Metafísica da saúde vol



Baixar 440.25 Kb.
Página9/9
Encontro02.07.2019
Tamanho440.25 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

PERISTALTISMO

Acatar os fatos e não se abalar com eles.


Peristaltismo é a realização dos movimentos peristálticos os tubos digestivos, proporcionando o deslocamento do bolo alimentar pelo interior do trato digestivo, possibilitando a atividade gastrintestinal.

Metafisicamente os conteúdos alimentares ingeridos na alimentação relacionam-se aos fatos com que deparamos na vida.3 A maneira como os encaramos e lidamos com eles interfere diretamente no processo digestivo, em especial nos movimentos peristálticos.

A atitude da pessoa diante das situações à sua volta rege as funções peristálticas. Aqueles que encaram de frente os acontecimentos, buscando uma maneira de,aproveita.r a experiência da vida ou resolver as pendências, tornam-se bem-sucedidos no meio em que vivem. Esses não se contentaram com o pouco que tinham e foram em busca de melhores condições. Desse modo, manter uma atitude firme e ser uma pessoa atuante na realidade é imprescindível para conquistar o bem-estar emocional e a harmonia no ambiente.

Quem se recusa a aceitar sua própria realidade não consegue transformá-la e, ainda, poderá comprometer o funcionamento gastrintestinal.

É importante não se deixar abater pelos imprevistos ou por algumas contrariedades. Precisamos ser maduros o suficiente para encarar os mais diversos desafios e obstáculos. As soluções estão nessa atitude de enfrentar e não naquela que desvia nosso foco de atenção, fugindo para outras situações e perdendo a chance de diluir a problemática com atuações precisas na realidade em que vivemos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O corpo é uma máquina extraordinária, regida pelas sentimentais. Ele representa uma espécie de veículo da manifestação das qualidades inerentes ao ser. Avaliar suas condições físicas representa uma porta para desvendar a faculdades interiores. O principal objetivo deste estudo é desvendar os potenciais da ser através do próprio organismo.

Por exemplo, ao longa do capítulo sobre sistema muscular foram consideradas a capacidade realizadora e a condição de atuar na realidade em que vivemos, conquistando aquilo que almejamos e alcançando uma vida melhor.

Nossa força de atuação é manifestada no cotidiano por meio da mobilização dos recursos internos, para executar algo no meio externo.

Às vezes deparamos com algo que nos encanta - um produto de consumo ou um bem que nos fascina - mas não dispomos de condições de adquiri-lo naquele momento. Para conquistar esse intento é necessário sentir que aquilo é tão nosso, que em seu devido tempo estará em nosso poder. Antes de conquistar, é precisa acreditar que somos merecedores e suficientemente capazes de alcançar aquilo que objetivamos. Feita isso, é só atuar na realidade, executando as tarefas, pois é por meio do trabalho que advêm as conquistas materiais.

Encarar as afazeres como possibilidades de melhorar condições de vida e de realização pessoal fará com que sejamos mais criativas. Passamos a ter idéias que proporcionarão mais condições de trabalha, ampliando os horizontes de atuação profissional. Isso possibilitará adquirir aquilo que um dia nos seduziu, vinda a se tornar parte de nossa realidade material.

Com empenha e dedicação, tornamos nossos sonhos uma realidade. Tudo é possível de ser alcançado por aquele que se dedica, fazendo o melhor que pode.

O progresso material também reflete a grandiosidade da alma, manifestando na sociedade os atributos de um ser espiritual, cama a criatividade para inovar, a motivação para executar as tarefas e um sentimento próspero, que gera pensamentos promissores e também atrai oportunidades. Ao nos empenharmos bem na trabalha que executamos, usufruí, mas da melhor que a vida tem a nas oferecer. Por isso, não fique presa aos resultados de sua atuação; permaneça atenta às atividades presentes, que é disso que iremos extrair os resultados promissores.

Para manter uma boa qualidade de vida, não devemos, porém, ser escravas das conquistas, tampouco dependentes dos bons resultados, pais isso comprometeria a paz interior e quebraria a harmonia com o meio exterior.

Nunca houve tantos recursos tecnológicos que facilitas, sem a vida do homem, proporcionando conforto e comodidade. Mesma assim, a queixa de muitas é que não se canse, que viver satisfatoriamente, tenda boa qualidade de vida.

Essa necessidade parece até incoerente em se tratando dos tempos modernas, quando existe uma infinidade de produtos e entretenimentos desenvolvidos especialmente para essa finalidade. No entanto, eles não proporcionam aquilo que somente nós podemos desenvolver, que é uma boa condição interna.

Nada que venha do meio externo é suficiente para determinar aquilo que sentimos. Um estado interior bom é cultivado por pensamentos agradáveis e crenças favoráveis ao bem viver, jamais crendo que a vida é repleta de sofrimento. É precisa proceder no meio mantendo o respeito próprio e a harmonia com as pessoas que nas cercam.

Somente quando estivermos bem interiormente iremos apreciar as boas coisas que a vida nos proporciona. A instabilidade interior reflete negativamente na manifestação dos nossos conteúdos no ambiente. A atuação fica deficitária, comprometendo o desenrolar dos fatos. Isso também nos impede de conquistar as boas condições de vida.


BIBLIOGRAFIA
ANDERSON, W.A.D. Sinopse de Patologia. 8ª. ed., Rio de Janeiro, Cultura Médica, 1976.
BAKER, Douglas. Anatomia Esotérica. São Paulo, Mercuryo, 1993.
BERKOW, Robert. Manual Merck de Medicina. 15ª. ed., São Paulo, Roca, 1987.
DETHLEFSEN, Thorwald. A doença como Caminho. 12ª. ed., São Paulo, Pensamento, 1997.
FADIMAN, James. Teorias da Personalidade. São Paulo, Harbra, 1979.
GARDNER, Ernest. Anatomia. 2ª. ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1967.
GOTH, Andres. Farmacologia Médica. 6ª. ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1975.
HAY, Louise L. Você Pode Curar Sua Vida. 2ª. ed., São Paulo, Best Seller.
KOLB, Lawrence C. Psiquiatria clínica. 9ª. ed., Rio de Janeiro, Interamericana, 1977.
KRECH, David. Elementos de Psicologia. VoI. I, 6ª. ed., São Paulo, Pioneira, 1980.
LOSSOW, Francone. Anatomia e Fisiologia Humana. 4ª. ed., Rio de Janeiro) lnteramericana, 1980.
MORGAN, Clifford T:. Psicologia Fisiológica. São Paulo, EPU, 1973.
PERLS, Frederick S. Gestalt, Terapia Explicada. 2ª., ed., Paulo, Summus, 1977.
ROBBINS, Stanley L. Patologia. 2ª. ed., Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 1969.
SMITH, Henry C. Desenvolvimento da Personalidade. São Paulo, McGraw, 1977.
TORTORA, Gerard J. Corpo Humano: Fundamentos Anatomia e Fisiologia. 4ª. ed., Porto Alegre, Editora, 2000.

1 Para compreender melhor as condições internas relacionadas a uma eventual variação nas taxas desses hormônios, consulte os órgãos correspondentes, que se encontram descritos neste ou em outro volume da série Metafísica da Saúde.


2 Os músculos cardíacos não serão abordados neste capítulo porque se referem às atividades do coração, que se encontram devidamente expressas no volume 2 desta série (capítulo do Sistema Circulatório).


3 Esse tema foi tratado no volume I desta série (capítulo Sistema Digestivo).




1   2   3   4   5   6   7   8   9


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal