Modelo de instruçÕes de uso aparelho Insuflador de co2 aesculap



Baixar 1.66 Mb.
Página3/6
Encontro18.09.2019
Tamanho1.66 Mb.
1   2   3   4   5   6



FLOW25




FLOW20


FLOW40




2. Indicação
Este aparelho utiliza CO2 para distender o abdômen com objetivo de diagnóstico e/ou laparoscopia operatória.

As indicações específicas de uso por modelo, seguem a seguir.


Flow20 – PG120: Este insuflador limita a pressão ao máximo de 25 mm Hg e o índice de fluxo de gás a um máximo de 20 L/min.
Flow25PG060: Este insuflador limita a pressão ao máximo de 30 mm Hg e o índice de fluxo de gás a um máximo de 25 L/min.

Opções de conexão:


Flow40 – PG080: Este insuflador limita a pressão ao máximo de 30 mm Hg e o índice de fluxo de gás a um máximo de 40 L/min.

Opções de conexão:


3. Contra-indicações
O uso deste aparelho para distensão intra-abdominal é contra-indicado sempre que a laparoscopia é contra-indicada. Para verificar as contra-indicações absolutas e relativas, ver o manual de usuário de seu laparoscopia.

O aparelho é contra-indicado para insuflação histeroscópica, ou seja, não pode ser usado para distensão intra-uterina.


AVISOS
Acidose metabólica e irregularidade cardíaca

Você deve evitar administrar irregularidade cardíaca prolongada a pressões abdominais acima de 20 mm Hg. Isto pode causar:



  • Diminuição na respiração com excursão diafragmática.

  • Diminuição do retorno venoso.

  • Diminuição do bombeamento cardíaco.

  • Acidose.


Reações idiossincrásicas

Pacientes que tem a doença da célula falciforme ou insuficiência pulmonar podem apresentar maior risco de desequilíbrio metabólico relacionado à absorção excessiva de CO2.


Absorção de CO2

A absorção excessiva de CO2 resulta da taxa excessiva de fluxo e/ou pressão excessiva. Você pode distender o abdômen adequadamente com uma variação de pressão de 10-15 mm Hg. Raramente é necessário utilizar uma pressão abdominal maior de 15 mm Hg. Uma mínima intravasação deve ocorrer nestes níveis. Pressões acima de 15 mm Hg, virtualmente, nunca são necessárias e aumentarão a quantidade e rapidez da intravasação. Respiração adequada ajuda a evitar problemas relacionados a CO2.


Taxa de fluxo de gás

Você somente deve tomar procedimentos operacionais utilizando insufladores com capacidade de pelo menos 4-10l/min. Para procedimentos de diagnóstico você deve usar aparelhos com taxas de fluxo máximas menores.



Alto fluxo de gás

Se, por nenhuma razão aparente, houver um alto fluxo de gás durante a operação, verificar imediatamente se há vazamentos no sistema. Trabalhar com um sistema com vazamento resultará em medições inexatas da pressão real e pode criar um extremo risco para o paciente.


Tenha um cilindro cheio de CO2 disponível

Sempre ter um cilindro de CO2 cheio, para reposição. Isto impedirá que a operação seja interrompida por um suprimento de gás inadequado para a insuflação.


Contaminação

Nunca usar o insuflador se houver qualquer indicação de que o tubo de insuflação, o filtro ou o aparelho estejam contaminados. Garantir que o aparelho não seja usado. Notificar imediatamente seu técnico de serviço autorizado para que o aparelho seja verificado e reparado.


Sistema de escape automático

O sistema de escape automático tem uma taxa limitada de escape. Sempre que você usar fontes de insuflação adicionais, você deve constantemente monitorar a pressão intra-abdominal.



Filtro

Você deve trabalhar com um filtro hidrofóbico de duas vias com 0.2 μm (taxa de retenção de 99,99%) entre o paciente e o aparelho. Isto deve impedir que fluidos corporais entrem no aparelho e também impedir que impurezas possam entrar no corpo do paciente. Deve ser considerada uma capacidade de fluxo reduzida quando se usa um filtro hidrofóbico.


Absorção de gás CO2

A absorção de gás CO2 pelo paciente é afetada pelo aquecimento de gás e o paciente deve ser monitorado cuidadosamente quando o gás é usado.


Conexão do tubo

A saída do tubo somente pode ser conectada a instrumentos destinados à insuflação intra-abdominal de CO2.


Posição de Trendelemburg

Quando o paciente estiver colocado num ângulo (ou seja, posição de Trendelemburg), o deslocamento de tecidos internos pode bloquear o canal de insuflação. Sempre insuflar pelo lado em elevação do paciente.


CUIDADOS
Filtro contaminado

Trocar um filtro contaminado imediatamente durante a operação, para garantir o fluxo desimpedido do gás.



Fluxo contrário

Se a pressão real for maior do que a pressão desejada ou se o sistema automático de escape for ativado, isso pode resultar num fluxo contrário de secreção corporal e gás contaminado no aparelho se nenhum filtro for usado.


Desconectar o tubo de insuflação

Sempre desconectar o tubo de insuflação após o término da operação e antes de desligar o aparelho para evitar o fluxo contrário de fluidos corporais.

Algum fluido pode entrar no tubo de insuflação sempre que você mudar o cilindro de gás e/ou quando você interromper o fluxo de gás durante a operação. Se isto acontecer, você deve imediatamente desconectar o tubo de insuflação.
Posicionando o paciente

Sempre posicionar o paciente num nível mais baixo (20cm/8 polegadas) do que o do aparelho para evitar fluidos corporais vazem para dentro do aparelho. Se você reposicionar o paciente durante a operação, a pressão intra-abdominal pode aumentar, fazendo que fluidos entrem no tubo de insuflação. Se isto ocorrer, desconectar imediatamente o tubo de insuflação no trocar.


Monitoramento eletrônico do aparelho

Quando o tubo de insuflação está conectado, não é necessário fechar a válvula no trocar durante a operação. O sistema de controle eletrônico manterá pressão intra-abdominal necessária.


Monitoramento da temperatura corporal

Se você esta trabalhando em condições de operação desfavoráveis (alta taxa de vazamento, alto fluxo de gás, alto volume de insuflação, longo tempo de operação) ou sem aquecimento de gás, certificar-se de que o paciente não sofra hipotermia descontrolada, uma vez que a insuflação tira calor do corpo. Você deve monitorar a temperatura corporal em tais condições de operação.


Sintomas de fatiga

Quando há um alto nível de consumo de CO2, você deve certificar-se de suprir a área de operacionalização com ar fresco o suficiente, uma vez que um nível crescente de CO2 no ar pode fazer com que a equipe médica sofra sintomas de fatiga, incapacidade de concentração, inconsciência ou mesmo morte.


CO2 Medicamente Limpo

Certificar-se de que somente CO2 medicamente limpo será usado. Outros gases (por exemplo, Hélio, N2O, Argônio), mistura de gases, gases comprimidos em alta pressão, gases com líquidos presos ou contaminantes sólidos não devem ser usados com este aparelho.


Teste de funcionamento

O teste de funcionamento deve ser (ver capítulo Teste de Funcionamento) deve ser realizado antes de cada operação.


Defeitos no aparelho

Se houver suspeita ou confirmação de um defeito no aparelho, interromper o uso do aparelho até que ele tenha sido verificado pela equipe de serviço autorizado.


Endoscópio

O aparelho somente pode ser conectado a endoscópios que obedeçam á IEC 601-2-18 e ISSO 8600: 1988.



4. Características Técnicas
4.1 Elementos de Controle e de Indicação
FLOW 20
PAINEL FRONTAL

A – Indicador de pressão do cilindro de CO2

B – Indicador eletrônico do fluxo de gás (indicador luminoso em caso de fluxo de gás)

C – Indicador de fluxo de gás atual (unidade: litros/minuto)

D – Indicador da quantidade de gás consumido desde o último RESET (reinício) (unidade: litros)

E – Tecla RESET

F – Indicador (unidade: mmHg)

a) Pressão pré-determinada, se “SET” (G) está aceso

b) Pressão atual na cavidade corporal, se “SET” (G) não está acesso

G – Indicador “SET” (G) para a diferenciação entre o indicador de valores pré-selecionados

H – Indicador de advertência / símbolo do paciente (luz rocha em caso de perigo)

I – Tecla de insuflação START / STOP

Simultaneamente, tecla de seleção do modo de insuflação “LPM”

K – Tecla de seleção do modo de insuflação “OPM”

L – Tecla para definição da pressão

M – Conexão com o paciente (conforme ISSO 5356-1: 1987)

N – Interruptor

PAINEL POSTERIOR




T – Conexão de alta pressão tipo US (UNF 7/16” 20G)

U – Dispositivo de fixação (linha M4) para o suporte do frasco

V – Placa de cacaracterísticas

W – Saída para outros componentes do SYSTEM(1)

Potência máxima de conexão 300 VA

X – Conexão à fonte de alimentação

Y – Fusível do aparelho (fusível fino segundo IEC 127)



Z – Conexão para compressão de potência (DIN 42801)



1   2   3   4   5   6


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal