Monitoria de Neuroanatomia Funcional no Curso de Fonoaudiologia da ufpb



Baixar 30.97 Kb.
Encontro30.06.2019
Tamanho30.97 Kb.

Monitoria de Neuroanatomia Funcional no Curso de Fonoaudiologia da UFPB

Mayrton Flávio Venâncio dos Santos, Monitor Voluntário;

Ana Lúcia Basílio Carneiro, Orientadora;

Eliane Marques Duarte de Sousa, Coordenadora.

Centro de Ciências da Saúde – CCS; Departamento de Morfologia, Programa de Monitoria
Introdução

A disciplina de Neuroanatomia Funcional integra a estrutura curricular do curso de graduação em Fonoaudiologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com carga horária de 60 horas/aula, quatro créditos semanais. É desenvolvida no segundo semestre do curso, pois no primeiro semestre os alunos cursam Anatomia Aplicada a Fonoaudiologia I e no segundo, Anatomia Aplicada a Fonoaudiologia II e Neuroanatomia.

Para o exercício da profissão de Fonoaudiólogo é necessário um profundo conhecimento do Sistema Nervoso (SN) e dos Órgãos dos Sentidos. Além disso, há uma forte interligação da Neuroanatomia com as disciplinas de Anatomia, Fisiologia, Biologia do Desenvolvimento, Linguagem, Audiologia, Voz e Disfagia.

As atividades práticas da disciplina são realizadas no laboratório de Anatomia Humana com a turma dividida em grupos de no máximo dez alunos. O material cadavérico para a realização das aulas práticas é de difícil obtenção e conservação. Além disso, a maioria não é de boa qualidade e a quantidade é insuficiente para o nº de alunos. Dessa forma, para melhorar o ensino da anatomia, o uso de outros recursos de aprendizagem, como modelos anatômicos, vídeos e softwares, e o auxílio do monitor são indispensáveis.


A disciplina de Neuroanatomia Funcional

A ementa da disciplina Neuroanatomia Funcional descreve os seguintes tópicosessenciais:

Anatomia macroscópica, microscópica, funcional e aplicada do sistema nervoso central e periférico, órgãos dos sentidos e aspectos funcionais relacionados à audição, equilíbrio, deglutição, fala, fonação e linguagem.
A carga horária de 60 horas é dividida em 30 horas teóricas e 30 horas de atividades práticas. Portanto, na disciplina de Neuroanatomia Funcionala teoria e a prática são elementos complementares. Neste sentido, as aulas práticas e suas respectivas avaliações são essenciais.

A atividade prática é única, insubstituível e indispensável no processo de ensino-aprendizagem e deve ser avaliada (GARCIA-HERNÁNDEZ, 2003). Entretanto, o grande número de alunos, a escassez de peças anatômicas e a carga horária prática não permitem ao professor sanar todas as dúvidas e explorar os meios e condições disponíveis, para alcançar os objetivos da disciplina. Nesse sentido, o monitor é um recurso humano indispensável no processo de ensino-aprendizagem, pois a monitoria facilita o aprendizado da disciplina através de linguagem e experiência entre pares (BELÉM, 2008).

A cada período letivo são matriculados aproximadamente 41 alunos na disciplina. Nos períodos 2011.2, 2012.1 e 2012.2 e 2013.1 a média de aprovação foi de 80,36% (Tabela 2).
Tabela1. Alunos matriculados na disciplina de Neuroanatomia Funcional nos semestres 2011.2, 2012.1 e 2, com respectivos números e percentuais de aprovação.


ANO

SEMESTRE

Nº DE

MATRICULADOS

Nº DE

APROVADOS

% DE

APROVAÇÃO

2011.2

44

27

61,36

2012.1

44

39

88,63

2012.2

38

33

86,84

2013.1

37

32

97,36

TOTAL

163

131

80,36

FONTE: (UFPB, 2013).

Monitoria

A função de aluno monitor no Brasil foi regulamentada pela Lei Federal n.º 5.540, de 28 de novembro de 1968, que fixou normas de funcionamento do ensino superior e instituiu em seu Artigo 41:

As universidades deverão criar as funções de monitor para alunos do curso de graduação que se submeterem a provas específicas, nas quais demonstrem capacidade de desempenho em atividades técnico-didáticas de determinada disciplina.

A referida lei acrescenta que as funções de monitor deverão ser consideradas título para posterior ingresso em carreira de magistério superior (BRASIL, 1968).

Na UFPB o Programa de Monitoria é regulamentado pela Resolução 02/96/CONSEPE, na qual consta como objetivos da monitoria: despertar no aluno o interesse pela carreira docente;promover a cooperação acadêmica entre discentes e docentes;minorar problemas crônicos de repetência, evasão e falta de motivaçãocomuns em muitas disciplinas econtribuir para a melhoria da qualidade do ensino.Mais adiante, a Resolução 02/96,diz claramente que a admissão de monitores será prioritária para as disciplinas que envolvam atividades de ensino prático.

Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) o projeto pedagógico do Curso de Graduação em Fonoaudiologia deverá contemplar atividades complementares como, por exemplo, as monitorias e estágios (CNE, 2002). Portanto, no Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Fonoaudiologia, Modalidade Bacharelado, do Centro de Ciências da Saúde, Campus I, UFPB foi contemplada as atividades de monitoria no seu Art. 5º ao tratar das modalidades de componentes curriculares (UFPB, 2009).



O monitor exerce funções que incluem o auxílio aos estudantes nas soluções de dúvidas, na sistematização do conteúdo para o estudo, nas sugestões de bibliografia complementar ao estudo proposto, na elaboração de questões para a reflexão, bem como ajuda ao professor na organização material das aulas teóricas e práticas (PUHL e ARAÚJO, 2011).

A atuação do monitor é importante no atendimento direto ao aluno, através da assistência durante as aulas práticas, nas revisões das mesmas, nos plantões de dúvidas, e auxiliando também os Docentes na preparação de aulas práticas, na confecção de material didático e na aplicação das avaliações práticas. A oferta de atividades de reforço ao aluno tem a finalidade de superar problemas como a repetência, evasão e falta de motivação, além de estimular estes monitores à participação em projetos de pesquisa, no âmbito da Disciplina, e ainda de estímulo à carreira Docente.

A monitoria permite que o estudante, assuma diante da comunidade acadêmica uma postura profissional, uma vez que para ser monitor são necessários dois elementos imprescindíveis, afinidade pela disciplina e interação com professor orientador. As relações interpessoais entre professor, monitor e aluno se fortalecem com a monitoria, uma vez que professor e aluno têm mais momentos de estudo e discussão, favorecendo uma maior aproximação nas relações.

Material e Métodos

A Monitoria da disciplina de Neuroanatomia foi desenvolvida com carga horária de 12 horas semanais, divididas principalmente em estudos dirigidos e visitas didáticas ao laboratório de Anatomia Humana para auxiliara professora no processo de ensino-aprendizagem.O método empregado é similar ao descrito em outros trabalhos (CHUPROSKI e ORELLANA, 2009; PUHL e ARAÚJO, 2011).

As atividades práticas monitoradas foram realizadas no laboratório de Anatomia Humana e permitiram aos acadêmicos manusear peças e modelos anatômicos com auxílio de Atlas e Livros didáticos(CROSSMANN e NEARY, 1997; MENEZES, 2006; MACHADO, 2007).

Durante o semestre letivo 2013.1 foram realizadas diversas atividades importantes para a formação acadêmica dos discentes do 2º período do curso de Fonoaudiologia. Para isso, foi realizado durante todo semestre de monitoria estudos dirigidos e preenchimento de fichas de aprendizagem do Sobotta(POSEL, 1999), os quais permitem revisar o conteúdo, com o objetivo de aprofundar os conhecimentos da disciplina.

As atividades de ensino juntamente com as atividades práticas foram bastante significativas, pois permitiram a elucidação das informações adquiridas nas aulas teóricas. Portanto, a monitoria proporciona uma forma de por em prática o aprendizado, bem como auxiliar de forma significativa o professor no decorrer das atividades e na construção do conhecimento dos estudantes.
Conclusão

O exercício da monitoria na disciplina de Neuroanatomia foi uma experiência acadêmica que proporcionou acompreensãominuciosa dos conceitos empregados no estudo do SN, assim como reedificoue solidificou o conhecimento adquirido na disciplina e na monitoria. No desempenho dessa atividadeénecessária uma contínua revisão dos conteúdos. Portanto, a monitoria possibilita rever os conteúdos anteriormente aprendidos e relacionar-se com outros estudantes.

A atividade prática é importante para o desenvolvimento de habilidades técnicas com o manuseio e elaboração de recursos didáticos. Além disso, é uma oportunidadepara obter um contato mais próximo com a docênciae especialmente autenticar o perfil para carreira docente e para a pesquisa.

Outro aspecto a ressaltar, é que os alunos sentem-se à vontade para fazer questionamentos ao monitor, que serve de intermediário entre o professor e os estudantes, pois o monitor também é estudante e passa pelas mesmas dificuldades dos seus monitorados, portanto, há um ganho de conhecimento e enriquecimento acadêmico para todos os atores envolvidos na atividade, o professor, o monitor e os monitorados.

Para finalizar, pode-se afirmar que é degrande valia e experiência da monitoria, a qual corroborou de forma significativa para o aprimoramento e desempenho acadêmico do monitore dos graduandos.

Referências


BELÉM, M. P. O. Contribuição do Ensino da Anatomia à Formação do Médico. UFRJ. Salvador. 2008.

BRASIL. Lei Nº 5.540, Brasília, 28 Novembro 1968. Disponivel em: . Acesso em: Agosto 2013.

CHUPROSKI, A. P.; ORELLANA, B. Monitoria de Anatomia Humana no Curso de Fonoaudiologia. Anais da SIEPE – Semana de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão. [S.l.]: [s.n.]. 2009. p. 2.

CNE. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduacao em Fonoaudiologia. Brasilia: [s.n.]. 2002.

CROSSMANN, A. R.; NEARY, D. Neuroanatomia: ilustrado e colorido. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.

GARCIA-HERNÁNDEZ, F. Evaluación del Aprendizaje Práctico de la Anatomía Humana para Odontología en la Universidad de Antofagasta, Chile. International Journal of Morphology, 21, n. 1, 2003. 43-47.

HAAG, G. S. et al. Contribuicoes da Monitoria no Processo Ensino-aprendizagem em Enfermagem. REBEn, 61, n. 2, 2008. 215-220.

MACHADO, A. B. M. Neuroanatomia Funcional. 2. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2007.

MENEZES, M. S. Neuroanatomia Aplicada. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

POSEL, P. Sobotta. Fichas de Aprendizagem de Anatomia Humana 3. PCSN e Vias de Condução. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v. 3, 1999. 126 p.

PUHL, F. W.; ARAÚJO, M. C. P. Contribuições das Atividades de Monitoria no Componente Curricular de Anatomia Humana para a Formação Docente, 18 Setembro 2011.

SOLÉ, I. Disponibilidade para a Aprendizagem e Sentido da Aprendizagem. In: COLL, C. O Construtivismo na Sala de Aula. São Paulo: Ática, 1999. Cap. 2, p. 29-55.

UFPB. Resolução Nº 02/1996. Regulamenta o Programa de Monitoria para os cursos de graduação da UFPB. UFPB. João Pessoa. 1996.

UFPB. Resolução n° 37/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Fonoaudiologia. João Pessoa. 2009.



UFPB. Resolução n° 37/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Fonoaudiologia. João Pessoa: [s.n.]. 2009.

UFPB. Notas da Turma 01-1610195 Neuroanatomia Funcional. UFPB. João Pessoa. 2013.
: enex -> XVENID -> Monitoria%202013 -> CCS
CCS -> Vivências da Monitoria de Odontologia em Saúde Coletiva: a importância na realização de Levantamentos Epidemiológicos
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico virtual do sistema tegumentar
CCS -> Experiências da monitoria de radiologia odontológica I
CCS -> O papel fisiológico do intestino grosso na absorçÃo de água, eletrólitos e outras substâncias
CCS -> DiferenciaçÃo histológica entre a ossificaçÃo endocondral e intramembranosa: preparaçÃo de material didático para a monitoria
CCS -> Tecidos epiteliais de revestimento
CCS -> ElaboraçÃo de atlas histológico digital do sistema muscular como instrumento facilitador do processo ensino-aprendizagem
CCS -> ProduçÃo de um pôster exploratório do tecido epitelial glandular colaborando para o processo ensino-aprendizagem




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal