O primeiro Parque Nacional da América do Sul



Baixar 15.55 Kb.
Encontro08.10.2019
Tamanho15.55 Kb.

Primeiro Parque Nacional da América do Sul – Nahuel Huapi um Parque de Montanhas

Por Ronaldo Franzen NativO! Março 2009


Os primeiros Parques
No final do século IXX, existiam no Planeta alguns poucos parques, a maioria na América do Norte e na Austrália. Hoje existem no mundo mais de mil e quinhentos parques em mais de cem países. Muitos deles foram criados a partir da Segunda Guerra Mundial. Como cada país desenvolveu seu próprio sistema de parques, isto originou uma grande confusão, já que muitas áreas que se consideravam parques eram também reservas naturais, áreas de lazer para piqueniques familiares, campos de caça, áreas de pesquisa, etc.

Os ambientalistas não demoraram em advertir que a melhor maneira de defender os interesses relacionados à proteção e conservação da natureza era unificar os critérios, então a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, (UICN), com o auspício das Nações Unidas, se encarregou desta tarefa e em 1969 elaborou uma definição de parque nacional, estabelecendo condições que servissem como base para sua criação. As condições eram as seguintes: (1) O território deveria contar com uma extensão superior a mil hectares; (2) deveria ser de interesse científico, educativo, recreativo e abrigar paisagens naturais de grande valor estético (belo); (3) deveriam ser adotadas medidas eficazes para impedir a exploração e a ocupação ilegal; (4) estas medidas deveriam ser sancionadas pelas máximas autoridades do país; e (5) deveria ser autorizado o acesso público.

Mesmo sendo estas condições muito restritas, já havia no ano de 1975 oitenta e nove parques pertencentes a doze países sul-americanos que tentavam cumprir estes requisitos. Sete anos mais tarde, a UICN havia ampliado o conceito de áreas protegidas, e o total de parques havia aumentado para cento e trinta e uma áreas, somadas a vinte e duas reservas naturais e onze reservas da biosfera.
O Primeiro Parque da América do Sul
As origens do atual sistema de parques argentinos datam do princípio do século XX. Nesta mesma época surgia internacionalmente a necessidade de preservar e conservar áreas de grande beleza, a fim de evitar sua exploração indiscriminada e conseqüentemente seu desaparecimento.

O poder visionário de Francisco Moreno, cientista e pesquisador argentino, que pelas suas descobertas na Patagônia e sua ajuda ao conflito de terras com o Chile, foi batizado de Perito, recebeu pelos seus préstimos a posse de terras nesta região que ele tanto admirava. Consciente de que estas terras deveriam ser preservadas para a humanidade, em 6 de Novembro de 1903, escreve uma carta ao então ministro da Agricultura Argentina, doando as terras e solicitando que fossem transformadas em “parque público”. Esta doação permitiu que em 1922 fosse criado o Parque Nacional del Sur. Em 1934 foi criado o Servicio de Parques Nacionales, sendo criados também os Parques Nacionales de Iguazú e Nahuel Huapi, este último sobre a área do então sugerido Parque Nacional del Sur. Em sua homenagem e aos seus feitos, dia 6 de novembro é comemorado na Argentina o dia dos parques nacionais.

Atualmente o sistema de parques nacionais da Argentina, conta com 32 áreas protegidas, que cobrem 3.456.044 hectares, equivalente a 1,25% de seu território, longe ainda do que é considerado o ideal, de que cada país tenha 5% de seu território preservado.
O Parque Nacional Nahuel Huapi
Compreende uma área de 710.000 hectares, próximos à cidade de Bariloche, que está às margens do grande lago que deu origem ao seu nome, e que na língua Mapuche quer dizer “isla del tigre”. Mantendo-se com sua paisagem original e como um dos maiores pólos de desenvolvimento do turismo Argentino,e protegendo espécies ameaçadas de extinção, como o huemul (cervo), o huillín (nutria) e outras espécies de fauna e flora.

Os bosques andinos patagônicos nos dão uma boa referência da origem do nome bosque, onde predominam poucas espécies de árvores, como o Ciprés, Cohiues, e Lengas; que acabam de acordo com a altitude; e nos faz entender o sentido da palavra Floresta, onde predomina a biodiversidade.



Andinismo

Seu primeiro superintendente Emilio Frey foi também um dos fundadores do Clube Andino Bariloche, fundado por imigrantes austríacos e alemães em 1930, e em sua homenagem foi batizado um dos refúgios do clube andino situado às margens da laguna Toncek, e a agulha mais próxima ao refúgio, a Agulha Frey. Cerro Catedral situado à 20 Km da cidade é considerado um dos locais mais tradicionais para a escalada em rocha de aventura da América do sul, predominando vias de fissuras em excelente granito. Seu nome vem das centenas de agulhas que apontam para o céu, tendo sua Torre Principal 2.400 metros sobre o nível do mar. A maioria das vias tem acesso fácil, a graduação é variada e a extensão das vias vai desde uma a seis cordadas de aventura garantida. Para saber mais procure informações na sede do Clube Andino no centro de Bariloche, eles têm à venda um Guia Impresso das Escaladas de Cerro Catedral.

Os acessos mais utilizados são por Vila Catedral, onde temos duas opções, pelo teleférico das pistas de esquis, cuja trilha dá acesso à laguna Schmol,e logo à laguna Toncek; ou por cerca de 8 Km de trilha, beirando o Rio Vontiten. Outro acesso é pela Vila Los Cohiues, por cerca de 10 Km de trilha, sendo a metade final comum á trilha do Rio.

O refúgio oferece pouso, lanches, refeições e banho a preços de montanha. Também é possível o camping selvagem nas margens do lago, onde tem várias clareiras abrigadas por blocos de rocha e pelos bosques de lenga. É proibido fazer fogueiras, apesar de alguns desavisados fazerem, e para as necessidades temos de aplicar as práticas de mínimo impacto, ou seja, a pelo menos 60 metros de qualquer curso de água, enterrando em um buraco de no mínimo 15 cm de profundidade.

Pra quem quer se aventurar sobre os gelos, tem o Cerro Tronador (3554 msnm) com seus três cumes. Está situado mais ao sul a cerca de 80 Km de Bariloche por estradas que dão acesso à localidade de Pampa Linda, onde se encontrará um centro de visitantes e a casa dos Guarda Parques, podendo-se pode conseguir mais informações e fazer o cadastro. Daí são cerca de 13 Km de caminhada atravessando um imenso bosque, até chegar ao Refúgio Otto Meilling, que está a 1965 (msnm), iniciando aí os gelos, e por mais 12 Km chega-se ao cume mais freqüentado que é o Argentino. O ponto mais alto é o cume internacional, que está na fronteira entre Argentina e Chile, e deste lado está o cume Chileno. O seu nome Tronador vem do estrondo provocado pelo desprendimento de seus glaciares suspensos, que se precipitam no vazio por mais de 300 metros, despedaçando no fundo do vale. Para escalar suas encostas é necessário experiência e equipamentos adequados para escaladas em gelo, tendo a opção de se contratar um guia local. O refúgio também aluga botas, crampom e piquetas.
O que é bom saber
Tanto no Cerro Catedral quanto no Tronador, você pode alugar cavalos

para levar sua carga, mas lembre esta prática aumenta a degradação das trilhas.

A temporada de escaladas é no verão de Novembro a Março, nos outros meses as condições são invernais e predominam os esportes de inverno como o esqui e o “Snow Board”, além das travessias.

Desde Setembro de 2002 quando aconteceu um dos maiores acidentes da história do Andinismo, onde morreram nove alunos de um curso, foram proibidas todas as atividades comerciais, que não tivessem o acompanhamento de um guia de Montanha reconhecido por Parques Nacionales Argentinos.

Vem aumentando muito nos últimos anos, o buraco na camada de ozônio sobre a Patagônia, por isso use roupas de mangas compridas, e protetor solar nas partes expostas.

O frio vai minando nossas reservas pela continuidade à exposição, fique sempre bem abrigado e protegido do vento.



Boas Escaladas!
Páginas de interesse: www.clubandino.com.ar

www.andesascensiones.com




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal