoentada. Concentra de agora em diante, todo teu amor do mundo para Mim, e logo Eu ficarei curado em ti, e tu em Mim e Comigo.




  1. Tu achas que tens problemas pulmonares. Nada disto, pois o que te falta está no coração! Pois não pertences ao mundo, mas és filha do céu! Por isto a felicidade do mundo não te aceita, não te quer bem.




  1. Quando teu coração estiver curado, teu corpo também estará curado. A doença é tua provação!




  1. Mas o mundo como Eu te mostrei no começo não proverá a tua cura nem o bálsamo para o teu coração ferido. Só Eu posso dar-te isto. Volta, pois, teu coração para Mim! Somente em Mim encontrarás a paz feliz e calma e nunca junto às chamadas Irmãs de Caridade vestidas em roupagem de humildade e misericórdia, nem nas igrejas frias e enfeitadas, mas sim junto a Mim, com tua confiança e teu cada vez maior amor por Mim.




  1. Vê, Meu servo Jacob Lorber, igual a ti, sempre estava doente, mas desde que Me achou nada mais sente; ele está sadio e livre.




  1. Tu também podes ficar curada, assim que te voltares para Meu Coração. Vê, Eu, teu Eterno e Santo Pai, jamais te abandonarei. Mas deves vir a Mim com todo coração.




  1. No momento em que chegares a Mim, serás ornamentada com uma grande maravilha! Eu só vejo a confissão do coração, nada mais Me importa.




  1. Por isto, vem a Mim, teu Pai, teu Jesus. Amém.


Para Meu servo (Jacob Lorber)

Recebido por Jacob Lorber, em 17 de dezembro de 1841 – continuação




  1. Aquela cançãozinha que modificaste para ti e que intitulaste “O Mundo Calmo”... Vê, esta cançãozinha é muito boa para aqueles que não são do mundo, mas que este tudo faz para deles se apoderar.

  2. Mas esta cançãozinha deve ser um pouco modificada, pois ainda existe algo impuro nela, e ela não possuiria a força necessária para atuar nos corações necessitados.

  3. O título deve ser “O Mundo Interior”, e um irmão iluminado poderá musicá-la, pois terá a Minha inspiração. Assim, esta cançãozinha fará a sua missão. Escreve, então!

  4. Eu te digo: Todo obreiro tem o seu valor. E se tu trabalhares corretamente, sem a avidez da riqueza, como o fizeste até agora, obterás uma compensação merecida pelo teu trabalho, na hora certa. Jamais penses na recompensa, mas sim trabalha por Mim e no trabalho que de Mim recebeste, assim já terás a maior recompensa dentro de ti. Escreve pois. Amém.





1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   56


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal