Palavras de agradecimento do servo



Baixar 2.41 Mb.
Página13/56
Encontro11.06.2018
Tamanho2.41 Mb.
1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   56

Uma dica para educação

Recebido por Jacob Lorber, em 30 de novembro de 1840

1 – Ouve, então, Meu querido Andréas Willig, mais isto: É um pequeno desejo Meu que tenho para ti, e tu bem sabes agora o que Eu quero dizer com “desejo”; isto é, a união de Minha Vontade com a tua. Não deixes que teus filhos cresçam com uma vontade totalmente livre, sem nenhum limite. O que tu lhes dás como estudo, isto eles devem aprender com boa vontade. Do que mais gostas (de teu conhecimento), dê o que tu achas que é bom para eles, e eles devem também achar bom e certo por esta tua opinião. E disto se originará algo bom e correto, pois é abençoado pela obediência. A não ser assim, tudo pode sair mal e ser inútil.
2 – A falha na educação consta geralmente porque os pais não dão a devida importância a tudo que se refere às crianças. Mas considera onde começa a Minha educação. Eu já Me preocupo com o infinito grãozinho da poeira do Sol, imagina, portanto, como será em relação a uma criança. Se meditares um pouco, verás como é importante a educação de uma criança!
3 – Vê, Meu querido Willig, caminha sempre na Minha trilha, e Eu jamais deixarei que te falte Meu Amor, serei sempre para ti um Pai bondoso e santo e, especialmente, o teu maior prêmio. Amém.

Viagem para Haberbach

Recebido por Jacob Lorber, em 01 de dezembro de 1840



Na viagem para esta cidade o Senhor revelou o seguinte para Seu Servo:
1 – Já observastes que às vezes Eu vos falo com palavras bem simples e comuns, mas outras vezes elas são fortes, cheias de inspiração e impacto? E isto acontece pelo seguinte: de acordo com a vossa capacidade de absorver, assim as palavras da Revelação vos são oferecidas rebuscadas e elevadas, ou simples e ao alcance das mentes simples.
2 – Mas no momento em que subirdes num morro, considerai que estais mais evoluídos e que já galgastes alguns degraus, o que não teríeis feito, se tivésseis permanecido na planície. Pois quanto mais vos distanciais, tanto mais alta e maior é a vista. No vale, porém, só podeis ver aquilo que se encontra nele; se descêsseis num poço, como seria minúscula vossa visão...
3 – Mas isto não acontece Comigo, pois para Mim não existe diferença de como vos revelo (em palavras rebuscadas ou simples). Tudo se origina na mesma fonte igualmente sublime, porque Eu sou a mais insignificante palavra que pronuncio, e esta pode não ser compreendida pelos mais sublimes anjos que entoam as loas mais sublimes e elevadas. Então não é de nenhuma importância, se Eu vos falo com frases grandiosas ou com frases simples do dia-a-dia. A mensagem é Minha!
4 – Pois se, no fundo de vossos corações, acreditais que sou Eu que vos falo tais coisas, então não estareis interessados na forma da revelação, mas sim no conteúdo da mesma, pois sabeis bem que sou Eu quem conhece tudo e todos na sua matéria (exterior), bem como no seu espírito (interior).
5 – Mas vós podeis ponderar o seguinte quanto à diferença de Minha Fala: Se Eu falo palavras rebuscadas, aí estou falando mais sobre a Sabedoria, e o Amor neste caso é somente um postulado; mas quando Eu vos falo com palavras simples do dia-a-dia, então estou falando pelo Amor, e a Sabedoria é o postulado.
6 – Desta forma, com os estudiosos e sábios do mundo Eu falo desde Minha inalcançável e eterna Sabedoria. Mas com Meus filhos, que Eu muito amo, Eu falo como o faz um carinhoso Pai nas suas bem conhecidas situações. Devei vós preferir que vos fale com Amor Paternal do que com rebuscadas palavras de Sabedoria.
7 – Se Eu falo palavras rebuscadas, é por causa do mundo. Vós podeis ter certeza que convosco jamais falarei outras palavras, que as que se originam no Amor do Pai.
8 – Na Minha grandiosa palavra de sabedoria encontra-se puramente a Sabedoria, e nada mais há para acrescentar à mesma. Pois cada palavra do Amor é um fruto vivo. E como em tudo que é vivo há no mesmo um infinito e uma variedade de oportunidades (tal como existe em cada semente) que não poderá jamais ser totalmente delimitada ou entendida, tal como acontece com a Sabedoria. Esta é a diferença entre a rebuscada fala da Sabedoria e a simples fala do Amor.
9 – Na Sabedoria Eu só dou tanto quanto fordes capazes de entender, mas no Amor Eu dou um infinito após o outro, onde mesmo a mais elevada sabedoria dos anjos jamais conseguirá a uma definitiva solução da Sabedoria que se encontra oculta.
10 – Bem, depende de vós do como desejais ser esclarecidos sobre vosso passeio de ontem.
11 – Vós fostes ao exato lugar ao qual vos enviei, lá observastes várias coisas e olhastes as coisas materiais do mundo que estavam a vossa volta, tanto longe como perto. E também observastes as formações das nuvens e as nebulosidades que vos envolviam.
12 – Mas o que mais vos chamou a atenção foi a montanha vizinha, que vós chamais de “Schockel”. Vós certamente vos perguntastes (isto Eu sei): “Em todas as direções podemos ver montanhas cercadas por nuvens e névoa. Pois elas atraem a si toda ou qualquer nuvenzinha e lentamente permitem que uma ou outra vá para alguma montanha, após ter-se fatigado da mesma?”
13 – Vede, uma visão destas tem muito significado, especialmente porque ela foi por Mim ordenada a assim atuar. Mas para entender esta visão completamente, todas as coisas que estão a sua volta também devem ser bem observadas.
14 – Em primeiro lugar, do lugar onde vós vos encontráveis a montanha estava exatamente sem nada, pois lá não existe mais a umidade necessária à vida. E finalmente deve ser observado que o sopé da montanha é escassamente habitado. Na altura de seu peito existem poucas plantas que não são frutíferas, e no verão o gado lá encontra uma alimentação bem fraca e água ruim.
15 – Observastes, mais adiante, que as nuvenzinhas começavam na altura do peito da montanha e não se dirigiam ao cume, mas sim uma aguardava a outra, se uniam e cobriam esta parte da montanha, enquanto que o sopé e o cume ficavam livres.
16 – E finalmente ainda observastes que nuvenzinhas se formavam no ar e com a brisa de um vento fresco da manhã eram levadas ao peito da montanha, quando lá se reuniam em grande quantidade; só então elas se elevavam até o cume e se apoderavam dele completamente.
17 – Junto a estas nuvenzinhas, que se formavam no ar lá em baixo e eram levadas pelo vento material até o peito da montanha, vistes o oeste orgulhoso. Também lá e cá, especialmente sobre o “Choralpe” como também sobre os Alpes menores, vistes filetes de névoa totalmente branca e a planície totalmente coberta por uma névoa azulada. Isto é tudo o que Eu queria que observásseis com atenção.
18 – Mas agora se questiona: “Qual é a importância espiritual de tudo isto que foi observado e o que Eu vos quis dizer com isto? Um de vós, ao ver o peito da montanha vizinha tão enevoado, disse ontem à tarde: “Aqui a falta de amor é grande.” Sim, esta é a mais pura verdade, pois falta um bom bocado de amor aqui. Mas Eu reconheço que não pode ser diferente, pois o homem não consegue modificar sua natureza num piscar de olhos. Mas lentamente e com Minha constante ajuda, tudo se ajeitará.
19 – E como já foi dito, há uma grande escassez de amor, mas não foi isto que a observação de ontem quis mostrar.
20 – Pois existe uma grande diferença se a névoa e as nuvens se formam nas partes da planície e dos vales, depois são levadas pelo vento, se elevam até o peito da montanha e envolvem o cume totalmente; ou se estas névoas aparecem já no peito da montanha, se apoderam de uma grande quantidade de nuvenzinhas soltas e então, todas juntas, envolvem o cume.
21 – Para que entendais, vamos começar pela montanha. Ela significa em cada homem sua parte material (natural e primordial) desde que o mesmo, devido a sua vida agora repugnante a si mesmo, já começou a se humilhar. Pois mesmo que esta montanha seja razoavelmente alta, em comparação com suas vizinhas bem mais altas ela não passa de um morrinho. E o homem tem que se humilhar cada vez que alguém traça paralelos por cima de seu cume, relacionados com seus vizinhos. É quando ele enxerga o mundo alto que existe ao seu lado e passa a meditar:
22 – “Também eu sou uma pessoa. Porque estas pessoas são mais altas (importantes) que eu? Eu não consegui ficar tão alto como elas, então eu quero ser o que elas não são e não conseguirão ser com facilidade: eu quero ser humilde e nesta humildade quero fazer com que meu fogo de amor interno fique cada vez maior. E quando este estiver em chamas brilhantes, então todas estas névoas serão expulsas por este fogo interno e lentamente cobrirão minha altura, para que esta não seja olhada por olhos irados dos vizinhos maiores.”
23 – Vede, é assim que devemos interpretar esta visão. Estas névoas não indicam que vossos peitos ainda estão tão nebulosos, como estavam no passado. Porém, como elas se elevam dos peitos, elas indicam que vossos corações estão em chamas e que estas chamas expulsam as nebulosidades e as expõem totalmente aos raios do sol.
24 – O que é que o sol faz então? Como ele vê que a montanha iniciou este processo tão bom em seu interior e que ela deseja se humilhar de fato, ele atrai todas as nuvenzinhas num só grupo e faz com que um vento matinal de grande significado as atraia. E quando tiverem se unido, o sol as puxa para o cume e as aprisiona.
25 – Isto significa que vosso amor, já começou a se livrar destas névoas e com elas, por Minha ajuda misericordiosa, aprisionar vossa razão da maneira como vos mostrou tão claramente a visão desta montanha
26 – Estais a ver que estáveis enganados, quando ontem achastes que Eu estava a vos magoar com a tal “falta de amor”.
27 – Mas com respeito às outras montanhas, elas não se vos apresentaram unidas, quando as observáveis com vosso binóculo, mas sim elas se rasgavam nas suas arestas nuas. Isto representa a maldade das pessoas materialistas, que só parecem ter um pouco de calma e paz, quando vistas com os olhos naturais, sem binóculos; mas com os binóculos do espírito elas são aproximadas aos olhos internos, e aí se consegue ver a verdadeira situação de sua fingida calma ostensiva, que rompe quando o anoitecer de suas vidas chega (o que sempre acontece). Meu servo bem viu com binóculos, ao observar ontem as montanhas. Estas montanhas aos olhos nus ainda continuavam a fingir uma calma, mas com os binóculos via-se que elas eram rasgadas pelo vento e que mais pareciam um mar escalpelado, do que uma série de montanhas. Já esta montanha ao lado permanecia envolta pela sua humildade e bem cedo, quando ainda vos encontráveis em vosso albergue em admiração a estes seus vizinhos bem maiores, ela incitava as montanhas menores a seguir seu exemplo.
28 – O que foi que vistes hoje? A Terra vestida de humildade! É assim que vós, vós que vos humilhastes pelo Meu Nome e pelo Meu Amor, vos encontrareis vestidos ao chegardes ao mundo espiritual, após finalizardes vossa vida na Terra: com o manto da humildade
29 – Pois isto Eu digo: O pecador poderá fazer tudo o que ele quiser, poderá obedecer aos mandamentos com muita seriedade e severidade, poderá orar dia e noite, poderá praticar atos de arrependimento, poderá jejuar e se mortificar suspenso... Ao ver as atitudes externas de seu arrependimento, Eu digo que ele poderia até mesmo arrancar sua pele e com ela vestir um morto e com sua fé poderia acreditar que tem poder até sobre as estrelas do universo... Mas se ele não possuir o Amor, Eu vos digo: Ele receberá o salário pelo que trabalhou, mas com o manto da humildade da inocência ele não será vestido. Somente o Amor nos habilita a vestir o manto verdadeiro da inocência, pois ele é este manto. E sobre sua cabeça voarão os humildes e inocentes, cheios de Amor, tal qual ontem observastes flutuando bem acima das montanhas.
30 - Mas aquele que, invés de tudo isto, só se apoderou do suave e fácil Amor e o tornou vivo em seu coração, este expulsou de seu interior toda ou qualquer culpa pelo ardente fogo do santo e se purificou totalmente na sua humildade, pelo Meu Amor que existe nele. E as “nebulosidades” que foram expulsas também serão purificadas pela Minha Misericórdia e se tornarão vivas pelos espíritos que sopram de Meu eterno amanhecer. E assim, da culpa purificada será preparado o manto da pureza, para aqueles que não Me encontraram na fé, mas sim na humildade e no Amor.
31 – Pois quando se diz que em primeiro lugar deve-se procurar o Meu Reino e que tudo o mais será uma dádiva acrescentada, pensai bem: este Meu Reino não é nada mais nada menos que o Amor! Então quem Me procura no Amor e pelo Amor, este Me procura em Espírito e Verdade, e isto é “Meu Reino”.
32 – Quem Me encontrou desta maneira, este terá Me encontrado e o Meu Reino Comigo. E se ele encontrou isto, dizei-Me: Que mais que ele ainda deseja ou precisa encontrar?
33 – O Amor traz tudo consigo. A fé, porém, só traz a si mesma. E muitos podem ter fé sem amar, mas será bem difícil pensar que o Amor exclua a fé.
34 – Por isto agora digo como sempre vos digo: Crescei no Amor, pois só assim crescereis em tudo mais. Pois o Amor perdoa tudo e dá tudo. Isso vos digo Eu, vosso Pai e eterno Amor. Amém.

Sobre “Herodes, a raposa”

Recebido por Jacob Lorber, em 07 de dezembro de 1840



Foi pedido ao Senhor esclarecimento sobre os seguintes versículos do Evangelho de Lucas cap. 13, 32:

Disse-lhe Ele: - Ide dizer a esta raposa: “Eis que expulso demônios e faço curas hoje e amanhã, e ao terceiro dia terminarei a Minha Vida. E necessário, todavia, que Eu caminhe hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não é admirável que um profeta morra fora de Jerusalém”.
1 – Novamente não entendeis algo tão fácil. Observai vosso coração e logo encontrareis a “raposa Herodes” bem dentro dele, este que gostaria de comandar em primeiro lugar a carne, amanhã a alma e no terceiro dia o espírito.
2 – Para ele será muitíssimo desagradável saber que Eu julgo, pelo poder de Minha Palavra, em primeiro lugar a carne. Mas só após Eu ter retirado da alma todas as impurezas, maldades e luxuria de todas as coisas, é que, em terceiro lugar, torno a alma viva pela Minha Misericórdia e então liberto o espírito pelo Meu Amor.
3 – Pois então deveis ser fortificados na carne, e que a raposa do amor-próprio não se dê conta. Amanhã cada um de vós terá que ter liberta vossa alma de todas as malvadezas que nela se instalam pela carne. E no terceiro dia o espírito deve ser totalmente livre para a completa posse da alma, para que então seja feito um cantinho para Mim em vosso coração, para que Eu, pela obra da redenção, lá, naquela Jerusalém - e em nenhum outro lugar, pois não seria adequado para Mim - complete a Mim mesmo no homem, para que com isto o homem se aperfeiçoe em si e por Mim. E que assim ele renasça totalmente, pela Minha Perfeição dentro dele. Isto seria hoje, amanhã e no terceiro dia; ou seja: na carne, na alma e no espírito; ou então: no mundanismo, na espiritualidade e no Amor; ou mais ainda: nesta vida, após o desencarne e finalmente para e no Céu.
4 – Mas o que tem a ver o homem com a “raposa”? Vede, aqui não existe nenhuma criatura em julgamento que deseje deixar de realizar o seu destino. Mas somente com o homem é que aparece a liberdade, e como consequência o espírito se apresenta ao mundo (isto acontece na ressurreição para eternidade). Por isto Herodes não é nenhuma raposa ou qualquer outro animal. Mas ele quer ser esperto como a raposa, sem pensar que Eu sou muitíssimo mais esperto e que entendo muito bem em atrair os pais do inferno para fora de suas casas, daí então fazer Minha aliança com suas filhas e sequestrar todas para Meu Reino. Não preciso prestar contas a ninguém após ter feito isto, e a raposa não Me preocupa nem um pouquinho, pois Eu sou um Senhor, e faço tudo o que quero.
5 – Vede esta é a compreensão fácil e simples destes dois textos.

Faze tu com tua “raposa” o mesmo que Eu faço com Herodes, então logo estarás Comigo, teu Senhor, Mestre e Pai. Amém.

Das fusões no reino natural

Recebido por Jacob Lorber, em 08 de dezembro de 1840


1 – Com respeito aos órgãos de respiração das plantas, não existem outros, a não ser os estudados anteriormente (22 de novembro de 1840). Mas como acontece em tudo neste mundo natural, mesmo que sejam totalmente diferentes nos seus extremos, existem entre eles coisas que se assemelham. Muitas vezes ninguém sabe a que classe ou espécie pertence um ou outro, onde começa um e termina o outro.
2 – Esta fusão no mundo natural não só conseguireis observar de uma classe para a outra, mas também nas classes iguais, tanto no mundo mineral, vegetal ou animal. Ao observardes uma pedra de cal, conseguireis ver uma variedade de etapas de transição. Esta pedra nas suas primeiras aparições é uma pedra dura e não tem quase nenhuma diferença da sílica. Desta sua forma dura ela evolui para algo tão mole, que quase não há diferença entre o cal a argila. Este tipo de aproximação existe em todos os minerais e não é só na sua qualidade, mas também na sua forma.
3 – Tal qual os minerais, isto também acontece nas plantas e nos animais. Observai a diversidade da macieira! Quem pode determinar onde este gênero começa ou termina? Também a enorme variedade de vinhas de uva nos surpreenderá, mas quem sabe onde a classe da vinha de uva começa ou termina? Como já mencionado, qual ponto exato entre um e outro extremo? E nenhum gênero há que não seja possível encontrar uma semelhança com o anterior e com o que lhe segue.
4 – Isto também acontece nos animais. Observai as várias raças de um gênero animal. Quem pode afirmar onde uma raça começa e onde termina? Ou quem pode determinar o ponto culminante de uma raça e onde seu ponto mais inferior?
5 – Tomai como exemplo o cão e tentai determinar onde esta classe se inicia, onde ela acaba, qual o ponto culminante deste animal e mostrai-Me qual cachorro é mais o “cachorro”.
6 – Eu vos digo: todas estas classes, raças e gêneros se interligam umas às outras, como as ondas do mar, onde também ninguém consegue dizer qual é a primeira, a do meio e a última a inquietar a superfície do mar.
7 – Eu vos digo, e todo ser humano comum também dirá: Aí não existe nenhuma primeira, nem uma última. Mas uma onda impulsiona a outra e com ela se funde, sem que deixe de ser o que sempre foi e será: água. Mas ela já não mais se encontra na sua posição anterior, pois no momento em que ela impulsiona uma outra, ela agora ocupa o lugar desta, e já existe uma outra que a está a empurrar.
8 – Para entender melhor este exemplo, imaginai um círculo que tenha sido dividido em graus exatamente iguais. Agora dizei-Me o que pensaríeis de alguém que afirmasse: “Este grau é o primeiro?” Daí Eu vos questiono: Por que vos alterais um com o outro pela primariedade de um grau, se um é idêntico ao outro e somente são separados por uma linha e se é totalmente indiferente qual considerais primeiro? Podereis dizer: “Se um é igual ao outro e separado por uma divisória idêntica, de nada nos adianta discutir por assunto tão tolo que nada nos acrescentará. Que o próximo seja o primeiro, e dele começaremos a contar. Como determinamos o primeiro, o último será uma consequência.”
9 – Vede, é assim que tudo acontece no círculo dos elementos do mundo natural. Sempre um se funde ao outro sem ser detectado, tal qual uma onda na outra.


Mais sobre a respiração das plantas

Recebido por Jacob Lorber, em 08 de dezembro de 1840



1 – Com a explicação que vos foi dada sobre a interligação dos diferentes gêneros, podereis encontrar plantas que muito se aproximam do reino animal. Estas plantas têm órgãos que muito se assemelham aos órgãos dos animais, e neste degrau podereis ver plantas que comem pequenos animais com seu caule.
2 – Tais plantas que tomam alimentos grosseiros do exterior precisam possuir estômagos e órgãos digestivos em seu interior, os quais se encontram debaixo do caule das flores. Ainda têm um estômago principal no seu centro e outros no local onde elas afloram do solo.
3 – No momento em que uma destas plantas tem um estômago, ela também precisa possuir um pulmão. Mas para que reconheçais a necessidade disto, primeiro deveis conhecer a respiração dos animais.
4 – O animal não respira somente por causa do poder químico do ar, mas também porque ele come alimentos mais grosseiros, a fim de ficar mais forte na sua natureza. Assim o estômago - que sempre se encontra próximo do pulmão - tem que ser “sacudido” de uma certa maneira (ele e todos os órgãos que lhe são vizinhos) pela dilatação do pulmão. Isto é necessário, para que o alimento que nele se encontra seja constante remexido. Assim, suas partes se friccionam umas às outras, e com esta digestão criam uma eletricidade que gera calor ao animal.
5 – Vós mesmos dizeis: “Com a comida, fiz mal ao estômago”; ou então: “Pesei meu estômago.” Isto quer dizer nada mais de que comestes alimentos não adequados a vosso estômago ou pulmões; ou então este alimento, por seus elementos negativos, tem pouca eletricidade positiva e assim não permite a fermentação.
6 – Para que exista uma fermentação, a eletricidade positiva é imprescindível, pois a fermentação é a libertação de eletricidade que se encontra nas células de todo ser vivo orgânico, como pequenas garrafinhas (eletricidade esta indispensável à vida). Quando esta eletricidade for elevada por elementos externos, então ela destrói estas células e se funde com os polos positivos da eletricidade do ar, ou então entra nos órgãos dos animais (ou plantas semelhantes a animais) como um alimento novo e vital.
7 – Vede, é esta a razão por que sempre deve existir o pulmão nos animais, como também naquelas plantas que têm órgãos digestivos: para que estes órgãos se mantenham num constante movimento de ficção.
8 – Creio que nem mais é necessário mencionar que em algumas plantas suas raízes são mais “animais” do que a planta em si. Este tipo de raiz se movimenta sob o solo feito um verme, procurando o alimento próprio para esta planta. É nela que se encontram seus órgãos respiratórios. Mas nos climas mais frios raramente são encontradas plantas semelhantes a animais. Estas se encontram nos climas tropicais e subtropicais.
9 – Mas se alguém acha que com um microscópio de alta precisão poderá enxergar tudo isto numa planta, está muito enganado. Precisaria de um onde uma ameba parecesse um mundo. Só conseguirá ver os poros naturais de respiração inerentes a cada planta. E se conseguir observar alguma dilatação e redução, ele deve saber que isto não passa de uma ilusão de ótica causada pela pulsação do observador, pois em momentos de grande tensão tal pulsação se reflete nos olhos do mesmo. É muito comum pessoas prejudicarem a visão com a leitura constante de letras pequenas, ou então com observações microscópicas.
10 – Também pode acontecer que, quando ainda existe a eletricidade positiva na planta (isto se vê quando ela ainda estiver verde e viçosa), a polaridade elétrica positiva desapareça de um local da planta. Esta então encolhe e murcha bem no local onde houve a perda, puxando células vizinhas para junto do mesmo. Então a eletricidade das células vizinhas pode entrar nas cápsulas vazias, e a planta se dilata mais um pouco, até que a eletricidade absorvida a abandone.
11 – É com isto que, em partes que sejam separadas da planta, observamos o que se chama “murchar”. A planta perde sua elasticidade e seu frescor, o que pode ser retardado se ela é colocada em água logo após a separação, pois esta retarda a saída da eletricidade e ainda consegue alimentar a mesma por um certo tempo, especialmente se a planta não for uma planta faminta de eletricidade. Esta planta então pode sobreviver longo tempo na água, se alimentando de sua eletricidade; às vezes cria raízes e permanece viva na água.
12 – Isso é tudo que devemos observar na respiração e órgãos respiratórios das plantas. Mas com respeito à respiração espiritual, será elucidado mais tarde.

Sobre os vermes parasitas (dicas sobre a educação das crianças)

Recebido por Jacob Lorber, em 09 de dezembro de 1840

1 – Com respeito aos vermes-parasitas dos órgãos no reino animal mencionados hoje por ti, Eu vos digo o seguinte:
2 – Havia uma vez um agricultor. Este agricultor um dia examinou todos os seus silos, estábulos, caixotes e sacos de farinha, então encontrou um grande número de camundongos e ratazanas, os quais lhe causaram grandes prejuízos. Então ele resolveu adquirir gatos para acabar com os roedores, tantos gatos quanto possível. Decidiu e realizou, e em pouco tempo não mais existiam roedores.
3 – Mas após terem limpado a casa, ficou o problema da superpopulação de gatos. Que fazer com eles? Pois como os gatos não conseguiam mais pegar ratazanas e camundongos, passaram a trazer muito mais prejuízo que os roedores! Bem, o jeito foi dar fim aos gatos. Mas logo após desaparecerem os gatos, lá voltavam os ratos, as ratazanas e os camundongos, que começavam novamente sua destruição.
4 – Desta vez o agricultor não cogitou dos gatos. Ele pensou: “Bem roedores, podeis esperar. Vou colocar veneno em tudo, e logo vosso apetite passará”
5 – Mas quando ia fazer isto, um amigo o alertou: “Se fizeres isto, com que tu te alimentarás? Certamente sucumbirás ao veneno com o qual queres matar os ratos!” E o amigo continuou “Tranca todos os teus frutos bons em câmaras de ferro, as quais nenhum rato consegue roer, e a fome afastará os ratos de tua casa”.
6 – Ele seguiu o conselho e logo viu as boas consequências. Pois sem esforços e sem custos, nenhum homem consegue obter algo valioso e bom.
7 – Ao observardes este exemplo, certamente direis: “Quem entender esta parábola e como ela se adapta aos vermes-parasitas, este deve entender mais do que uma mente humana comum consegue entender”.
8 – Eu, porém, digo: Esta parábola é totalmente aplicável aos vermes-parasitas, os quais existem em três tipos: os assim chamados vermes-novelos ou vermes-casulos; os vermes que se assemelham à minhoca e à solitária; junto a estes vermes principais, outras classes secundárias menos conhecidas, tais como lombriga, oxiúro, ascarídeo e outros.
9 – Todos estes bichos o ser humano adquire pela comida que usa, ou que lhe foi dada quando criança, e que tenha em si partículas animais em demasia. Para as crianças deve-se evitar leite impuro ou gorduroso e alguns frutos já conhecidos e muito comidos pelos animais.
10 – Esta é, pois, a explicação natural da obtenção destes parasitas. Mas a criação dos mesmos ainda é um processo espiritual desconhecido. Pois os espíritos não-puros, que muitas vezes já nasceram com a criança, procuram neste tipo de alimento o que lhes é compatível, disto se revestem e então se tornam estes seres tão horríveis e prejudiciais no homem, para que consigam logo no principio, nem que seja fisicamente, prejudicar a saúde humana. Mas isto só fazem os mais grosseiros e tolos, pois, com cuidados fáceis, serão castigados e expulsos por meios naturais condizentes.

11 – Mas muito mais prejudiciais são estes seres quando, abandonando sua forma material, retornam em forma espiritual. Pois então eles deixam o corpo em paz e começam a fazer seu miolo na alma, levando as crianças a fazer um sem-fim de malcriações. E se por acaso forem mortos por meio de um medicamento espiritual forte, questiona-se se a alma não sofre um estrago mortal por causa do alimento que lhe foi retirado.


12 – Um alimento mortal para a alma seria ensinar às crianças e aos jovens, cedo demais e de uma só vez, tudo que é prejudicial, infame e todos os vícios. Certo que desta forma a alminha saberia de tudo o que lhe poderia acontecer, mas dizei-Me se tal alimento não teria sobre a mesma o mesmo efeito do veneno aplicado em todos os alimentos, para matar todos os bichos nocivos. Então o bom conselho do amigo é o melhor a fazer. Primeiro devemos evitar que as crianças cheguem perto deste tipo de alimento material; segundo, com respeito, devemos colocar suas almas em cofres de ferro. Ou seja, enquanto elas ainda precisam de ensinamentos, não as deixemos fazer o que bem entendem, mas sim as guiemos com firmeza, até exigindo-lhes obediência severa, contudo especialmente devemos dar-lhes muito, muito amor.
13 – Vede, esta é a conservação dos frutos nobres num “cofre de ferro!” E como desta maneira os bichos não mais encontram alimentos para permanecerem vivos, então eles ficam chateados e famintos e em pouco tempo se afastam à procura de um pouso mais agradável e hospitaleiro. Este tratamento então se iguala a uma severa dieta alimentar, mas é muito mais eficaz contra todos os males da vida.
14 – Isto é que significa a parábola que vos dei. Mas ainda sobraram os muitos gatos. Estes gatos são na natureza um exagero e uma variedade exagerada de medicamentos. O mal é retirado sim, mas logo após ter acabado, quando os gatos (medicamentos) não têm mais nada para comer, então eles atacam a despensa (órgãos internos) e assim destroem a saúde de todo o ser. E no fim será mais difícil livrar-se dos gatos do que livrar-se dos bichos nocivos em si mesmo.
15 – No aspecto espiritual, os gatos representam a grande quantidade de instrutores a que os jovens são submetidos, com uma variedade enorme de opiniões. Eles certamente podem destruir alguns vícios que existem na alma, mas após esta limpeza, quando os professores nada mais têm a limpar, há casos (por Mim bem conhecidos) onde estes “gatos” põem vícios na alma, para justificar seus empregos.
16 – Então o bom conselho é o melhor e o único “medicamento” a ser usado. Pois aí não precisareis nem dos gatos nem do veneno, tanto no tratamento físico como no espiritual. Observai bem este testemunho e vós vos tornareis livres, como também vossos filhos, de todos estes males. Isso digo Eu, vosso eterno Amor e Sabedoria. Amém.

A dança

Recebido por Jacob Lorber, em 14 de dezembro de 1840


1 – Tu te perguntas o que há na dança de tão ruim e prejudicial que tanto Me desagrada. Presta atenção tu, homem fraco, tu, que temes os homens e que neste teu temor desejas conhecer assuntos que somente Eu dou aos valentes. Eu já te contei grandes coisas e retirei o véu de teus olhos, mas tu estás preso ao julgamento dos homens e temes ao extremo ser por eles desprezado, esquecendo-te que Eu estou acima, muito acima de todos e tudo.
2 – E quando tu te lembras de Mim, o fazes em teu temor, no qual no fim fecharás teu coração, te tornarás cego qual uma toupeira e entupirás teus ouvidos de tal maneira, que jamais conseguirás ouvir Minha Voz. Se tu não expulsares seriamente teu temor, de agora em diante a nada de bom ele te levará.
3 – Como tu podes pensar que Eu Me utilizaria de Satã para levar alguém à humildade, mansidão, paciência e obediência; sim, utilizaria até mesmo governantes ou alguma igreja que por lá houver (no reino de Satã), e tudo isto no Espírito da Verdade? Eu digo: quem afirmar isto, este sim permite que Satã se libere. Por ele deveis orar, como também por toda a igreja católica, para que ela também reconheça seus erros e o que ela possui de Meu Espírito, Meu Amor e Minha Verdade, pois senão sua debandada acontecerá em breve. Pois quem ama Meu Nome e tenta glorificá-lo em seu coração, este está Comigo e não contra Mim.
4 – Como é que alguém do reino de Satã poderá dizer Meu Nome, pois em Satã nada do que vem em Meu Nome (que de fato é Meu Amor) pode acontecer? E como que Satã - que é o absoluto polo oposto de Meu Amor e com isto a Quinta Essência da Ira de Deus - um ser que se afastou totalmente do Amor, pode prestar algum serviço ao mesmo?
5 – Quando alguém deseja pronunciar uma palavra com a qual quer identificar alguma coisa, ele em primeiro lugar deve conhecer a conotação desta palavra, ou pelo menos deve ter a capacidade de entender esta palavra, para só então comandar sua língua a pronunciá-la. Mas como seria possível que alguém pronunciasse a palavra “Pai” em japonês, se não a conhecia neste idioma? E mais ainda, caso esta palavra fosse um segredo daquele povo? Ou ainda por ser mudo e incapaz de emitir qualquer som, nem mesmo na sua língua materna, quanto mais em japonês?
6 – Eu vos afirmo que a um mudo seria mais fácil pronunciar a palavra “Pai” em japonês (mesmo sendo uma língua desconhecida dele), do que Satã chamar o Nome de Meu Amor. Espíritos maus só podem agir no plano mundano e levar inúmeros seres humanos ao pecado e paixões, tais como inveja, orgulho, ânsia de poder, ódio, prostituição, dança, gula, volúpia, etc. E neste sentido, Meu Nome para eles é totalmente desnecessário e irrelevante. E quando os homens mundanos já não desejam ouvir nada sobre Mim, quando Meu Nome lhes é um horror que os enoja, tanto o mais ocorre a Satã.
7 – Mas quem reconhece e ama sem temor o Meu Nome, o qual é Jesus - o Filho do Deus Vivo, a Palavra, o Amor do Pai - este então também ama o Pai e não poderá jamais ser contra o Espírito Santo que se origina nos dois, mas sim está pleno Dele e por Ele. O que é que Satã, na sua ira e falsidade, tem a ver onde o Espírito do Eterno Amor que renova tudo que vem de Deus, o Pai, pelo seu Filho, Jesus?
8 – Tende isto sempre em vossos corações e sede sem temor. Pois Meu Reino deve ser conquistado com várias provas, e o verdadeiro amor sempre deve vencer a prova de fogo tal qual ouro puro, pois sem esta prova ele não Me merece.
9 – Lembrai-vos do jovem rico no evangelho e lá vereis quão distante ele ainda se encontra de Meu Reino. Observai as sementes sob os espinhos (mundanismo etc) e imaginai que tipo de fruto poderá brotar de lá. Pois então não sejais como o jovem ou como a semente nos espinhos, mas sim mostrai-Me o ouro puro de vosso amor e então tereis a vida!
10 – Bem, com respeito à questionada dança, Eu já vos demonstrei a contento o “prazer” que Eu tenho nela e quais as suas consequências. Ainda acrescento que ninguém se desculpe embelezando a dança vulgar sob o título de arte, pois assim ele jamais se livrará de seu rodopiador (este é o verme taenia-coenurus, que existe no cérebro da ovelha e a faz rodopiar e rodopiar, até cair morta). Pois como este verme existe no cérebro e causa uma doença geralmente mortal, existe também um “rodopiador espiritual”, cuja cura é muitíssimo mais difícil que a do físico e que atualmente se tornou de porte epidêmico.
11 – Pais que mandam seus filhos aprender dança colocam sobre seus próprios ombros um pesadíssimo lastro, pois seus filhos serão com isto estragados por espíritos malignos. As meninas serão prejudicadas em sua fertilidade, na sua pureza, no comportamento de seu coração, na sua fé verdadeira e no seu puro amor por Mim. Daí, futuramente, no amor de seu companheiro, nas suas tarefas caseiras e na verdadeira paciência, humildade, perseverança, em todas as provações e especialmente na sua alegria religiosa, na sua virtuosidade, na sua suave alegria cheia de frescor e simpatia de sentimentos. Nos rapazes se fará presente pelo mau humor em relação a tudo que é serio, em relação ao temor de Deus, na tendência oculta a paixões diversas e ao prematuro comportamento sexual, no desprezo a tudo que Me diz respeito e ao Verdadeiro Amor. Vede, isto de fato acontece e deve acontecer. Então raciocinai bem quanto a quem é o verdadeiro culpado e quem deverá responder por isto!
12 – E vós sereis como aquela figueira que não tinha nenhuma fruta, enquanto Eu Me encontrava debaixo dela cheio de fome. Vós pais sois a figueira, e vossos filhos são as frutas. Se a figueira estiver estragada pelo conhecido verme das ovelhas, então flor e o fruto cairão da árvore antes do tempo. E se o Senhor por ela passar e a encontrar vazia, fará o mesmo que fez com a figueira estéril. Considerai isto bem, vós pais, e observai Quem é que vos diz isso! Amém.


Não Me toques!

Recebido por Jacob Lorber, em 16 de dezembro de 1840


Pedido: Senhor nós te pedimos que esclareças o seguinte:

João cap. 20.17: “Jesus fala a Maria Madalena: - Não Me toques, porque ainda são subi a Meu Pai! Mas vai a Meus irmãos e dize-lhes que subo a Meu Pai e vosso Pai, Meu Deus e vosso Deus”.

Mas em João cap. 20-17 está escrito: “Então Ele diz a Tomás: - Introduze aqui o teu dedo e vê as Minhas Mãos. Põe a tua mão sobre o Meu Lado. Não sê incrédulo, mas um homem de fé.”

Que não exista outra Vontade a não ser a Tua, tanto nas alturas como nas profundezas, e tudo o que lá aconteça seja segundo Tua Santa Vontade. Amém.
1 – Que assim seja! Escreve, pois. Mas não vos dais conta de que quanto mais próximo o assunto vos é, tanto menos o entendeis. Estes dois textos vos são tão próximos como poucos. Mas invés de procurardes o esclarecimento bem perto... não, vós o procurais bem distante, tanto em espaço como no tempo. Claro que lá nada encontrareis, pois a explicação está bem ao vosso lado.
2 – Como quem por acaso procura sua casa na água e suas habitações no fogo, não se dando conta que se encontra em sua casa e em suas habitações; enquanto isto, feito um cego, ele as procura lá onde não estão e jamais poderão estar.
3 – Em que igreja vós estais, e quem era Madalena? Qual é a igreja que se origina em Meus irmãos, e quem sou Eu? Nestas duas frases está todo o segredo.
4 – Por acaso achais que a antiga prostituta e bailarina que se apresentava ante os poderosos e pagãos, que desde a idade de doze anos possuía sete diabos em seu corpo - está certo, ela foi por Mim liberta dos mesmos, praticou muitos atos de caridade e amor, se arrependeu sinceramente, mas mesmo assim - achais que ela estava em condições de tocar Minha Divindade, quando só suas lágrimas e seus cabelos podiam tocar Meus Pés?
5 – Observai vossa igreja e a frase “Não Me toques!” vos aparecerá clara e bem nítida. Mas Eu digo o mesmo que disse para Madalena: “Vai e dize a Meus irmãos que Eu já ressuscitei entre vossos filhos várias vezes e que vou ao vosso encontro, para que Me olheis, coloqueis vosso amor no Meu Lado ferido e lá, tal como Tomás, vejais a pequena porta e o caminho estreito que leva à vida eterna e por ela ao Pai, que é Meu Pai e, por Meu intermédio, também vosso Pai, e é Meu Deus e também vosso Deus.”
6 – Por isso todos vós deveis colocar vossas mãos em Minhas chagas, para que acrediteis que Eu sou a vida eterna por Mim próprio, tal como sou a ressurreição; que não recebi a vida do Pai, mas sim Eu sou a vida no Pai, como o Pai não é fora de Mim, mas sim o Deus eterno é em Mim com todo o Espírito Divino, se origina em Mim com todo seu poder e força, tal como se origina no Pai, como um único e idêntico espírito.
7 – Como Eu fui tudo o que sou e o que serei eternamente, após ter ressuscitado, uma prostituta arrependida não teria sido totalmente destruída, em espírito e carne, se ela tivesse Me tocado? Pois ela ainda estava bem longe de ser totalmente pura; ainda faltava muito a ser eliminado nela. Tocar-Me só é permitido àqueles que deixaram Eu lavar seus pés e que tenham comido a grande ceia Comigo.

8 – Eu vos digo: Deixai que Eu lave vossos pés e que Eu vos atraia para um lugar à Minha mesa, à mesa do Verdadeiro Amor! Não vos preocupeis com a Madalena, mas acreditai que sou Eu que silenciosamente chego a vós. Colocai vosso coração no Meu lado ferido, para que sejais fortificados para a Vida Eterna.


9 – Pois a vós Eu não digo: “Noli Me tangere!”; mas sim vos digo como foi dito a Tomás - pois vós todos sois um pouco “tomases” - para que, como ele, também desejeis vos tornar vivos! Mas considerai bem: Só Eu, e não Madalena, possuo a vida! Mas a noticia de Madalena, somente, não é bastante. É necessário que Eu venha a vós e Me instale em vossos corações, para que a promessa se realize: Que Eu “suba” para junto de Meu Pai e vosso Pai, para Meu Deus e vosso Deus, e vós em Mim e Comigo. Amém.

Isso Eu digo para a ressurreição e para a vida eterna. Amém.



Mais uma vez: “Não Me toques !”

Recebido por Jacob Lorber, em 17 de dezembro de 1840


Pergunta: Em Mateus cap. 28.1 está escrito: “Depois de sábado, quando amanhecia o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o tumulo.”, e no cap. 28-9 consta: “Neste momento, Jesus apresentou-se diante delas e disse: - Salve! Elas se aproximaram e, prostradas, beijaram-lhe os pés e o adoraram”.

De acordo com o Evangelho de João 20-17, Madalena quis Te tocar, Senhor, e Tu lhe disseste: “Não Me toques!”, mas segundo Mateus, tanto Madalena como a outra Maria abraçaram Teus Pés, e na explicação de ontem foi dito: “Deveria uma prostituta arrependida ter sido totalmente morta, se ela tivesse Me tocado?”...

Senhor, envia Tua Luz Misericordiosa, para dissipar nossas trevas! Que não exista nenhuma vontade, nem nos céus nem nas profundezas, além da Tua Vontade Santa. Amém. Que Teu Santo Nome seja sempre louvado e glorificado por toda a eternidade. Amém.
1 – A pessoa que não entende isto é cega, muda e surda, ou então é como a figueira estéril, tratada pelo Jardineiro com muito cuidado por um longo tempo. Mas como a árvore não dá nada mais do que folhas e galhos, os empregados aconselham ao Senhor cortá-la, para que não ocupe, sem dar frutos, um espaço tão precioso no pomar. Ao ouvir isto o Senhor disse: “Deixai a árvore por mais um ano. Podai-a e adubai-a, e se mesmo assim não der frutos, que vosso machado corte suas raízes e que ela seja usada para o fogo.”
2 – Presta atenção tu, tu que perguntas sobre assuntos tão fáceis que se originam em tuas contradições. A ti seja dito que é muito difícil servir a dois, de modo que cada um seja servido satisfatoriamente: o amigo e o inimigo! Se tu te preocupas Comigo, por que o mundo deve te preocupar? Mas se tu te preocupas em construir um atalho plano no mundo, onde é que fica o fruto espiritual nesta situação?
3 – Minha Vontade está bem acima da vontade do mundo! Tu queres as duas, a felicidade material e a espiritual, mas Minha Vontade vai contra isto; vê, isto não pode ser! Eu te digo: A felicidade terrena e a de teus filhos devem ser orientadas para Minha Misericórdia, então sim, Eu Me preocuparei com todo o resto. Mas se te dá prazer carregar problemas mundanos tão inúteis, carrega-os pois, mas cuidado para que o número um não seja despedaçado em uma legião.
4 – O amor dos pais com respeito aos filhos é cego. Eles não veem a semente, mas somente a árvore, não consideram o tudo que existe encerrado numa semente. Mas a semente boa, que produzirá milhares de frutos, só cresce em Meu jardim e na Minha terra. Na terra do mundo, ela logo sufocará; mas a semente mundana, esta sim cresce bem lá, produzindo todo tipo de ervas daninhas para os Meus celeiros.
5 – Isto Eu digo por tuas contradições, para que tua contradição no Evangelho se torne clara. Mas considera o seguinte bem: Como tu agora sabes Quem é Aquele para quem não existem segredos, então tu, quando fores atacado por dúvidas a respeito do rumo a seguir ou de alguma atitude tua ou de teus filhos a ser tomada, lembra-te bem que somente Eu conheço o caminho certo. Bem, por enquanto olha pelos teus três e deixa que Eu Me preocupe pelos outros.
6 – E para que Mateus fique sem culpas em ti, então aceita esta contradição e entende quando Eu digo à Madalena: “Não Me toques, mas cai ao solo ante Mim, abraça Meus Pés e Me glorifica em espírito e verdade; só então vai a Meus Irmãos e comunica-lhes que Eu ressuscitei!”
7 – (A todos) Isto é o que vós também deveríeis fazer. Não procureis a verdade, mas sim o Amor Verdadeiro e Puro, que corresponde a Meu Pés. Como consequência disto, ocorre a purificação de vosso amor, pois mesmo que penseis que ele é totalmente puro, sempre tem um bocadinho de sensualidade e por isto se assemelha aos Meus “Pés”, somente sobre os quais podereis andar em direção à vida. Por isto vos deve ser dito com muita ênfase: Não toqueis Minha Sabedoria antes que Meus Pés tenham sido apoderados e abraçados com todo amor possível!
8 – Madalena estava por Mim sensualmente apaixonada. Ela tinha até ciúmes e Me considerava seu único amante, aquele que tinha escolhido para si. Ela de Mim pensava que Eu era um profeta bem importante, mas Minha divindade ainda lhe era desconhecida. Considerando seu amor, ninguém tinha perdido tanto com Meu martírio e morte, pois ela não só tinha perdido seu Salvador, Senhor e Mestre, mas no seu coração ela tinha perdido seu amante, aquele que ela tinha escolhido para ser seu único homem. Esta foi a razão de seu desespero.
9 – Esta é a razão por que Eu falei a Madalena: “Não Me toques!”, mas mais tarde lhe permiti que tocasse Meus Pés. Vós Me perguntais: “Como explicar os toques de Tomás?” Eu vos digo: Como ela, ele primeiro teve que olhar Minhas Mãos e Pés com suas chagas, antes de poder apor suas mãos sobre a ferida que havia no lado de Meu Peito.
10 – Madalena, por estar sofrendo tanto, foi a primeira a perguntar por Mim aos Meus discípulos, que também o fizeram, porém mais por luto saudoso do que por amor.
11 – Mas quando Me viu a sua frente, a Mim, seu amante perdido, então seu coração quebrou todas as amarras. Gritou e com toda sua paixão quis se jogar em Meus Braços. Pensa bem Quem e o que Eu sou, e o “Noli me tangere!” estará claro a tua frente. Mas também considera o enorme amor de Madalena, e ficará bem claro o ato de abraçar Meus Pés.
12 – Também considera que João, Meu favorito, escrevia pela Minha Alma, enquanto que Mateus escrevia pelos Meu Pés, e tudo ainda te apresentará com mais clareza, inclusive a grande penitência de Madalena após Minha ascensão, pois só então ela reconheceu quem de fato era o seu amante e só então, com penitência severa em espírito e humildade, ela começou a Me amar em verdade.
13 – Eu afirmo: Aquele que não Me amar como Madalena, este não conseguirá resolver suas contradições e dúvidas em sua vida material, não Me achará e não conseguirá caminhar sobre Meus Pés, a fim de entrar na Vida. Vê, Meu Reino é da mais divina e da maior clareza, e nada há que não seja absolutamente puro no pomar. Não sirva a dois inimigos e então soluciona as dúvidas que existem em ti. No futuro, não esqueças mais que Eu sou teu Deus, teu Pai e teu conselheiro.
14 – (A todos) Vede, hoje Eu falo, amanhã Eu ajo e depois de amanhã Eu poderei chegar. Aquele que não estiver em casa, por sua casa Eu passarei sem parar. Amém. Isso diz Aquele que sempre deixa que abracem seus Pés. Amém.

Sobre o casamento e educação dos filhos

Recebido por Jacob Lorber, em 05 de janeiro de 1841



Senhor permite que eu ouça tua Santa Palavra, mas como sempre, que a Vossa vontade seja feita. Amém. Amém.
1 – Bem, então ouve e escreve. Eu te digo: Aquele que não segue completamente Meu Evangelho depois que ele o conheceu e meditou bem sobre o mesmo, vê, este ainda está longe de merecer o Meu Reino, pois teme ao mundo mais do que a Mim. Ele gostaria de Meu Amor ao lado do mundo, mas vê, Eu não posso ser amado ao lado do mundo, pois o mundo não está no Meu Amor, mas sim até a última molécula só existe pela Minha Misericórdia e de fato se encontra no Meu julgamento implacável (aliás, é para isto que o mundo existe: para ser julgado). Pois Eu só sou condescendente em Meu Amor e Misericórdia. Meu julgamento é derivado de Minha Ordem eterna, que é consequência de Minha Sabedoria infinita.
2 - Assim é com o irmão que está aqui pedindo esclarecimentos do Meu Livro (Lucas 16.8), porque ele não ouve a sabedoria de sua mulher, mas ama seus filhos além do que é justo e não mais impõe aos mesmos o respeito à mãe, especialmente nos assuntos domésticos, onde ela é extremamente sábia e dispõe de ensinamentos que são aplicáveis à toda sabedoria inútil que está a entulhar as cabeças das crianças. Isto de maneira alguma é o caminho certo para Meu Reino.
3 – Ele deve atarefar seus filhos com atividades úteis e com ensinamentos úteis, mas nunca deve esquecer o destino das meninas e dos meninos, pois senão poderá ter grandes desgostos com eles no futuro. Tudo isto deve ser sempre determinado pela voz do coração e com os olhos da alma. Se não agir assim, os filhos, com sua vontade selvagem, dominarão a vontade paterna e com suas mãos cruéis esmagarão o seu coração, pois já está fraco e condescendente demais. Deve agir agora, quando ainda é possível, e domesticar os corações e as mãos ainda suaves das crianças.
4 – Ele não deve ouvir continuamente as queixas maléficas dos filhos, mas sim examinar com grande seriedade suas ações, tanto em relação às suas ordens como também às da mãe, que na sua liderança doméstica sabe muito mais sobre os mesmos que o próprio pai. Ele também tem que combinar com sua esposa (sem a presença e o saber das crianças) as atitudes a tomar, para não prejudicá-la quando estiver educando aos filhos, pois muito do que ela decide é segundo Meus conselhos. Logo tudo estará mudado, e a educação dos filhos será positiva.
5 – Ele que leia no Meu Livro da Misericórdia e do Amor, como já expliquei aos Meus apóstolos, a maneira de um bom senhor orientar e comandar seus servos e familiares; que não deixe de dar a recompensa certa no momento certo, seguindo sempre Meu conselho interno. Ele não deve deixar passar o momento certo de recompensar, pois senão tudo será bem prejudicial. Pois Eu disse e novamente digo: “Abençoado o servo, quando seu senhor o elevar acima de todos os seus tesouros”.

6 – Mas já que este teu irmão se tornou um administrador e servo de Minha Nova Revelação e tendo esta Palavra da Misericórdia e do Amor, como é que ele está Me esperando e por que Eu ainda não desejo chegar? É porque ele ainda não aprontou a contento sua casa. Se uma casa ainda não estiver bem adequada, ela se parece a um pedaço de chumbo banhado em ouro; também tem o peso do ouro, mas com respeito ao valor interno, ela não passa de um metal sem valor algum e que está muitíssimo longe do ouro.


7 – Mas já que teu irmão é um obreiro eficaz na Minha Nova Vinha e como ele tem certos problemas com sua mulher, ele que sempre se importou mais com o mundo do que Comigo, então ele que faça o mesmo que o comerciante faz ante os compradores desinteressados que não sabem o valor das mercadorias e começam a pechinchar. Pois então o comerciante lhes dá pequeníssimas vantagens, a fim de vender suas mercadorias. Isto teu irmão também deve fazer: dar à mulher vantagens insignificantes, assim ela não mais o verá como um opositor e em algum tempo procurará nele a real mercadoria espiritual.
8 – Quantas vezes Eu tenho que Me comportar como os comerciantes em relação a vós? Se Eu não o fizesse, onde estaríeis? Quanta vantagem já vos dei? E considerai o seguinte: Como às vezes Me é difícil vender Minha mercadoria a vós, que já sois da Luz e não mais das trevas, quanto mais não serão as negociações com os “espiritualmente pobres” e “filhos do mundo”, que são totalmente cegos?
9 – Mas para que teu irmão consiga observar sua situação doméstica de uma forma mais paciente e condescendente, especialmente nos assuntos relacionados a Meu Nome tão conturbado, Eu vou indicar-lhe uma pequena questão que o fará pensar: Por acaso achas que Eu vim ao mundo para trazer paz à Terra? Não; vim ao mundo para trazer sim a desunião. “Se numa casa houver cinco pessoas honestas, haverá desunião entre elas; serão dois contra três e três contra dois. O pai será contra o filho e o filho contra o pai, a mãe contra a filha e a filha contra a mãe. Haverá a nora contra a sogra e a sogra contra a nora” - Mateus 10-34-36.
10 – Vê, esta questão o irmão deverá considerar com toda seriedade, e lhe será tirado um peso enorme de seu coração. Mas se ele não entender esta mensagem, ele sabe bem onde mora o “professor pobre” (Jacob Lorber), que é mestre neste assunto. Lá é onde tudo lhe será dado de graça e bem explicadinho, para o entendimento deste seu coração acolhedor; assim ele se tornará um homem correto aos moldes de Meu Coração.
11 – Os assuntos que tratam do espírito parecem para o mundo uma tolice cheia de contradições. Mas não é assim! Quando o pavio fica preto sob a luz branca e a cinza fica branca sobre o carvão preto, ninguém questiona...; mas não é isto uma contradição da natureza?
12 – Por isso se vós encontrardes algumas contradições ao longo de Meus Caminhos aqui no mundo, observai o comandante de um navio; se ele não conseguir colocar as velas contra o vento - para que sua embarcação vença as ondas e para que o vento que se opõe ao seu avanço na verdade o acelere - este comandante ainda não é digno desta posição.
13 – Quando um ensinamento for dado, para que este sirva à vida, ele deve ser como a vida é: uma atividade na morte; com isto, a vida se torna vida frente a morte, e a morte se torna morte frente a vida.
14 – Eu aconselho ao irmão que não mostre esta mensagem à sua mulher, ainda não é a hora certa para isto. Eu darei instruções ao servo de como ele deve manipular esse assunto. Até agora não houve um grande erro, e assim o “inverno” logo passará! Joga fora o chumbo dourado! Aproveita bem as oportunidades! Segue Meu conselho com exatidão: Sê um bom comerciante e um administrador de tua casa. Quando houver contradições e oposições, não te acovardes e dirige todo o assunto cheio de amor, mansidão e paciência.
(A todos) Só assim vossa vitória será certa, pois tereis Minha constante orientação e Minha ajuda poderosa. Isso vos falo Eu, vosso poderoso Salvador. Amém.
Conversão dos cientistas e sábios

Recebido por Jacob Lorber, em 14 de janeiro de 1841


Pedido: Senhor, santo Pai, Tu - que és pleno de Amor, Paciência e Misericórdia - poderias nos dizer se o desejo deste que Tu conheces é viável ou não. Mas que Tua Vontade se faça.

1 – Eu digo: Se desejardes, podeis fazer vossa vontade, mas já vos aviso: Será tarefa extremamente árdua colocar aquele que se enclausurou nos números no suave caminho espiritual.


2 – Pois saibais, existem cientistas que são mais duros que aço! Estes, ao fim, nem mais acreditam em seus próprios sentidos, quanto menos nos de pessoas totalmente estranhas que para eles valem menos que zero, por não pertencerem ao círculo dos endurecidos pelo fogo e água, até ficarem duros como o aço.
3 – Se uma parede for de lã, as pedras que se jogam nela não fazem quase barulho, mas também não vão ficar grudadas na mesma, pois a lã tem um efeito bumerangue e devolve o que foi contra ela jogado. Então devemos parar e lentamente envolver os objetos na lã, pois só assim ficarão seguros na parede, enquanto a lã permanecer lá. Se o fazemos com prejuízos ou conquistas, isto é uma outra questão.
4 – Mas se a parede for de lama mole, tudo ficará grudado na mesma, tudo que nela desejardes jogar. Mas para que? Qual a utilidade? A lama ficará inalterada como sempre, e os objetos que nela estão também.
5 – E nas paredes de um forte construído de ferro e concreto, nem uma bala de canhão deixará marcas de importância, além do que os atiradores devem ter muito cuidado com o ricochete da bala, pois poderão sair machucados. É bom observar uma boa distância!
6 – Bem diferente acontece com uma parede de fogo, onde tudo é aceito e purificado, e o objeto se torna algo cheio de fogo. Se a parede for de ferro, então é necessário um fogo bem forte, para que a parede se incendeie. É por isto que aqui também é necessário muito fogo e calor, para que esta parede fique líquida e se torne mais suave, mais flexível, e aceite a mensagem.
7 – A tentativa com os cientistas de ferro pode ter sucesso, mas com uma esperteza de fogo e com uma paciência bem iluminada. O tempo não importa, mas a manhã está antes da tarde e o dia antes da noite.
8 – Mas é bom para o atirador que ele não seja um ás do tiro e, mais ainda, que não saiba para onde vão suas flechas. Pois se não fosse assim, há muito tempo não seria mais atirador, ou teria exterminado toda caça, cuja razão de existir ele não conhece, mas existe.
9 – Vós não deveis vos preocupar com os resultados, pois Eu sou o senhor dos resultados. Fazei somente o que é vossa obrigação, que Eu farei o resto, o que é Meu dever. Não vos preocupeis ou desespereis se algo que iniciaste de uma forma tão positiva não sair como pensavas, mas sim considerai que Minha Razão é bem mais acurada que a vossa.
10 – Bem, a tarefa vos foi determinada, o sucesso, porém, só Me pertence. É desta maneira que cada obreiro receberá seu prêmio: Se a tarefa foi concluída e foi mal executada, então pouca lã produziu. Entendei e observai isso bem, pois isso fala vosso Pai carinhoso, no qual todos os resultados se encontram em estado embrionário. Amém. Amém. Amém.

---------------------------------------------------------------------------------------------------


Mais uma vez, contra a dança

Recebido por Jacob Lorber, em 17 de janeiro de 1841

1 – Escreve, pois Eu bem conheço a pergunta e o pedido cheio de temor. Mas já é tarde demais para que Eu possa vos dar uma resposta de paz, antes que Meu julgamento se derrame sobre as filhas dançarinas deste nosso irmão que tão angustiado está. Pois Eu falei muito com as filhas e foi tudo jogado ao ar. Elas nada entenderam e permaneceram com seus corações cheios de travessuras. Olham sua mãe (que está cheia de temores) com desprezo e ira, quando esta, para Me agradar, tenta evitar que satisfaçam suas paixões mundanas. Elas desprezam todos aqueles que se opõem aos seus desejos, ou, como dizem, “as atraiçoam em suas atividades mundanas”.
2 – Vê, o salão de baile já entupiu seus ouvidos de tal maneira, que Minha suave Voz já não consegue chegar aos seus corações. Minha Voz é desprezada e gozada, quando algo escutam. Por isto Eu muito em breve falarei com uma voz bem diferente, pois elas terão que Me reconhecer como um Juiz Supremo que julga severamente a tais filhos do mundo e das paixões.
3 – Pois todos sabem bem demais que a dança representa para Mim um pecado horrível: em primeiro lugar, porque no passado os pagãos se excitavam com as danças que praticavam, para despertar neles as mais sinistras paixões; em segundo lugar, porque hoje ela é considerada uma espécie de arte que permite todo tipo de expressões, totalmente livre de qualquer freio. É por isto que a dança é um grande pecado, não importa a razão por que é praticada, onde é praticada e como é praticada. Eu a considero um pecado mortal e a amaldiçoo mil vezes.
4 – E em terceiro lugar ela Me é repugnante, porque afasta até as crianças pequeninas de Mim, endurece seus corações. As meninas geralmente são estéreis, ou então têm grande dificuldade em ter filhos, e este filho já vem com esta tendência pecaminosa desde o ventre materno e que bem cedo se apresenta. E isto é tão forte, que ela afasta a criança de Mim; não por um certo período não, é para sempre. Então só o julgamento a fará voltar para Mim, mais nada terá efeito algum. Pois àquele que Eu chegar no julgamento, sobre este se abate Minha ira e a morte eterna.
5 – O melhor meio para combater esta paixão tão asquerosa é que os pais não se oponham ao mundo de uma forma explícita, mas sim com exemplos e representações cheios de boa vontade e de Minha Vontade, conseguindo assim que os filhos, por eles mesmos, se oponham e evitem estes convites do mundo. Pois quando os filhos se negarem a ir a um baile, então o mundo deixará os pais em paz. Do contrário, todo seu esforço unilateral não trará quase nenhum fruto ou bem estar.

(A todos) Por mais que apresenteis argumentos válidos contra o mundo, este sempre encontrará contra-argumentos que vos tirarão do equilíbrio, e vossos filhos serão por ele engolidos, no fim vos odiarão com todo o coração e serão vossos torturadores. Mas se vós permitirdes que eles sigam os convites do mundo, sabeis muito bem que tipo de serviço Me estais prestando.


6Se o irmão tivesse se dirigido a Mim mais cedo, em vez de estar cheio de medo ante seus parentes cegos, ele teria saído vitorioso em tudo. Mas ele Me afastou de seu lado de uma forma contrária a Minha Ordem. Pois Eu não vou ser nada condescendente com aqueles pais que Me devolvem seus filhos diferentes de como Eu os entreguei. Pois todos que chegam a Mim devem ser como os filhos, e se estes estão cheios de ira como é o mundo, Eu mandarei tudo e todos para o inferno, pois não permitirei que as casas puras de Meus santos sejam sujas com o sangue dos dragões do mundo em que se incorporaram estes filhos.
7 – Eu não dou a mínima para milhares de mundos repletos de tal filhos mundanos. Pois Meu Reino e Minha Criação é infinita. E para Mim, milhões de mundos têm o mesmo valor que uma maçã comida por vermes, caída ainda verde da macieira e que será pisoteada. Cada um de vós deveis ser tudo para Mim, e Eu devo ser tudo para cada um de vós, se desejardes que Eu vos olhe com Minha Misericórdia.
8 – Mas aquele que conseguir Me esquecer por causa do mundo, a Mim, que tanto já fiz por ele, em verdade a este Eu não mais procurarei devido a sua infidelidade e o deixarei cair onde ele quiser. E pela eternidade não mais Me preocuparei com ele, pois Eu não preciso e nem mais espero por ele, mas sim ele por Mim.
9 – Eu sou um noivo extremamente rico que corteja e deixa ser cortejado. Mas lá onde Eu cortejo, lá Eu sou extremamente ciumento, e ai daqueles que se afastam de Minha Mão. Mas lá onde sou cortejado, lá Eu sou arisco e observo bem os que estão a Me cortejar. Será que eles estão com roupas de cerimônia de núpcias? Ai daqueles com vestes impróprias, pois Meu julgamento os castigará com rigor.
10 – Pois aquele que teme ao mundo mais que a Mim, este não Me merece! Aquele que confia mais no homem que em Mim, não merece Meus tesouros! Aquele que quer que Eu o acompanhe junto ao mundo, este não Me merece. É um tolo extremamente grande, que não Me merece e será na eternidade um miserável.
11 – A ti, Meu servo, Eu digo: Não tentes nada com estas três filhas apaixonadas pela dança, até que Eu te avise. Também elas mangaram de tua palavra em seus corações pois não aderias as suas vontades.
12 – Se as três não estiverem presentes, podes visitar teu irmão e passar tua mensagem aos que lá estão. Mas jamais em outra ocasião (com uma das três em casa), nem mesmo quando estiverem à mesa. Só após Eu te avisar! O que Eu te exijo é por amor ao teu irmão e a sua mulher. Isso é tudo a considerar, pois sem essa atitude não existe salvação. Amém. Isto Eu falo, o eterno Amor. Amém. Amém. Amém.
Palavras de alerta a um pai teimoso

Recebido por Jacob Lorber, em 18 de janeiro de 1841

1 – Um pouquinho a mais para acalmar nosso irmão que recebeu um nome no Meu Livro: “Mudo”. Ele não deve se afligir demais quando ouvir Meu trovão, tal como ontem foram ditas Minhas Palavras, pois visavam acordar sua casa inteira. Minha Verdade sempre se apresenta sob o aspecto de trovões, mas Meu Amor sempre chega como suave brisa. Mas tanto um como o outro se originam no mesmo Pai Amoroso e Santo.
2 – Mas quando Eu disse a Pedro: “Afasta-te de Mim, Satã; pois tu Me irritas, pois tu não ambicionas obter o que é de Deus, mas sim o que é do mundo!”, Pedro não perdeu nada, mas sim ganhou muito e se tornou o Meu Apóstolo mais fiel, seguro como uma rocha!
3 – Vê, Meu querido filho, se Eu te tivesse dito o que disse a Pedro, tu terias morrido de tanto medo. Mas Eu conheço tuas forças, por isto te dou o que podes carregar, e vou considerar este pequeno peso como se tivesse sido enorme. Pois àqueles a quem Eu amo, Eu envio provocações e muitas vezes uma cruz que parece ser muito grande, tão grande que quem a vê leva um susto enorme.
4 – Mas Eu te digo: A cruz só parece grande, mas seu interior é oco. Por isto é bem leve, é somente um “jugo suave” e um “peso bem leve”.
5 – Sê, pois, confiante! Sê severo com teus filhos e não temas tentar trazê-los para os Meus Caminhos. Nem um fio de cabelo te será prejudicado nesta tentativa. Confia em Mim ante toda e qualquer necessidade e continua a fazer a Minha Vontade.
6 – Mesmo quando tiveres necessidade de ajuda material, Eu posso te dar dez vezes mais do que tu precisas. Por isso não temas, por Minha causa jamais terás prejuízo. Que Meu servo tenha de se afastar de ti e de tua família por um curto período - repito: por um curto período - não é nada mais que Meu primeiro socorro. Tu e tua família deveis seriamente se ajustar a Minha Vontade. Com tudo o que poderá advir, vê somente o Meu grande desejo de conquistar teu povo para Mim. Eu farei de tudo para obter isto. Se te perguntarem por que Meu servo se afastou, não te preocupes sobre o que responder, pois Eu te darei a resposta certa.
7 – Então, nada temas, Meu querido filho, pois Eu jamais te abandonarei. Eu, teu carinhoso Pai. Amém. Amém.

Sobre reuniões e associações

Recebido por Jacob Lorber, em 24 de janeiro de 1841



1 – Com respeito às reuniões, já foi bem explicado no Evangelho que onde duas ou mais pessoas se reúnem em Meu Nome, Eu estou no seu meio. Por isto não tenho nada contra se as pessoas se unem em associações para, com Meu auxílio, realizar algo útil.
2 – Mas onde há qualquer tipo de associação, é natural que, de acordo com a finalidade da mesma, as circunstâncias que orientam ou que levam a esta finalidade estejam em destaque na forma de lei ou, como vós dizeis, na forma de estatutos.
3 – É de se questionar quem deverá projetar e delinear estes estatutos ou estas leis. Então nesta sociedade a pessoa mais capacitada, mais habilitada e mais séria é convocada a ser uma espécie de diretor-chefe. Este então deve escolher para seus auxiliares diretos de três a sete “conselheiros”. Só após se ter todos estes escolhidos, é que os estatutos devem ser elaborados. Estes estatutos devem servir à finalidade da associação pela qual os mesmos foram criados.
4 – Estes estatutos deverão ser apresentados e bem explicados a cada membro ou a cada pessoa que deseje se tomar membro da associação. E nenhum membro novo deverá contestar ou querer acrescentar algo aos mesmos, mas sim, se ele achar que os estatutos são úteis, então ele que se junte ao grupo. Se não concordar, que se afaste do mesmo, mas só se for esta a sua vontade. Também nenhum dos estatutos deve ser retirado ou modificado, e nenhum novo estatuto deve ser criado somente para conseguir um novo membro. Todos os estatutos originais devem ser mantidos enquanto a associação existir.
5 – Pois se - como é muito comum acontecer - aparecerem membros novos, ou se circunstancialmente os estatutos forem modificados, os regulamentos originais tão cuidadosamente elaborados não devem sofrer nenhuma modificação, porque senão serão fragilizados e darão um diploma de incompetência e de falta de metas acuradas à associação, e ela poderá cair com a mais leve brisa. Pois leis novas tornam as existentes imperfeitas. E toda vez que uma lei deve ser subsidiada por uma nova, isto é um sinal que ela é fraca, doente e inútil. E com isto esta associação ou cooperativa se apresenta cada vez mais enfraquecida e desacreditada. Por fim, acaba totalmente, e a sua finalidade é enterrada e esquecida.
6 – Esta é a razão por que, antes de começarem a legislar ou escolher finalidades, um homem honesto, correto e bem intencionado deve ser escolhido como cabeça deste grupo, para que ele escolha seus auxiliares com muito cuidado e sabedoria.
7 – Se estes princípios forem observados para a fundação de uma associação, esta então será como um homem que coloca seu coração no que faz, que conhece todo o processo da vida e é bastante sensível ao seu meio, que contagia seus vizinhos com seus ideais e os mantém como uma espécie de “conselheiros”, pelos quais todo o organismo de tal homem, como também o homem em si, permanece na mais completa ordem e sincronia.
8 – Como seria possível ao homem continuar a viver, se em seu organismo houvessem constantes alterações? Como não seria se cada mão ou cada dedo desejasse possuir ouvido, nariz e boca? E se isto fosse possível acontecer, como é que o corpo deste homem pareceria, já que somente se encontrariam nele ouvidos, bocas e narizes?
9 – Observai como o homem é totalmente equilibrado e cada membro de seu organismo se complementa em uma associação equilibrada e produtiva, onde cada um tem sua finalidade definida e que não pode ser alterada. Isto deve ser observado por todos os que desejam fundar uma associação, ou que já estão numa, ou então desejem juntar-se a uma.
10 – Mas com respeito às sociedades puramente mundanas, cujas finalidades são somente os entretenimentos, Eu não encontro nenhum bom estatuto, além daquele que reza que elas não devem existir nem persistir. Onde elas persistirem, não devem causar desavenças nem prejuízos, muito menos afastar as pessoas de Minha Ordem.
11 – Mas onde sociedades novas deste tipo, que só se interessam pelos assuntos mundanos, desejarem se organizar, a isto digo: Elas não terão uma duração longa. Pois Eu Me encontro nas suas portas cheio de “estatutos”. Para estas sociedades também enviarei um anjo, para anunciar e preparar Minha Vinda, limpando com sua foice toda erva daninha, a fim de que Meu Trigo cresça com todo o vigor.
12 – E este anjo também possuirá um enorme tonel de fumaça. E com o mesmo ele espalhará uma fumaça horrível por sobre a Terra, para que toda peste que nela existir desapareça nesta fumaça. Para quem não sabe, a “foice” significa a “espada”, e o “tonel de fumaça” representa a “artilharia pesada”.
13 – Vede, com este tipo de estatuto Eu “visitarei” todas estas associações e cooperativas de puro entretenimento que existem na Terra. Porém Meu anjo deverá evitar o uso de sua foice e de seu tonel de fumaça naquelas casas cujos portais foram aquinhoados com palavras de Meu Ensinamento, de Meu Amor e de Minha Misericórdia. Pois Minha Palavra é uma Bênção muito grande para aquele que a recebe em seu coração e também é “óleo sagrado” para os portais. O anjo experimentará cada portal; se ele ranger, a casa será destruída até o solo; mas se abrir suavemente, então a casa será poupada pelo seguinte:
14 – Quando Eu chegar, chegarei como um ladrão e entrarei na casa no maior silêncio. Esta é a razão por que os portais e as portas devem estar bem lubrificados, pois onde a porta ranger, lá Eu não entrarei. Mas o coração é a porta. Se está cheio de medo, impaciência temor, infidelidade, dualidade e outros vícios parecidos, ele se mostra contrariado com Minha chegada. Então o “ladrão” se afastará rapidamente e não mais entrará por aquela porta tão descuidada e maltratada, nunca mais lá retornará como o grande legislador da Vida eterna.
15 – Em verdade vos digo: Onde houver um ser humano, este não estará sozinho, mas sim um grupo grande estará com ele. E é neste momento que precisam de um legislador, para que o grupo se torne uno e esta unidade seja uma Vida em Mim e originada em Mim. Mas sempre que um ser humano ou uma sociedade ou estiver, por medo constante, balançando entre Mim e o mundo, a esta com prazer lhe darei sua paz mundana e Me retirarei de sua companhia, juntamente com Meus estatutos da vida eterna. Eu não mais serei o perturbador da paz destas sociedades mundanas e não lá retornarei, antes que Meu anjo tenha por lá passado com sua foice e tonel de fumaça. Isso falo Eu, Aquele que está a vossas portas. Amém.

O verdadeiro sacerdote, médico e pastor


1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   56


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal