Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.”



Baixar 43.66 Kb.
Encontro28.06.2019
Tamanho43.66 Kb.





Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Centro de Ciências Humanas e da Educação – CCE





Antropologia da Educação - Plano de Ensino

Não há saber mais ou saber menos:

Há saberes diferentes.”(Paulo Freire)

“A humanidade do outro é uma possibilidade de mim mesmo”. (Lévi-Strauss)



DEPARTAMENTO:


DCH depto de ciências humanas

ANO/SEMESTRE:

2012/01

CURSO:


Pedagogia

FASE:

segunda

DISCIPLINA:

Antropologia da Educação

TURNO:

matutino

CARGA HORÁRIA:

60 horas

CRÉDITOS:

04

PROFESSOR(A):

Carmen Susana Tornquist ( susi)



1 EMENTA





EMENTA

História do pensamento antropológico. Conceito de cultura. Etnocentrismo e relativismo. Cultura popular e cultura de massas. Cultura brasileira: identidade nacional e novas identidades. Relações inter-étnicas, de gênero e de classe na escola. Abordagens etnográficas na educação.




2 HORÁRIO DAS AULAS

DIA DA SEMANA

HORÁRIO

CRÉDITOS

Segundas-feiras

11:00-11:50

04

terças

9:20-11:50




Sábados (a combinar)

9:00 às 12:00




OBS: viagens de campo serão feitas nos finais de semana, eventualmente

3.1 OBJETIVO GERAL



Caracterizar o olhar antropológico, tendo por eixo os conceitos de cultura, relativismo, etnocentrismo e método etnográfico.

Exercitar o método antropológico tendo por foco o trabalho integrado e os estudantes de EJA


Identificar em autores clássicos, temáticas atuais relacionadas à educação

Identificar elementos que permitam pensar a temática da escolaridade em sua relação com o mundo do trabalho, a partir de recursos antropológicos.



3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

* desenvolver habilidades de interpretação de textos e filmes

- de * desenvolver a capacidade de produzir textos

- dese * desenvolver a capacidade de escuta em geral e escuta etnográfica, especificamente

- * desenvolver a capacidade de sistematização de categorias antropológicas para análise dos processos educa educativos, das sociabilidades e das relações entre famílias e instituições sociais, particularmente da escola




4 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO





  1. Introdução: o olhar antropológico, etnocentrismo, relativismo, cultura,observação participante

  2. O método antropológico( de Malinowski aos dias atuais)

  3. Aquestão indígena

  4. Etnografando o familiar: a EJA como um universo particular : trabalho, gênero e escolaridade






5 METODOLOGIA


LEITURAS

Seminários temáticos

Estudos dirigidos

Aulas expositivo-dialogadas a partir da leitura de textos

Exibição de filmes e debates

Exercício etnográfico: Trabalho integrado em EJA e o método antropológico




6. AVALIAÇÃO 1





ATIVIDADE

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

PESO

Prova(s)

Utilização dos conceitos; escrita clara e objetiva, referências a conteúdos

4

Relatórios parciais

Utilização de conceitos, escrita clara e objetiva, “enfocamento” nos tópicos abordados em aula

2

Trabalaho integrado EJA (final)

Utilização de conceitos, escrita clara e objetiva, “enfocamento” nos tópicos abordados em aula

2

Participação em sala




1

OBSERVAÇÃO 0: Não é permitido utilizar nenhuma fonte da itnernet, a não ser artigos retirados da base de publicações scielo, devidamente citadas ou outros documentos legais, desde que devidamente citados.

A utilização de referências biblitográfica devem respeitar as regras da ABNT e jamais serem cópias de trechos longos sem citação, o que caracateriza como plágio e requer procedimentos administrativos legais.

OBS 1: faltas em dias de provas e/ou apresentações só podem ser repostas por meios administrativos (ver as regras da INSTITUIÇÃO)

OBS 2: poderão ser feitas argüições de provas e /ou trabalhos, caso necessário.

OBS 3: a monitora da discplina estraá disponição para auxilir os alunos nas ativdades de suia alçada, e para informações na orgazniação das atividades. Além disso, será mantida forma de comunicação permanente entre os alunos, seja via correio eletrônico, seja via MURAIS.

OBS 4: Alunos e alunas que chegarem atradados, faltarem ou saírem mais cedo, devem RESPONSABILIZAR-SE por manter-se ao par dos acontecimentos escolares.

OBS 5: se houver problemas de saúde, por parte da professora, ou paralisações que impeçam a realização das atividades, as atividades previstas serão automaticamente transferidas para adta seguinte.

OBS 6: o trabalho integrado obedecerá cronograma especifcio, em acordo com as demais discplinas e será divulgado oportunamente

OBS7: a viagem de campo será marcada oportunamente e envolverá a

a entrega de relatório.


7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA





ALBERT, Bruce. A queda do céu e o outro canibal.In: RAMOS, Alcida e ALBERT, Bruce. Pacificando o branco: cosmologias do contato no Norte Amazonico.SP, Editora da Unesp. 2000,p113-130.
BASTOS, Rafael. Dionísio em Santa Catarina. Ensaios sobre a farra do boi. FCC, Fpolis, 1994.
CAIAFA, Janice.Aventura nas cidades. Ensaios e etnografias.p.89-115..( capitulo 5: Conversações e 6: comuinicação e expressão nas viagens de ônibus).Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 2007.(4).
CÓDIGO DE ÉTICA DA ABA.(mimeo).
FONSECA, Cláudia. A alteridade na sociedade de classes. In:Família, Fofoca e honra.Etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.209-228.
DIEHL, Eliana, MANIZINI, e BECKER..Minha melhor amiga se chama fluoxetina. In: MALUF, Sonia TORNQUIST, C. S (org) . Gênero, saúde e aflições. Florianópolis, Letras Contemporâneas, Fpolis, 2010,p. 331-366
DA MATTA, Roberto. Fé em deus e pé na tábua: ou como e porque o trânsito enlouquece no brasil Rio, Rocco, 2010.
DA MATTA, R. Como ter anthropological blues.Relativizando: ensaios de antropologia social. Petrópolis, Vozes, 1984.

_____Você tem cultura? Intepretando explorações. RJ,. Rocco, 1994.


FONSECA, Cláudia. Quando cada caso não é um caso. Revista da ANPED, 2002.
_____ Caminhos da Adoção. São Paulo, Cortez, 1997.
FOOT-WHITE,William. Treinando a observação participante. In NUNES, Edson(org)Desvendando máscaras sociais. São Paulo, s/d.

GALEANO, Eduardo. Ser como ellos. Montevideo, Católogo.


LARAIA, Roque. Cultura: um conceito antropológico.Rio de Janeiro: Zahar, 2000
LÉVI-STRAUSS, Claude.A eficácia simbólica. In Antropologia estrutural.Rio de Janeiro:Tempo Brasileiro, 1978.
MALINOWSKI, B. O objeto, o método e o objetivo desta investigação. In: MALINOWSKI. São Paulo: Ática,1986 ou (versión castellano) Los argonautas del pacifico occidental. Buenos Aires, 1972, p.19-42.( Introducción: objeto, método y finalidad de esa investigación) .
MAUSS, Marcel. As técnicas corporais e A expressão obrigatória dos sentimentos. Sociologia e Antropologia. São Paulo, Edusp/EPU, 1982.
WITMANN, Luiza T. Entre o Giz e a espada: educação civilizatória indígena em Blumenau.In:

DALLABRIDA, N.[org] Mosaico de Escolas. Fpolis: Cidade Futura, 2003.


ROCHA, Everardo. O que é etnocentrismo. São paulo: Brasiliense, 1987.
SILVA, Aracy Lopes e GRUPIONI,Luis. A temática Indígena na escola. Brasilia, UNESCO/MEC/MARI, 1995.
ROHDEN, Fabiola. O que se vê no cérebro: a pequena diferença entre os sexos ou a grande diferença entre os gêneros. In: CASTILHOS, C., LAGO,Mara . KLEBA, TORNQUIST, C. S. Leituras de resistências. Fpolis, Editora Mulheres, 2009.
PIMENTEL, Spensy, e MONCAU, Joana. O genocídio surreal dos guarani-kaiowá. São Paulo, Revista Caros Amigos, 2010, p.4-7.
VIVEIROS DE CASTRO, E. O Mármore e a murta. Mana: Revista de Antropologia. Rio de Janeiro: Museu Nacional,1999.
RAMOS, Alcida. Belo Monte: crônica de um desastre anunciado. ABA, mimeo, 2011.
VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura. Rio de Janeiro,Paz e Terra, 1997.(Observando o familiar).
VIVEIROS DE CASTRO, E. O Mármore e a Murta. Rio, Mana: Revista de Antropologia.
TORNQUIST, Carmen Susana. Paradoxos da Humanização. Cadernos de saude pública. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2002.
SIROTA, Régine. A escola primaria no cotidiano. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
ZALUAR, Alba. Relativismo Cultural na cidade?In: NUNES, Edson(org)Desvendando máscaras sociais. São Paulo, s/d.
WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhaador. Porto Alegre:.Artes Médicas, 1997.


FILMOGRAFIA
Muita terra para pouco índio(ABA);

Ciranda, Cirandinha.

Narradores de javé.

Terra Vermelha.

Geração Roubada.

Edificio master.

Jogo de cena.

O garoto selvagem.



Brincando nos campos do senhor.


2. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR será distribuida oportunamente - incluindo livros para o trabalho integrado.


9. CRONOGRAMA DAS AULAS ( a ser entregue oportunamente)



1Para fins de arredondamento de média final, poderá ser atribuído até 01 pontos por participação dos alunos/as em aula



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande