Os solventes



Baixar 59.26 Kb.
Encontro11.06.2018
Tamanho59.26 Kb.

1.OS SOLVENTES

1.1O que se entende por solvente?


É uma substância química ou uma mistura líquida de substâncias químicas capazes de dissolver outro material de utilização industrial. Geralmente o termo “solvente” se refere a um composto de natureza orgânica. Apesar de suas composições químicas serem tão diversas, os solventes têm um certo número de propriedades comuns: são compostos líquidos lipossolúveis, possuem grande volatilidade, são muitos inflamáveis, e produzem importantes efeitos tóxicos.

1.2Qual é a sua natureza química?


É tão variada, que para facilitar seu estudo e aplicação, são classificados em vários grupos de acordo com suas propriedades químicas. Exemplificaremos os mais utilizados:

  1. Hidrocarbonetos alifáticos:

Pentano.

Hexano.

Heptano.

Decano.




  1. Hidrocarbonetos alicíclicos:

Ciclohexano.

Meticiclohexano.

Alfa-pireno.



  1. Hidrocarbonetos aromáticos:

Benzeno.

Tolueno.

Orto-xileno.

Meta-xileno.

Para-xileno.

Etilbenzeno.

Estireno.




  1. Hidrocarbonetos halogenados:

Cloreto de metileno.

Clorofórmio.

Tetracloreto de carbono.

1,2-Dicloroetano.

Tricloroetileno.

1,1,1- Tricloroetano.

Tetracloroetileno.

Freons.




  1. Álcoois:

Metanol.

Etanol.

i - Propanol.

n - Butanol.

i - Butanol.




  1. Glicóis:

Etilenoglicol.

Dietelenoglicol.




  1. Éteres:

2 - Metóxietanol.

Etóxietanol.

Butóxietanol.

p - Diocano.




  1. Ésteres:

Acetato de metila.

Acetato de etila.

Acetato de i - propila.

Acetato de n - Butila.

Acetato de i - Butila.

Acetato de 2 - Etóxietila.

Metacrilato de metila.




  1. Cetonas:

Acetona.

2 - Butanina.

4 - Metil - 2 - Pentanona.

2 - Hexanona.

Ciclohexanona.




  1. Outros:

Nitroparadinas.

Dissulfeto de carbono.



2.TRABALHOS COM SOLVENTES


Em quais indústrias são utilizados?

A maioria das indústrias empregam solventes em algum de seus processos de fabricação.

Fundamentalmente, são utilizados como veículos para aplicar determinados produtos, tais como pintura, vernizes, lacas, tintas, adesivos, etc..., como também em processos de eliminação tais como desengraxantes, agentes de extração, etc.. A indústria química emprega solventes para realizar determinados processos e reações entre substâncias previamente dissolvidas ou suspensas no seu interior. Algumas vezes são usados como reativos de partida ou como composto intermediários de sínteses químicas.

Vejamos alguns exemplos sobre a utilização de solventes na industria:



  • Indústria Alimentícia: extração de azeites e graxas como o ciclohexano e o sulfeto de carbono.

  • Indústria Siderúrgica: limpeza e desengraxamento de peças com tricloroetileno e cloreto de metileno. Refrigeração em processos de corte, com hidrocarbonetos alifátocos.

  • Indústria de Calçados: como solventes de colas e pegas em misturo de hexanos.




  • Indústria de Plásticos e Borracha: como solventes de matérias-primas e de transformação, p. ex. dimetilformamida, clorofôrmio, acetona, etc...

  • Indústria de Madeira: como solventes de lacas e vernizes, p. ex. terebentina, tolueno, etc...

  • Indústria Cosmética: como dispersantes de álcool etílico, álcool isopropílico, clorofôrmio.

  • Indústria Farmacêutica: em síntese de fórmulas.

  • Indústria de Tintas: como diluentes para tolueno, acetatos, cetonas, etc...

Limpeza a seco: como solventes de substâncias orgânicas, p. ex. o tetracloroetileno.

3.EXPOSIÇÃO AOS SOLVENTES

3.1Como se expõe o trabalhador aos solventes?


  1. Ao utilizá-lo em seu local de trabalho.

  2. Ao transvasá-lo de um recipiente para outro, e ao armazená-lo

Devido à sua volatilidade e ao respirar seus vapores, os solventes penetram através das vias respiratórias e podem chegar até aos tecidos e órgãos mais receptivos.

Se ocorrerem derrames ou respingos, os solventes podem entrar em contato com as mãos do trabalhador ou impregnar suas roupas e, assim, penetrar através da pele.

Com a manipulação dos solventes, do material de trabalho, a roupa, etc... produz-se gradativa contaminação. Se o trabalhador fuma ou come no local de trabalho, pode acontecer uma intocicação por engestão. Esta é menos frequente na atividade laboral.

3.2Existe risco de incêndio ou explosão?


Sim. A maioria dos solventes são inflamáveis. Outros não queimam facilmente, porém se decompõem em altas temperaturas e produzem produtos de decomposição altamente tóxicos, tais como os hidrocarbonetos halogenados que dão lugar ao fosgênio, ao ácido fluorídrico, etc...

Também existe o risco de explosão. Cada solvente tem um intervalode de concentrações no qual é posspível ocorrer a explosão. Tanto acima quanto abaixo, não haverá riscos dela vir a se produzir. Como esta informação é mais fácil, pois controlando as concentrações controla-se também este risco.


3.3Como se diminui este risco?


  • Forçando a ventilação nos locais de trabalho para evitar concentrações perigosas.

  • Eliminando a possibilidade de faísxas, chamas e temperaturas elevadas.

É necessário um cuidado especial quando se abre recipientes com produtos inflamáveis, poços, etc...

4.AÇÃO NO ORGANISMO

4.1Como os solventes penetram no organismo?


Como já anteriormente apontado, penetram por diferentes vias:

  • Pela via pulmonar, durante a respiração. Esta é a via de entrada mais importante no ambiente laboral.

  • Pela via cutânea. A pele permite a entrada da maioria dos solventes, devido à sua lipossolubilidade.

  • Pela via digestiva. Ao comer ou fumar, o trabalhador pode ingerir pequenas quantidades de solventes que se encontram em suas mãos, ao trocar suas roupas ou ferramentas de trabalho.

  • Alguns atuam localmente sobre a pele, dando lugar a dermatose.



4.2Que efeitos produzem?


  • Um dos efeitos mais gerais é o efeito narcótico, considerando que os solventes atuam sobre o sistema nervoso central.

  • Os solventes ou seus metabólitos podem atuar sobre diferentes orgãos, chegando a causar lesões em determinadas circunstãncias, no fígado, rins, sistema hematopoiético, etc...

A exposição prolongada pode dar origem a enfermidades, algumas já reconhecidas como profissionais; é o caso do benzolismo produzido pelo benzeno.

4.3Que processos sofrem no organismo?


  • Uma parte do solvente inalado percorre o trato respiratório, chega ao sangue, e daí a diferentes órgãos e tecidos. Ao cessar a exposição, começa a eliminar-se seguindo o sentido inverso, até que seja eliminado com o ar expirado.

Outra parte sofrerá uma série de transformações, principalmente no fígado. Estas substâncias transformadas, chamadas metabólitos, são geralmente derivados hidrossolúveis do solvente, e podem eliminar-se facilmente pela bile ou pela urina. Não há uma regra geral de biotransformação dos diferentes grupos de solventes, inclusive cada um tem seu comportamento particular.

Conhecem-se alguns metabólitos: o tricloroetileno se transforma em ácido tricloroacético e tricloroetanol, que são eliminados pela urina; o benzeno em fenol; o estireno em ácido mandélico e fenil - gliocílico; o metanol em ácido fórmico, etc...


4.4Como ocorre a absorção pulmonar/


Segue duas etapas:

  • A entrada do solvente desde o meio ambiente até os alvéolos pulmonares.

  • A tranferência desde os alvéolos pulmonares até o sangue venoso.

Na primeira fade o solvente se introduz na cavidade alveolar, mediante o ar inspirado.

Na segunda fase ocorre a difusão ao sangue. Depende de:



  • Das características físico-químicas do solvente, coeficiente de difusão e coeficiente de divisão entre o sangue e o ar.

Das características das membranas alvéolo capilares(superfície, espessura), do débiro cardíaco(volume sangue-pulmonar, frequência cardíaca) e da ventilação pulmonar, a qual depende do esforço físico durante a exposição. Como consequência, se absorverá mais quantidade de solvente em exercício do que em repouso.

4.5Porque os solventes se metabolizam?


Acredita-se que a maioria das substâncias químicas sofrem trocas no organismo, e se transformam em outras, porque este trata de manter seu equilíbrio e evitar concentrações perigosas. O metabolismo provoca uma elevada redução do solvente no sangue, transformando-o em composto menos tóxicos, geralmente mais fáceis de eliminar, ainda que em consequência disto, possam os pulmões continuar absorvendo mais solventes.

5.DIAGNÓSTICO

5.1Que sintomas sente o trabalhador que se intoxica?


  • Quando inala os vapores do solvente os sintomas são, fundamentalmente, devidos ao efeito narcótico: sono, enjoo, falta de reflexos, cansaço, debilidade, falta de concentração, instabilidade emocional, dor de cabeça, falta de coordenação, confusão, debilidade muscular.

  • Em uma intoxicação crônica podem aparecer alterações respiratórias, hepáticas e renais podendo surgir, inclusive, tumores cancerosos.

Se o solvente penetra através da pele, produz nesta: ressecamento, irritação, descamação, inflamação, etc...

5.2Como se mede a magnitude dos efeitos?


  • Pelos resultados dos exames médicos gerais e específicos.

  1. Provas psicológicas e psiquiátricas; reflexos, concentração mental, memória, etc..

  2. Provas clínicas para determinar a quantidade de solvente absorvido no sangue e de seus metabólitos, normalmente na urina. Na atualidade, mede-se a concentração do solvente exalado ao final de um tempo medido, após a exposição.

Provas clínicas, nas quais se medem certos parâmetros biológicos, e se comparam com outros já estabelecidos.

5.3O que deve fazer com o trabalhador intoxicado?


De forma imediata:

  1. Separá-lo da fonte contaminante;

  2. Conduzi-lo ao médico para receber tratamento de desintoxicação;

Se a intoxicação é crônica:

  1. Transferir do posto de trabalho para outro de menor risco;

  2. Receber tratamento médico específico.

5.4Que medidas de natureza médica devem ser tomadas?


  • Exames pré-admissionais:

Exames preliminar para evitar a exposeção de indivíduos que apresentem uma predisposição particular à intoxicação com solventes (enfermos hepáticos, renais, anêmicos, etc.).

  • Exames periódicos:

Exames clínicos periódicos com frequências que dependerão da narureza dos solventes e do resico de intoxicação.

  • Exames demissionais:

Depois de abandonar o local de trabalho com risco, devem ser realizados, no trabalhador, exames de forma periódica.

6.Avaliação de riscos

6.1Que fatores determinam o risco de um local de trabalho?


  • A toxicidade do solvente.

  • Suas concentrações no ambiente.

  • O tempo de exposição.



6.2Como se pode saber se um ambiente é tóxico?


Pela maior ou menor concentração do solvente no local de trabalho, e sua variação ao longo da jornada. Isto se pode conhecer mediante:

  • A tomada de amostras, fazendo passar o ar que rodeia o trabalhador por uma bomba de aspiração, para que entre em um tubo absorvente, de carvão ativado, geralmente onde fica retido o solvente.

  • Análise no laboratório, onde os compostos retidos se dissolvem e se determina sua concentração.

Os resultados se comparam com valores estabelecidos, e assim se conhece até que ponto existe maior ou menor risco. As tabelas de Valores Limites Permissíveis (TLV) são os valores de referência americanos.

7.Que medidas devem ser tomadas para controlar a contaminação por solventes?





  • O estudo da atmosfera que rodeia o trabalhador, para se conhecer a magnitude da contaminação.

  • A aplicação das técnicas gerais de controle:

  1. Substituição de um solvente por outro menos tóxico, e cuja aplicação seja similar. O benzeno é substituído por tolueno ou xileno na maioria das operações. Em geral, para igual ou semelhante eficácia, eleger-se-á o que tenha maior pressão de vapor.

  2. Elaboração de processos de produção controlando o emprego, manipulação ou liberação de solventes perigosos.

Separação mediante isolamento do processo, realizado para poder melhor controlar a área de trabalho e, por outro lado, evitar o aumento da zona afetada.

  1. Ventilação.

Uma vez isolado o foco no qual se produz a evaporação do solvente, uma exaustão localizada diminui sua concentração.

Por outro, uma ventilação no ambiente de trabalho melhorará as condições ambientais do posto de trabalho.



  1. A proteção individual.



8.Proteção individual


A proteção individual se efetua por:

  • O uso de equipamentos de proteção.

  • A higiene pessoal.

Os equipamentos específicos para o trabalho com solventes são os respiradores. Devem ser fabricados com material adequados ao solventes que se empregue. Os equipamentos homologados permitem uma boa escolha.

Os respiradores serão utilizados em situações externas, e não de forma habitual. Para longos períodos é necessário um respirador com ar suplementar.

As luvas também serão de material idôneo; não esqueçamos que a maioria das que se usam podem ser dissolvidas e destruídas pelo solventes, em cujo seria contraproducente seu uso.

Os equipamentos de proteção individual serão mantidos limpos, cuidados e guardados escrupulosamente.



A higiene pessoal influi diretamente na diminuição dos efeitos nocivosdos solventes.

  • Lavar freqüentemente as mãos com água e sabão.

  • Tomar banho e trocar de roupas.

Prestar atenção para não contaminar com o solvente a roupa, o material de trabalho, etc...

9.Cubas de desengraxe


Este é um exemplo de posto de trabalho com solventes (tricloro e percloroetileno):

9.1Que fatores influem no risco da contaminação por solventes?


  • O desenho da cuba: dimensão, sistema de calefação, condensador de água etc...

  • Método de operação: introdução e retirada de peças, técnicas de desengraxe, manutenção da cuba.

  • Desenho do sistema de exaustão incorporado, volume de exaustão, etc...



9.2Existem outros riscos?


  • A formação de fosgênio, procedente da decomposição do tricloroetileno. Isto se deve à ação de altas temperaturas na cuba ou pode ser provocado por faíscas oriundas de postos de soldagem próximos.

Explosão, ao ser utilizado o solvente em peças de metais leves (alumínio). Isto se deve à formação de ácido clorídrico, ao atuar a luz e o oxigêneo sobre o tricloroetileno. O ácido clorídrico reage com o alumínio para dar cloreto, de alumínio (CI3AI) com um grande desprendimento de calor, que pode iniciar uma reação em cadeia e, possivelmente, originar uma explosão.

9.3Que medidas controlarão os riscos em cubas de desengraxe?


  • Utilizar uma cuba bem projetada para evitar a saída do vapor para o exterior.

  • Impedir superaquecimentos;

  • Evitar o derrame do solvente desde as peças e os transvasamentos.

  • Realizar limpezas peródicas e manutenção eficaz.

  • Não utilizar tricloroetileno em desengraxe de peças de alumínio.

  • A venilação localizada não será necessária, se o desenho da cuba e o método de trabalho são corretos. Uma ventilação geral seria suficiente.

Normalmente a cuba é provida de exaustão incorporada. Seus parâmetros, volume de exaustão e desenho estão muito estudados e devem ser adequados.

10.Os empresários devem


  • Subistituir um solvente por outro menos tóxico para a mesma utilização.

  • Evitar, na medida do possível, processos de manipulação e liberação de solventes.

  • Medir periodicamente a concentração do solvente no ar, com o fim de avaliar se as medidas de controle são eficazes.

  • Dar conhecimento aos trabalhadores sobre os resultados das avaliações ambientes, e explicar-lhes os riscos a que estão submetidos quando a concentração do solvente no ar é superior ao limite permitido.

  • Dar conhecimento dos resultados dos exames médicos.

  • Completar as medidas anteriores de controle com o fornecimento ao trabalhador de equipamentos de proteção respiratória específicos, além de luvas e roupas adequadas para o trabalho com solventes.



11.Os empregados devem


  • Exigir e utilizar equipamentos de proteção individual: Respiradores, luvas, roupas de trabalho e calçados, em condições higiênicas, para que o solvente não penetre no aparelho respiratório ou pela pele.

  • Mantê-los limpos e guardá-los em local isolado.

  • Colaborar nos exames médicos e de laboratório que sejam apropriados.

  • Adotar procedimentos seguros durate a manipulação do solvente.

  • Vigiar o cumprimento das recomendações estabelecidas pelo empresário.

  • Informar imediatamente sobre as situações de risco: - Faíscas em instalações elétricas. - Fontes de calor. - Concentrações altas de solventes.

  • Procurar o serviço médico em caso de enjôo, dor de cabeça, etc...

Buscar informações para conhecer os riscos de seu trabalho. Procurar fazer cursos de formação. Participar de campanhas.

12.Legislação


Capitulo V - Consolidação das leis do trabalho

  • CLT aprovada pela lei 6.514, de 22 de dezembro de 1977.

  • Portaria 3214/78, NR 15, Anexo 13

Ver convenção 136 e Recomendeção 144 da Organização Internacional do Trabalho - OIT.

13.Terminologia


NARCOSE

Estado de sonolência ou inconsciência produzido por uma substância química.



HEMATOPOIESE

Processo de elaboração de células sangüineas no organismo.



CANCERÍGENO

Agente físico ou substância química capaz de produzir câncer.



HIDROSSOLÚVEL

Substância que se dissolve em água e em líquidos de estrutura química similar.



LIPOSSOLÚVEL

Substância que se dissolve em graxas e em líquidos de estrutura química similar.


METABOLISMO

Conjunto de reações químicas que transcorrem em todos os setores vivos para sua manutenção, crescimento e reprodução.


MUTAGÊNESE

Variação na estrutura dos genes que dá lugar para que as células se modifiquem em sua estrutura ou em sua função.



TERATOGÊNESE

Variação na estrutura dos genes do embrião que pode dar lugar ao aparecimento de má-formações.



BIOTRANSFORMAÇÃO

Trocas químicas realizadas pelo organismo vivo.



COEFICIENTE DE DIFUSÃO

Relação entre a velocidade de difusão de dois gases em um meio determinado.



COEFICIENTE DE PARTIÇÃO

Relação entre as concentrações de uma substância em dois fluidos diferentes que não são solúveis entre si.



BIBLIOGRAFIA

OS SOLVENTES E NOSSA SAÚDE - TRADUÇÃO E IMPRESSÃO AUTORIZADA PELO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDAD E HIGIENE EN EL TRABAJO, REF NO 9328. MADRID, 22 DE SETEMBRO DE 1988 . TRADUZIDO POR LEILA MARIA DA SILVA BASTOS, SUBSECRETÁRIA DE MEDICINA DO TRABALHO, SSMT /SMT .




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal