Natureza: Auditoria Operacional


International Energy Agency



Baixar 1.99 Mb.
Página3/5
Encontro08.10.2019
Tamanho1.99 Mb.
1   2   3   4   5
International Energy Agency (2002, p. 45), o espaço da infraestrutura viária ocupada por um veículo de passeio, com capacidade para cinco passageiros, equivale a 62% do espaço ocupado por um ônibus urbano, com capacidade para quarenta passageiros. No Brasil, de acordo com a Confederação Nacional dos Transportes (CNT, 2002), os automóveis privados ocupam 60% das vias públicas, apesar de transportarem apenas 20% dos passageiros nos deslocamentos motorizados, enquanto os ônibus, que transportam 70% dos passageiros, ocupam 25% do espaço viário. As Figuras 4, 5 e 6 exemplificam visualmente as proporções entre os espaços ocupados por esses meios de transporte.

Figura 4 – Espaço ocupado por 190 pessoas transportadas por 127 carros, dois ônibus simples ou um ônibus biarticulado.



Fonte: Imagem extraída do site http://google.com.br/imagens.

A figura a seguir ilustra uma campanha realizada pela prefeitura de Münster, na Alemanha, que compara o espaço ocupado por vários modos de transporte e as vantagens de usar transporte público ou bicicleta. A campanha comparou o espaço necessário para transportar 72 pessoas: a) no uso da bicicleta, 72 pessoas são transportadas em 72 bicicletas, ocupando no total 90 metros quadrados; b) no uso do carro, com base na média de ocupação de 1,2 pessoas por carro, 60 carros transportariam 72 pessoas, ocupando 1.000 metros quadrados; c) usando-se o ônibus, 72 pessoas podem ser transportadas em um veículo coletivo, que ocupa 30 metros quadrados (o ônibus, além disso, dispensa a necessidade, nas ruas, de espaço para estacionar).

Figura 5 – Espaço necessário para o transporte do mesmo número de pessoas por carros, ônibus ou bicicletas.



Fonte: Pôster de campanha do órgão de planejamento da cidade de Münster, Alemanha. Figura extraída do site http://oglobo.globo.com/blogs/ecoverde/posts/2011/02/09/carro-bicicleta-ou-onibus-que-ocupa-mais-espaco-361868.asp

Outra comparação interessante é apresentada na Figura 6, que ilustra o caso do espaço de vagas de estacionamento ocupado por bicicletas dobráveis, meio de transporte em moda nos tempos atuais em alguns países desenvolvidos, por sua praticidade no deslocamento urbano.

Figura 6 – Espaço necessário para estacionar 48 bicicletas dobráveis em relação a um carro de passeio.



Fonte: Imagem extraída do site http://goofybiker.blogspot.com.

Segundo a opinião do analisa Ricardo Oliani, coordenador de Mobilização Comunitária do Instituto Akatu, ’O uso de transporte individual é uma questão cultural no Brasil, ligada à demonstração de status. As pessoas se sentem rebaixadas ao usarem transporte público, por isso todos querem ter seu carro.’ Tal situação aponta para a necessidade das políticas públicas trabalharem não apenas a sensibilização e a educação da população para que usem o menos possível o carro, mas também investir na melhoria e atratividade do transporte público e gerar viabilidade para que as pessoas usem alternativas como caminhada e bicicleta. Além de serem alternativas mais saudáveis, elas causam menos danos ao meio ambiente e ajudam na mobilidade urbana.

A frota de veículos no Brasil tem apresentado um crescimento contínuo ao longo dos anos e, com isso, gerado uma elevada demanda por vias de circulação nas cidades. A ampliação das vias incentiva à ida de mais veículos para as ruas, o que gera um ciclo vicioso. Utilizando informações disponíveis no Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), uma reportagem do site Globo.com comparou a evolução da frota de veículos em diversas cidades brasileiras, ocorrida em um intervalo de oito anos (2001 a 2009), e observou alta de 76% na frota total, chegando a mais de 200% em alguns municípios. A Tabela 2 mostra as cidades que tiveram a maior evolução da frota de veículos entre os anos de 2001 e 2009.



Tabela 1 – Cidades brasileiras com maior evolução da frota de veículos entre 2001 e 2009.

Cidade

Frota 2001

Frota 2009

Evolução da Frota

Aparecida de Goiânia (GO)

37.375

129.760

247%

Palmas (TO)

27.219

92.290

239%

Macapá (AP)

29.122

75.743

160%

Ananindeua (PA)

22.110

54.776

148%

Belford Roxo (RJ)

19.313

47.277

145%

Porto Velho (RO)

50.192

121.085

141%

Serra (ES)

44.537

102.246

130%

Boa Vista (RR)

40.207

91.867

128%

Feira de Santana (BA)

60.050

133.966

123%

Betim (MG)

45.621

99.099

117%

Rio Branco (AC)

39.796

85.389

115%

Teresina (PI)

109.811

227.516

107%

Manaus (AM)

185.647

383.933

107%

São Luís (MA)

99.759

201.702

102%



1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal