Ministério da Educação e do Desporto



Baixar 1.09 Mb.
Página1/29
Encontro07.05.2018
Tamanho1.09 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   29



Ministério da Educação e do Desporto


Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Ensino Superior do Seridó

Departamento de Ciência Sociais e Humanas

Área de Conhecimento Turismo


PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO

BACHARELADO EM TURISMO




Currais Novos


Rio Grande do Norte

Abril de 2006

Ministério da Educação e do Desporto


Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Projeto Político Pedagógico do Curso de Bacharelado em Turismo


Reitoria


Prof. José Ivonildo do Rego (Reitor)

Prof. Nilsen Carvalho Fernandes de Oliveira Filho (Vice)



Pró-Reitoria de Graduação


Prof. Antônio Cabral Neto (Pró-Reitor)

Profª. Mirza Medeiros dos Santos (Pró-Reitora Adjunta)



Coordenação Didatático-Pedagógica da Pró-Reitoria de Graduação


Profª. Maria Lúcia Santos Ferreira da Silva

Nostradamus de Medeiros Lins

Profª. Maria Carmozi de Souza Gomes

Diretoria do CERES


Prof. Clóvis de Almeida

Prof. Douglas Araújo



Chefia do Departamento de Ciências Sociais e Humanas


Profª. Maria das Graças Soares Rodrigues

Profª Soraneide Soares Dantas Freire Villa Flor


DADOS GERAIS DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MANTENEDORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CNPJ: 24.365.710/0001-83

ENDEREÇO: Av. Senador Salgado Filho, 3000

COMPLEMENTO: Campus Universitário – Lagoa Nova

MUNICÍPIO: Natal

UF: RN


CEP: 59078-970

TELEFAX: (84) 3215-3995

e-mail: gabinete@reitoria.ufrn.br

SITE INSTITUCIONAL: www.ufrn.br



UNIDADE ACADÊMICA


CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

ENDEREÇO: Sítio Totoró de Baixo

MUNICÍPIO: Currais Novos

UFRN

CEP: 59380-000



TELEFAX: (84) 3405-2836

e-mail: ceresdcsh@yahoo.com.br

SITE INSTITUCIONAL: www.ceres.ufrn.br

SUMÁRIO


1.

INTRODUÇÃO

05




1.1. Apresentação

05




1.2. A UFRN no Seridó

06

2.

JUSTIFICATIVA

07

3.

PERFIL DO EGRESSO

08

4.

OBJETIVOS

09




4.1. Objetivo Geral

09




4.2. Objetivos Específicos

09

5

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

10

6.

TÓPICOS DE ESTUDOS E CONTEÚDOS

12

7.

COMPONENTES CURRICULARES

13




7.1. Disciplinas

7.1.1. Disciplinas obrigatórias

7.1.2. Disciplinas complementares


13

13

14




7.2. Atividades acadêmico-científicos culturais

7.3. Estágio Supervisionado

7.4. Trabalho de Conclusão de Curso


14

14

14

8.

ESTRUTURA CURRICULAR

15




8.1. Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Turismo

15




8.2. Distribuição da carga horária e duração do curso

17

9.

CADASTRO DAS DISCIPLINAS

18

10.

INTEGRAÇÃO DA GRADUAÇÃO COM A PESQUISA E A EXTENSÃO


69

11.

METODOLOGIA

70

12.

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

71




12.1. Do projeto político-pedagógico

71




12.2. Política de acompanhamento do egresso

72

13.

SUPORTE PARA FUNCIONAMENTO DO CURSO

72




13.1. Corpo docente

72




13.2. Infra-estrutura

72



        1. INTRODUÇÃO




    1. Apresentação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte ao longo de sua história vem-se notabilizando pela competência na formação de recursos humanos, mão-de-obra indispensável para atender às demandas da sociedade. Atualmente, a UFRN oferece 55 (cinqüenta e cinco) cursos de graduação presenciais, dos quais, vinte e um são licenciaturas, sendo que cinco delas funcionam no Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES), das quais, quatro são no Campus de Caicó e uma no Campus de Currais Novos. Os demais cursos presenciais constituem 34 (trinta e quatro) bacharelados. Desses, apenas 03 (três) são oferecidos no âmbito do CERES, sendo 02 (dois) em Caicó e 01 (um) em Currais Novos. A UFRN, visando a ampliar o acesso à universidade, implantou o Ensino a Distância, que materializa uma linha de ação dos Programas Estruturantes do Plano de Gestão (2003-2007). Nesta perspectiva, o CERES, no Campus de Currais Novos, sedia um dos pólos dessa modalidade, ofertando as licenciaturas em Matemática, Química e Física.

Com o intuito de viabilizar o desenvolvimento regional, o Departamento de Ciências Sociais e Humanas/CERES propõe a criação do Curso de Turismo, proporcionando, assim, alternativas rentáveis para geração de emprego e renda, com ênfase nas áreas: (1) culturais; (2) históricas; (3) ambientais (naturais e ecológicas); (4) antropológicas; (5) de inventário do Patrimônio Histórico e Cultural, bem como, (6) agenciamento, organização, gerenciamento de eventos e administração do fluxo turístico. Nesta direção, a presente proposta se alinha ao Plano de Gestão (2003-2007), o qual prevê entre as grandes políticas institucionais: (a) política de qualidade acadêmica, subsidiando-se no desenvolvimento, na expansão e na qualificação das atividades fins da universidade e a (b) política de inserção social voltada para ampliação das formas de acesso à universidade. Ademais, estimulará o incremento da economia regional e contribuirá para o desenvolvimento sustentável.

Em suma, essa proposta se circunscreve na tendência mundial de expansão turística com bases assentadas na sustentabilidade, na compreensão da complexidade do mundo globalizado e das sociedades pós-industriais, onde o turismo encontra ambientes propícios para se desenvolver. Neste sentido, o Seridó se configura como um pólo turístico do Rio Grande do Norte, observado e

reconhecido a partir da execução do Plano de Turismo Sustentável – Roteiro Seridó – desenvolvido pelo SEBRAE/RN e pela Secretaria de Turismo do Estado, exigindo, portanto, profissionais qualificados para atuarem na área e, sobretudo, desenvolverem um trabalho pedagógico de conscientização da relevância para o conhecimento das histórias locais.


    1. A UFRN no Seridó

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), criada pela Lei Estadual nº 2.307, de 25 de junho de 1958, tornou-se uma instituição federal de ensino superior pela Lei nº 3.849, de 18 de dezembro de 1960. Na década de 1970 iniciou-se, através, do sistema multicampi, a sua expansão para o interior do Estado, a exemplo do que ocorria com as demais instituições públicas de ensino superior. Em 1973, o Núcleo Avançado de Caicó constituiu a primeira experiência dessa natureza, e, em 1977 o ensino superior chegou a Currais Novos.

Nesse mesmo ano, foi criado o Centro de Ensino Superior do Seridó constituído pelos Campi de Caicó e Currais Novos. Os dois Campi não chegaram a se constituir verdadeiramente em um Centro, caminhando isoladamente, do ponto de vista acadêmico-administrativo.

Em 1993 foi desencadeado um conjunto de discussões e encaminhamentos que resultou nas Diretrizes para uma Política de Interiorização. Em decorrência, e visando fortalecer a presença da UFRN no Seridó, foi recuperada a iniciativa de 1977, sendo criado novamente o Centro de Ensino Superior do Seridó.

Como unidade cêntrica, o CERES passou a ser organizado em três departamentos. Em Caicó: Departamento de Ciências Exatas e Aplicadas, contando com 30 docentes, e o Departamento de Estudos Sociais e Educacionais, com 31 docentes. Em Currais Novos: Departamento de Ciências Sociais e Humanas, com 26 docentes.

A sua oferta de graduação foi estruturada, permanecendo em Caicó os Cursos de Ciências Contábeis, Geografia, História, Matemática, Pedagogia e Direito (em funcionamento desde 1998) e em Currais Novos, os cursos de Administração e Letras.

O CERES, atualmente, é formado por 04 (quatro) Departamento Acadêmicos, 08 (oito) cursos de graduação, além do Curso de Pedagogia em convênio com Prefeituras. Oferece, ainda, cursos de especialização (lato sensu), contemplando diversas áreas do saber.

Para dar suporte ao ensino e à pesquisa, o Campus de Currais Novos dispõe de 1 (uma) Biblioteca Setorial; 3 (três) Bases de Pesquisa; Laboratório de Informática para o Ensino de Graduação; Laboratório de Línguas; Laboratório de Estudos Gramaticais (LEGEL) e Laboratório de Orientação à Produção Textual (LOPT).

Quanto à extensão universitária, o Campus de Currais Novos vem desenvolvendo atividades diversas direcionadas para o atendimento das necessidades sócio-culturais do Seridó.


  1. JUSTIFICATIVA

No contexto estadual, o Seridó é uma região de destaque no cenário econômico e desponta como alternativa viável para o turismo, haja vista a existência de elementos capazes de defini-lo como uma região potencialmente turística. No entanto, esse espaço tão significativamente empreendedor, de uma natureza pioneira em desenvolvimento do turismo regional, carece da formação do profissional para esse fim.

E neste espaço privilegiado, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na cidade de Currais Novos como agente de formação superior, precisa assumir essa responsabilidade na edificação desse cenário com a criação do Curso de Turismo que qualificará profissionais turismólogos, contribuindo, significativamente, para o desenvolvimento sócio-econômico e cultural da região, conforme atesta levantamento realizado em municípios que integram o Seridó, evidenciando-se a carência desses profissionais para o exercício da função de secretário, gerente ou coordenador de Turismo.

Sendo assim, o Curso de Turismo, configura uma ação empreendedora, contando com professores qualificados e com uma articulação já consolidada com as instituições representativas do cenário político (Prefeituras Municipais de Currais Novos, Cerro Corá, Florânia, Lagoa Nova e Acari); comercial (Câmara dos Diretores Lojistas/CDL) e setores da sociedade organizada (Sidy´s Tv a Cabo, rádios Currais Novos e Ouro Branco, Jornal do Seridó, TV Com – canal 2), no contexto em que se insere, de acordo com reunião realizada no DCSH, em 17 de abril de 2006.

Ademais, entre as bases de pesquisa existentes no CERES, quatro estão estreitamente relacionadas com as áreas de conhecimento do Curso em questão, são elas: (1) Empreededorismo, Estratégias de Gestão e Qualificação Profissional; (2) Trabalho, Qualidade de Vida e Qualificação Profissional; (3) Cultura e Educação no Seridó norte-rio-grandense e (4) Semi-árido: natureza, história e sociedade.

03. PERFIL DO EGRESSO
O Curso de Turismo buscará formar cidadãos profissionais para atuarem nos vários segmentos que compõem a atividade turística, qualificando-os para desempenharem as diversas funções pertinentes à sua área de atuação, visando a formação de planejadores e gestores das atividades e empreendimentos relacionados ao turismo que, a partir da realização de pesquisas técnicas e científicas, poderão desenvolver ações de planejamento, fomento e promoção de atividades turísticas, nos setores público e privado, nos âmbitos local e global, através da identificação e exploração racional das condições naturais, sócio-culturais e econômicas capazes de gerar desenvolvimento turístico sustentável nos núcleos turísticos, inovando, mantendo-se competitivos e empreendedores e respeitando os preceitos éticos da sua profissão.

A concepção do perfil proposto para o profissional de turismo fundamenta-se na necessidade de possuir sólida formação técnica e teórica, humanista e cultural, conforme as Propostas de Diretrizes Curriculares Nacionais do Cursos de Graduação em Turismo do Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação (MEC) e nas demandas nacionais, regionais e locais, que expressam as necessidades sócio-culturais, políticas, ambientais e econômicas para a área de turismo do nosso estado e do nosso país.


4. OBJETIVOS
4.1. Objetivo Geral

O Curso de Turismo tem como objetivo geral formar bacharéis aptos a atuarem em um mercado altamente competitivo e em constante transformação, cujas opções possuem um impacto profundo na vida social, econômica e no meio ambiente das sociedades onde são desenvolvidas;


4.2. Objetivos Específicos

Quanto aos objetivos específicos, o curso visa: 



  • preparar profissionais para atuarem no planejamento, gestão e pesquisa da área do turismo, tendo como foco o turismo como fenômeno econômico e social, contribuindo para o desenvolvimento sustentável;

  • coordenar, analisar e elaborar planos para o desenvolvimento do turismo, levando em conta as influências de fatores econômicos, sócio-culturais, históricos e ambientais;

  • estimular a pesquisa do patrimônio natural e cultural (histórico, arquitetônico, arqueológico), para atender às necessidades locais;

  • oportunizar a participação dos acadêmicos em atividades de pesquisa e extensão.

5. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
Esta proposta curricular norteada pelas diretrizes curriculares nacionais dos cursos de Turismo, espera que os sujeitos desenvolvam as competências e habilidades para:

  1. estar apto a desenvolver ações, tanto em nível individual quanto coletivo;

  2. assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema turístico, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas do fenômeno turístico e da sociedade e de procurar soluções para os mesmos;

  3. realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética;

  4. desenvolver ações fundamentadas na capacidade de tomar decisões, visando o uso apropriado dos recursos naturais e culturais disponíveis e a eficácia das suas ações;

  5. ser acessível e manter a confidencialidade das informações a ele confiada, na interação com outros profissionais e a sociedade em geral;

  6. dominar a comunicação verbal, não-verbal, habilidades de escrita e leitura e de tecnologias de comunicação e informação;

  7. estar apto, no trabalho em equipe multiprofissional, a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade, envolvendo compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;

  8. estar apto a tomar iniciativas e a atuar com criatividade e inovação;

  9. ser capazes de aprender continuamente, tanto na educação formal quanto na sua prática, devendo aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e a das futuras gerações de profissionais;

  10. ser empreendedor;

  11. ter responsabilidade social no exercício de suas atividades profissionais;

  12. compreender as políticas nacionais e regionais sobre turismo;

  13. adotar metodologia adequada para o planejamento das ações turísticas, abrangendo projetos, planos e programas, com os eventos locais, regionais, nacionais e internacionais;

  14. contribuir na elaboração dos planos municipais e estaduais de turismo;

  15. dominar técnicas indispensáveis ao planejamento e à operacionalização do Inventário Turístico, detectando áreas de novos negócios e de novos campos turísticos e de permutas culturais;

  16. dominar técnicas de planejamento e operacionalização de estudos de viabilidade econômico- financeira para os empreendimentos e projetos turísticos;

  17. fazer aplicação adequada da legislação pertinente;

  18. planejar e executar projetos e programas estratégicos relacionados com empreendimentos turísticos e seu gerenciamento;

  19. intervir de forma positiva no mercado turístico com sua inserção em espaços novos, emergentes ou inventariados;

  20. classificar, a partir de critérios prévios e adequados, estabelecimentos prestadores de serviços turísticos, incluindo meios de hospedagens, transportadoras, agências de turismo, empresas promotoras de eventos e outras áreas, postas com segurança à disposição do mercado turístico e de sua expansão;

  21. dominar técnicas relacionadas com a seleção e avaliação de informações geográficas, históricas, artísticas, esportivas, recreativas e de entretenimento, folclóricas, artesanais, gastronômicas, religiosas, políticas e outros traços culturais, como diversas formas de manifestação da comunidade humana;

  22. dominar métodos e técnicas indispensáveis ao estudo dos diferentes mercados turísticos, identificando os prioritários, inclusive para efeito de oferta adequada a cada perfil do turista;

  23. ter uma comunicação interpessoal e intercultural, expressando-se de forma correta e precisa sobre aspectos técnicos específicos. Interpretar a realidade das organizações e dos traços culturais de cada comunidade ou segmento social;

  24. utilizar recursos turísticos como forma de educar, orientar, assessorar, planejar e administrar a satisfação das necessidades dos turistas e das empresas, instituições públicas ou privadas, e dos demais segmentos populacionais;

  25. dominar diferentes idiomas que ensejem a satisfação do turista em sua intervenção nos traços culturais de uma comunidade ainda não conhecida;

  26. integrar as ações de equipes interdisciplinares e multidisciplinares, interagindo criativamente face aos diferentes contextos organizacionais e sociais;

  27. compreender a complexidade do mundo globalizado e das sociedades pós-industriais, onde os setores de turismo e entretenimento encontram ambientes propícios para se desenvolverem;

  28. ter vivência e conhecimento das relações humanas, de relações públicas, das articulações interpessoais, com posturas estratégicas do êxito de qualquer evento turístico;

  29. ter conhecimentos específicos e adequado desempenho técnico-profissional, com humanismo, simplicidade, segurança, empatia e ética.



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   29


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal