Nota técnica n°3 febre tifóide



Baixar 12.06 Kb.
Encontro22.02.2018
Tamanho12.06 Kb.







PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

COORDENADORIA DA GESTÃO DO CUIDADO

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS





ILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS

NOTA TÉCNICA 03/2007 – COVEPI/COGEC/SMS



FEBRE TIFÓIDE


ASSUNTO: Situação epidemiológica da Febre Tifóide no município de Aracaju em 2007


A Febre Tifóide é uma doença bacteriana aguda, de ocorrência mundial, associada a baixos níveis sócio-econômicos, principalmente em lugares com precárias condições de saneamento básico, higiene e ambientais. Em países onde esses problemas foram solucionados, a incidência da doença é mínima. No Brasil, ela ocorre de forma endêmica, com alguns surtos. No município de Aracaju, o último caso havia sido notificado em 2001.

Em abril de 2007, a vigilância epidemiológica municipal foi notificada pelo hospital da Polícia Militar da existência de um caso suspeito desse agravo. A partir da investigação, a vigilância descobriu a existência de dois outros casos internados no Hospital São Lucas com quadro suspeito e com vínculo de consumo de alimentos em um mesmo restaurante.

Procedeu-se a inspeção do estabelecimento através da Vigilância Sanitária municipal e concomitante, a Vigilância Epidemiológica (municipal e estadual) iniciou as medidas de controle relativas à situação.



1. Manifestações clínicas: doença bacteriana aguda, de gravidade variável que se caracteriza por febre, mal-estar, cefaléia, náusea, vômito e dor abdominal, podendo ser acompanhada de erupção cutânea, obstipação ou diarréia e tosse seca.

2. Modo de transmissão: a via de transmissão é a fecal-oral. Transmite-se, na maioria das vezes, através de comida contaminada por portadores, durante o processo de preparação e manipulação dos alimentos. A água também pode ser um veículo de transmissão.
3. Período de incubação: em geral é de 1 a 3 semanas, podendo ser curto como três dias e longo até 56 dias em função da dose infectante e da facilidade de proliferação do agente em determinados alimentos.
4. Definição de caso suspeito: indivíduo com febre persistente acompanhada ou não de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: cefaléia, mal-estar geral, dor abdominal, anorexia, dissociação pulso - temperatura, constipação ou diarréia, tosse seca, roséolas tíficas (manchas rosadas no tronco - achado raro) e esplenomegalia.
5. Diagnóstico Diferencial: tem manifestações clínicas semelhantes a diversas doenças entéricas e outras que podem produzir uma inflamação do intestino com febre, diarréia, vômito, dor abdominal e inflamação de glândulas. Diante deste quadro, outras doenças devem ser consideradas, como pneumonia, tuberculose, leptospirose e malária.

6.Diagnóstico Laboratorial: Primeiramente deve-se fazer o isolamento e identificação do agente etiológico nas diferentes fases clínicas, a partir de sangue (hemocultura, mais indicada nas duas primeiras semanas), fezes (coprocultura, com maior positividade da segunda à quinta semana), aspirado medular (mielocultura, cuja positividade ocorre durante todo o período da doença) e urina (urocultura). A Reação de Widal, com pouco valor epidemiológico, pode ter os resultados influenciados por vacinação prévia, pela cepa de salmonela utilizada para produção do reativo e pela padronização da titulagem.

7. Tratamento: O paciente deve ser tratado em nível ambulatorial, basicamente com antibióticos e reidratação, excepcionalmente necessitando de internação para hidratação e administração venosa de antibióticos. Sem tratamento antibiótico adequado, a doença pode ser fatal em até 15% dos casos. Os antibióticos utilizados podem ser Cloranfenicol, Ampicilina, Sulfametoxazol+Trimetoprim. Também podem ser aplicadas as
Quinolomas(Ciprofloxacina, Ofloxacina) ou Ceftriaxona. Para o tratamento específico de portadores é indicada a Ampicilina ou a Amoxilina.

Recomendações:
 Notificação – A febre tifóide é doença de notificação obrigatória em conformidade com a Lei nº 6259 de 30/10/1975. Da notificação depende a oportunidade da intervenção, que é o intervalo entre a ocorrência do evento e o cumprimento de etapas previstas no sistema: identificação das tendências e desencadeamento das medidas de controle.

 Medidas de educação – Destacar hábitos de higiene pessoal, principalmente a lavagem correta das mãos, fundamental entre pessoas que manipulam alimentos e trabalham na atenção de pacientes e crianças. Resfriamento rápido de alimentos em porções pequenas. Intenso cozimento de alimentos, leite pasteurizado; medidas de saneamento básico como água tratada e protegida, destino adequado dos esgotos e resíduos sólidos, controle de moscas.



 Na ocorrência de um caso suspeito, a vigilância epidemiológica municipal deverá ser notificada através da ficha de notificação e investigação epidemiológica e/ou pelos telefones: 3179 1067/1000 ou pelo e-mail – saúde.covepi@aracaju.se.gov.br.


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande