Os primatas e a febre amarela



Baixar 195.91 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho195.91 Kb.

Os primatas e a febre amarela

Ana Paula Brendler ¹

Everton Luis Régis ¹

Marilia Nonnenmacher ¹

Andréa Inês Goldschmidt ²

Dilma Machado ³



Resumo:

Atualmente a febre amarela tem sido foco de especulações e discussões entre a população e estudiosos, em função de ser, não uma doença nova em nosso meio, mas sim, pela questão de ficar tanto tempo sem ocorrência de casos em nossa região. Muitos comentários errôneos são feitos no que diz respeito ao papel do macaco bugio e a febre amarela e, diante de tantos fatos, faz-se necessário o esclarecimento da população em relação ao assunto.

O presente estudo teve como objetivo analisar o grau de conhecimento de alunos do ensino fundamental e médio de escolas estaduais de cachoeira do sul sobre a febre amarela e os primatas, tanto bugio e os macacos encontrados no zoológico da cidade quanto o homem. Esta avaliação foi feita pela comparação do conhecimento dos alunos do ensino fundamental com os do ensino médio, 82 alunos do ensino médio e 118 do ensino fundamental, que foi aplicada em forma de questionário sobre a febre amarela e os primatas, onde, logo após estes receberam as mesmas questões respondidas, com a intenção de tirar as duvidas dos mesmos e transmitir a informação sobre o assunto. Também foi feita uma segunda avaliação, a aplicação de um jogo com os alunos do ensino fundamental, o show do micão serviu como uma revisão do assunto e obtenção de informações. Através dos resultados obtidos pelo desenvolvimento das atividades, observou-se que o conhecimento sobre o caso de jovens entre 12 e 18 anos de idade é relevante, levando em consideração os questionários e o jogo aplicado para estes.

Palavras-chaves: Febre amarela, Bugio, informações, avaliação.

____________________

1 Alunos do curso de Biologia da ULBRA- Cachoeira do Sul.



2 Bióloga, professora do curso de Biologia da ULBRA, Cachoeira do Sul, Doutoranda no PPG em Educação em Ciências: química da vida e saúde UFSM, Santa Maria, orientadora do projeto.

3 Bióloga, professora do curso de Biologia da ULBRA, Cachoeira do Sul, orientadora do projeto.
1.Introdução
Tem sido freqüente em nossa cidade as especulações e discussões a cerca da relação entre a febre amarela e os bugios (Alouatta fusca), primatas de nossa fauna, principalmente devido ao risco desta, em vir a afetar a nós seres humanos. Muitos comentários errôneos são feitos no que diz respeito ao papel do bugio com relação à febre amarela. Alguns dizem que o bugio transmite a doença, outros, que o bugio ataca o homem transmitindo assim a febre, e outros mais radicais querem chegar ao extremo de eliminar os pequenos primatas.

A morte de vários primatas na nossa fauna nativa nos alertou para esse perigo, porém devemos ter em mente a certeza de como ela ocorre, quem são os verdadeiros vilões desta historia, e principalmente quem são as vitimas e como são afetados pela febre amarela.

Diante de tantos fatos, faz-se necessário o esclarecimento da população com relação ao assunto. Sendo assim, foi aplicado um questionário com alunos do ensino fundamental e médio em escolas estaduais de Cachoeira do Sul, para avaliação do conhecimento de cada estudante. Após foi oferecido aos mesmos as questões com as respostas corretas, com um segundo objetivo que seria o esclarecimento de dúvidas destes sobre o assunto, e também de forma informativa, podendo levar este conhecimento aos demais. Uma segunda etapa do trabalho foi realizado com os alunos da sétima série, da Escola Cândida Fortes Brandão, um jogo para reavaliar os conhecimentos e reforçar as informações sobre a febre amarela.
2. Fundamentação Teórica
2.1 Febre Amarela

O vírus infecta humanos e outros vertebrados principalmente macacos. Os vetores são fêmeas de mosquitos culicídeos pertencentes aos gêneros Aedes e Haemagogus. Como pode se reproduzir em ambientes naturais e artificiais poderia fazer a ponte entre as formas silvestre e urbana da doença.

Em ambas as formas, o causador da febre amarela é um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes) do grupo B. O vírus da febre amarela pertence ao gênero Flavivirus, da família Flaviviridae. Este vírus é esférico e envelopado, de 60 nanômetros, possuidor de uma fita simples de RNA infectante de 10.500 bases, contendo 10 genes. Uma vez infectada, a fêmea do mosquito permanece capaz de transmitir o vírus por toda a vida.

Nas Américas, muitos primatas são suscetíveis à infecção viral. Os principais gêneros de macacos envolvidos são: Cebus (macaco-prego), Alouatta (guariba) e Callithrix (sagüi). Na África, o hospedeiro envolvido é o Cercopithicus spp (macaco verde).

A febre amarela silvestre é transmitida ao homem pela picada de fêmeas de mosquitos do gênero Haemagogus, nas Américas e Aedes, na África, infectadas ao sugar primatas, que são os hospedeiros bem como amplificadores e disseminadores do vírus nas florestas. Se o homem for picado quando entrar nessas áreas, torna-se infectado. A ingestão de sangue pelo mosquito contendo o vírus amarílico resulta em infecção das células epiteliais do seu intestino.

O homem, após receber a picada infectante, leva de 3 a 6 dias para apresentar os primeiros sintomas. O mosquito, em geral, leva de 9 a 12 dias para estar infectante.


2.2 Primatas e a Febre Amarela

Durante o novo surto de febre-amarela que se abateu sobre algumas regiões do País, a falta de um sistema informativo e preventivo eficiente levou a mortes humanas, vacinações múltiplas e ataques anafiláticos. Além disso, um caldo de desinformação regado a generosas doses de raiva e medo deixou outras vítimas pelo chão: os macacos.

Como os macacos não são vacinados, sofrem na pele tanto quanto o bicho homem os efeitos da doença que circula na carona de mosquitos pelas matas tropicais.

Como os macacos não são vacinados, sofrem na pele tanto quanto o bicho homem os efeitos da doença que circula na carona de mosquitos pelas matas tropicais.

Dados históricos sobre a incidência da enfermidade no Brasil revelam que ela retorna em ciclos de cinco a dez anos, tanto entre gente quanto entre macacos.

Segundo o Ministério da Saúde, é assim que funciona o sistema de alerta brasileiro sobre casos de febre amarela. Macacos mortos acionam municípios para que vacinem suas populações, enviem os animais para testes laboratoriais e avisem o governo federal. Considerados importantes “sentinelas” da circulação do vírus, os bugios são nossos “ANJOS DA GUARDA”. Se eles forem mortos pelo homem, a febre amarela só será descoberta que chegou a determinada região quando as pessoas contraírem a doença, talvez já seja tarde para alguns. Além de não transmitirem à doença para o homem, os bugios não são os responsáveis pelo rápido avanço da doença no estado e sim, são as principais vítimas. As mudanças climáticas e a degradação ambiental provocadas pelo homem são as principais responsáveis pelo recente aparecimento de inúmeras doenças infecciosas no Estado.

Por serem afetados pela febre, os macacos acabam servindo como sentinelas naturais. Quando morrem, dão o sinal de que a sociedade precisa agir (SILVA, 2008).

Especialistas acreditam que o avanço da doença tem sido facilitado pelo deslocamento de pessoas infectadas ou pela dispersão dos mosquitos ou outro hospedeiro ainda desconhecido. Os macacos, assim como os insetos, naturalmente podem hospedar o vírus que causa a febre amarela (flavivírus).


2.3 O bugio e os outros primatas do Zoológico de Cachoeira do Sul

As características endêmicas de cada espécie de macacos encontrados no Zoológico Municipal de Cachoeira do Sul deixam claras as evidencia de porque apenas o bugio é alvo primário para a febre amarela nessa região, pois são os únicos encontrados livres nas matas do centro do estado. As demais espécies não são comuns neste habitat, sendo, no Rio Grande do Sul, encontradas apenas em cativeiros, nos parques e em lugares apropriados e autorizados a criação deste animal. Não deixando de salientar que se o mosquito for encontrado na área urbana e entrar em contato com qualquer outro primata do Zoológico, por não estarem vacinados, estes irão contrair a doença assim como o bugio, pois o organismo destes animais, assim como o do ser humano, não se diferencia de espécie para espécie com relação ao vírus, podendo apenas causar reações diferenciadas.


3. Metodologia
Primeiramente foram elaborados questionários (quadro 1.), para avaliar o conhecimento de jovens estudantes de escolas estaduais de Cachoeira do Sul, sobre o assunto “a febre amarela e os primatas”. Seguido da elaboração, se deu a aplicação desses questionários, no dia 17 de Junho de 2009, onde, pelo turno da manhã foram avaliados os alunos do ensino fundamental e no turno da tarde os alunos do ensino médio (quadro 3.). A atividade do dia 17 de Junho foi dividida em dois momentos, onde, num primeiro momento foram entregues aos alunos as questões a serem respondidas para a avaliação e, num segundo momento foram entregues as mesmas perguntas, com suas alternativas respondidas corretamente (quadro 2.), para que estes tenham as informações corretas sobre o assunto. Após a aplicação dos questionários, os dados foram tabelados para a avaliação e comparação do conhecimento dos alunos, a qual será relatada e discutida nos resultados e discussão.


Quadro 1. Questionário aplicado com os alunos.




Quadro 2. Questionário com as respostas corretas entregue aos alunos.

MARQUE (V) PARA QUESTÃO VERDADEIRA E (F) SE A QUESTÃO FOR FALSA.

  1. ( ) No RS há duas espécies de bugio (bugio-ruivo e o bugio-preto) e podem adquirir a febre amarela.

  2. ( ) Os bugios vivem nas copas das árvores juntamente com os mosquitos transmissores do vírus, sendo igualmente vítimas da doença.

  3. ( ) Os bugios são os transmissores da febre amarela ao homem.

  4. ( ) Bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença.

  5. ( ) Podemos afirmar que em se tratando de febre amarela, os primatas são os grandes vilões da história, só perdem pro mosquito.

  6. ( ) Se os bugios forem mortos pelo homem, a descoberta da doença em determinada região ocorrerá somente quando as pessoas contraírem a doença.

  7. ( ) Os bugios são nossos parceiros na luta contra a febre amarela, pois são os sinalizadores da doença.

  8. ( ) Bugios que contraem a febre amarela morrem em três dias a sete dias porque além deles serem sensíveis à doença, não existe vacina para proteger estes animais.

  9. ( ) A morte dos macacos por febre amarela alerta os órgãos de saúde sobre a circulação do vírus da região.

  10. ( ) A intervenção humana ao meio ambiente é um fator primordial para os surtos de febre amarela nos últimos anos.

  11. ( ) Pode ser considerada uma atitude correta extinguir populações de macacos em áreas afetadas pela febre amarela.

  12. ( ) Sagüi, Macaco prego e Rhesus são espécies de primatas encontrados no zoológico da nossa cidade mas são originários de outras regiões. Esses também podem contrair o vírus se o for picado pelo transmissor.




MARQUE (V) PARA QUESTÃO VERDADEIRA E (F) SE A QUESTÃO FOR FALSA.

  1. ( V ) No RS há duas espécies de bugio (bugio-ruivo e o bugio-preto) e podem adquirir a febre amarela.

  2. ( V ) Os bugios vivem nas copas das árvores juntamente com os mosquitos transmissores do vírus, sendo igualmente vítimas da doença.

  3. ( F ) Os bugios são os transmissores da febre amarela ao homem.

  4. ( V ) Bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença.

  5. ( F ) Podemos afirmar que em se tratando de febre amarela, os primatas são os grandes vilões da história, só perdem pro mosquito.

  6. ( V ) Se os bugios forem mortos pelo homem, a descoberta da doença em determinada região ocorrerá somente quando as pessoas contraírem a doença.

  7. ( V ) Os bugios são nossos parceiros na luta contra a febre amarela, pois são os sinalizadores da doença.

  8. (V ) Bugios que contraem a febre amarela morrem em três dias a sete dias porque além deles serem sensíveis à doença, não existe vacina para proteger estes animais.

  9. ( V ) A morte dos macacos por febre amarela alerta os órgãos de saúde sobre a circulação do vírus da região.

  10. ( V ) A intervenção humana ao meio ambiente é um fator primordial para os surtos de febre amarela nos últimos anos.

  11. ( F ) Pode ser considerada uma atitude correta extinguir populações de macacos em áreas afetadas pela febre amarela.

  12. ( V ) Sagüi, Macaco prego e Rhesus são espécies de primatas encontrados no zoológico da nossa cidade mas são originários de outras regiões. Esses também podem contrair o vírus se o for picado pelo transmissor.



Quadro 3. Dados sobre os alunos avaliados.

Escola / Ensino

Série / Turma

Número de alunos

Faixa etária

Cândida Fortes Brandão / Ensino Fundamental

5ª Série / Turma 51

25

11 à 13

6ª Série / Turma 61

27

12 à 13

7ª Série / Turma 71

21

12 à 14

7ª Série / Turma 72

19

12 à 15

8ª Série/ Turma 81

26

13 à 14

Borges de Medeiros / Ensino Médio

1º Ano / Turma 101

21

15 á 18

2º Ano / Turma 203

23

14 à 17

2º Ano / Turma 205

20

17 á 18

3º Ano / Turma 303

18

18 à 19

Na segunda fase do trabalho foi realizado com os alunos, da sétima série (turmas 71 e 72), da Escola Cândida Fortes Brandão, um jogo para reavaliar os conhecimentos e reforçar as informações sobre a febre amarela. Chamado de “Show do micão”, o jogo foi realizado no dia 19 de Junho de 2009, no turno da manhã, horário da aula de educação física das turmas, onde não estavam presentes todos os alunos que participaram do questionário e outros presentes que não haviam respondido as questões. Antes do inicio do jogo foi falado sobre a doença, contágio e precauções, a relação com o bugio e os demais animais e tirada as duvidas expostas por alguns alunos em forma de debate.
3.1. O Jogo:


  • As turmas foram divididas, sendo que 10 alunos de cada turma participaram diretamente do jogo e os demais indiretamente, auxiliando em algumas questões se pedido para o participante;

  • Um aluno de cada grupo foi escolhido por partida, neste caso dez partidas para cada grupo;

  • Cada partida foi uma pergunta feita ao aluno, onde ele teve alternativas de ajuda para responder as questões, sendo elas:

a. Ajuda dos colegas: o aluno podia pedir ajuda ao seu grupo sobre esta questão - cada grupo teve três chances de pedir essa opção;

b. Palavra chave: o aluno podia pedir uma pista aos “professores” (alunos que aplicaram a dinâmica com eles) - cada grupo tendo uma chance de pedir essa opção;

c. Balão: foi oferecido ao aluno dois balões, onde dentro de um deles estava a resposta correta, ele teve que arriscar, podendo não ter a resposta no balão escolhido - cada grupo vai ter duas chances de pedir essa opção;

d. Passa e repassa: o aluno passa a vez para o outro grupo, o grupo tem a opção de responder ou repassar a vez;



  • Os grupos acumularam pontos em cada acerto e deixaram de ganhar em cada erro, constando esses dados nos resultas do trabalho.

Após o fim do jogo foram calculados os erros e acertos de cada grupo e, os ganhadores foram presenteados com pirulitos para cada aluno e o grupo que fez menos pontos ganhou uma bala cada um por prêmio de participação.
3.1.1 Questões do jogo
Grupo 1 (turma 71):


  1. Bugio, Rhesus, Macaco prego e sagüi são os macacos encontrados no zôo da nossa cidade, qual desses é encontrado também nas matas da região?

R: O bugio.

  1. Existem duas espécies de vetores do vírus da febre amarela , são elas respectivamente:

(a) Autraloptecus rotarius e Estreptococos mutans

(b) Drosofila melanogoster e Odonatas pardas

(c) Aedes aegypty e Rotiferos tratons

(d) Aedes haemagogos e Aedes aegypty

(e) todas as alternativas corretas



  1. Apenas o Bugio é encontrado nas matas da nossa região ou o Sagüi também pode ser encontrado livre?

R: Não, somente o bugio, pois é endêmico dessa região.

  1. A região sul do Brasil é considerada área de risco para febre amarela?

R: Sim, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná estão em alerta.

  1. Dados históricos sobre a ocorrência da doença mostram que ela retorna em ciclos de 5 a 10 anos. Tendo retornado agora em 2008/2009, quando tivemos noticias de sua ultima presença na população?

(a) quando o Brasil foi campeão do mundo pela primeira vez.

(b) Durante a segunda guerra mundial.



(c) Durante a virada do ultimo milênio.

(d) Na guerra dos Farrapos.

(e) No ano em que o Brasil sediou os jogos olímpicos.


  1. No estado há duas espécies de bugio, o bugio-preto e o bugio-ruivo. Porque são eles que adquirem a febre amarela?

R: Porque são estes que vivem nas copas das árvores, juntamente com o mosquito transmissor da doença.

  1. Os bugios transmitem a febre amarela ao homem?

R: Não, estes animais são vitimas, assim como o ser humano.

  1. Porque os bugios em três a sete dias, após contrair a febre amarela, morrem?

R: São animais extremamente sensíveis á doença.

  1. Verdadeiro ou falso? Os bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença e acredita que eles sejam os grandes vilões da história.

R: Verdadeiro.

  1. Qual o vírus causador da febre amarela?

R: Arbovírus (vírus causado por Artrópodes), Flavivirus (vírus causados da febre amarela)
Grupo 2 (turma 72):


  1. Os demais primatas do zôo, se picados pelo mosquito irão contrair a doença?

R: Sim, assim como os seres humanos e o bugio.

  1. Qual o principal componente da vacina para febre amarela?

(a) Vitaminas A e B.

(b) Veneno para matar o vírus.



(c) Vírus da febre amarela de forma atenuada para acionar o sistema imunológico.

(d) Água para afogar o vírus.

(e) Sais minerais para hidratar o paciente.


  1. Verdadeiro ou falso? A morte dos macacos é uma atitude prejudicial para o próprio homem, pois a morte de bugios por febre amarela alerta os órgãos saúde sobre a circulação do vírus da região.

R: Verdadeiro.

  1. Qual a secretaria em nossa cidade é responsável pela prevenção e cuidado sobre a febre amarela?

R: Secretaria Municipal de Saúde e Meio Ambiente

  1. Na questão da febre amarela, qual papel respectivamente cabe ao: Vírus, Mosquito, Bugio e Ser Humano?

(a) Causador da doença, hospedeiro, vitima e vitima.

(b) Hospedeiro, vitima, causador da doença e vitima.

(c) Causador da doença, vitima, hospedeiro e vitima.

(d) Causador da doença, hospedeiro, hospedeiro e vitima.

(e) Vitima, vitima, causador da doença e hospedeiro.


  1. É correto afirmar que o home, aos receber a picada infectante, leva de 3 a 6 dias para apresentar os primeiros sintomas.

R: Sim.

  1. O macaco Rhesus é bastante encontrado livre nas matas da região sul do Brasil?

R: Não, ele é trazido da Índia, China e Afeganistão aos zoológicos e parques.

  1. Assim como o bugio, o mosquito Aedes aegypty possui a mata como seu habitat natural. Quais fatores expõe a população humana ao contato com o mosquito e com a doença?

(a) passeio pela Disney

(b) passeio pelas margens do rio Jacuí e Irapua.



(c) Desmatamento e urbanização descontrolados.

(d) Passar férias no litoral 1 ano após ter tomado a vacina.



  1. O mosquito transmissor adquire o vírus através do contato com:

(a) A Saliva

(b) O Suor



(c) A Seiva

(d) O Sangue

  1. Quais os principais sintomas da febre amarela?

R: Febre, dor de cabeça e vomito.
4.Resultados e Discussões
De acordo com as pesquisas feitas, e com os resultados obtidos (quadros 4 e 5), pode-se considerar que os alunos do ensino fundamental e médio têm um bom conhecimento sobre a febre amarela e noção do papel do Bugio neste caso. Com um alto índice de acertos nas questões propostas, é importante ressaltar que entre os alunos do ensino médio que participaram do questionamento tinham, em grande numero, aqueles que têm contato com o meio rural, onde moram, assim, muitos deles demonstraram mais conhecimento e interesse sobre, pois eles estão mais em contato com o bugio e mais próximos do mosquito causador da doença, o que é muito preocupante.


Quadro 4: Tabela de dados da pesquisa com alunos do ensino fundamental.

QUESTÕES__FUNDAMENTAL__118_ALUNOS__%'>QUESTÕES

FUNDAMENTAL

118 ALUNOS

%

  1. No RS há duas espécies de bugio (bugio-ruivo e o bugio-preto) e podem adquirir a febre amarela.

V

81

68,65%

F

37

31,35%

  1. Os bugios vivem nas copas das árvores juntamente com os mosquitos transmissores do vírus, sendo igualmente vítimas da doença.

V

91

77,12%

F

27

22,88%

  1. Os bugios são os transmissores da febre amarela ao homem.

V

35

29,67%

F

83

70,33%

  1. Bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença.

V

80

67,8%

F

38

32,2%

  1. Podemos afirmar que em se tratando de febre amarela, os primatas são os grandes vilões da história, só perdem pro mosquito.

V

36

30,5%

F

82

69,5%

  1. Se os bugios forem mortos pelo homem, a descoberta da doença em determinada região ocorrerá somente quando as pessoas contraírem a doença.

V

78

66,11%

F

40

33,89%

  1. Os bugios são nossos parceiros na luta contra a febre amarela, pois são os sinalizadores da doença.

V

92

77,97%

F

26

22,03%

  1. Bugios que contraem a febre amarela morrem em três dias a sete dias porque além deles serem sensíveis à doença, não existe vacina para proteger estes animais.

V

88

74,58%

F

30

25,42%

  1. A morte dos macacos por febre amarela alerta os órgãos de saúde sobre a circulação do vírus da região.

V

96

81,36%

F

22

18,64%

  1. A intervenção humana ao meio ambiente é um fator primordial para os surtos de febre amarela nos últimos anos.

V

57

48,31%

F

61

51,69%

  1. Pode ser considerada uma atitude correta extinguir populações de macacos em áreas afetadas pela febre amarela.

V

44

37,28%

F

74

62,72%

  1. Sagüi, Macaco prego e Rhesus são espécies de primatas encontrados no zoológico da nossa cidade mas são originários de outras regiões. Esses também podem contrair o vírus se o for picado pelo transmissor.

V

80

67,8%

F

38

32,2%




Quadro 5: Tabela de dados da pesquisa com alunos do ensino médio

QUESTÕES

MÉDIO

82 ALUNOS

%

  1. No RS há duas espécies de bugio (bugio-ruivo e o bugio-preto) e podem adquirir a febre amarela.

V

60

73,17%

F

22

26,83%

  1. Os bugios vivem nas copas das árvores juntamente com os mosquitos transmissores do vírus, sendo igualmente vítimas da doença.

V

66

80,5%

F

16

19,5%

  1. Os bugios são os transmissores da febre amarela ao homem.

V

8

9,75%

F

74

90,25%

  1. Bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença.

V

73

89,03%

F

9

10,97%

  1. Podemos afirmar que em se tratando de febre amarela, os primatas são os grandes vilões da história, só perdem pro mosquito.

V

18

21,95%

F

64

78,05%

  1. Se os bugios forem mortos pelo homem, a descoberta da doença em determinada região ocorrerá somente quando as pessoas contraírem a doença.

V

67

81,71%

F

15

18,29%

  1. Os bugios são nossos parceiros na luta contra a febre amarela, pois são os sinalizadores da doença.

V

76

92,69%

F

6

7,31%

  1. Bugios que contraem a febre amarela morrem em três dias a sete dias porque além deles serem sensíveis à doença, não existe vacina para proteger estes animais.

V

71

86,59%

F

11

13,41%

  1. A morte dos macacos por febre amarela alerta os órgãos de saúde sobre a circulação do vírus da região.

V

78

95,13%

F

4

4,87%

  1. A intervenção humana ao meio ambiente é um fator primordial para os surtos de febre amarela nos últimos anos.

V

54

65,86%

F

28

34,14%

  1. Pode ser considerada uma atitude correta extinguir populações de macacos em áreas afetadas pela febre amarela.

V

12

14,37%

F

70

85,63%

  1. Sagüi, Macaco prego e Rhesus são espécies de primatas encontrados no zoológico da nossa cidade mas são originários de outras regiões. Esses também podem contrair o vírus se o for picado pelo transmissor.

V

59

71,96%

F

23

28,04%

Há um padrão nas respostas obtidas, tanto no ensino fundamental como no ensino médio, mostrando que o conhecimento sobre este assunto, de jovens entre 12 e 18 anos de idade, é relevante apesar de alguns alunos não acertarem todas as questões, o que obteve também um padrão de conhecimento diante desde fato, pois o nível de acertos e erros foi equilibrado nos dois ensinos. Apenas na questão 10 ocorreu uma controvérsia, pois o ensino médio apresente um conhecimento mais amplo, qualificativo sobre o assunto, mostrando que 65% de 82 alunos marcaram a resposta correta e no ensino fundamental apenas 48% de 118 alunos marcaram a questão certa podendo este ocorrer pelo fato de alguns alunos terem o contato com o meio onde é mais preocupante ainda esta questão.

Com relação ao segmento do questionário, que foi o fato de ser entregue aos alunos as questões respondidas corretamente, pode se dizer que obteve-se um ganho no conhecimento do aluno, e também para a suas populações circunvizinhas os quais podem obter indiretamente estas informações através destes jovens que, com isso, poderão passar informações corretas.

Levando em consideração o que foi trabalhado anteriormente, o questionário e as informações oferecidas, houve a aplicação de um jogo lúdico com os alunos de sétima série da escola Cândida Fortes Brandão, para que obtivessem melhor entendimento sobre o assunto. Com a apresentação e o debate antecedentes ao jogo foi visto que os jovens tem muitas duvidas ainda sobre a questão, as quais foram esclarecidas para um melhor desempenho da atividade seguinte e futuras situações. O jogo teve resultados esperados, onde, os grupos tiveram pouca diferença de pontos no final (quadros 6 e 7) e, comparando os resultados do jogo com os do questionário (quadros 4 e 5) foi visto que, ao fim da pesquisa os jovens já tinham conhecimento do assunto, obtiveram um bom desempenho nas atividades e um ganho a mais de conhecimentos sobre a relação da febre amarela com os primatas, quem são os verdadeiros vilões desta historia, e principalmente quem são as vitimas e como são afetados pela doença.



Quadro 6. Resultados Turma 71

Questão

Alternativa de ajuda utilizada

Resposta

certa / errada



a.

b.

c.

d.

  1. Bugio, Rhesus, Macaco Prego e Sagüi são os macacos encontrados no zôo da nossa cidade, qual desses é encontrado também nas matas da região?

x










Certo

  1. Existem duas espécies de vetores do vírus da febre amarela , são elas respectivamente.







x




Errado

  1. Apenas o Bugio é encontrado nas matas da nossa região ou o Sagüi também pode ser encontrado livre?










x

Passou

  1. A região sul do Brasil é considerada área de risco para febre amarela?




x







Certo

  1. Dados históricos sobre a ocorrência da doença mostram que ela retorna em ciclos de 5 a 10 anos. Tendo retornado agora em 2008/2009, quando tivemos noticias de sua ultima presença na população?

x







x

Passou/ errou

  1. No estado há duas espécies de bugio, o bugio-preto e o bugio-ruivo. Porque são eles que adquirem a febre amarela?

x




x




Certo

  1. Os bugios transmitem a febre amarela ao homem?













Certo

  1. Porque os bugios em três a sete dias, após contrair a febre amarela, morrem?




x







Errado

  1. Verdadeiro ou falso? Os bugios estão morrendo não só pela febre amarela, mas também por envenenamento causado pelo homem, que teme o avanço da doença e acredita que eles sejam os grandes vilões da história.













Certo

  1. Quais os principais sintomas da febre amarela?

x










Certo

Questão do outro grupo (passa ou repassa)

nº 4

Certo

Total

4

2

2

2

7 acertos




Quadro 7. Resultados Turma 72

Questão

Alternativa de ajuda utilizada

Resposta

certa / errada



a.

b.

c.

d.

  1. Os demais primatas do zôo, se picados pelo mosquito irão contrair a doença?







x




Certo

  1. Qual o principal componente da vacina para febre amarela?




x







Errado

  1. Verdadeiro ou falso? A morte dos macacos é uma atitude prejudicial para o próprio homem, pois a morte de bugios por febre amarela alerta os órgãos saúde sobre a circulação do vírus da região.













Certo

  1. Qual a secretaria em nossa cidade é responsável pela prevenção e cuidado sobre a febre amarela?










x

Passou

  1. Na questão da febre amarela, qual papel respectivamente cabe ao: Vírus, Mosquito, Bugio e Ser Humano?

x




x




Certo

  1. É correto afirmar que o home, aos receber a picada infectante, leva de 3 a 6 dias para apresentar os primeiros sintomas.




x







Errado

  1. O macaco Rhesus é bastante encontrado livre nas matas da região sul do Brasil?







x




Certo

  1. Assim como o bugio, o mosquito Aedes Aegypty possui a mata como seu habitat natural. Quais fatores expõe a população humana ao contato com o mosquito e com a doença?













Certo

  1. O mosquito transmissor adquire o vírus através do contato com:













Certo

  1. Qual o vírus causador da febre amarela?

x

x







Errou

Questão do outro grupo (passa ou repassa)

nº 5

Repassou

nº 3

Errado

Total

2

3

3

1

6 acertos


5. Conclusões

Tendo como temática do trabalho, a relação entre a febre amarela, os macacos e o ser humano, foi possível constatar que os objetivos relatados no projeto de pesquisa foram alcançados, pois através da aplicação da atividade lúdica com os alunos de nossa cidade, muitas dúvidas a respeito do tema do trabalho e deste assunto que recentemente tomado conta dos jornais, rádios e conversas informais em nossa cidade, foram sanadas. Através do método utilizado para levar o conhecimento aos alunos e uma simultânea avaliação deste conhecimento, o qual teve como meio uma atividade lúdica, onde pudemos perceber que esta se fez uma excelente ferramenta de transmissão de conhecimento e esclarecimento de dúvidas junto aos alunos, por ser clara, direta e descontraída, levando a eles um elevado grau de conhecimento eficaz para as decisões do dia-a-dia referente ao assunto.

De igual forma, e dando continuidade ao processo de esclarecimento da população estudantil, o questionário aplicado aos alunos o qual foi posteriormente fornecido com as respostas corretas, demonstrou ser alem de um instrumento de coleta de dados, um fator muito eficaz de transmissão de conhecimento, pois, atingiu um número maior de indivíduos que a atividade lúdica supracitada.

Tais resultados e métodos podem ser aplicados em projetos futuros em assuntos semelhantes ou de importante relevância, pois a população pode e deve ser sempre analisada, orientada e esclarecida no que diz respeito à saúde publica. Futuramente outros segmentos de nossa sociedade poderão ser objetos de projetos similares, levando em consideração seus perfis, particularidades e necessidades, sempre com o mesmo objetivo de esclarecê-los, orientá-los e monitorá-los em relação ao conhecimento.


6. Bibliografia
FEBRE AMARELA. Disponível em: http://www.sucen.sp.gov.br/doencas/dengue_f_amarela/texto_febre_amarela_pro1.htm. Acesso em: 15 de Março de 2009.
A FEBRE AMARELA E A MATANÇA DE BUGIOS. Disponível em: http://diariogauche.blogspot.com/2009/04/febre-amarela-e-matanca-de-bugios.html. Acesso em: 15 de Março de 2009.
MACACOS PAGAM O PATO: Disponível em: http://www.oeco.com.br/reportagens/37-reportagens/2160-oeco_25792. Acesso em: 16 de Março de 2009.
MARQUES, Bica. Você mataria seu anjo da guarda?, febre amarela: geral, Jornal do Povo. Cachoeira do Sul, 14 de abril de 2009.
TORTORA, Gerald J.; FUNKE, Berdell R.; CASE, Cristine L,; … [et al.]. Microbiologia. 6. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.
TRABULSI, Luiz R.; ...[et al.]. Microbiologia. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2004.
PELCZAR JR, Michael J.; CHAN, E. C. S.; KRIEG, Noel R.; Microbiologia, Conceitos e Aplicações. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 1996.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal