O que é o pterígio?



Baixar 20.87 Kb.
Encontro08.01.2018
Tamanho20.87 Kb.

Pterígio

Dr. Luciano Bellini



O que é o pterígio?

O pterígio é uma membrana fibro-vascular que cresce sobre a córnea. Esta membrana é muito parecida com a conjuntiva, a qual é a membrana que recobre a esclera (a parte branca dos olhos) e a parte interna das pálpebras. O pterígio geralmente invade a córnea por seu lado nasal (lado voltado para o nariz), mas pode ocorrer também do lado temporal (na direção da orelha) ou em outras localizações.



Como o pterígio altera a córnea?

A córnea é uma estrutura curva e transparente localizada na porção anterior do globo ocular (na superfície do olho). Portanto, a córnea normal não apresenta vasos sangüíneos nem opacidades, permitindo a passagem de luz através dela.

Nos casos de pterígio, porém, a membrana que invade a córnea, contem vasos sangüíneos e tecido fibroso (fibras de colágeno). Assim, o crescimento do pterígio poderá prejudicar a visão por acarretar:

1) perda da transparência da córnea (o que se chama leucoma);

2) distorção da curvatura corneana (o que se chama astigmatismo).

Quais são os sintomas do pterígio?

Além de poder prejudicar a visão, o pterígio frequentemente causa ardência, prurido (coceira), sensação de areia nos olhos, lacrimejamento, fotofobia (desconforto com a luminosidade) e hiperemia ocular (olhos vermelhos).



Quais são as causas do pterígio?

O aparecimento do pterígio pode estar relacionado com fatores genéticos (herança dos pais) e com fatores ambientais. Dos fatores ambientais, a exposição solar, o vento e a poeira parecem favorecer o aparecimento do pterígio. Em alguns casos, o surgimento desta membrana fibro-vascular ocorre devido a um traumatismo na superfície ocular. Nestes casos a membrana costuma ser chamada de pseudo-pterígio, já que, na verdade, é uma reação da conjuntiva adjacente ao trauma.



Como progride o pterígio?

O pterígio costuma progredir lentamente, ao longo de semanas, meses e anos, invadindo a superfície da córnea. Algumas vezes, a progressão pode ser mais rápida, prejudicando a visão e gerando desconforto ao paciente. Em outros casos, depois de crescer por algum tempo, o pterígio se estabiliza, podendo ficar com tamanho inalterado durante anos.



Qual é o tratamento do pterígio?

Os sintomas de ardência e hiperemia ocular podem ser aliviados com o uso de colírios, como os lubrificantes oculares, por exemplo. Porém, o uso de colírios não é capaz de produzir uma regressão do pterígio. Assim, o único tratamento comprovadamente eficaz para o pterígio consiste em retirá-lo através de cirurgia.



Como é a cirurgia do pterígio?

Existem diversas técnicas cirúrgicas disponíveis para tratar o pterígio. Nos casos de pterígios que nunca foram operados, a técnica mais recomendada consiste em retirar a lesão (e o tecido fibroso adjacente) e realizar um transplante de conjuntiva. O transplante de conjuntiva visa recobrir o local da lesão, diminuindo o risco de recorrência (retorno do pterígio).



É necessário “dar pontos”?

Antigamente, a cirurgia do pterígio necessitava de “pontos” (sutura), que geravam bastante desconforto ao paciente. Felizmente, com a evolução de novos materiais, já existe a possibilidade de realizar a cirurgia sem pontos. Isto é possível graças ao uso de colas especiais, chamadas de colas de fibrina. Este recurso diminui o tempo da cirurgia (torna a cirurgia mais rápida) e diminui o desconforto no pós-operatório. Além disso, o uso da cola de fibrina diminui a inflamação pós-operatória causada pela presença dos fios das suturas (que não precisam ser usados quando usamos a cola de fibrina).



Como é a anestesia?

Geralmente optamos por uma anestesia local, evitando-se os riscos da anestesia geral. Existem diversas modalidades de anestesia local, desde o simples uso de gotas anestésicas, até as técnicas de bloqueio regional (bloqueio peribulbar). Assim, cada caso deve ser avaliado individualmente, optando-se pela técnica mais adequada para cada paciente.



O pterígio pode voltar?

Sim, o pterígio pode voltar, algum tempo depois da cirurgia, o que se chama de recorrência. O que sabemos, atualmente, é que, existem técnicas cirúrgicas melhores, capazes de diminuir muito o risco de recorrência. Assim, por exemplo, uma cirurgia bem feita, com transplante de conjuntiva, apresenta um risco de recorrência bem menor do que uma cirurgia simples, sem o transplante de conjuntiva. Além disto, pterígios que já foram operados mais de uma vez apresentam maior risco de recorrência.



E nos casos mais avançados, como é a cirurgia?

Casos mais avançados ou já operados anteriormente apresentam maior risco de recorrência. Por isso, nestes casos, às vezes, temos que realizar uma cirurgia mais complexa, envolvendo outros recursos, além do transplante de conjuntiva. Um destes recursos consiste na aplicação de medicações anti-mitóticas durante a cirurgia, como a mitomicina C. A mitomicina C inibe a proliferação dos fibroblastos e de outras linhagens celulares, diminuindo, assim, a recorrência do pterígio.

Outra possibilidade é o uso de membrana amniótica especialmente preparada para tratar a superfície ocular. Esta membrana apresenta propriedades anti-inflamatórias, ajudando no processo de recuperação no pós-operatório. Além destes recursos adicionais, cirurgias mais complexas também envolvem maior atenção do cirurgião ao retirar o tecido fibroso, a fim de reconstituir a superfície ocular da melhor maneira possível.

Precisa ficar internado?

Normalmente, não há necessidade do paciente ficar internado após a cirurgia. Assim, a cirurgia é considerada ambulatorial, pois o paciente retorna para a sua casa após a cirurgia.


Prof. Dr. Luciano P. Bellini

Médico Oftalmologista

lucianopbellini@yahoo.com.br

CEO - Centro de Excelência em Oftalmologia de Porto Alegre

Fones: (51) 3024-1818 / 3221-9393

Av. Bastian, 230 / 302 - Porto Alegre, RS

Sobre o Dr. Luciano Bellini:
Pós-Graduação em cirurgias oculares (Fellowship), Mestrado e Doutorado pela UFRGS.
Membro de:


  1. American Academy of Ophthalmology (AAO)

  2. American Society of Cataract and Refractive Surgery (ASCRS)

  3. European Society of Cataract and Refractive Surgery (ESCRS)

  4. Asociación Latinoamericana de Cirujanos de Córnea, Catarata y Segmento Anterior (ALACCSA)

  5. Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO)

  6. Sociedade Brasileira de Catarata e Implantes Intra-Oculares (SBCII)

  7. Sociedade Brasileira de Cirurgia Refrativa (SBCR)

  8. Associação Brasileira de Farmacologia e Terapêutica Ocular (ABRAFO)

Revisor dos periódicos científicos:

1. Ophthalmology

2. Journal of Cataract and Refractive Surgery

3. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia

4. British Journal of Ophthalmology



5. BMC Ophthalmology
Professor de Oftalmologia - Faculdade de Medicina / UNISC
Diretor Médico do Centro de Excelência em Oftalmologia de Porto Alegre
: Artigos
Artigos -> Root Entry
Artigos -> Dental loss experiences in adult and elderly users of primary health care
Artigos -> Fluorose dentária: relação com teores de flúor nas águas de abastecimento público do Brasil
Artigos -> Recobrimento de implantes ti-6Al-4v com hidroxiapatita por eletroforese: reaçÃo metal-cerâmico
Artigos -> Cabeça femoral de alumina em artroplastia total do quadril: estado da arte
Artigos -> Comportamento em meio sorológico de aço inoxidável 316L
Artigos -> O impacto da saúde bucal na qualidade de vida de crianças infectadas pelo hiv: revisão de literatura
Artigos -> 6ccsdmmt05-p estudo das estruturas superficiais do pescoçO: os trígonos cervicais
Artigos -> Promoção de Saúde: Um resgate a participação da família como agente multiplicador da saúde




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal