O papel da comunicaçÃo na interaçÃo dos profissionais de enfermagem



Baixar 114.73 Kb.
Página1/2
Encontro21.12.2017
Tamanho114.73 Kb.
  1   2


O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NA INTERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Cleusa Mara Werkhauser1

Gilberto Souto Caramão2


Jacinta Spies Subutzki3

Sociedade Educacional Três de Maio4

RESUMO

O presente artigo tem como pano de fundo um estudo realizado pela autora durante sua graduação em Enfermagem. Aborda o tema do papel da comunicação entre profissionais de Enfermagem e tem por objetivo revelar os resultados de uma pesquisa comparativa realizada entre duas instituições de saúde – Um Hospital de médio porte e uma Unidade Básica de Saúde - UBS de um mesmo município da região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Na metodologia construída para estruturá-lo, utilizou-se uma abordagem qualitativa, inspirada na proposta de Minayo (2001), do tipo exploratória e descritiva. Lançou-se mão de um questionário estruturado com perguntas semi-abertas, no qual os sujeitos participantes discorreram livremente sobre os assuntos indagados. Participaram da pesquisa trinta profissionais de diversificadas categorias da Enfermagem, dos quais vinte oito são mulheres e dois são homens. Através da análise dos dados que fazem parte da primeira pesquisa, pode-se dizer que os profissionais das diferentes categorias da Enfermagem não possuem consciência clara do processo comunicativo, o que poderá comprometer a eficácia das relações de trabalho. No entanto, evidenciou-se que a maioria dos profissionais valoriza o processo da comunicação, mas não tem uma real percepção dos elementos comunicativos. Já nesta segunda fase da pesquisa, ficou claro que os profissionais de Enfermagem não possuíam certeza sobre o verdadeiro papel da comunicação para sua equipe. Em relação aos fatores identificados como ruídos que dificultam o processo de comunicação na UBS, relaciona-se: os recados não esclarecidos, a falta de tempo para reuniões de trabalho e o pouco diálogo entre os colegas sobre suas tarefas. Assim, conclusivamente, entende-se que é de relevância que o profissional de Enfermagem compreenda o processo comunicativo, a partir de si próprio e das demais pessoas com as quais interage no seu cotidiano. A compreensão deste processo possibilitará ao profissional refletir sobre o seu agir e reagir na relação com a equipe. Para reverter estes processos que afastam os membros da equipe, propiciando um trabalho fragmentado e uma dificuldade nas relações interpessoais, seria preciso desenvolver atividades de educação permanente que favoreçam o desenvolvimento de habilidades comunicacionais de cada membro da equipe, contribuindo, desta forma, para que reconheçam suas dificuldades e as barreiras existentes em seu processo comunicativo com o eu e com o mundo.

Palavras Chaves: Comunicação; Relações Interpessoais; Equipe de Enfermagem




ABSTRACT




The present article has as its background a study carried out by the author during her Nursing graduation. It approaches the subject of the communication role among the Nursing professionals and it has as its main purpose to disclose the results of a comparative research carried out between two health institutions – an average Hospital and a Basic Unit of Health – UBS of a same county of the Northwest region of the state Rio Grande do Sul. In the constructed methodology to structuralize it a qualitative approach was used, inspired in the proposal of Minayo (2201), of exploratory and descriptive type. A structuralized questionnaire with semi-opened questions was used in which the people who were participating had discoursed freely on the inquired subjects. Thirty professionals of Nursing diversified categories have participated of the research and there were twenty-eight women and two men. Through the data analyses that are part of the first research it can be said that the professionals of different Nursing categories don’t have a clear conscience of the communicative process and it can compromise the effectiveness of the work relations. However, it was evidenced that most of the professionals values the communication process but they don’t have a real perception of the communicative elements. In this second phase of the research it was clear that the Nursing professionals were not sure about the real paper of communication in their team. In relation to the identified factors as noises that make the process of communication in the UBS difficult are: not clarified messages, the lack of time for work meetings and the little dialogue among the colleagues about their tasks. Thus, concluding, it can be understood that it is relevant that the Nursing professional understands the communicative process beginning at his own and the other people who interact in his daily routine. The understanding of this process will make possible to the professional to consider about his acting and reacting related to the team. In order to revert these processes that move away the members of the team propitiating a fragmented work and a difficulty in the interpersonal relation would be necessary to develop permanent education activities that help the development of communication abilities of each member of the team contributing to recognize his difficulties and the barriers that have in his communicative process with his own I and with the world.

Key words: Communication; Interpersonal Relations; Nursing, Tean.



INTRODUÇÃO
É na relação entre os seres humanos que o papel da comunicação demonstra-se essencial, dela há interação, amor e sofrimento, tornando o relacionamento interpessoal rico de possibilidades e de compreensão. A Enfermagem, por valorizar as relações humanas, necessita desenvolver habilidades para uma comunicação eficaz, possibilitando um bom relacionamento entre sua equipe, para assim desenvolver uma boa comunicação junto ao usuário, grupos, família e comunidade. A presente pesquisa tem como foco principal fazer uma comparação entre um estudo realizado numa instituição hospitalar e uma UBS sobre o papel da comunicação nas interações dos profissionais de Enfermagem.
A pesquisa consta de uma fundamentação teórica acerca do tema proposto. A coleta de dados foi realizada em um hospital de médio porte e uma UBS de um município do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul, no ano de 2006. Acredita-se que as questões levantadas neste artigo possam contribuir para uma reflexão mais aprofundada acerca de como os profissionais de Enfermagem de uma instituição hospitalar e uma UBS desenvolvem a interação comunicacional entre si e a sua equipe.
A cada dia e em todas as áreas a tecnologia evolui, em especial nas áreas da saúde, repercutindo diretamente no trabalho dos profissionais das diferentes áreas, aumentando a competitividade no mercado de trabalho e tornando as relações humanas cada vez mais conflituosas. Desta forma, a comunicação é considerada um instrumento primordial para o relacionamento humano. Constitui uma visão de mundo das diversas situações do cotidiano, visando o bom entendimento entre as pessoas.
Ao longo deste artigo, o leitor poderá observar uma seqüência sistematizada do texto, no qual na primeira seção apresenta-se o caminho percorrido, salientando os motivos que levaram a autora à realização do mesmo. Na seção seguinte é desenvolvido o referencial teórico no intuito de alcançar os objetivos propostos, enfocando alguns aspectos sobre o processo da comunicação. As últimas seções contemplam a análise comparativa e discussão dos resultados e a conclusão. Para a interpretação dos dados, procedeu-se uma análise profunda dos discursos dos participantes, sob o prisma de referenciais teóricos. A questão norteadora para esta pesquisa foi “conhecer qual o papel da comunicação nas interações dos profissionais de Enfermagem”.
Assim, neste estudo, ficou evidente que é necessário compreender que, para desenvolver uma assistência de Enfermagem de qualidade, precisa-se viver sobre o paradigma de virtudes vindas do afeto. Chegou-se ao entendimento de que as relações interpessoais devem estar bem estabelecidas entre os integrantes de uma equipe, pois a comunicação se revela como um ponto chave para que os processos de trabalho aconteçam salutarmente.
Fica também a idéia de que para este processo se desenvolver é preciso difundir conhecimentos básicos sobre o processo comunicativo nos programas de educação permanente, oportunizando uma melhor qualificação profissional para promover as habilidades comunicativas dos membros da equipe de Enfermagem e equipe multidisciplinar.
2 O CAMINHO PERCURRIDO
A abordagem do presente estudo é de cunho qualitativo, que conforme Minayo (2001, p.21), ”responde a questões muito particulares. Ela se preocupa, nas ciências sociais, com um nível de realidade que não pode ser quantificado”.
A pesquisa tem características do tipo descritivo e exploratório. De acordo com Ayala; Lameira (1998, p. 7) uma pesquisa descritiva não se: “[...] circunscreve unicamente a expor, explicar ou detalhar fenômenos. Os seus resultados, como em toda investigação formal, são sempre aproveitáveis no futuro, na alteração efetiva de certas práticas inoperantes”. Sendo assim, estudos descritivos mostram que a pesquisa tem sim uma importância futura para as práticas e que a partir da exposição deste estudo, possam ser melhor compreendidos os objetivos, buscando aprimoramentos futuros e não apenas serem produtos inaproveitáveis, visando a possibilidade de comparar dois ambientes distintos do trabalho em saúde. A proposta metodológica utilizada é a de Minayo (2001), que visa agrupar os dados de um texto, de forma que se possa fazer uma representação do conteúdo deste texto.
Os dados foram coletados através de um questionário contendo perguntas semi-abertas à cerca do tema, nos mêses de junho a dezembro de 2006. Os locais do estudo foram: uma instituição hospitalar e uma UBS, localizados na região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. O quadro de colaboradores da instituição hospitalar que compõem a equipe de Enfermagem é de 68 profissionais, mas como a pesquisa seguiu uma amostragem por saturação dos dados, totalizou-se 24 os sujeitos participantes. Segundo os critérios de Polit; Becker; Hungler (2004), que determinam o número de pesquisados relativo às necessidades de informações e como princípio orientador do tamanho da amostra, a saturação dos dados acontece quando eles começam a se tornarem repetitivos. Desta forma, salienta-se que o número de participantes do estudo ocorreu pela saturação dos dados.
Na referida UBS, o quadro de colaboradores é composto por 8 profissionais da Equipe de Enfermagem, mas foram 6 os participantes, do estudo pois 2 negaram-se a participar. Os sujeitos participantes da pesquisa têm idades variando entre trinta e quatro a quarenta e oito anos, que atuam em diversos setores da unidade.
Todos os sujeitos da pesquisa foram identificados no estudo pelo termo “participante” acompanhado por um numeral ordinal e o ano correspondente à realização da pesquisa. Atendeu-se as normatizações da Resolução N° 196/96 do Conselho Nacional de Saúde – CNS/MS para dar aporte ético ao estudo. Foi encaminhado um pedido de autorização para a coleta dos dados junto à Secretaria de Saúde do município. Também foi solicitado aos participantes da pesquisa sua assinatura do termo de Consentimento Livre e Esclarecido em duas vias, permanecendo uma via com o participante e outra a pesquisadora.

: cbcenf -> sistemainscricoes -> arquivosTrabalhos
arquivosTrabalhos -> Universidade presidente antônio carlos unipac
arquivosTrabalhos -> Universidade Federal do Vale do São Francisco
arquivosTrabalhos -> Universidade do Estado do Pará
arquivosTrabalhos -> Angina de peito
arquivosTrabalhos -> Assistência de Enfermagem ao Paciente com Câncer Colorretal: Relato de Caso Clínico
arquivosTrabalhos -> O social camiliana faculdade de enfermagem luiza de marillac
arquivosTrabalhos -> A importância da educaçÃo em saúde na melhoria dos hábitos de higiene e no combate às parasitoses
arquivosTrabalhos -> AvaliaçÃo da variaçÃo da spo2 de acordo com a temperatura da água durante o banho no leito
arquivosTrabalhos -> As representaçÕes sociais e alavagem das mãOS: reflexões a luz da enfermagem amazônida introduçÃO
arquivosTrabalhos -> C2 Repercussão das condições de trabalho na vida do profissional


  1   2


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal