O recém-nascido é pleno de potencialidades e vivencia desde sua vida intra-uterina uma série de transformações que são decisivas para o seu crescimento e desenvolvimento



Baixar 284.3 Kb.
Página4/5
Encontro02.07.2019
Tamanho284.3 Kb.
1   2   3   4   5
. Acesso em: 10 jan. 2009.

AMORIN, F.A.; PINTO, M.C.M.; SANTOS, S.R. Vantagens, desvantagens e dificuldades percebidas pelos enfermeiros na utilização do PICC em crianças. Revista Nursing, São Paulo, v. 95, n. 9, p. 771, 2000.

ANDRIOLA, Y.M.; OLIVEIRA, B.R.G. A influência da música na recuperação do recém-nascido prematuro na UTI Neonatal. Revista Nursing, v. 99, n. 8, p. 973-978, agost, 2006.

AVERY, G.B. Perspectivas em neonatologia. In: AVERY, G.B. Neonatologia: fisiopatologia e tratamento do recém-nascido. 4. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1999.

BERGOLD, L.B.; ALVIM, N.A.T. Música terapêutica como tecnologia aplicada ao cuidado. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 13, n. 3, p. 537-42, jul-set, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Educação. Hospitais Universitários. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=512&id=12267&option=com_content&view=article>. Acesso em: abr. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso- método mãe-canguru. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Fundação Osvaldo Cruz. Resolução 196/96. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Manual de Normas Técnicas e Rotinas Operacionais do Programa Nacional de Triagem Neonatal. Brasília, 2002.

CABRAL, I.E.; MORAES, J.R.M.M.; SANTOS, F.F. O egresso da terapia intensiva neonatal de três instituições públicas e a demanda de cuidados especiais. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 7, n. 2, p. 211-8, Jul-Ago, 2003.

CABRAL, I.E.; RODRIGUES, E. da C. O método mãe canguru em uma maternidade do Rio de Janeiro 2000-2002: necessidades da criança e demanda de educação em saúde para os pais. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n.4, p. 629-36, Out-Dez, 2006.

CARVALHO, W.B. et al. Nível de ruídos em uma unidade de cuidados intensivos pediátrico. Jornal de Pediatria, v. 81, n. 6, 2005.

CASTANHA, M.L.; LACERDA, M.R.; ZAGONEL, I.P.S. Hospital: lugar para o enfermeiro cuidar do imaginário? Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 94-9, 2005.

CECILIO, L.C.O. É possível trabalhar o conflito como matéria-prima de gestão em saúde? Caderno de Saúde Pública, v. 21, n. 2, p. 508-516, 2005.

CERIBELLI, C.; NASCIMENTO, L.C.; PACÍFICO, S.M.R.; LIMA, R.A.G. A mediação de leitura como recurso de comunicação com crianças hospitalizadas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 17, n. 1, jan/fev, 2009. Disponível em: http//www.eerp.usp.br/rlae.

CHAVES, L.D. A avaliação da dor no recém-nascido. In: Souza ABG e colaboradores. Enfermagem Neonatal: Cuidado integral ao recém-nascido. 1. ed. São Paulo: Martinari, 2011.

CHRISTOFFEL, M.M.; SANTOS, R.S. Navegando no Mar da Neonatologia: um mergulho no mundo imaginal do recém-nascido na UTIN. 1. ed. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery, 2003.

COSTA, R.; PADILHA, M.I.; MONTICELLI, M. et al. Políticas públicas de saúde ao recém-nascido no Brasil: reflexos para a assistência neonatal. Disponível em: Acesso em: fevereiro de 2011.

CRUZ, D.C.S.; SUMAN, N.S.; SPÍNDOLA, T. Os cuidados imediatos prestados ao recém-nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Revista Escola de Enfermagem da USP, v. 41, n. 4, p. 690, dez, 2007.

DELGADO, S.E.; ZORZETTO, M. A amamentação de bebês pré-termo: um caminho possível para a construção da comunicação. Revista Crescimento Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 53-62, 2003.

DIAS, I.M.A.V.; SANTOS, R.S. Os profissionais de enfermagem diante do nascimento da criança com malformação congênita. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 11, n. 1, p. 73-9, Mar, 2007.

DOWNES, J.J. Evolução histórica, estado atual e desenvolvimento prospectivo do tratamento intensivo pediátrico: terapia intensiva neonatal e neonatologia. Clínica de Terapia Intensiva, v. 1, p. 1-25, 1992.

FERRAZ, A.R.; GUIMARÃES, H. História da neonatologia no mundo. Sociedade Portuguesa de Pediatria, Secção de Neonatalogia. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2007.

FERREIRA, C.C.M.; REMEDI, P.P.; LIMA, R.A.G.L. A música como recurso no cuidado à criança hospitalizada: uma intervenção possível? Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 5, p. 689-93, set-out, 2006.

FRANCO, T.B.; MAGALHÃES JÚNIOR, H.M. Integralidade na assistência à saúde: a organização das linhas do cuidado. In: O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 2. ed. São Paulo: HUCITEC, 2004.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas 2007.

GLASS, P. O recém-nascido vulnerável e o ambiente na unidade de tratamento intensivo neonatal. In: AVERY, G.B.; FLETCHER, M.A.; MACDONALD, M.G. Neonatologia: fisiopatologia e tratamento do recém-nascido. 4. ed. Belo Horizonte: Medsi, 1999. cap. 8, p. 79-96.

KLAUS, M.; KLAUS, P. O surpreendente recém-nascido. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1989.

KUMAMOTO, L.H.M.C.C.; GADELHA, E.C.M.; MONTEIRO, F.R.; SILVA, L.R.M.S.; LEITE, M.C.; SANTOS, R.G.C. Apoio à criança hospitalizada: uma proposta de intervenção lúdica. Revista Eletrônica de Enfermagem Extensão Cidadã. 2006. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/extensaocidada/article/view/1340 >. Acesso em: jan. 2011.

LAAN, T.V.D. A importância da alimentação no desenvolvimento facial infantil. Pró-Fono, Revista de Atualização Científica, v. 7, n. 1, p. 3-5, 1995.

LAMEGO, D.T.C. et al. Desafios para a humanização do cuidado em uma unidade de terapia intensiva neonatal cirúrgica. Ciência Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3,  2005.

LAMY, Z.C.; GOMES, M.A.S.M.; GIANINI, N.O.M.; HENNIG, M.A.S. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru; a proposta brasileira. Ciência Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 659-68, Jul-Set, 2005.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2001.

LUSSKY, R.C. A century of neonatal medicine. Minnesota Med Assoc. 1999. Acesso em: jan. 2011. Available from:




1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal