O desenvolvimento da personalidade na formaçÃo humana



Baixar 38.13 Kb.
Encontro01.02.2018
Tamanho38.13 Kb.

TEXTO 01 - O DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE NA FORMAÇÃO HUMANA
Ter personalidade implica uma totalidade psíquica, dotada de decisão, resistência, e força. Por outro lado, em cada adulto, está oculta uma criança em desenvolvimento, até que a personalidade possa completar-se, casos mais raros. O homem de nosso tempo se acha imensamente distante dessa totalidade. O conto de ANDERSEN a respeito das roupas novas do Imperador (do meu livro: Nunca mais quero me sentir vulnerável), retrata o quanto as crianças são perceptivas e não tolas como às vezes se imagina. Tudo aquilo que quisermos mudar nas crianças é melhor examinarmos se não é melhor mudarmos em nós mesmos.

Sem determinação, inteireza e maturidade não há personalidade, o que, naturalmente, não pode nem deve ser exigido da criança, uma vez que isso faria com que perdesse sua infantilidade, o que lhe é próprio. Mas, se a criança puder ver isto em um adulto que a eduque, crescerá sendo estimulado por suas realizações. Ninguém pode educar para a personalidade se não tiver personalidade. Atingir a personalidade significa o melhor desenvolvimento possível da totalidade de um indivíduo determinado. Não é possível calcular o número de condições que devem ser satisfeitas para que isto aconteça. Envolve o desenvolvimento de aspectos, bio, psico, sociais e espirituais.

Personalidade é a obra a que se chega pela máxima coragem de viver, pela afirmação absoluta do ser individual, e pela adaptação, a melhor possível, a tudo que existe de universal, tudo isto aliado à máxima liberdade de decisão própria. Trata-se da maior de todas as tarefas de um desenvolvimento espiritual. A personalidade se desenvolve no decorrer da vida e somente pela nossa ação e pelo modo através do qual agimos, é que pode ser vislumbrada. De início não sabemos o que está oculto em nós, que feitos sublimes ou que crimes estão contidos em nós, que espécie de bem ou de mal. Ninguém desenvolve sua personalidade porque alguém disse que é isto o que precisa ser feito, a natureza não se deixa impressionar por falatórios. Sem que haja necessidade, nada muda e menos ainda a personalidade. A natureza precisa ser motivada pela coação de acontecimentos internos ou externos. A expressão: muitos são os chamados e poucos os escolhidos, é válida neste caso como em nenhum outro, pois, o desenvolvimento da personalidade até o seu termo é um carisma ou mesmo uma maldição. Como primeira e inevitável conseqüência, o indivíduo se separa da massa, que é indeterminada e inconsciente. Isto significa isolamento, o qual não se pode evitar nem com a melhor adaptação; o preço da felicidade decorrente de desenvolvermos nossa personalidade é caro e ninguém pode pagá-lo por nós. Fala-se muito em desenvolvimento da personalidade, mas pensa-se pouco nas conseqüências, as quais podem atemorizar profundamente os espíritos dotados de menos vigor. Como segunda conseqüência, não menos difícil, indica-se também uma: fidelidade à própria lei, isto é, é preciso obedecer à “voz da consciência”. Requer-se para isto, uma confiança, semelhante àquela que uma pessoa religiosa tem para com Deus. . A personalidade jamais poderá desenvolver-se se a pessoa não escolher seu próprio caminho, de maneira consciente e por uma decisão consciente e moral. Portanto, aqui, unem-se, necessidade, consciência, decisão e moral. A escolha do caminho sempre pressupõe que este caminho seja o melhor, os outros caminhos, podem ser convenções, morais, sociais, políticas, filosóficas ou religiosas. O fato de as convenções de algum modo sempre florescerem prova que a maioria esmagadora das pessoas não escolhe seu próprio caminho, mas a convenção, aquilo que é mais convenientes, que criará menos transtornos, que nos fará mais “bem vistos”, e quem sabe, porque não, o caminho mais fácil? Não há um método. É preciso aprender a ouvir a própria consciência.

O empreendimento de desenvolver a personalidade, é, na opinião dos que estão de fora, uns riscos nada popular e nada simpático, pois implica de certa forma, viver ao modo do eremita, à margem de. Implica também na coragem de ir se libertando das convenções e de afastar-se dos caminhos largos, seguindo a via estreita, enquanto a massa apega-se a temores, convicções, leis e métodos pré-estabelecidos.




TEXTO 02 - Desenvolvimento Psicológico
“ O Homem deseja ser confirmado em seu Ser pelo Homem, e anseia por ter uma presença no Ser do outro... – secreta e timidamente, ele espera por um sim que lhe permita ser, e que só pode vir de uma pessoa humana a outra”. Martim Buber.

Desenvolvimento

Iniciaremos este tema falando, rapidamente, sobre a teoria psicanalítica: segundo Freud o aparelho psíquico está dividido em três planos ou sistemas – consciente, pré-consciente e inconsciente, com a analogia de que o funcionamento mental ocorre “comparado” ao iceberg. Pontua que a porção acima da superfície corresponde ao consciente, a porção que se torna visível, conforme o movimento das águas, corresponde ao pré – consciente e a parte sempre submersa, proporcionalmente muito maior corresponde ao inconsciente.

O conceito de desenvolvimento da personalidade, segundo Freud, ocorre em sete fases: oral, anal, fálica, latência, adolescência, maturidade e velhice. Afirmando que em cada fase, a pessoa deve aprender a resolver certos problemas específicos, originados do próprio crescimento físico e da interação com o meio. A solução dos diferentes problemas, que em grande parte depende do tipo de sociedade ou cultura, resulta na passagem de uma fase para a outra e na formação do tipo peculiar de personalidade. No decorrer das fases, o indivíduo expressa seus impulsos e suas necessidades básicas dentro de moldes que visam a continuação da cultura.

Abordaremos o desenvolvimento psicológico em cada uma dessas fazes, salientando os pontos onde a sociabilização, a linguagem, a segurança no mundo e em si mesmo, a vinculação, a independência, a auto-estima, etc, poderão ser fortalecidos, e o que poderia causar problemas, uma vez que o ser humano, tem por natureza, grande capacidade para a alegria. Observando crianças vemos que não apenas vêem graça nas coisas, como criam a graça para si, querendo mostrar suas brincadeiras para quem está ao seu lado, funcionando como forma social de aproximação.


“O desenvolvimento Humano é comumente definido como transformações físicas e psicológicas que ocorrem com o passar dos anos”. Tony Boot
Os estudos demonstram ser o bebê extremamente competente sob muitos aspectos – é sensível, curiosos, um aprendiz eficaz, manifestando percepção ao tom de voz, gestos, atitudes, expressões e movimentos dos adultos que estão ao seu redor, principalmente àqueles que tem algum significado emocional para ele.

A criança ao explorar seu meio, em busca das descobertas, logo descobre as restrições que lhe serão impostas, e irá manifestar seu desagrado através de birras e choro, aprendendo, no entanto, a conviver com algumas limitações o que, saberá mais tarde, terá por toda a vida.

Os seres humanos aprendem cedo e prontamente a lidar com coisas que exercem influência direta sobre seus objetivos, suas esperanças e seus medos, mesmo que isso exija muita abstração conceitual.

TEXTO 03 - DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE


A humanidade custou muito a conhecer e por o seu serviço a realidade que a cerca. Houve épocas em seu passado remoto, que o impacto da realidade externa na consciência dos homens se acompanhava de grande ansiedade e tinha como resultado um reflexo na consciência deles, determinando uma realidade interna que passava a predominar sobre a realidade externa e perturbando-os em seus esforços para pô-la a seu serviço.

Chamamos esta época, em que na mente da humanidade predominava a realidade interna sobre a realidade externa, de ‘época do pensamento mágico’, em contraposição à atual, que é chamada de ‘época do pensamento lógico’. O desenvolvimento da humanidade pode ser encarado como a história de sua passagem do pensamento mágico a um pensamento lógico; em outras palavras, a história de como a humanidade aprendeu a colocar a seu serviço a realidade externa.

É isto também o que se passa no desenvolvimento do indivíduo, da personalidade. Também ela tem um passado remoto – o passado infantil – em que predomina o pensamennto mágico. Seu desenvolvimento é a história da passagem ao pensamento lógico, ou a história da passagem do predomínio da realidade interna para o predomínio da realidade externa.

Já temos subentendido o conceito de realidade externa e o de realidade interna. Realidade externa é a realidade objetiva que nos cerca e que independe, em certo sentido, de nós.. Por exemplo: esta sala, as pessoas que aqui estão, independem de mim, existem sem mim. Realidade interna é a realidade externa dentro de uma pessoa, vista por outra pessoa; é o reflexo dad realidade externa na mente de uma pessoa. Por exemplo: esta sala, estas pessoas, tais como eu as vejo, ou melhor, ainda, com as emoções que eu tenho hoje, pelo fato de estar aqui. Uma e outra inter-atuam. A realidade externa corrige a realidade interna, através da experiência; por outro lado, a realidade interna pode perturbar, em maior ou menor grau, em virtude das emoções com que ela se reveste a realidade externa. Por exemplo: uma pessoa que tem fobia aos ratos. Ela racionalmente sabe que um rato não poderá lhe fazer mal, mas quando vê este animal é tal a quantidade de afetos que põe nele (sabemos que o rato é um objeto que representa outro mais temido) que estas emoções da realidade interna se sobrepõem ao conhecimento racional do fato de que o animal em si é inofensivo e a pessoa reage com intensidade.

Um outro exemplo: uma pessoa acorda à noite, com um barulho em seu quarto. Podemos imaginar várias hipóteses: que há ladrões forçando a janela, etc. A pessoa acende a luz e verifica que o barulho é feito pelo vento na janela. Acalma-se e dorme A realidade externa corrigiu a realidade interna. Suponhamos, entretanto, que essa pessoa seja muito impressionável e viva preocupada com o medo de ladrões. Ela poderá acender a luz – ou nem fará isto: não perceberá o vento na janela, tapará a cabeça com as cobertas e ficará um tempo maior ou menor a tremer de medo, imaginando a presença de ladrões em sua casa. Neste caso, a realidade interna se sobrepõe à realidade externa, deformando-a. Note-se que o que determinou esta distorção foi à ansiedade do indivíduo. Isto é uma regra – a de que a ansiedade seja uma causa perturbadora da correta percepção da realidade externa. Por outro lado, a diminuição da ansiedade, que é feita pela experiência, é fato que proporciona uma perfeita percepção da realidade externa.

Uma outra noção preliminar importante é a que diz respeito ao crescimento dos seres vivos. Sabemos, por exemplo, que num organismo em crescimento, numa planta, nma raiz, num embrião, há uma zona chamada zona de crescimento, que determina e comanda este processo. No crescimento psicológico, encontramos como base orgânica, zonas de crescimento, zonas que comandam a direção do crescimento psicológico. Estas zonas servem de elemento de ligação entre o aspecto somático e psicológico da personalidade: seriam zonas onde se fariam sentir as experiências somáticas e psíquicas. Estas zonas de crescimento evoluem progressivamente das regiões da boca, mucosa e estruturas da face, como os olhos, olfato e audição, para a região anal e trato terminal do aparelho digestivo, estrutra esfincteriana anal e vesical, até os genitais.



TEXTO 04 - FASES DO DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE

O instinto tem uma fonte, um objeto e uma finalidade. A fonte é a modificação físico-química do organismo, que dá origem ao impulso. A finalidade é alcançar o equilíbrio físico-químico, que se alterou. O objeto é aquilo por meio do qual o instinto vai alcançar o seu objetivo. Sentem-se fome, o objeto para sua satisfação sera a comida. Na criança este objeto sera a mãe, mais particularmente o seio da mãe, pois nos primeiros tempos a criança não percebe a mãe como um todo. Quando o indivíduo quer alcançar uma satisfação instintiva, ele procura um objeto, com o qual ele se põe em contato. É o que se chama relação de objeto. Como sempre, esta relação de objeto se faz no mundo real, mas tem uma representação interna. Por isto falamos em objeto externo e objeto interno; relação de objeto externo, relação de objeto interno. O desenvolvimento da personalidade é a história dos instintos e suas vicissitudes, a história das fantasias e das relações objeta.


A Fase Oral é a mais precoce e reina quase absoluta nos primeiros anos de vida. Nesta época a criança tem um Ego muito pouco desenvolvido: tão pouco desenvolvido como foi a ‘parte racional’do homem primitivo. Devido a isto, a exemplo deste ‘homem primitivo’, a criança percebe mal a realidade externa e povoa o mundo com suas fantasias. Também quase não há limite entre o Eu da criança e o mundo. Poder-se-ia dizer que o mundo da criança é ela mesma. Ela tolera muito mal as tensões instintivas e as sente como uma descarga maciça de afetos. O fato de que ela projeta no mundo externo essas situações faz com que ela mesma faça deste mundo algo cheio de tensões e ansiedades.
A fase anal: o pensamento ao nível do instinto é mágico. Diferenciando-se consciente e inconsciente, de modo que a expressão do pensamento ao nível instintivo está mais afastada do consciente. Como manifestação instintiva, ao nível da zona de crecimento, as fantasias se expressam como incorporação e expulsão dos objetos pelo ânus ( e pela uretra ), assim como antes se fazia pela boca. Oa objetos são comparados às fezes e à urina. Do ponto de vista afetivo, uma característica que vem da fase oral assume contornos mais nítidos. Os objetos – mãe e pai – são alvos de afetos de dois tipos – amor e agressão –dependendo da satisfação e da frustração sentida. Chama-se a isto de ambivalência afetiva. Mais tarde, os impulsos de amor e de agressão deixam de atuar separadamente. Em face dos objetos familiares os impulsos agressivos se subordinam aos do amor. Isto ocorre no final do desenvolvimento desta fase.
A fase fálica, última fase do desenvolvimento infantil. A zona diretriz do crescimento e do desenvolvimento passa a ser constituida pelos orgãos genitais. Como expressões instintivas, ao nível da zona de crescimento, surgem fantasias eróticas e desejos de relações sexuais (genitais),
As fases do desenvolvimento influem umas nas outras e o desenvolvimento de uma, ou como se diz, a elaboração de uma fase depende da elaboração da anterior e, por sua vez, determina a elaboração da que se segue. Quando há uma falha parcial na elaboração, a personalidade se detém nesta fase como se sentisse a necessidade de permanecer mais tempo nela para elaborar a situação conflituosa.
Tais são os fatos marcantes da evolução e desenvolvimento da personalidade humana.

Texto 05 - Desenvolvimento da personalidade

Um dos maiores conhecimentos que Freud trouxe à psicologia foi quando mencionou que a experiência da infância tem uma forte influência sobre a personalidade adulta. “O desenvolvimento da personalidade envolve uma série de conflitos entre o indivíduo, que quer satisfazer os seus impulsos instintivos, e o mundo social (principalmente a família), que restringe este desejo.” (CLONINGER, 1999, p. 55).

Existem cinco fases universais do desenvolvimento que são chamadas de fases psicossexuais. Freud acreditava que a personalidade estaria essencialmente formada ao fim da terceira fase, por volta dos cinco anos de idade, quando o indivíduo possivelmente já desenvolveu as estratégias fundamentais para a expressão dos seus impulsos, estratégias essas que estabelecem o núcleo da personalidade.

Na fase oral, o desenvolvimento ocorre desde o nascimento aos doze meses de vida. Nesta fase a zona de erotização é a boca, as atividades prazerosas são em torno da alimentação (sucção). Quando o bebê aprende a associar a presença da mãe à satisfação da pulsão da fome, a mãe vem a ser um objeto à parte, ou seja, o bebê começa a diferenciar entre si próprio e os outros. Uma fixação nessa fase provoca o desenvolvimento de um tipo de personalidade de caráter oral, do qual os traços fundamentais são o otimismo, a passividade e a dependência. Para Freud, os transtornos alimentares poderiam se dar às dificuldades na fase oral.

A fase anal ocorre durante o segundo e o terceiro ano de vida, onde o prazer está no ânus. Nessa fase a criança tem o desejo de controlar os movimentos esfincterianos e começa também a entrar em conflito com a exigência social de adquirir hábitos de higiene. Uma fixação nessa fase pode causar conflitos para o resto da vida em torno de questões de controle, de guardar para si ou entregar. O caráter anal é caracterizado pro três traços que são: ordem, parcimônia (econômico) e teimosia.

Na fase fálica que ocorre dos três aos cinco anos, a área erógena fundamental do corpo é a zona genital. Freud sustenta que nessa fase o pênis é o órgão mais importante para o desenvolvimento, tanto dos homens quanto das mulheres, por isso Freud é fortemente criticado e acusado de ser falocêntrico. O desejo de prazer sexual expressa-se por meio da masturbação, acompanhada de importantes fantasias. Nessa fase fálica também ocorre o complexo de Édipo, que consiste no menino desejar a própria mãe, mas por medo da castração abandona esse desejo, igualmente ocorre com a menina mudando apenas os papéis, onde o pai seria o seu objeto de desejo. Uma não resolução nessa fase pode ser considerada como a causa de grande parte das neuroses.

Freud declara que em grande parte a personalidade se forma durante esses primeiros três estágios psicossexuais, quando são estabelecidos os mecanismos essenciais do ego para lidar com os impulsos libidinais.

A fase de latência que ocorre desde os 5 anos e vai até a puberdade é considerado um período de relativa calma na evolução sexual, sendo que pouco é colocado por Freud com relação a tensão libidinal.

Na fase genital que tem início na puberdade, o indivíduo desenvolve a capacidade de obter satisfação sexual com um parceiro do sexo oposto. “O caráter genital é o ideal freudiano do desenvolvimento pleno, que se desenvolve na ausência de fixações ou depois da sua resolução por meio de uma psicanálise.” (CLONINGER, 1999, p.63). Contudo, o indivíduo livre de conflitos pré-edípicos significativos, aprecia uma sexualidade satisfatória preocupando-se com a satisfação do companheiro sexual, evitando assim a manifestação de um narcisismo egoísta. Assim sua energia psíquica sublimada fica disponível para o trabalho, que é prazeroso.

Texto 06 -Personalidade: uma questão de identidade

PERSONALIDADE é um conceito amplo e abrangente. É a organização permanente das predisposições do indivíduo dos seus traços característicos, motivações, valores e modos de ajustamento ao ambiente.

O desenvolvimento da personalidade é um processo complexo porque depende de quatro tipos de fatores:

O 1º - fator é o biológico no qual se incluem a dotação genética, temperamento, aparência física e taxa de maturação.

O 2º - fator é a participação num grupo cultural. Em cada cultura há características que são adquiridas pelas crianças desde muito cedo.

O 3º - fator é a socialização isto são as experiências da criança com os outros, sobretudo os membros da família A personalidade é, sobretudo o produto da aprendizagem social, dos modos de vida dos pais.

O 4º - fator é a situação de vida que a criança vive que pode concorrer para que manifeste cansaço, frustração, ansiedade, calma, bom humor; as recompensas ou castigos que recebe influenciam muito. Ex: se uma criança barulhenta e agressiva for educada na escola por professores metódicos e exigentes, mas amáveis as atitudes da criança modificam-se. Os colegas podem, também, ajudar a mudar a sua personalidade.
GRANDES ETAPAS DE CONSTRUÇÃO DA PERSONALIDADE

INFÂNCIA

1.ª Infância - corresponde a um período em que em virtude da sua imaturidade biológica e psicológica a criança depende integralmente do adulto.

2.ª Infância - maior autonomia psicomotora e aparecimento do pensamento e da linguagem. Do ponto de vista afectivo já existe uma diferenciação entre o Eu e o Outro o que permite o aparecimento de relações qualitativamente diferenciadas.

3.ª Infância - corresponde aos primeiros anos escolares onde a aprendizagem e o conhecimento ocupam um papel de destaque. O pensamento toma-se racional. Ao nível das relações sociais e afectivas dá-se um alargamento para objectos extra familiares.



ADOLESCÊNCIA - período de grande relevância para a construção da identidade.



VELHICE - diminuição progressiva de algumas capacidades. Balanço final e preocupação com os outros.




Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande