Nome do paciente: Prontuário



Baixar 12.36 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho12.36 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IM PLANTODONTIA
TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO
LEVANTAMENTO DO ASSOALHO DO SEIO MAXILAR
A cirurgia para levantamento do assoalho do seio maxilar visa a reconstrução de atrofia óssea na maxila provocada por aumento do volume de seio maxilar após perda de elementos dentários na região. O objetivo deste procedimento cirúrgico consiste na tentativa de criação de estrutura óssea adequada para possibilitar a instalação futura de implantes osseointegrados, que deverão ser idealmente realizados dentro de, no mínimo, seis meses após a realização deste procedimento cirúrgico, prazo em que o enxerto poderá estar integrado ao osso da área receptora. O procedimento proposto encontra sustentação com descrição da técnica em diversos livros e artigos científicos Nacionais e Internacionais.
DECLARO QUE RECEBI AS SEGUINTES INFORMAÇÕES:
- Que é viável o benefício do ganho ósseo para uma possível colocação de implantes osseointegrados que permitam reabilitação protética dos elementos dentários perdidos.

- Que existem riscos da realização deste procedimento, tais como, complicações anestésicas ou clínicas, local ou sistêmica.

- Que algumas complicações pós-operatórias podem exigir internação hospitalar para o seu satisfatório tratamento.

- Que estou devidamente esclarecido de suas possíveis limitações e complicações, dentre as quais se destacam: Necrose avascular do enxerto, infecção pós-operatória, deiscência (abertura) de sutura, perfuração da membrana mucosa do seio maxilar no trans ou pós operatório, sinusite maxilar aguda ou crônica, celulite facial e orbitária, reabsorção tardia do enxerto.

- Que as complicações citadas podem levar a perda do enxerto ósseo e impossibilidade de instalação de implantes.

- Que algumas alterações clínicas como dor, edema (inchaço), hematoma, equimose ou enfisema local, cervical ou em soalho de boca, trismo (dificuldade de abrir a boca), hemorragia pelo local operado ou pelo nariz, dificuldades de respiração, obstrução nasal e do ouvido, além de parestesia (dormência) no lábio superior, dentre outras são possíveis a este procedimento cirúrgico, não caracterizando, portanto, uma complicação, mau resultado, má técnica ou erro profissional.

- Que algumas alterações clínicas como dor, edema (inchaço), hematoma, equimose ou enfisema local, cervical ou em soalho de boca, trismo (dificuldade de abrir a boca), hemorragia, parestesia (dormência) no lábio superior, dentre outras podem ocorrer também na área doadora de enxerto quando for utilizado enxerto ósseo do próprio paciente.

- Que o não cumprimento das orientações pós-operatórias pode aumentar de forma significativa a possibilidade de complicações pós-operatórias.

- Que o acompanhamento pós-operatório rigoroso é fundamental para o sucesso do tratamento.

Existe a necessidade da utilização dos biomateriais especificados: membrana de colágeno ou cortical óssea, enxerto ósseos autógenos ou homólogos e hidroxiapatita granulada. (Todos os produtos têm autorização de órgãos governamentais para utilização em humanos)

Declaro ainda que tive a oportunidade de ler e entender completamente os termos e palavras contidas no texto acima e foram feitas explicações referentes a ele, e que todos os itens ou declarações foram preenchidos no momento.



Niterói, ____ de _____________________ de 200__.


_______________________________________________

Assinatura do paciente




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal