OrganizaçÃo social cristã-espírita “andré luiz” – oscal



Baixar 28.62 Kb.
Encontro22.10.2018
Tamanho28.62 Kb.

ORGANIZAÇÃO SOCIAL CRISTÃ-ESPÍRITA “ANDRÉ LUIZ” – OSCAL


COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS DE PASSE ESPÍRITA - MED/CTP

REGIMENTO INTERNO Nº 08/99

REGIMENTO INTERNO Nº 08/99

COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS DE PASSE ESPÍRITA – MED/CTP





  1. FINALIDADE

O presente Regimento Interno tem por finalidade regulamentar o funcionamento dos trabalhos de passes levados a efeito no Grupo da Fraternidade...




  1. CONCEITO

O passe é o exercício da medicina da alma na extensão do alívio da cura da dor, dor esta que se manifesta na forma de alarme ou emergência no império do organismo humano (Do livro “Evolução em Dois Mundos”). Esta dor é consequência das quedas morais, causadoras de lesões no hemisfério psicossomático ou perispíritico a refletir-se no veículo carnal.


3. REQUISITOS BÁSICOS PARA O EXERCÍCIO DAS FACULDADES RADIANTES - PASSES
3.1) Ser membro efetivo das atividades assistenciais da Instituição;
3.2) Desfrutar boa saúde física e mental;
3.3) Superar os vícios do fumo, do álcool, das drogas;
3.4) Ter concluído, ou estar cursando, o Ciclo de Estudos “Doutrina Espírita”;
3.5) Conhecer, aceitar e cumprir a técnica da terapia de passes, ministrada no curso de “Passes” da Instituição;
3.6) Estar iluminado pelos sentimentos da fé e da boa vontade, que são elos de ligação com os Espíritos do bem;
3.7) Ao passista egresso de outra Instituição será permitido colaborar na tarefa de passes, de acordo com as normas da Instituição, consubstanciadas neste Regimento.
4. CONDIÇÕES GERAIS PARA APLICAÇÃO DE PASSES
4.1) Os passes deverão ser aplicados em recinto da Instituição (salvo os passes aplicáveis nos lares de irmãos enfermos ou em hospitais, onde se recomenda o passe em equipe);
4.2) Prece mental íntima e fervorosa precederá o início do passe que será sempre silencioso;
4.3) A cabine de passes deverá apresentar inexcedível simplicidade, a luminosidade do recinto haverá de ser discreta e leve. O silêncio no recinto dos passes constituirá sempre imperioso procedimento (cabine e ante-cabine);
4.4) O passe será aplicado com o paciente convenientemente assentado, sem o incômodo das pernas e braços cruzados para possibilitar o fluir das energias em seu próprio benefício;
4.5) Os pacientes apresentando dispnéias, crises histéricas ou obsessivas, ou mal estar súbito, deverão ser encaminhados a uma sala contígua para recuperação e atendimento em equipe. Caberá ao passista, em nível de recurso inicial, induzir o paciente ao despertamento e controle das próprias emoções, sem que haja perturbação no desenvolvimento dos trabalhos gerais;
4.6) O passe não precisa ter o seu tempo cronometrado, todavia a sua duração guarda relação direta com a necessidade do paciente;
4.7) Os pacientes que favorecem o transe mediúnico durante o passe deverão ser orientados pelo Coordenador a procurarem atendimento específico na Instituição, de preferência o Atendimento Fraterno Espiritual;
4.8) Os passes serão individuais ou em equipe, ambos de magnetismo humano-espiritual.
5. PROCEDIMENTOS QUANTO AOS PACIENTES
5.1) Aplicar-se-ão, inicialmente, passes nas crianças, com prioridade àquela recomendada com orientação espiritual;
5.2) Serão atendidos sucessivamente os pacientes portadores de anormalidades psíquicas e/ou distúrbios orgânicos ostensivos;
5.3) Consoante as normas da Instituição, terão prioridade no atendimento os pacientes portadores de orientação espiritual.
6. PROCEDIMENTOS RECOMENDÁVEIS AOS PASSISTAS
6.1) Objetos como sapatos, relógios, alianças, níqueis não interferem no processo de transfusão das energias radiantes;
6.2) É sempre dispensável ao médium passista tocar com as mãos o corpo do paciente (passe de contato) de modo direto; “Os recursos magnéticos, aplicados a reduzida distância da superfície corporal, penetram mesmo assim o halo vital ou a aura do paciente, provocando modificações físio-psíquicas eficazes e vitalizadoras” – André Luiz;
6.3) É vetado o passe com o médium em transe;
6.4) O passe será praticado, apresentando o médium passista os olhos abertos ou semi-abertos, possibilitando-lhe a interferência rápida no caso do paciente ser acometido de súbito transe ou mal estar;
6.5) Mediante orientação espiritual poderá ser aplicado o passe em equipe, onde dois ou mais passistas favorecem a um paciente;
6.6) Não será aplicado, no âmbito da Instituição, o passe coletivo;
6.7) O passista poderá aplicar um número de passes compatível com sua disposição de doar, sem diminuição do amoroso atendimento:



  1. A cabine de Passes comporta número determinado de passista no exercício da tarefa. Quando o número de passista superar a capacidade da cabine, sugere-se o revezamento dos passistas. Neste caso, a critério da Coordenação de Passes, cada passista aplicará o número convencionado para permitir oportunidade de trabalho a todos os interessados;

  2. Sobre o esgotar de fluidos dos médiuns passistas: não recear a exaustão (consultar “Nos Domínios da Mediunidade” – André Luiz – Capítulo “Passes”;

6.8) A oração e concentração mental possibilitam ao medianeiro, sintonia com os Espíritos do Bem;


6.9) Na aplicação do passe serão evitados gestos excessivos, suspiros, bocejos, esfregação de mãos, estalidos de dedos e braços levantados na vertical.
7. A EQUIPE DE PASSES
7.1) A equipe de passes é o conjunto de dois ou mais passistas, se possível de ambos os sexos, para o atendimento dos interessados na recepção das energias radiantes;
7.2) O Passe em equipe terá o seguinte procedimento:


  1. Os passistas ficam dispostos em torno do paciente, formando uma figura círculo ou semi-círculo;




  1. Enquanto um aplica o passe, os demais permanecem com as mãos estendidas, mentalizando a doação de fluídos.

7.3) O passe em domicílio, nos doentes e acamados ou impossibilitados de comparecer às reuniões, constitui tarefa de equipe, sob orientação da Coordenação de Visitação Fraterna – ASE/CVF;


8. DA COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS DO PASSE ESPÍRITA


    1. Constituída de 02 (dois) fraternistas indicados pela Coordenação de Ação Mediúnica - CAD/MED ao Conselho de Administração – CAD para exercerem a função de Coordenador Titular e de Coordenador Suplente, por período coincidente com o mandato dos Coordenadores do CAD.




    1. Existirão dois fraternistas – também denominados de Coordenador Titular e Coordenador Suplente – designados pela Coordenação dos Trabalhos de Passe que serão responsáveis pelo bom andamento dos trabalhos no seu turno, garantindo o melhor desempenho e a uniformidade da tarefa;




  1. DAS ATRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS DE PASSE ESPÍRITA




    1. Acompanhar a formação de novos passistas, mediante treinamento ministrado pela Coordenação de Ciclos de Estudos – CAD/EDU;




    1. Manter atualizado o cadastro de passistas;




    1. Promover reuniões regulares com as equipes responsáveis pelos turnos, visando ao aprimoramento permanente da terapêutica dos passes;




    1. Participar de reuniões ordinárias e extraordinárias do CAD/MED, quando convidados;




    1. Solicitar à Reunião de Orientação Espiritual – R.O.E., as orientações espirituais que se fizerem devidas à equipe de passistas;




    1. Promover a alternância, a cada período de 04 (quatro) meses, entre o Coordenador Titular e o Coordenador Suplente de cada turno;




    1. Apresentar à CAD/MED relatório anual de atividades da Coordenação;




    1. Incentivar a participação de todos os passistas nos eventos que visam a reciclar conhecimentos e posturas na tarefa.


10. INSTRUÇÕES GERAIS
10.1) Processos terapêuticos alternativos, com finalidades assemelhadas a do Passe Espírita, não serão adotadas na Instituição e nesse contexto situam, por exemplo a Yoga, Kirliangrafia, Reike, Terapia dos Cristais, Do In, Prana dos Indús, Cromoterapia e outros. Não existe intenção de denegrir ou desconhecer a importância desses procedimentos terapêuticos e sim de centralizar as ações em torno dos conhecimentos espíritas institucionalizados e, naturalmente, sempre sob a assistência segura e benfazeja dos Instrutores da Espiritualidade;
10.2) Os expositores dos cursos sobre o passe poderão consultar toda a literatura espírita sobre a matéria, mas essencialmente, no que se refere aos conceitos e técnicas, haverão de prescrever as orientações contidas nos livros: Nosso Lar, Missionários da Luz, Nos Domínios da Mediunidade, Mecanismos da Mediunidade e Evolução em Dois Mundos, todos psicografados por Francisco Cândido Xavier.


  1. DISPOSIÇÃO FINAL

O presente Regimento Interno entrará em vigor a partir da data de sua aprovação, revogando-se todas as disposições em contrário.


__________________,_____de ___________________ de


COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS DE PASSE ESPÍRITA – MED/CTP



COORDENAÇÃO DE AÇÃO MEDIÚNICA – MED
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO – CAD
CONSELHO DE REPRESENTAÇÃO DA ASSEMBLÉIA - CRA




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal