Palavras de agradecimento do servo



Baixar 2.41 Mb.
Página15/56
Encontro11.06.2018
Tamanho2.41 Mb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   56

Obsessão


Recebido por Jacob Lorber, em 30 de janeiro de 1841

Pedido do servo: “Senhor, Tua vontade seja feita! Tu bem sabes o que eu espero: que Teu nome seja sempre louvado e abençoado por toda a eternidade, em espírito e verdade. Amém.”
1 – Escreve, pois, só uma palavrinha sobre o que te está atormentando! Pois nesta época existem obsedados tantos, que a situação tão triste destas pessoas já é considerada como normal.
2 – Quando o corpo adoece de vez em quando, a causa disto é que algo estranho entrou nele por algum motivo qualquer. Logo o organismo, com suas atividades orgânicas, se esforça para expulsar aquele corpo estranho. Mas aqui acontece o mesmo que acontece a alguém que se perdeu num labirinto do qual não consegue sair com a mesma facilidade com que entrou. Sua entrada não possui nenhum obstáculo, mas a saída... Então um corpo estranho que se introduziu no organismo não pode ser expulso com a mesma facilidade com que consegue entrar no mesmo.
3 – Mas no organismo o corpo estranho causa obstrução das atividades normais dos órgãos, provoca uma série de problemas na circulação do sangue e de todos líquidos que dele se originam. Como então os líquidos não chegam aos órgãos aos quais se destinam, no momento certo estes ficam com fome, se encolhem e provocam dores espasmódicas, um repuxar doloroso, e ficam cada vez mais fracos. Finalmente o corpo e seus órgãos ficam com a tensão elétrica desequilibrada e em pouco tempo a perdem totalmente. A consequência é que o corpo se torna frágil e doente.
4 – Os corpos estranhos são, por exemplo, venenos de tudo quanto é tipo e em todos os elementos. Eles conseguem entrar no corpo das mais variedades maneiras: pela boca, nariz, ouvidos, olhos e também pelos poros da pele.
5 – Junto a estes venenos tão variados ainda existem os chamados contágios, os quais se assimilam ao corpo pelo contato ou mesmo até pela proximidade. Eles penetram pelos poros no corpo e começam a se juntar ao mesmo. O corpo fica doente, severamente doente, pois neste caso o corpo deve exercer uma atividade condicionada bem diferente da normal; e se não houver uma ajuda rápida, então este corpo não resistirá.
6 – Existe ainda uma terceira maneira das doenças se originarem: ferimentos violentos, os quais prejudicam e muitas vezes levam o organismo à morte. É de se entender que há dois tipos de ferimentos: o externo e o interno.
7 – Então se entende que a doença, qualquer que seja a sua origem e forma, nada mais é que a presença de corpos ou elementos estranhos que não correspondem ao corpo.
8 – O corpo naturalmente tem em si todos os elementos, mas para sua saúde estes devem existir na medida necessária ao ótimo equilíbrio dos mesmos, tal como a natureza predispõe. Então o tal “corpo estranho” é uma desproporção dos elementos naturais: às vezes existem demais, às vezes existem de menos no organismo.
9 – Muitas vezes o homem já é arruinado desde seu nascimento pelos pecados da vida desregrada dos pais. Assim os corpos estranhos já lhe são outorgados geneticamente, e vós então chamais estas doenças como “hereditárias” ou “crônicas”. Mas quando um mal deste tipo se repete em várias gerações, então este mal é se torna “normal” (quer dizer que está tão imiscuído na natureza das pessoas, que não é mais considerado anormal) e não mais pode ser expulso do corpo por meios naturais, mas sim só com um milagre Meu, o que se torna numa violência vinda de Mim, pois Eu, por causa de Meu Amor Cheio de Misericórdia, atuo contra Minha Ordem. Se não for assim, o mal não pode ser extirpado completamente. Lentamente ele se apresenta feito febre e epidemia, onde, depois de muita luta, míngua a pessoa, ou então a impõe ataques violentos e leva-a consigo; não só ela como a uma geração toda, dando razão aos médicos que dizem que contra males tão antigos não existem muitos meios de cura.
10 – Mas se algum de vós desejar saber se é portador de um mal hereditário silencioso e crônico, ou se está contagiado com algum mal ainda não detectado, deve jejuar bastante e com esta dieta tomar um medicamento adequado (*), e em pouco os males aparecerão: nos nervos, os males hereditários; nos membros e juntas, os crônicos; nos órgãos, os autoadquiridos. Para combater os males, é o caminho da assim chamada “homeopatia” que se deve preferir, especialmente os da primeira categoria.

11 – Até aqui Eu falei da obsessão no corpo, mas com isto Eu também mostrei a obsessão espiritual nos homens. Pois com a espiritual acontece exatamente o mesmo que com a corporal (material).


12 – Este tipo (o espiritual) de obsessão já se tornou tão normal, que as pessoas já nem mais se dão conta das maldades horríveis que os espíritos maus aplicam nelas. Sim, as pessoas estão de tal maneira obsedadas, que o seu eu e os espíritos maldosos se tornaram unos. O espírito malvado fala só pela sua casa, e a casa somente por seus habitantes indignos.
13 – Os sinais de obsessão estão no orgulho, na maledicência, nos palavrões, nos insultos, nos rituais da igreja, na cobiça, na gula, na usura, no escárnio, na injúria, na altivez, no rancor contra tudo que diz respeito a Mim, na moda, no luxo, na ostentação e outros tipos de singularidades similares.
14 – Quem não acredita nisto que experimente logo, na humildade, a dieta espiritual já aconselhada e tome em pequenas doses as Minhas Palavras. Muito em breve verá quem de fato é o “senhor” que mora em sua casa. E se este for por Mim expulso, ele não hesitará em conclamar todo tipo de bestas, para atormentar o liberto.
15 – Quem não quiser acreditar nestas Minhas Palavras, este que experimente a “homeopatia espiritual” e logo se convencerá que Eu, a Eterna Verdade, sou fiel a cada palavra por Mim pronunciada.
16 – Mas a purificação geral já não está longe. Ai daquele que for dono de tais bens. Amém. Isso falo Eu, a Eterna e Absoluta Verdade. Amém.

(*) Aqui creio que o Pai fala da homeopatia unicista (a tradutora)



A caçada feroz

Recebido por Jacob Lorber, em 01 de fevereiro de 1841


1 – Este é um apêndice à mensagem sobre obsessão! Como aqui vou dizer coisas bem desagradáveis aos homens, considerai bem que Eu sou Aquele para o qual tudo é possível!
2 - Se a alguém que é bom e cheio de bons sentimentos se apresentam criaturas estranhas e más – tanto em atitudes (que neste caso são bem visíveis) como também em forma de vozes estranhas ou conversas cheias de altivez, rancor e insultos – martirizando o coitado do obsedado, jogando-o de um lado ao outro, batendo e castigando-o, então esta obsessão tem uma causa tríplice.
3 – Ao perguntardes por que uma pessoa inocente é submetida a tal martírio, há de se questionar o seguinte:
4 – Se um veado é abatido na caçada, este não mais será perseguido. Ele será levado para casa como despojo, presa da caçada. Mas enquanto um veado ainda for detectado pelos cachorros, eles não se aquietarão e perseguirão o animal, até trazê-lo à mira do caçador, para conseguir sangue fresco para lamber. Por outro lado, cada caçador tem o seu tempo para observar a idade do animal e algumas vezes o poupa, não permitindo que os cães o persigam nem o assustem, para não espantá-lo de seu território de caça. O animal é inocente; ele não consegue ver as manhas do caçador. Muitas vezes é uma presa tola e fica como se estivesse amarrado ao escuro território de caça da morte, permitindo que os cães o persigam e que o caçador o mate.
5 – Com este exemplo quero mostrar-vos como o rei das trevas caça constantemente os homens e considera todos como presa em seu grande território de caça. E se antigamente ele era um caçador ilícito, faz pouco tempo ele se declarou como proprietário de caça. Sabe poupar suas vítimas até o momento exato, quando então novamente promove uma caçada bem ampla, para retornar para casa carregando um grande despojo.
6 – Estas temporadas de caça correspondem às festividades populares, guerras, discórdias, luxúria e similares. E então são os bailarinos, os guerreiros, os invejosos os lascivos nada mais do que a “caça perseguida”. Salve todos aqueles que conseguiram se refugiar a tempo em Meu território de caça, por intuição ou por ouvir Minha Voz que anunciava o que estava por vir do território de Satã. Ai dos perseguidos voluntariosos. Eu afirmo que devem pertencer àquele de quem se tornaram servos.
7 – Ai dos músicos que dia e noite se esforçam para tocar as trombetas de caça de Satã, para atordoar a presa e empurrá-la até o alcance das flechas chamejantes do rei de todos os diabos. Ouvi vós, fiéis mercenários de Satã, vós que jogais o idioma dos céus nas trombetas da morte, vosso prêmio será bem grande no reino daquele a quem servis com tanta lealdade.
8 – Vê, Meu Servo, estes não podem ser obsedados, pois eles já pertencem à corte do senhor das trevas. Não duvides, é assim. A música dançante é a voz enganosa de Satã e é a voz das sereias, sobre as quais tanto falavam os antigos. Quem possui este tipo de voz não é mais um obsedado, mas sim ele próprio pertence ao grupo dos caçadores das trevas.

9 – Aí de vós que ensinais a dança, que promoveis danças, que organizais festividades com danças, festivais e concursos de danças; vós, tal como os músicos, também pertenceis à horda de caçadores de Satã e sóis verdadeiros diabos auxiliares para a grande caçada. Eu não preciso calcular vosso salário para esta atividade, pois aquele a quem tão fielmente servis já vos terá prometido o salário que ele considera justo. Vós sois servos bem diligentes e fiéis de vosso senhor; cada trabalhador vale o seu justo salário. Vós podereis ter absoluta certeza que em pouco tempo - isto é, nos tempos finais - já vos será pago o justo salário pela vossa tão árdua atividade. Em verdade, tudo será como Eu digo, e Eu serei vosso abonador, para que nada vos seja roubado do prêmio e que esta profecia se realize.


10 – Vê, Meu escritor, também estes não poderão ser obsedados. Observa todos os que tu conheces desta classe. Logo verás que são fieis servidores de Satanás e em cujas testas está escrito: “Dai-nos permissão e dinheiro, e nós vamos envenenar todo o mundo, construir salões de dança onde sóis celebrarão seu nascer e por onde planetas, quais ervilhas, rolarão de um lado a outro”. Para planos tão enormes e maravilhosos, deverá ser pago um prêmio condizente, pois no céu existe uma escassez bem grande de espíritos que pensam tão grandiosamente!
11 – Ai de vós, alunos de tais mestres! Em verdade vos digo: O rei da eterna noite já escreveu vosso nome em seu grande livro da morte. E o Meu anjo da Misericórdia já retirou estes nomes do Meu Grande Livro da Vida. Pode ser que mais tarde vós sejais atraídos por aqueles que dizem: “Senhor, Senhor, nós chamamos o Teu Nome, nós acreditamos que Tu eras o Filho Vivo de Deus; claro que não carregamos frutos maravilhosos, mas mesmo assim tivemos fé, fomos testemunhos de Tua Misericórdia e atuamos no poder de Teu Nome, pois bem sabíamos que sem a Tua Vontade nem mesmo um pardal cairia do telhado”.
12 – Eu então, destemido e usando Minha plena liberdade lhes direi: “Afastai-vos de Mim, vós, malditos e demagogos! Eu jamais vos reconheci como Minha propriedade! Pensais, pois, que Eu sou um assaltante ou ladrão que Me aposso da caça que não Me pertence?! Longe de Mim! Àquele a quem vós vos entregastes como propriedade deveis vos dirigir, para que obtenhais vosso prêmio! Eu conheço bem vosso proprietário, e Minha correção é muito importante. Por isto que seja de Satã tudo aquilo que ele conquistou e que sejam Meus todos aqueles que seguiram o chamado de Minha Voz e se refugiaram em Meu território a bom tempo”.
13 – O senhor da morte, a quem escolhestes como patrão, jamais poderá ter razão de queixa contra Mim - como se Eu alguma vez tivesse sido injusto para com ele. Pois o que é seu o será para sempre e o que é Meu o será eternamente (para sempre quer dizer: enquanto um ser caído pela sua vontade própria quiser permanecer na contraordem). O que lhe pertence ficará na desgraça da tortura do fogo com ele, junto a ele e nele; enquanto que os Meus ficarão na bem-aventurança da vida eterna e da felicidade Comigo, junto a Mim e em Mim”.
14 – Vê, Meu escrevente, estes alunos já pertencem ao obsedado, pois quem possui o local, a este também pertence tudo o que lá habita. Mas se alguém em bom tempo abandona livre e totalmente este local tão mau – o que representa o curto período em que habitais como humanos o planeta Terra, este curto período de vossa vida terrena – e vem a Mim para habitar os Meus campos, então a este Eu acolherei e tornarei propriedade Minha. E Eu saberei proteger muito bem Meu terreno dos inimigos e de todos aqueles que quiserem entrar na Minha área sem ter se arrependido completamente. Isto é para que Meu campo permaneça um local santificado e para que Meus habitantes se encontrem na mais absoluta segurança.
15 – Ouvi, pois, vós todos, os cientistas e sábios: essa é a Minha Voz. Em verdade, Eu vos digo: Vós não podereis entrar em Meu território na vossa fuga. Pois aquele cujo nome foi inscrito no livro da morte, por este Eu não brigarei nem lutarei (isto enquanto ele não desejar, por vontade própria, abandonar absolutamente o reino das trevas). Pois Eu respeito o direito do Livro Original.
16 – A esta classe também pertencem os comerciantes de artigos de moda e luxo, todos os fabricantes de tais objetos escabrosos de Satã, como também todos aqueles que os elogiam e que fazem sua propaganda (mesmo com boa intenção), todos aqueles que sentem prazer com tudo isto. Todos estes jamais (enquanto não houver um real arrependimento em seus corações) se tornarão Minha propriedade, como também não aqueles que não acreditam nessas Minhas Palavras.
17 – Não tenhas dúvida, Meu escrevente. É assim. E muitos virão a Meu campo e lá clamarão (sem um verdadeiro e sincero arrependimento) por Meu nome. Mas em verdade Eu digo: Eles não poderão entrar. E então muito vício e muitas maldições ecoarão e muitos se pregarão à madeira de Minha floresta, para destruí-la por vingança. Mas Minha madeira nobre eles jamais alcançarão. E quando Eu mandar limpar as árvores de Minha floresta...; vê, Eu sou um ótimo inspetor de floresta e logo aprontarei todos os galhos da mesma.
18 – E que Eu permita isto e não intervenha no campo do outro, para que ele jamais tenha um único motivo para dizer que Eu não fui correto. Por isto é que Eu não procuro ninguém para vir a Mim. Mas aquele que vem, Me procura e bate a Minha Porta na hora certa, gritando à viva voz, batendo com toda sua energia e sacudindo a porta de Meu campo, a este abrirei a porta e acolherei com todo Meu Amor.
19 – Mas aquele que não vier, não gritar, não bater, não sacudir a Minha Porta na hora certa, em verdade Eu digo: por este Eu não lutarei com Meu inimigo, pois não o quero como algo Meu. E ainda prometo: Meu inimigo receberá mesmo tudo o que lhe pertence.
20 – Mas da mesma maneira que a morte chegou por aquele e a Vida pelo Outro, então no fim haverá o julgamento contra aquele (Lúcifer) e tudo será julgado por este outro (Cristo). Mas quando o rei do mundo for colocado em julgamento pelo eterno Filho do Pai, então tudo o que lhe pertence também será julgado com ele e nele. Pois se condenais um criminoso, não condenais também seus órgãos? E por acaso um membro do corpo permanecerá vivo, se o criminoso for morto? Vede, isto acontecerá e não vai demorar muito!
21 – Meditai bem sobre o que Eu disse aqui! Calai ainda sobre muita coisa, mas deixai à mostra a noção geral. Haverá mais uma mensagem. Amém.

Isso digo Eu, o Eterno Amor. Amém.



Os vários tipos de obsessão

Recebido por Jacob Lorber, em 02 de fevereiro de 1841


1 – O que se segue será o apêndice final sobre o assunto. E mesmo aqui também encontrarás pouco consolo, mas sim horror, espanto sobre espanto. Mas mesmo que aqui dentro do contexto ouças o trovejar do Grande Julgamento (que não soa à distância, mas sim bem perto), não esqueças que Eu sou o Eterno Amor e que tudo posso. Pois Meus Caminhos são infinitos e Minhas razões insondáveis.
2 – Mas já que queres fazer perguntas por causa do mundo, então elas devem ser feitas por escrito. Eu te dou esta missão. Mas ao perguntares, faze-o com singeleza e de forma bem compreensível.
Pergunta: - Senhor, podes nos dizer em qual ordem acontece a obsessão? E será que os obsedados do Velho e do Novo Testamento, como também os da atualidade, estudados pelos professores Eschenmayer e Justinus Kerner, pertencem também à mesma ordem que os obsedados sobre os quais falaste?
3 – Resposta: - Vê, os primeiros mencionados, o grupo de caça de Satã, são os sedutores em toda ou qualquer intenção maldosa. E na frente destes sedutores estão aqueles mais convincentes, os mais atraentes, os mais envolventes, os que tornam a situação tão sedutora, que todo o mundo se deixa levar para a perdição sem dar-se conta do perigo.
4 – A esta primeira classe pertencem os modistas no mais amplo o sentido da palavra, todos os promovedores de danças e bailes, todos os músicos de orquestras para bailes, os coreógrafos, os professores de dança, bailarinos, bailarinas, como também todos os que louvam esta arte satânica, os que a assistem com complacência e prazer e ainda todos os jovens e as jovens que desejam dançar.
5 – Mas Eu vejo que tu te perguntas: “Por que a dança é um elemento satânico tão perigoso? Será que o ser humano não poderia ter uma única hora de prazer e alegria no mundo?”. A isto Eu respondo:
6 – Jamais ouviste a fábula de como a raposa esperta induz as galinhas e demais aves a sair das árvores e como a cobra atrai os passarinhos para suas fauces? Vê, a raposa rodopia sob a árvore, e as galinhas observam despreocupadas aquele alegre folião, até que caem nas suas garras. E a cobra se contorce no solo, pois deseja entreter os passarinhos enquanto eles a olham despreocupadamente e voam diretamente para suas fauces. Vê, é assim que esta arte tão sedutora e atraente de Satã seduz as pessoas a deixarem a Árvore Santa da Vida. Existe mais a dizer?
7 – Mas com respeito aos “momentos de prazer e de alegria”, Eu não digo nada mais que o seguinte: Se as horas felizes e alegres forem procuradas fora de Mim...; vê, Eu, como onisciente que sou, devo te confessar que de fato não sei se tais momentos ainda são possíveis de serem encontrados fora de Mim. Na Minha Onisciência infinita e santa Eu muito duvido ser isto possível. E estas horas alegres podem ser somente armadilhas de Satã, pois se parecem aos prazeres mais atraentes e possíveis de serem sonhados, pelos quais toda a natureza pode ser enganada até a perdição. Àquele ao qual Eu não basto para fazê-lo feliz, este em verdade é um autêntico filho de Meu inimigo.

8 – E logo a seguir vêm os donos de prostíbulos e casas de jogos, todos os cafetões e jogadores profissionais, bem como os sócios, protetores e patrocinadores de tais estabelecimentos que são um verdadeiro tesouro de Satã. Depois, todos os promovedores de guerras, instigadores, delatores e amotinadores. Ai deles ..., seu prêmio será bem, bem grande!


9 – E finalmente estão os invejosos, os usurários, os falsos, os mentirosos, os avarentos, os aduladores, os caluniadores, os difamadores de Minha Graça, os embusteiros ladrões, assaltantes, assassinos (tanto no espiritual como no material), como também todos os suicidas.
10 – Vê todos estes, segundo a Ordem, pertencem ao grupo de caça de Satã e, com exceção de alguns dos últimos relacionados, já são mais do que obsedados; sim, eles já pertencem à horda que atrai e que seduz, são todos práticos por excelência.
11 – Toda a “caça”, a “grama” e especialmente as “árvores” deste território de caça maligno, bem como o solo que o forma, pertencem ao segundo grupo dos obsedados.
12 – Para estes a recuperação é muito difícil, mas existe! Mas para o “pasto”, as “árvores” e o “solo”, que são propriedade de Satã, ela não existe mais rapidamente, pois que eles já se enraizaram e defendem a maldade de Satã. Ai deles, pois não escaparão do incêndio do Mundo, que virá em breve. À “caça” ainda será dado um período para regenerar-se, mas quando a época da perseguição e da fuga iniciarem, aí nada nem ninguém mais poderá entrar em Meu território de caça divino.
13 – Mas com respeito aos obsedados do Velho e do Novo testamento, dos mencionados por Kerner e Eschenmayer, estes se encontram na posição das “árvores de Meu território de caça”, nas quais os já mencionados fugitivos se agarram para, quando possível, estragar as mesmas. Mas estas “árvores” não têm nada a temer, pois Eu próprio protegerei o cerne de suas vidas.
14 – Pois onde uma destas aparições se anuncia, ela acontece, na maioria das vezes, somente em pessoas extremamente religiosas. E é extremamente raro que esta aparição aconteça para uma pessoa má, ou mesmo uma pessoa comum do mundo, a não ser que esta pessoa, sacudida por um milagre, deseje se converter; então os seus donos se manifestam do seu interior para seu exterior, para ser um exemplo assustador aos vizinhos.
15 – Em muitos loucos estes exemplos poderiam dar uma longa matéria a estudar. Mas nem todos se encontram neste caso. Muitos endoidecem porque encheram seu “balão da razão” demais e assim romperam o “cordão da vontade”, por sofrerem uma pressão exagerada e intolerável, interrompendo seu direcionamento livre. Ou se uma pessoa estica seu coração demais em direção a algo muito fútil ou muito vaidoso, este cordão da razão também pode se romper e a máquina da vida começa a andar fora da ordem em tudo, em várias direções imagináveis e inimagináveis. Então esta pessoa só enxerga aquilo com que sua cabeça e seu coração estão cheios, rodopiando em círculos doidos ante sua razão desenfreada. Esta pessoa, porém, não é perdida. Ela representa os galhos emaranhados e confusos que o “bom engenheiro florestal” conseguirá ordenar de novo.

Pergunta: - Senhor, o que vai acontecer com os modistas e criadores de moda, com todos os “sedutores”, pois os negócios que os alimentam exigem tal atitude deles? Se qualquer um destes quiser voltar a Ti, Pai, como é que ele deverá atuar, para iniciar a reconquista de sua vida?
Resposta: - Esta é uma pergunta totalmente humana, igual às advertências de Pedro, portanto é extremamente tola. Achas, pois, que Eu sou um pobretão ou um mendigo? Ou será que alguém que alimenta constantemente universos e sóis não teria alimento necessário para uma ou para mil pessoas? Pensa bem nos mundos e nos sóis que existem, se estendem ao infinito e são incontáveis. Vê, a uma pergunta como esta, que nem mesmo é digna de resposta, isto que digo aqui é o bastante (*).

17 – Mesmo assim, para acabar tudo, escreve: Aquele que seguir a Minha Voz, este viverá; permanecendo surdo, porém, encontrará a morte eterna. Minha Palavra é Meu Amor, Misericórdia, Bênção e Piedade e esta semente da vida será semeada em vários lugares. Lá onde tomar raiz, lá ela produzirá Vida, libertará os obsedados para a Vida. Mas onde for pisoteada, lá a morte fará o seu banquete.


18 – Agora faço tudo novo, para que o velho tenha que se retirar sob chacotas e escândalo. Mas se vós desejardes trocar um manto velho por um novo, Eu o farei com prazer; aliás, Eu o estou fazendo neste momento. Procurai, pois, adquirir vossas vestes de casamento e enchei vossas lamparinas com óleo. Pois Eu, o supremo noivo, estou a caminho! E lá onde menos Me esperais, lá Eu estarei! Feliz daquele que Eu encontrar pronto e à Minha espera!
19 – Isto falo Eu, o supremo noivo. Amém.

(*) As advertências de Pedro se deram quando Jesus falou que seria crucificado. Pedro então disse: “Cuida para que não façam isto Contigo!”; ao que Jesus respondeu: “Afasta-te de Mim, Satanás!”, pois a advertência era totalmente humana, do homem Pedro ao homem Jesus.



Bênção da Misericórdia

Recebido por Jacob Lorber, em 03 de fevereiro de 1841



1 – Escreve este conselho que dou a teu irmão que gostaria de saber o que se poderia fazer com um menino, anjo fraco que está na Terra. Vê, este conselho é bom e não muito caro:
2 – Havia há muito tempo um pai que tinha doze filhos e muito pouco dinheiro. Mais ou menos, nos tempos atuais (1841 / Áustria), seriam 350 florins por ano. Mas certo mesmo eram somente 150 florins, pensão que o senhor do feudo em que morava lhe dava. O restante ele tinha que ganhar com seu trabalho geralmente incerto; sendo assim, o ganho também era incerto.
3 – Bem, alguns de seus filhos ficaram doentes e, além disso, sua mulher, enfraquecida pelo afinco em cuidar dos filhos doentes, também adoeceu e teve que ficar acamada. Com isto o homem teve que abandonar suas tarefas extras, para poder cuidar da família doente. Claro que o dinheiro parou de entrar, e a vida, já difícil, tornou-se quase insustentável. Como também ele começava a enfraquecer, resolveu: “Vou procurar o bondoso dono do reino onde habitamos. Contar-lhe-ei minha situação horrorosa e direi a mais pura verdade. Tenho certeza que ele se apiedará de mim”.
4 – Assim pensou, assim fez. Foi procurar o rei e lhe contou tudo. Ao ouvir o seu relato, apesar de estar bem sensibilizado em seu coração, o senhor deu de ombros e disse sem piedade:
5 – “Ouve meu bom velhinho, eu não duvido de tua sinceridade. Mas antes de ajudar, eu quero visitar-vos, para ver se tudo é mesmo assim como me contaste. Ai de vós se me disseste uma única mentira! Vai então, e que minha bênção te acompanhe”.
6 – O ancião voltou para casa oscilando entre a esperança e o medo. Ele esperava muito a misericórdia do senhor, mas temia que ele demorasse em cumprir o prometido. Ao chegar em casa, contou à família sua entrevista com o senhor. E todos resolveram limpar sua choupana da melhor maneira possível e logo após o parco almoço, o que começaram de imediato.
7 – Mas o senhor tinha resolvido seguir o pobre, sem que ele disto se apercebesse, pois ele meditou: “Esta miséria precisa de socorro imediato!”. Enquanto os membros da família faziam a prece agradecendo a refeição, com os olhos rasos d’água o rei entrou na choupana e disse: - Ouve ancião, por que é que tu mentiste? Pois eu vejo treze crianças, e tu disseste que tinhas doze filhos ...
8 – O ancião se jogou de joelhos frente ao rei e disse: - Nobre senhor, este décimo terceiro não é meu filho legítimo, eu o acolhi por piedade!”
9 – E o rei, aparentando estar bem desgostoso, respondeu (de fato seu coração estava repleto de curiosidade piedosa): - Já que ainda podes manter uma criança estranha, então vossa miséria não deve ser tão horrível assim, e tenho certeza que podes dispensar minha ajuda.
10 – O pai tomou coragem e, tomando a mão do rei contra seu coração, disse: Nobre e bondoso senhor! Este décimo terceiro eu encontrei quase morto num alagado, há mais ou menos dez anos. Ele já estava todo coberto de lama e mal conseguia respirar. Tomei-o nos braços e corri para casa, onde o entreguei a minha bondosa esposa, dizendo:
11 – “Vê, o Senhor permitiu que eu encontrasse um tesouro na floresta pantanosa. É um menino lindo! Vê, ele com certeza não tem mãe nem pai, vamos ser seus pais! Pois onde comem doze, o décimo terceiro não morrerá de fome. E se eu tiver que mendigar por ti e nossos doze filhos, este décimo terceiro não fará nenhuma diferença em nossa miséria!” De imediato ela o tomou em seus braços, beijou-o e cuidou dele até este momento, igual aos outros. Por isto, nobre senhor, não se zangue por vos ter ocultado isto”.
12 – Ao ouvir isto, o coração do rei encheu-se de ternura, e lágrimas de piedade rolaram sobre suas faces. Ele elogiou o ancião dizendo:
13 – “Ouvir isto me causa uma grande alegria! E como agistes com uma nobreza tão silenciosa, mesmo com toda a miséria em que viveis, vos tornastes verdadeiros pais para este pequenino; sim, fostes o seu salvador, e eu quero ser vosso pai, o pai que vai cuidar de todos desde já! E já que o menino é um órfão, trazei-o a mim, que eu serei o pai, e a rainha sua mãe. Abandonai, pois, esta choupana, que no meu palácio há bastante lugar para abrigar a todos vós. Aqui neste lugar, construiremos um monumento que levará vosso nome”.
14 – Vê, Meu querido filho, esta estória e retira dela o que tu queres saber. Pois Eu sou o Rei, e tu és o pobre ancião, e a tua preocupação é o menino encontrado na floresta!
15 – Faze o máximo que puderes e não perguntes como, quando, onde, para que, por que ou com o que. Muito menos como poderias fazer bom uso deste corpo tão enfraquecido desde o ventre materno. Leva-o para Mim, este que é um anjo na sua provação (a franqueza que lhe foi determinada por provação). Sê bem alegre nesta empreitada, mas mantém um olho bem atento nele! E tu vivenciarás muito nele, que inteiramente te será de bom proveito.
16 – Vê, Meus filhos são a grande bênção da casa em que eles podem morar. Pois Eu sou o seu Pai verdadeiro e não deixarei de sê-lo eternamente. Mais não preciso te dizer por hora, pois não serias capaz de aguentar tanto. Mas te controla, pois Eu visitarei tua casa. Por isto Eu digo: Amém.

Teu Bondoso Rei e Pai. Amém.



1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   56


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal