O português, embora seja uma das línguas mais faladas do mundo (com mais de 210 milhões de falantes), não é bem conhecido no estrangeiro e como tal a cultura Portuguesa tem dificuldade em se impor fora e mesmo dentro do País



Baixar 9.05 Kb.
Encontro15.05.2019
Tamanho9.05 Kb.

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco
Assembleia na Escola
Ensino Secundário
A Língua Portuguesa
O Português, embora seja uma das línguas mais faladas do mundo, com mais de 210 milhões de falantes, não é bem conhecido no estrangeiro e como tal a cultura Portuguesa tem dificuldade em se impor fora e mesmo dentro do País.A única maneira de reforçar o Português é colaborando com os restantes países que o falam como língua materna.

Criando um canal de televisão internacional como a BBC World, ajudaria a promover os pontos de vista e cultura portuguesas. Porém, devido à dimensão dos recursos necessitados isto implicaria cooperação internacional. O Brasil com mais de 180 milhões de habitantes seria ideal para tal objectivo. Para além disto a indústria cinematográfica também deverá ser abrangida por tal parcerias, já que, filmes como “Cidade de Deus” obtiveram grande sucesso internacional e promoveram muito a causa da nossa língua. Outro domínio a conquistar é a Internet. Este meio que se vai tornando cada vez mais comum, é essencial hoje em dia para qualquer transacção ou comunicação e como tal, uma biblioteca de pesquisa em português, ajudaria a promover as pesquisas na nossa língua e a publicação de artigos na mesma.

Portugal, país que durante muitos anos mandou emigrantes pelo mundo fora, deveria hoje em dia saber acolher pessoas vindas de fora melhor do que muitos outros países. Isto não se verifica. Muitas vezes os imigrantes trazem as famílias mas vêem-se em problemas principalmente com a língua, já que o sistema educacional não prevê quaisquer medidas para estudantes cuja língua materna não seja o Português. Isto desmotiva-os e leva a um maior insucesso escolar. Se o aluno não compreende a língua em que as disciplinas todas são ensinadas, como é que se pode esperar que ele perceba a matéria em si das disciplinas?

A divulgação internacional da língua, função da qual o Instituto Camões se encarrega, é lastimosa no mínimo. A distribuição de fundos não é feita equitativamente e há um foco demasiado grande no ensino universitário. Para que haja maior transparência, defendemos que a distribuição de fundos do Instituto seja auditorado com maior frequência e que o acesso aos livros de contas seja facilitado para que o contribuinte saiba em quê os impostos são gastos e possa expor as suas ideias e recomendações perante a organização.

A Linguagem Gestual Portuguesa tem sido negligenciada desde a sua criação. Isto leva automaticamente a uma discriminação dos com probelmas auditivos graves. Recomendamos então que seja tornado obrigatório o ensino básico da LGP, assim facilitando a vida a muitos que têm de viver com tais problemas e alargando o horizonte dos estudantes.

Seguindo o model do British Council, recomendamos igualmente que o ensino do Português seja facilitado no estrangeiro, isto aliado a uma maior divulagação cultural podia fomentar um interesse novo pela aprendizagem do Português, não só por causa de familiares portugueses mas também por interesse na língua e cultura em si.



  1. Urge uma maior colaboração com as autoridades Brasileiras nas seguintes vertentes:

    1. Televisão – à semelhança de outros países, deverá ser criado um canal de notícias internacional baseado em Portugal, como acontece no caso da CFII da República Francesa ou da BBC World do Reino Unido;

    2. Filmes – temas que os dois povos tenham em comum deverão ser desenvolvidos em conjunto para maior aproveitamento dos recursos existentes, não só na produção mas também na divulgação;

    3. Internet – deverá ser dado maior ênfase a iniciativas como o “Google Books” mas em Português, e mais apoios devem ser dados para que mais conteúdos estejam disponíveis na Língua Portuguesa na Internet;

  2. Recomenda que o ensino de Português no país também tenha em conta as necessidades dos imigrantes e, como tal, haja formação específica para que os professores estejam melhor preparados para lidar com situações em que um estudante entra no sistema educacional sem compreender a língua;

  3. Exige que o Instituto Camões se torne mais transparente, com uma maior frequência de auditorias e que haja uma maior contenção de despesas e consequente distribuição de recursos mais justa;

  4. Propõe que o ensino de uma forma básica da linguagem gestual portuguesa se torne numa componente do ensino do Português nas escolas para que haja uma maior integração dos membros da sociedade com deficiências auditivas agravadas;

  5. Recomenda ainda que o ensino de Português a estrangeiros no estrangeiro seja providenciado a custos mínimos para promover a utilização da língua e sua divulgação.

Tobias Berardo




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal